Carlos Eduardo Martins

Nove teses sobre a crise política brasileira

29/05/2017 // 15 comentários

Por Carlos Eduardo Martins / "O aprofundamento da crise política brasileira tem deixado cientistas sociais e observadores internacionais perplexos ao atuar na contramão da propalada versão institucionalista e liberal que predominou durante a Nova República, segundo a qual a democracia brasileira estaria consolidada." [...]

Eleições municipais: O que o Rio de Janeiro tem a dizer às esquerdas?

03/11/2016 // 3 comentários

Por Carlos Eduardo Martins / "Por Carlos Eduardo Martins. A derrota das esquerdas nas eleições municipais de 2016 no Rio de Janeiro, ainda que se tenha dado numa conjuntura de forte ofensiva eleitoral da direita no país, representa mais um episódio de revés numa trajetória recorrente de derrotas que se estende desde 1992. Como analisar a derrota de 2016 e as suas especificidades, no contexto desta longa duração de insucessos?" [...]

Um roteiro para entender o golpe em curso no Brasil

21/04/2016 // 11 comentários

O cientista político Carlos Eduardo Martins concedeu uma entrevista aNina Jurna, correspondente internacional do RTL Notícias , Het Parool e NRC Handelsblad na América do Sul, no dia 14 de abril de 2016. A matéria que foi ao ar no dia 18 de abril, intitulada "Brazilië zet president op zijspoor", contou com apenas alguns dos destaques das respostas de Carlos Eduardo Martins. Por isso, o Blog da Boitempo publica, abaixo, o texto integral da entrevista enviado pelo autor. Estruturada por perguntas básicas, que dialogam com o senso comum, a entrevista fornece um breve roteiro para mapear o que está acontecendo no Brasil hoje. Boa leitura! [...]

Fim da Nova República?

16/03/2016 // 12 comentários

Carlos Eduardo Martins / "A ofensiva contra o governo Dilma e a principal liderança petista, Luiz Inácio Lula da Silva, parece encerrar um ciclo iniciado no Brasil a partir da abertura em 1979, que condicionou o processo político no país a avanços democráticos, lentos, graduais e seguros para as classes dominantes, responsáveis pelo Golpe de 1964 e por seu modelo econômico." [...]