Mauro Iasi

Lula “livre”: três cenários e uma suspeita

11/11/2019 // 3 comentários

Por Mauro Iasi / "Lula saiu da cadeia, e isso é bom. Mas sua saída é um efeito colateral de um plano dos mesmos que o colocaram lá. Estes sem dúvida zelarão para que seus direitos políticos sigam cassados e que, se necessário, ele volte para o cárcere quando as condições jurídicas forem satisfeitas, uma vez que as condenações nas primeiras instâncias ainda estão valendo." [...]

Lavando as mãos no oceano

28/10/2019 // 1 comentário

Mauro Iasi fechou o episódio mais recente do Café Bolchevique da TV Boitempo recitando um poema de sua autoria. Atendendo a pedidos do público, publicamos a versão por escrito aqui no Blog da Boitempo. [...]

Tudo demorando em ser tão ruim

27/09/2019 // 4 comentários

Por Mauro Iasi / "Ouvi dizer que anda triste. É compreensível, os tempos andam bicudos. A única coisa que gostaria de dizer é: não fiquem sozinhos. Atravessar a tristeza é difícil. Sozinho é impossível." [...]

Olavo, a pós-modernidade e o Pequeno Príncipe

13/06/2019 // 1 comentário

Por Mauro Iasi / "Extremamente sedutora na forma, a pós-modernidade é filha do irracionalismo e mãe da barbárie. Como toda genitora, fica incomodada diante da cria que não sai exatamente como desejada. Esperava um mundo livre das metanarrativas, expressão do poder sobre os corpos e da liberdade, mas se vê diante da produção industrial da mentira, do poder em seu estado puro. Em suma, não da intuição genial liberta das amarras das normas acadêmicas, mas da burrice em sua forma exuberante. Deviam ter ouvido as palavras proféticas de Adorno e Horkheimer, alertando que a terra totalmente esclarecida resplandeceria como uma calamidade triunfal." [...]

1964: a infâmia, a cicatriz e o bufão

29/03/2019 // 2 comentários

Por Mauro Iasi / "Entre as muitas coisas que o presidente-miliciano não sabe está quanto seu ato de reconhecimento colocou os militares em uma situação altamente constrangedora, incômoda e na contramão de toda a estratégia tão eficaz construída para ocultar o golpe nas brumas do esquecimento. Na tentativa de se manter no poder, ele pode ter assinado seu passaporte para fora do governo em breve." [...]