Giovanni Alves

O novo coronavírus e a catástrofe do capitalismo global

20/05/2020 // 4 comentários

Giovanni Alves / "O descaso de governos e políticos pela ameaça real da pandemia do novo coronavírus – anunciada há décadas – revela o desprezo histórico do Estado político do capital pelo trabalho vivo irremediavelmente desvalorizado na medida em que aumenta de forma exacerbada a composição orgânica do capital" [...]

Brasil: a catástrofe (parte 2)

01/02/2020 // 1 comentário

Giovanni Alves / "Em que medida ainda é possível compatibilizar desenvolvimento civilizatório e capitalismo dependente de extração colonial-escravista? Diante das mudanças estruturais do capitalismo brasileiro nas últimas décadas, quais as perspectivas para a reconstrução da civilização brasileira num cenário histórico de crise longa e persistente do capitalismo global no século XXI?" [...]

Brasil: a catástrofe (parte 1)

18/06/2019 // 5 comentários

Giovanni Alves / "Em última instância, o excesso de poder constitui um dos próprios fundamentos do movimento da catástrofe brasileira encenada pelo governo Temer e herdada hoje pelo patético (e sinistro) governo Bolsonaro." [...]

Revolução Russa: obstinação e contingência histórica

04/09/2017 // 3 comentários

Por Giovanni Alves / "Enquanto a I Revolução Industrial criou as circunstancias históricas para a eclosão do movimento cartista e das revoluções europeias de 1848, a II Revolução Industrial aprofundou nos 'elos mais fracos' do sistema imperialista, como a Rússia tsarista, contradições sociais que, sob o impacto da I Guerra Mundial, levaram efetivamente à insurgência das massas operárias e das classes subalternas. É importante, no entanto, não desprezar o papel das personalidades ou 'contingências" de caráter na história." [...]

Reforma trabalhista, modernização catastrófica e a miséria da República brasileira

27/03/2017 // 8 comentários

Por Giovanni Alves / "O aprofundamento da fragmentação do mundo do trabalho levado a cabo pela terceirização e reforma trabalhista apontam para uma Quinta República – caso tenhamos eleições democráticas em 2018 – com “pés de barros”, devido os conflitos sociais que devem abalar a institucionalidade caduca do capital. Incapaz de constituir-se como sujeito histórico devido suas misérias corporativo-burocráticas ou sectário-politica, o proletariado brasileiro torna-se refém hegemonicamente da burguesia brasileira lumpenizada, rentista e alienada dos interesses civilizatórios." [...]

A PEC 241, a contrarreforma neoliberal e a Tragédia de Prometeu

19/10/2016 // 6 comentários

Por Giovanni Alves / "É importante entendermos a PEC 241 num contexto mais amplo do processo histórico. Ela se situa no bojo da reação neoliberal no Brasil, sendo ela a espinha dorsal da Agenda Infernal da coalização de direita que tomou de assalto o Palácio do Planalto. Ela sacramenta na Constituição Federal, a espoliação do fundo público pelo capital financeiro. Ao lado da Reforma da Previdência, que deve ocorrer logo a seguir; e da Reforma Trabalhista, levado a cabo pelo STF, algoz da CLT ao legislar a favor da terceirização e do negociado sobre o legislado, a PEC do Teto dos Gastos Públicos é o eixo principal da contrarreforma do capitalismo brasileiro. Enfim, mais uma vez, a classe dominante demonstrou ter verdadeira consciência de classe. " [...]

O grande assalto ao Fundo Público no Brasil

16/08/2016 // 4 comentários

Giovanni Alves / "Diante do aprofundamento das contradições orgânicas do novo patamar de colonização brasileira no século XXI, irracionalidade social e luta de classes, deve-se colocar hoje, mais do que nunca, como necessidade histórica, o surgimento de uma nova capacidade de resposta das esquerdas brasileiras, para além do lulismo castrado (e não necessariamente do PT); e para além do esquerdismo fanfarrão de extração marxista-leninista incapaz de construir uma agenda democrático-popular hegemônica como antessala da resistência civilizatória. Como diria o velho Marx, Hic Rhodus, Hic Salta!" [...]