Mauro Iasi

Um país fraturado

10/09/2018 // 7 comentários

Por Mauro Iasi / "Somos um país fraturado. Um país fraturado é mais que um país dividido, é um país no qual a divisão tornou-se algo explosivo. Não é um mero trauma, é uma fratura exposta. Os bálsamos e unguentos tradicionais não vão curar o osso partido, a pele rompida, os tendões e músculos destroçados." [...]

Orquestra Mundana Refugi: a canção do futuro no presente

15/08/2018 // 1 comentário

Por Mauro Iasi / "As escrituras esqueceram de dizer que, na mítica Babel, ao mesmo tempo em que as diferentes línguas e dialetos introduziram a discórdia, os pedreiros na hora do descanso reuniam-se com seus instrumentos e ali os idiomas não podiam nos dividir, pelo simples fato que falávamos diretamente através dos sentimentos e emoções." [...]

Despedida de um guerreiro de coração vermelho

04/07/2018 // 1 comentário

Por Mauro Iasi / "Wagner foi, e sempre será, meu mestre. Perdi um irmão... perdi um amigo. Uma dor do seu tamanho toma conta da minha vida. Quando seu corpo reencontrava a terra, uma chuva fina caia sobre o Cemitério da Vila Euclides. Quando as lágrimas rolavam descontroladas vi no meio daquele povo a Juracy, mulher negra com seus cabelos brancos, dizendo com seu tom de voz inconfundível (uma das melhores oradoras que já vi falar): “quando chove no enterro de um guerreiro... é para germinar”." [...]

Nós sabemos fazer um país

26/04/2018 // 12 comentários

Por Mauro Iasi / "Nós sabemos como transformar esta catástrofe em um país, mas para isso precisamos derrotar aqueles que ganham muito transformando este país em uma catástrofe." [...]

Marielle, uma voz

15/03/2018 // 10 comentários

Por Mauro Iasi / "A voz tem um nome, Marielle. E Marielle foi morta outra vez. Mas esta morte tem um nome, porque carregava muitas vozes, porque nunca estava sozinha nunca será esquecida, porque através dela é que lembramos dos esquecidos. Seu nome é Marielle, seu nome é mulher, seu nome é negra, seu nome é justiça, seu nome é luta, seu nome é socialista, seu nome é Marielle." [...]

E agora? É hora de chutar o tabuleiro!

26/01/2018 // 26 comentários

Por Mauro Iasi / "Marx disse certa vez que não se deve brincar com a insurreição se não quiser levá-la até as últimas consequências. Ao que parece o lulopetismo espera que as massas garantam que Lula não seja preso e dispute as eleições, mas que depois saiam de cena para que tudo volte aos trilhos da normalidade para que se possa remendar o pacto social esgarçado pelo golpe. De certa maneira a rebelião das massas se converte em um instrumento de chantagem ou ameaça para que os segmentos burgueses caiam em si e aceitem renegociar os termos do pacto." [...]