Colunas

O traço e a marca de Luiza Bairros: um arquivo para o Dia Internacional da Mulher Negra

26/07/2016 // 1 Comment

"Neste 25 de julho de 2016, pleno de atividades Brasil afora, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e de Tereza de Benguela, precisamos percorrer a trajetória do traço de Luiza para, a partir dele, continuarmos a escrita da palavra que não se completa, numa perspectiva diaspórica, internacionalizada, da qual ela foi uma importante voz." (Rosane Borges) [...]

Brexit à brasileira: quando a barbárie se instala

12/07/2016 // 4 Comments

Por Rosane Borges / "O Brasil mergulha numa crise que se apoia em fundamentos semelhantes aos que deram força à saída britânica da UE. Mais do que reflexos do referendo em nosso cotidiano, talvez possamos pensar num “Brexit à brasileira”. Brincadeiras à parte, a expressão carrega algo aplicável às terras tupiniquins: BR (de Brasil) conjugado com uma legislação que dá adeus às conquistas de mulheres, negros, indígenas, gays, lésbicas e trans." [...]

A. Lifschitz, editor e crítico

11/07/2016 // 0 Comments

Por José Paulo Netto / "Já vinha de 1930 a amizade que vinculou Lifshitz a Lukács, quando este passou meses em Moscou e teve conhecimento de textos do “jovem” Marx, ainda inéditos, no Instituto Marx-Engels-Lenin. Foi então que iniciaram a colaboração intelectual que os uniu ao longo dos anos 1930: ambos sustentavam a tese, à época original, de que a partir dos materiais marxianos seria possível construir uma estética especificamente marxista. Em vários passos de seus textos autobiográficos, Lukács – que dedicou a Lifschitz um de seus livros fundamentais, 'O jovem Hegel', concluído em 1938, mas só publicado dez anos depois – refere-se à sua relação com ele." [...]

O Escola Sem Partido e as lições marxistas da CNI

11/07/2016 // 0 Comments

Por Jorge Luiz Souto Maior / "O Presidente da CNI demonstra que conhece bem outra categoria básica do marxismo, que é o materialismo histórico dialético, afinal veio com essa proposta no momento preciso em que percebeu haver as condições materiais propícias, dadas as correlações de forças nos planos político e econômico, para conseguir impor uma perda à classe trabalhadora, travestida de colaboração, demonstrando, aliás, que domina também outro conceito importante, que é o da ideologia, consistente na utilização de argumentos falseados para fazer parecer que dizem respeito a todas as classes os interesses que pertencem apenas à classe dominante. Dentro desse contexto, o Presidente da CNI pode ser visto, inclusive, como um revolucionário, afinal, como dizia Marx, a exacerbação das formas de exploração do trabalho pode constituir – não que deva assim ser projetado – elemento da profusão da consciência de classe, servindo de alimento à atitude revolucionária. Assim, se pudesse ser levada a sério a tal Lei da Escola Sem Partido, a fala do Presidente da CNI não poderia ser produzida em sala de aula, vez que poderia ser considerada mais “perigosa” que a do próprio Marx, afinal trata especificamente da realidade nacional contemporânea, bem mais fácil de ser assimilada, portanto." [...]
1 2 3 113
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 6.698 outros seguidores