Jorge Luiz Souto Maior

Voto: um direito fundamental também do trabalhador e da trabalhadora

05/10/2018 // 1 comentário

Por Jorge Luiz Souto Maior / "Não se trata de qualquer tipo de integração dos trabalhadores à empresa, mas do ato de tirar proveito da fragilidade dos empregados para que estes reproduzam os interesses que são próprios do patrão, ainda mais quando se lembra da precariedade jurídica em que os trabalhadores se encontram nessa relação, sobretudo diante do advento da denominada “reforma” trabalhista, que foi, aliás, aprovada com o enorme apoio desses mesmos empregadores." [...]

Você realmente se preocupa com os caminhoneiros?

28/05/2018 // 3 comentários

Por Jorge Luiz Souto Maior / "A mobilização dos caminhoneiros, formalmente, tem tudo para ser considerada uma greve e a adesão social que se tem dado ao movimento representa, no mínimo, a oportunidade para que se supere, de uma vez, a aversão generalizada que as greves de trabalhadores enfrentam no Brasil." [...]

Dia 9/11: cereja do bolo ou gota d’água?

01/11/2016 // 1 comentário

Por Jorge Luiz Souto Maior / "No próximo dia 09 de novembro, o STF, que tem se mostrado extremamente ágil para julgar questões trabalhistas no ano 2016, vai colocar em pauta a questão da ampliação ilimitada da terceirização...." [...]

PEC 241: uma questão de poder

17/10/2016 // 9 comentários

Por Jorge Luiz Souto Maior / "Com o patrocínio da PEC 214, a posição adotada pelo presente governo, que revela, inclusive, as motivações que sustentaram o golpe, é a de entregar o poder estatal para conglomerados econômicos, que, inclusive, não são sequer nacionais e que, por consequência não possuem nenhum comprometimento com o desenvolvimento nacional. A PEC 241, retomando os tempos coloniais, pretende abrir ainda mais os espaços de poder em território nacional, para que possam ser ocupados por quem tiver maiores condições econômicas de fazê-lo. Então, se passar a PEC 241: bye bye, Brasil!" [...]

O negócio é falar mal da CLT

29/08/2016 // 6 comentários

Por Jorge Luiz Souto Maior / "No ano de 2006, em pronunciamento no ato de inauguração da nova sede do Tribunal Superior do Trabalho (TST), o Ministro Orlando Teixeira da Costa deixou às claras como no Brasil o descumprimento deliberado da legislação trabalhista havia se tornado “um bom negócio” para o empregador, o qual chega ao ponto de vislumbrar a estrutura da Justiça do Trabalho como um apêndice de seu departamento de recursos humanos." [...]

Uma Olimpíada na minha vida

08/08/2016 // 2 comentários

Por Jorge Luiz Souto Maior / "Queria falar apenas desse sentimento romântico que as Olimpíadas proporcionam. Mas quando o evento se colocou mais próximo, o imaginário cedeu lugar à realidade concreta, pois um dos maiores efeitos dos megaeventos é o de nos mostrar, de forma mais evidenciada, a realidade que nos cerca lentamente. E, no real, o evento está carregado de situações que exigem a contenção dos nossos delírios." [...]

O Escola Sem Partido e as lições marxistas da CNI

11/07/2016 // 1 comentário

Por Jorge Luiz Souto Maior / "O Presidente da CNI demonstra que conhece bem outra categoria básica do marxismo, que é o materialismo histórico dialético, afinal veio com essa proposta no momento preciso em que percebeu haver as condições materiais propícias, dadas as correlações de forças nos planos político e econômico, para conseguir impor uma perda à classe trabalhadora, travestida de colaboração, demonstrando, aliás, que domina também outro conceito importante, que é o da ideologia, consistente na utilização de argumentos falseados para fazer parecer que dizem respeito a todas as classes os interesses que pertencem apenas à classe dominante. Dentro desse contexto, o Presidente da CNI pode ser visto, inclusive, como um revolucionário, afinal, como dizia Marx, a exacerbação das formas de exploração do trabalho pode constituir – não que deva assim ser projetado – elemento da profusão da consciência de classe, servindo de alimento à atitude revolucionária. Assim, se pudesse ser levada a sério a tal Lei da Escola Sem Partido, a fala do Presidente da CNI não poderia ser produzida em sala de aula, vez que poderia ser considerada mais “perigosa” que a do próprio Marx, afinal trata especificamente da realidade nacional contemporânea, bem mais fácil de ser assimilada, portanto." [...]

Atentado à democracia na Folha

30/06/2016 // 10 comentários

Por Jorge Luiz Souto Maior / "O jornal Folha de S. Paulo dedicou dois de seus editoriais, publicados em menos de um mês, para criticar a greve na USP. A insistência no tema é, no entanto, reveladora do quanto a ausência de conhecimento faz mal, principalmente para quem se arvora na tarefa de informar e de formar opinião. Com seus editorais a Folha apenas provou que o desprezo pela educação de qualidade gera grave dano às pessoas, às instituições e à sociedade." [...]