Proposta concreta

WIRECENTERPor Vladimir Safatle.*

Há várias maneiras de esconder uma grande manifestação. Você pode fazer como a Rede Globo e esconder uma passeata a favor das Diretas-Já, afirmando que a população nas ruas está lá para, na verdade, comemorar o aniversário da cidade de São Paulo.

Mas você pode transformar manifestações em uma sucessão de belas fotos de jovens que querem simplesmente o “direito de se manifestar”. Dessa forma, o caráter concreto e preciso de suas demandas será paulatinamente calado.

O que impressiona nas manifestações contra o aumento do preço das passagens de ônibus e contra a imposição de uma lógica que transforma um transporte público de péssima qualidade em terceiro gasto das famílias é sua precisão.

Como as cidades brasileiras transformaram-se em catástrofes urbanas, moldadas pela especulação imobiliária e pelas máfias de transportes, nada mais justo do que problematizar a ausência de uma política pública eficiente.

Mas, em uma cidade onde o metrô é alvo de acusações de corrupção que pararam até em tribunais suíços e onde a passagem de ônibus é uma das mais caras do mundo, manifestantes eram, até a semana passada, tratados ou como jovens com ideias delirantes ou como simples vândalos que mereciam uma Polícia Militar que age como manada enfurecida de porcos.

Vários deleitaram-se em ridicularizar a proposta de tarifa zero. No entanto, a ideia original não nasceu da cabeça de “grupelhos protorrevolucionários”. Ela foi resultado de grupos de trabalho da própria Prefeitura de São Paulo, quando comandada pelo mesmo partido que agora está no poder.

Em uma ironia maior da história, o PT ouve das ruas a radicalidade de propostas que ele construiu, mas que não tem mais coragem de assumir.

A proposta original previa financiar subsídios ao transporte por meio do aumento progressivo do IPTU. Ela poderia ainda apelar a um imposto sobre o segundo carro das famílias, estimulando as classes média e alta a entrar no ônibus e a descongestionar as ruas.

Apenas nos EUA, ao menos 35 cidades, todas com mais de 200 mil habitantes, adotaram o transporte totalmente subsidiado. Da mesma forma, Hasselt, na Bélgica, e Tallinn, na Estônia. Mas, em vez de discussão concreta sobre o tema, a população de São Paulo só ouviu, até agora, ironias contra os manifestantes.

Ao menos, parece que ninguém defende mais uma concepção bisonha de democracia, que valia na semana passada e compreendia manifestações públicas como atentados contra o “direito de ir e vir”. Segundo essa concepção, manifestações só no pico do Jaraguá. Contra ela, lembremos: democracia é barulho.

Quem gosta de silêncio prefere ditaduras.

* Publicado originalmente no jornal Folha de S.Paulo em 18 de junho de 2013.

***

Leia também Entre a fadiga e a revolta: uma nova conjuntura, de Ruy Braga, Anatomia do Movimento Passe Livre e A Guerra Civil na França escritos por Lincoln Secco, e Motivos econômicos para o transporte público gratuito, na coluna de João Alexandre Peschanski.

***

Cinismo e falência da crítica, de Vladimir Safatle * PDF (Livraria Cultura | Gato Sabido)

O que resta da ditadura: a exceção brasileira, organizado por Edson Teles e Vladimir Safatle * PDF (Livraria Cultura | Gato Sabido)

Bem-vindo ao deserto do Real!, de Slavoj Žižek (posfácio de Vladimir Safatle) * ePub (Livraria Cultura | Gato Sabido)

Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas, coletânea de artigos com textos de David Harvey, Edson Teles, Emir Sader, Giovanni Alves, Henrique Carneiro, Immanuel Wallerstein, João Alexandre Peschanski, Mike Davis, Slavoj Žižek, Tariq Ali e Vladimir Safatle * PDF (Livraria Cultura | Gato Sabido | Livraria da Travessa | Livraria Saraiva)

***

Vladimir Safatle é professor livre-docente do Departamento de Filosofia da USP, bolsista de produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), professor visitante das Universidades de Paris VII e Paris VIII, professor-bolsista no programa Erasmus Mundus. Escreveu A paixão do negativo: Lacan e a dialética (São Paulo, Edunesp, 2006), Folha explica Lacan (São Paulo, Publifolha, 2007), Cinismo e falência da crítica (São Paulo, Boitempo, 2008) e co-organizou com Edson Teles a coletânea de artigos O que resta da ditadura: a exceção brasileira (Boitempo, 2010), entre outros. Atualmente, mantem coluna semanal no jornal Folha de S.Paulo e coluna mensal na Revista CULT. Em 2012, teve um artigo incluído na coletânea Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas, publicada pela Boitempo Editorial em parceria com o Carta Maior.

4 comentários em Proposta concreta

  1. Acresce-se a isso algumas questões a se pensar: 1 – o investimento em vias públicas, semaforos, controle de tráfego servem a quem? O usuário do automóvel (1,3 passageiros por unidade em média nas grandes cidades) utiliza e ocupa muito mais espaço de vias do que um pedestre, uma bicicleta ou os 40 passageiros dentro de um ônibus. 2- como andam as planilhas de custo do transporte público nos contratos de concessão? São uma caixa preta… 3 – o transporte é um serviço que como os demais, segurança, defesa civil, saúde etc. deve sim ter algum tipo de subsídio ou até gratuidade…

    Curtir

  2. Lamentavelmente não existe mais Tarifa Zero em Hasselt.

    Curtir

  3. Leonardo de Lucas // 20/06/2013 às 16:10 // Responder

    Democracia é barulho e não é terrorismo; não deve ser investigada pela Polícia Federal; não devem usar aparato estatal para controlar o direito de expressão das pessoas. O PT prometeu muito e inflou o discurso de um país perfeito. Agora colhe o descontentamento da população mais jovem. Aprecio e respeito a opinião de Safatle, um intelectual crítico de primeira grandeza. Só não sei se a esquerda institucionalizada ainda tem essa conexão tão íntima com as massas como foi outrora. Cadê a CUT? Cadê a UNE? Acho que esse silêncio da esquerda atualmente reinante mostra muito do seu distanciamento das bases e das massas. Quem aperta a mão do Maluf não tem lá muito o que dizer aos movimentos sociais. Eu também admiro e muito o Hadad, um intelectual brilhante. Acho que seu governo vai mudar a cara de SP. Mas acho que a esquerda tem que voltar às origens, tem que se lembrar da luta…tem que esquecer um pouco as alianças espúrias. Custe o que custar, esse país precisa de ideias, e precisa de homens que honrem essas ideais. Um ideal foi deixado de lado pela busca cega ao poder. Agora parece que o preço da conta está vindo…É um acaso do destino, mas no momento em que as massas mais se agitam, a esquerda está dormindo em coma na UTI. Alguém precisa avaliar isso tudo criticamente.

    Curtir

  4. Sandro Oliveira // 17/07/2013 às 11:13 // Responder

    Ao contrário do que pensam alguns panfletarios de plantão, as argumentações Safatle é de toda razão – e cabe começarmos a avaliar nossos ideais e ações. De nada vale um manisfesto pelas redes sociais globalizadas e “controladas”, se não houver a junções desses ideais em forma de protesto pelas ruas, praças, teatros, hospitais shows, igrejas, cemitérios… Não é possivel que seja aceito um modelo que em tempos de modernidade expressiva, seja repetitivo e secular quanto ao dominio geral dos poucos nas massas subproletárias(…)

    Curtir

28 Trackbacks / Pingbacks

  1. Levantem as bandeiras! | Blog da Boitempo
  2. Técnicas para a fabricação de um novo engodo, quando o antigo pifa | Blog da Boitempo
  3. O sapo Gonzalo em: todos para as ruas | Blog da Boitempo
  4. A guerra dos panos | Blog da Boitempo
  5. A revolta do precariado no Brasil | Blog da Boitempo
  6. A direita nos protestos | Blog da Boitempo
  7. A classe média vai ao protesto | Blog da Boitempo
  8. Sobre a onda de protestos e o lulismo | Blog da Boitempo
  9. Pode ser a gota d’água: enfrentar a direita avançando a luta socialista | Blog da Boitempo
  10. O futuro que passou | Blog da Boitempo
  11. A criação do mundo revisitada | Blog da Boitempo
  12. O inferno urbano e a política do favor, tutela e cooptação | Blog da Boitempo
  13. A pasteurização do protesto | Blog da Boitempo
  14. Substantivo Plural
  15. Direita e esquerda no espectro do pacto do silêncio | Blog da Boitempo
  16. Tarifa zero e mobilização popular | Blog da Boitempo
  17. A classe média vai ao protesto (II) | Blog da Boitempo
  18. Problemas no Paraíso: artigo de Slavoj Žižek sobre as manifestações que tomaram as ruas do Brasil | Blog da Boitempo
  19. As manifestações, o discurso da paz e a doutrina de segurança nacional | Blog da Boitempo
  20. A Primavera brasileira: que flores florescerão? | Blog da Boitempo
  21. A potência das manifestações de rua | Blog da Boitempo
  22. Atual conjuntura | Blog da Boitempo
  23. Levantes aqui, ali e em toda parte | Blog da Boitempo
  24. O sapo Gonzalo em: pôr fogo em tudo | Blog da Boitempo
  25. A situação da cultura diante dos protestos de rua | Blog da Boitempo
  26. HOMO SAPIENS
  27. A cura | Blog da Boitempo
  28. A violência que pode e a que não pode | Cama de Prego – Luciano Alvarenga

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: