Rosane Borges

A televisão e a cena do mundo contemporâneo

05/10/2016 // 2 Comments

Por Rosane Borges / "É com o empenho de demonstrar o que é a TV e o que ela representa que o livro de Raymond Williams possui validade atemporal, conservando intacta sua força para explicar como um dispositivo tecnológico conseguiu cotidianizar os relatos, “desprovincianizar” o mundo e se instalar, irrevogavelmente, em vários lugares, os mais recônditos, e absorver e homogeneizar as expectativas dispersas." [...]

As ideias imprescindíveis de Angela Davis

21/09/2016 // 2 Comments

Por Rosane Borges / "Um clássico, para o pensador Norberto Bobbio, é um intérprete único de seu tempo, com tamanha reserva de atualidade que cada época e cada geração têm a necessidade de relê-lo e, ao relê-lo, de reinterpretá-lo." [...]

O traço e a marca de Luiza Bairros: um arquivo para o Dia Internacional da Mulher Negra

26/07/2016 // 1 Comment

"Neste 25 de julho de 2016, pleno de atividades Brasil afora, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e de Tereza de Benguela, precisamos percorrer a trajetória do traço de Luiza para, a partir dele, continuarmos a escrita da palavra que não se completa, numa perspectiva diaspórica, internacionalizada, da qual ela foi uma importante voz." (Rosane Borges) [...]

Brexit à brasileira: quando a barbárie se instala

12/07/2016 // 5 Comments

Por Rosane Borges / "O Brasil mergulha numa crise que se apoia em fundamentos semelhantes aos que deram força à saída britânica da UE. Mais do que reflexos do referendo em nosso cotidiano, talvez possamos pensar num “Brexit à brasileira”. Brincadeiras à parte, a expressão carrega algo aplicável às terras tupiniquins: BR (de Brasil) conjugado com uma legislação que dá adeus às conquistas de mulheres, negros, indígenas, gays, lésbicas e trans." [...]

Feminismos negros e a renovação política do “Dia Internacional das Mulheres”

08/03/2016 // 2 Comments

Rosane Borges / "É preciso situarmos a trajetória dos feminismos negros no Brasil e no mundo, delineada por mulheres de várias matizes e procedências que atravessam, ao mesmo tempo em que compõem, a paisagem a ser olhada. Trata-se de um exercício que consiste em assinalar as antecedências e os fundamentos que dão sentido à luta contemporânea, dotando o 8 de Março de um caráter essencialmente político." [...]