A direita nos protestos

13.06.25_Urariano Mota_A direita nos protestosPor Urariano Mota. 

Na última sexta-feira,  o trânsito no centro do  Recife parou. Os jovens nas ruas em manifestações de protesto viraram o maior carnaval fora de época em Pernambuco. A parada geral recebeu a providencial força de uma greve de motoristas de ônibus em toda a região metropolitana. Natural e coerente, pois o  protesto era contra o aumento das passagens, não? Não. É contra tudo. E, justiça seja feita, o mundo todo, tudo da terra aos céus precisa de mudanças, do campo à cidade, das mulheres aos homens, das crianças aos jovens, do povo ao povo. Tudo precisa de mudanças reais, radicais e na maior urgência. Mas pelas trombetas de toda a imprensa, tudo tem que ser agora, a hora é esta. “Vem para a rua” terminou por virar um grito de oprimidos sob o patrocínio do capital. 

Isso longe está de ser um fenômeno do acaso, uma aparição marginal à lógica do tempo.  Se só víssemos a realidade com os olhos de hoje, seria inexplicável notar que toda a mídia esteja unida na divulgação e no apoio aos jovens nas ruas. No rádio, jornais, revistas e televisão, os caras são a juventude revoltada. Projeta-se até mesmo uma telenovela com os novos heróis, numa assimilação rápida do instante presente, numa criação inédita, pois nenhuma arte fez isso até hoje – a criação sem a passagem do passado. O sistema é esperto e multiforme. Há até quem diga que a depredação de bancas de revista e lojas seria um ótimo negócio para os bancos: os pequenos empresários, falidos, procurarão empréstimos a qualquer taxa de juros.

O protesto virou um happening. É a maior festa do Face. Um evento de sucesso. Mas a “juventude indignada” é mais que um movimento nascido no Facebook. Além de ser o que dele falam alguns sociólogos, quando o veem como resultado das condições sociais e econômicas do Brasil, os protestos nas ruas parecem ser, de imediato, um acúmulo da doutrinação da mídia que, à semelhança de música do hit parade, martelou denúncias diárias e frequentes do mensalão, na fúria contra os governos Lula e Dilma. Ele, o espantalho Lula/Dilma, com as suas bolsas família, perdão, bolsas esmola e Prounis, ameaçou diminuir o poder secular da elite brasileira. Mas como pode um protesto de jovens ser conservador, pois tudo que é jovem é novo e belo, pois não? Como poderia um protesto contra o mundo  se voltar contra governos à esquerda?

Pois sim. Em São Paulo, militantes de partidos políticos foram expulsos do ato na Praça da Sé. Mais, em maioria, os jovens nas ruas negam a existência de partidos políticos, quero dizer, negam o direito à existência dessas legítimas expressões da democracia. Em seu lugar, nas ruas levantam bandeiras e lemas velhos, desde a Itália e Alemanha dos anos 30: falam em “nação”, em “pátria”, quando mais próprio deveriam falar no fascínio do fascismo sobre as suas cabecinhas. O movimento, aqui e ali, tem se transformado em algo sujo e excludente, que todos conhecemos como a direita. Em página do Facebook, as múmias da ditadura aproveitam e criam um Golpe Militar 2014, com quase 5.000 pessoas. É essa a primavera brasileira?

Alegam, os velhinhos à moda paizão, que isso é a minoria, que tais ocorrências não refletem o caráter dessa coisa nova, linda e inexplicável de um movimento de massa independente. Então, como assimilar jovens universitários com bandeiras do gênero “Foda-se o Brasil”? Seria isso a revolta justa de alguém excluído dos benefícios dos últimos governos? Um programa de construção para a identidade nacional? Ou será algo mais próximo de velhíssimos fascistas que sobrevivem em peles de pouca idade, malhadas, dos grupos neonazistas ou alienados em geral que se referem a nordestinos como os mendigos do Bolsa Família? Mas isso é um fenômeno marginal, fala-se, em um movimento de mais de 100 mil em passeata, em multidões de Galo da Madrugada em pacífica reivindicação.

Sim, com tais extremos, é minoritária a expressão do fascio. Mas há uma imensa massa despolitizada onde tais apelos impressionam. Numa pesquisa empírica, que os órgãos de melhor método poderão confirmar, perguntem aos revoltados da hora quais os problemas do Brasil. A maioria vai declarar que o maior dos problemas é a corrupção. Em cartazes, todos vemos nas passeatas “Cadê a Dilma da guerrilha?”. Vídeos no YouTube com falas de carinhas moças chamam para as ruas com “Vamos parar a roubalheira do governo… Vamos parar com essa palhaçada do governo do Brasil… O Inimigo é o Governo”.

A terra é fértil para a pregação de coisas antigas em rostinhos e corpos jovens. Esse é o dado novo, que se desconfiávamos não adivinhávamos. O gigante acordou, o gigante de nossas consciências acordou. Chega de afagos demagógicos.

***

Leia também A revolta do precariado, por Giovanni Alves, O sapo Gonzalo em: todos para as ruas, de Luiz Bernardo Pericás, A guerra dos panosTécnicas para a fabricação de um novo engodo, quando o antigo pifa, por Silvia Viana, Fim da letargia, por Ricardo Antunes,  Entre a fadiga e a revolta: uma nova conjuntura e Levantem as bandeiras, de Ruy Braga, Proposta concreta, por Vladimir SafatleAnatomia do Movimento Passe Livre e A Guerra Civil na França escritos por Lincoln Secco, e Motivos econômicos para o transporte público gratuito, na coluna de João Alexandre Peschanski.

***

Soledad no Recife, de Urariano Mota, já está à venda em versão eletrônica (ebook), por apenas R$10. Para comprar, clique aqui ou aqui.

***

Urariano Mota é natural de Água Fria, subúrbio da zona norte do Recife. Escritor e jornalista, publicou contos em Movimento, Opinião, Escrita, Ficção e outros periódicos de oposição à ditadura. Atualmente, é colunista do Direto da Redação e colaborador do Vermelho. As revistas Carta Capital, Fórum e Continente também já veicularam seus textos. Autor de Soledad no Recife (Boitempo, 2009) sobre a passagem da militante paraguaia Soledad Barret pelo Recife, em 1973, e de O filho renegado de Deus (Bertrand Brasil, 2013), uma narração cruel e terna de certa Maria, vítima da opressão cultural e de classes no Brasil. Colabora para o Blog da Boitempo quinzenalmente, às terças.

1 comentário em A direita nos protestos

  1. Marcos Lima Filho // 25/06/2013 às 21:46 // Responder

    Os trotiskistas estão empolgados com o Fora Dilma, o glorioso fim se aproxima! O fato de serem fascistas é um mero detalhe.

    Curtir

23 Trackbacks / Pingbacks

  1. “Sem Violência!!!”: Comentários Sobre A Violência Na Manifestação Em SP | Colunas Tortas
  2. A classe média vai ao protesto | Blog da Boitempo
  3. Sobre a onda de protestos e o lulismo | Blog da Boitempo
  4. Pode ser a gota d’água: enfrentar a direita avançando a luta socialista | Blog da Boitempo
  5. O futuro que passou | Blog da Boitempo
  6. A criação do mundo revisitada | Blog da Boitempo
  7. O inferno urbano e a política do favor, tutela e cooptação | Blog da Boitempo
  8. A pasteurização do protesto | Blog da Boitempo
  9. Direita e esquerda no espectro do pacto do silêncio | Blog da Boitempo
  10. Tarifa zero e mobilização popular | Blog da Boitempo
  11. A classe média vai ao protesto (II) | Blog da Boitempo
  12. Problemas no Paraíso: artigo de Slavoj Žižek sobre as manifestações que tomaram as ruas do Brasil | Blog da Boitempo
  13. As manifestações, o discurso da paz e a doutrina de segurança nacional | Blog da Boitempo
  14. A Primavera brasileira: que flores florescerão? | Blog da Boitempo
  15. A potência das manifestações de rua | Blog da Boitempo
  16. Atual conjuntura | Blog da Boitempo
  17. Levantes aqui, ali e em toda parte | Blog da Boitempo
  18. O sapo Gonzalo em: pôr fogo em tudo | Blog da Boitempo
  19. A situação da cultura diante dos protestos de rua | Blog da Boitempo
  20. HOMO SAPIENS
  21. A cura | Blog da Boitempo
  22. A violência que pode e a que não pode | Cama de Prego – Luciano Alvarenga
  23. "Sem violência!!!": Comentários sobre a violência na manifestação em SP - Colunas Tortas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: