Flávio Aguiar

O Brasil e os sete pecados capitais

11/01/2018 // 5 comentários

Por Flávio Aguiar / "Se há uma disposição de ânimo que vem movendo esta inclinação conservadora que hoje impera mundo afora, é a do ressentimento. Este encontra o seu correlato na hipocrisia que domina o estilo dos políticos que tentam se afinar com ele. Mas além desta dupla quase musical, Ressentimento & Hipocrisia, há outros sentimentos movendo os moinhos de hoje. E são ligados, descobri, aos antigos Sete Pecados Capitais da tradição cristã." [...]

O Dia D

07/09/2017 // 3 comentários

Por Flávio Aguiar / "Quando criança eu adorava soldadinhos de chumbo. Os que eu tinha eram herança de meu avô e de meu pai. Resistiram ao tempo, resistiriam a mim." [...]

As minhas revoluções soviéticas

17/08/2017 // 1 comentário

Por Flávio Aguiar / "A evocação mais pungente e pessoal dos tempos soviéticos se deu em conversa com um velho professor de História e militante comunista. Perguntado se ele tinha saudade do regime comunista, ele disse que não (isto em 1996, cinco anos depois da queda do Muro). Disse que o regime virara algo policialesco, mais ocupado em controlar seus cidadãos do que em combater 'o outro lado'. Mas acrescentou: 'eu tenho saudades dos sonhos que tive, e hoje não tenho mais'. Esta crônica é dedicada, como homenagem, a este velho militante, o Comunista Desconhecido, cujo nome não sei, e a seus sonhos. Que eles possam renascer das cinzas em que hoje estamos mergulhados." [...]

Lembrança de Marco Aurélio Garcia

21/07/2017 // 3 comentários

Por Flávio Aguiar / "Esta é a lembrança mais constante que tenho dele: sorridente e feliz, engraçado e irônico, profundo e grave nos momentos necessários, mas sempre pronto para um pique veloz na direção da alegria e do bom humor." [...]

Os grandes detetives têm intuições, convicção e… provas!

05/07/2017 // 5 comentários

Por Flávio Aguiar / "O mais famoso dos primeiros detetives da Scotland Yard – Jack Whicher –, lembra, de longe, os tenazes procuradores e juízes de Curitiba, Brasília e arredores, empenhados em desdobrar em acusações as suas convicções arraigadas em sua personalidade. Além disto, Whicher, reconhecidamente, inspirou a criação de uma plêiade de detetives ingleses, incluindo o famoso Sherlock Holmes. É. Mas há diferenças gritantes. A mais importante delas é a de que uma vez estabelecida a sua convicção, o trabalho do detetive se concentrava na obtenção de provas materiais que a corroborassem. Sem isto, o caso desabava. " [...]

As paixões de Antonio Candido

22/06/2017 // 2 comentários

O artigo que se segue foi preparado pelo professor e escritor Flávio Wolf de Aguiar a partir do texto-base da homenagem feita por ele a Antonio Candido de Mello e Souza na abertura do III Salão do Livro Político no dia 5 de junho de 2017. Recebida pela sua filha, Marina de Mello e Souza, a homenagem foi sucedida por uma conferência da presidente eleita Dilma Rousseff. Confira o vídeo completo da abertura ao final deste post. [...]

Antonio Candido, intérprete do Brasil

12/05/2017 // 5 comentários

Em homenagem a Antonio Candido de Mello e Souza, crítico literário, engajado militante socialista e figura pioneira da nossa dita "tradição crítica", que nos deixou hoje, dia 12 de maio de 2017, o Blog da Boitempo disponibiliza, na íntegra, o capítulo dedicado a ele, e assinado por Flávio Aguiar, no livro "Intérpretes do Brasil: clássicos, rebeldes e renegados", organizado por Luiz Bernardo Pericás e Lincoln Secco. [...]

O primeiro e-book a gente nunca esquece

04/05/2017 // 4 comentários

Por Flávio Aguiar / "Acaba de sair na praça virtual meu primeiro e-book: trata-se de um romance policial, O legado de Capitu. Sinto-me assim como se tivesse atravessado o Rubicão, tanto pelo novo formato (para mim) da edição, quanto por ter passado a fronteira de um novo (também para mim) gênero." [...]