Qual o poder do WhatsApp? Quem são e no que acreditam os eleitores de Bolsonaro

É necessário, sem dúvida, que a Justiça Eleitoral se posicione sobre o disparo ilegal de pacotes de mensagens via WhatsApp, mas é também necessário nos perguntarmos como e por que as pessoas tendem a acreditar e compartilhar mensagens falsas. A partir de uma extensa pesquisa de quase três anos, foi possível identificar 16 diferentes perfis de apoiadores e potenciais eleitores de Jair Bolsonaro.

Por Isabela Oliveira Kalil.

A matéria publicada pela Folha de São Paulo em 18/10/18 trata da denúncia de que a campanha de Jair Bolsonaro estaria se beneficiando da compra de pacotes de disparo de mensagens no WhatsApp por empresários apoiadores de sua campanha. Nela, a jornalista Patrícia Campos Mello levanta a questão se esta seria uma forma ilegal de financiamento eleitoral envolvendo o uso de “caixa 2”, fraude e fake news. Além das questões legais sobre quem financia estas práticas, quais os interesses envolvidos e as formas de produção destas mensagens, a denúncia também abre um questionamento sobre as razões pelas quais as pessoas acreditam e compartilham fake news. É necessário, sem dúvida, que a justiça eleitoral se posicione sobre a produção dessas mensagens, mas é também necessário nos perguntarmos como e por que as pessoas tendem a acreditar e compartilhar mensagens falsas, já que vários estudos têm demostrado que a maior parte dos conteúdos em circulação estão baseados em fake news.

A partir de uma extensa pesquisa que tenho coordenado ao longo de quase três anos de investigação, foi possível identificar 16 diferentes perfis de apoiadores, eleitores e potenciais eleitores de Jair Bolsonaro. A pesquisa considera também os dados obtidos a partir de pesquisas qualitativas realizadas tanto nas redes sociais, quanto as interações de grupos de WhatsApp de alguns destes perfis e outras formas de conteúdos como vídeos, páginas, fóruns, blogs, etc. Mas, a principal fonte de dados tem sido a pesquisa realizada coletivamente sobre manifestações, atos e protestos no espaço público.

Ao observar a atuação política tanto do campo mais conservador quanto do campo mais progressista, um dado importante é o de que a extrema direita, no Brasil, tem feito das manifestações de rua uma espécie de “laboratório de experimentação”, um campo de testes para colocar à prova uma nova forma de comunicação e, consequentemente, uma nova forma de se fazer política. Assim, trata-se de um fenômeno que ocorre na internet, mas que é parte de uma articulação entre as ruas e as redes sociais.

A análise dos dados revela uma multiplicidade no padrão de eleitores e o mais importante: a estratégia de comunicação do candidato Jair Bolsonaro, até a realização do primeiro turno eleitoral se baseou em segmentar as informações para os diferentes perfis de potenciais eleitores. Para quem acompanha a trajetória de Bolsonaro, parece haver uma série de contradições e incoerências em seus discursos. Essa forma de se comunicar e se posicionar sobre assuntos polêmicos gerou uma reação do campo progressista que passou a identificar nele elementos como a falta de coerência, baixa capacidade de articulação política ou ainda a presença de posicionamentos desprovidos de sentido.No entanto, Bolsonaro inaugura na política brasileira uma nova forma de se comunicar com seus potenciais eleitores. Ao segmentar o direcionamento de suas mensagens para grupos específicos, a figura do “mito” – como é chamado por seus eleitores – consegue assumir diferentes formas, a partir das diferentes aspirações de seus apoiadores.

Embora o caso brasileiro tenha suas especificidades, Bolsonaro tem seguido uma estratégia de comunicação similar à do presidente de Donald Trump, especialmente por segmentar sua campanha usando técnicas de microtargeting e profiling. Sobre tais estratégias, o antropólogo Piero Leirner tem apontado o uso de métodos avançados de estratégias militares na campanha do candidato.

A pesquisa trata dessa multiplicidade de perfis e segmentos a partir da forma como tais perfis se tornaram presentes nas mobilizações observadas em campo (nas ruas e nas redes). Os perfis estão agrupados de acordo com marcadores de classe social, raça/etnia, identidade de gênero, religião, formas de engajamento e crenças. A investigação considera o que repudiam e o que desejam, aspiram ou imaginam para o futuro em um eventual governo presidido por Jair Bolsonaro. Ao todo, foram ouvidas mais de mil pessoas, entre o início de 2016 e o final de 2018.*

O caso do “cidadão de bem” e a corrupção

A questão mais importante a respeito da tipificação dos eleitores é a de que não existe “o eleitor de Bolsonaro” como a caracterização de um grupo social específico. Como apontam os dados de pesquisas de intenção e a própria apuração de votos no primeiro turno, o candidato conseguiu atrair o apoio de um público cada vez mais diversificado ao longo de sua campanha. Antes de oficializar sua candidatura, há dados que apontavam que de cada quatro potenciais eleitores, três eram homens ou ainda que 60% daqueles que declaravam intenção de voto eram jovens (entre 16 e 34 anos).

No entanto, ao longo da campanha, esse perfil definido como um homem jovem se tornou cada vez mais heterogêneo, ainda que tenha mais adesão entre os mais escolarizados e com maior renda. Considerar essa mudança é relevante para se compreender as estratégias de comunicação do candidato com um público cada vez mais diversificado. Um dos maiores desafios de Bolsonaro ao longo de sua campanha foi o de atrair votos de pessoas que pertencem a grupos identitários atacados por ele em seus discursos, tais como mulheres, LGBTs e indígenas. A pesquisa considera também esses perfis.

Embora os apoiadores, simpatizantes e eleitores de Bolsonaro componham uma diversidade de pessoas e grupos, é possível apontar determinados valores difusos capturados pela figura do “cidadão de bem” – entre homens e mulheres. Embora a ideia do “cidadão de bem” não seja uma novidade na sociedade brasileira (e já foi apontada e analisada por Esther Solano), a definição passou a ser mobilizada nas manifestações públicas como um elemento de distinção entre os participantes das “manifestações pacíficas” em relação aos participantes das “manifestações de baderneiros”.

Esse contraste é visível em 2013 na comparação entre manifestações políticas consideradas legítimas, compostas por integrantes que “respeitam da ordem”, e manifestações consideradas violentas, compostas por manifestantes desordeiros. Essa distinção foi especialmente explorada pela mídia tradicional, e chegou a servir de justificativa para o apoio a determinadas manifestações em detrimento de outras. A mensagem amplamente difundida baseava-se na ideia de que há um conjunto de formas adequadas para a participação em manifestações públicas, uma espécie de educação, de “etiqueta” do protesto.

As variações do conceito de “cidadão de bem” persistiram no tempo e encontraram, especialmente no ano de 2016, um refinamento de sentido na combinação com o discurso anticorrupção. Tal categoria, já presente na sociedade brasileira para se referir a um modo de conduta considerado adequado na vida privada e “cívica”, foi inicialmente utilizada para distinguir as formas de protesto (“violentas” ou “pacíficas”). Com o tempo, ela passou a ser evocada também para distinguir os tipos de pautas de reivindicação (contra ou a favor da corrupção).

O “cidadão de bem” passou a designar aquele que, além de ter uma conduta individual “correta” e saber se comportar nas manifestações, se distingue dos “bandidos” (corruptos) ou de quem apoia bandidos. Assim, o “cidadão de bem” refere-se a um conjunto de condutas dos indivíduos na vida privada, a um conjunto de formas específicas de reinvindicação política na vida pública e a um conjunto particular de temas e agendas que passaram a ser consideradas como legítimos. É dessa forma que o “cidadão de bem” extrapola as formas de condutas individuais e passa a designar aqueles que não são “comunistas”, “petistas” ou “de esquerda” – vistos como apoiadores da corrupção e “não trabalhadores”. Trata-se de uma noção específica de pessoa e um sentimento de pertencimento a uma forma correta de estar no mundo.

Para se compreender como o discurso contra a corrupção encontra lastro na figura do “cidadão de bem” é preciso considerar os diferentes sentidos atribuídos pelas pessoas a aquilo que chamamos de corrupção. É possível capturar seus sentidos a partir da tríade Deus, Pátria e Família – mote defendido pelos grupos de ultradireita seculares ou religiososA forma mais evidente da corrupção é aquela em que “políticos roubam o povo”. Essa forma seria um atentado contra a pátria e diz respeito a uma conduta pública, cívica.

Desta perspectiva, a solução poderia vir de uma redução do Estado (Estado mínimo) e pela substituição de políticos profissionais por figuras outsiders (amplamente explorada por Bolsonaro) ou por políticos não profissionais. A corrupção é considerada nesta perspectiva como algo muito presente nos governos, na gestão pública, e pouco presente nas empresas privadas ou grandes corporações. Mesmo a corrupção do setor privado aparece, nesta perspectiva, como uma consequência da corrupção pública e não o contrário.

Outra forma seria a corrupção de costumes e valores que colocaria em risco a família. Esta corrupção diz respeito a uma conduta privada e se refere a um conjunto de questões morais que podem ser sintetizadas por uma visão de que as pessoas, no Brasil, gozam de muitos direitos e poucos deveres. Exemplos seriam os beneficiários de programas sociais entre os mais pobres, beneficiários de políticas de ações afirmativas entre a classe média e beneficiários de leis de incentivo à cultura entre os mais ricos – materializados nas críticas ao Bolsa Família, às cotas raciais e à Lei Rouanet. Outra forma de corrupção seria o cerceamento da liberdade individual e uma redução da importância do papel da família na formação do cidadão. O movimento Escola Sem Partido expressa essa perspectiva de que o Estado se torna corrupto quando passa a tratar no ambiente escolar de questões que seriam atribuições das famílias – como a orientação ideológica ou política ou mesmo a educação sexual.

Assim, a figura do “cidadão de bem” se torna uma espécie de repositório que consegue captar e atrair para si uma série de dimensões críticas a respeito da sociedade e do poder instituído. Ao longo do tempo, conseguiu captar tendências “antissistema” (“contra todos os partidos”, “contra todos os políticos”, “contra tudo e contra todos”), depois atraiu para si dimensões da crítica anticorrupção (tanto em seu sentido estrito financeiro, quanto na sua forma moral, quanto em sua forma religiosa). Com o tempo, o “cidadão de bem” passou a se distinguir também de categorias, grupos e pessoas ligadas à esquerda.

Uma das expressões desta distinção é quando participantes de protestos passaram a exibir cartazes como “eu não recebi para estar aqui” – uma referência às denúncias de que partidos de esquerda ou sindicatos pagariam pela presença de manifestantes em seus atos. A força dessa categoria “cidadão de bem” reside exatamente em conseguir materializar a tipificação de um cidadão que representa uma espécie de barreira moral e política ao “avanço do comunismo”, à “ideologia de gênero”, às ameaças ao Estado de direito e ameaças à liberdade religiosa. Apesar de aparentemente contraditório, muitos destes perfis têm a plena convicção de estarem lutando pela democracia, contra o fascismo, contra o autoritarismo e contra a perda de direitos frente a um governo autoritário de esquerda. Como já explorei em outro trabalho sobre as manifestações da extrema direita, alguns desses perfis aqui apresentados veem a si mesmos como antifascistas, já que o fascismo é tomado como uma ideologia de esquerda.

Os perfis dos eleitores de Bolsonaro em caleidoscópio

Para entender essas dimensões e como elas se relacionam entre si, é preciso compreender a figura do “cidadão de bem” como uma espécie de forma caleidoscópica que se adequa a diferentes contextos. Para isso, o esforço de pesquisa buscou a tipificação de diferentes perfis de apoiadores e eleitores de Jair Bolsonaro. A apresentação a seguir não tem a pretensão de traçar o perfil psicológico dos eleitores, da mesma forma que não pretende tratar de uma correlação entre personalidade e percepções sobre o poder. Os resultados expressam, na verdade, uma segmentação que foi se constituindo no campo ao longo dos últimos anos por parte da própria campanha de Bolsonaro.

A tipificação trata de forma abstrata de diferentes dimensões mobilizadas na escolha do voto e como essas dimensões podem ou não estar sobrepostas. Ou seja, não é possível encontrar esse eleitor ideal em carne e osso na frente das urnas, a menos que se construa uma visão caricata e pouco crível dos fenômenos sociais. Um eleitor “religioso” pode se mobilizar politicamente a partir das motivações do eleitor “isento” ou ainda das “mães” – tipos apresentados a seguir. A questão é que, ao construir modelos para se pensar nos eleitores, é possível compreender melhor, identificar e hierarquizar diferentes dimensões mobilizadas na escolha do voto, muitas delas mobilizada pelo medo – uma das bases para a disseminação de fake news.

A partir da mobilização desses medos, pânicos e repulsas, a chave parece estar em dois elementos estruturantes que se materializam em variações em torno da combinação da acusação de “comunismo” e de “ideologia de gênero”. No caso do comunismo, na prática, têm sido alvo de acusações tanto posições de esquerda, de centro e de centro direita para expressar um temor sentido frente a uma ideia de “esquerda”, associada à pobreza, ao autoritarismo, à corrupção, ao “bolivarianismo”, ao petismo, etc. Da mesma forma, a “ideologia de gênero” tem sido mobilizada para expressar um amplo espectro de acusações que vão desde pedofilia, passando por transfobia, até críticas ao ensino de sexualidade nas escolas. A combinação entre “anticomunismo” e “anti-ideologia de gênero” se tornam, assim, a materialização da combinação do que Wendy Brown aponta como a união entre interesses neoliberais e conservadores. Dito isso, passemos aos dezesseis perfis.

1. Pessoas de bem:

Instituições fortalecidas para o fim da impunidade

Perfil: Homens e mulheres de classe média, acima dos 35 anos, que “possuem família” e se preocupam com a segurança de seus filhos e, consequentemente, com o “futuro da nação”. Não acreditam que a “justiça com as próprias mãos” possa a ser a solução para o país, repudiam a violência entre os cidadãos e desejam que as instituições sejam fortalecidas. Este perfil comporta um amplo espectro de posições abarcando desde a defesa de que a Polícia Federal deveria substituir o Supremo Tribunal Federal, até o desejo da volta da ditadura militar ou da efetivação de uma “intervenção militar temporária e constitucional”.

O que repudiam: Localizam na “corrupção” e na “impunidade” os maiores problemas do Brasil. Há referências também ao excesso de “injustiça” na sociedade e críticas ao “sistema vigente” na política brasileira. Expressam um sentimento difuso de repulsa ao “desgoverno petista”. A frase “direitos humanos para humanos direitos” serve como síntese para expressar que o Estado só age de maneira mais bruta ou viola direitos daqueles que não são “pessoas de bem”.

2. Masculinidade viril:

Armas para os civis fazerem justiça com as próprias mãos

Perfil: Muito próximo da “pessoa de bem”, esses segmento compartilha das mesmas características com uma exceção: a justiça não seria “terceirizada” para as instituições e sim exercida pelo próprio cidadão. Este perfil é mais comum entre homens de 20 a 35 anos, de diferentes classes sociais, e característico de indivíduos que exibem uma performance de masculinidade viril.

O que repudiam: Este perfil enxerga a violência urbana como o maior problema social e se vê como um sujeito constantemente ameaçado. Alguns homens deste perfil definem a si mesmos como “opressores”. Diante do problema da violência, o “opressor” vislumbra no porte de armas uma solução pois acredita que os cidadãos devem ter condições de se defender e também de praticar justiça, quando necessário. A justiça neste sentido é vista como a capacidade de se defender de “bandidos”, mas também de se defender contra eventuais abusos do próprio Estado – leia-se uma ditadura comunista ou um governo autoritário de esquerda.

3. Nerds, gamers, hackers e haters

A construção de um mito

Perfil: Este perfil pode se combinar com o da masculinidade viril. Com alta popularidade entre jovens, este grupo é composto majoritariamente por homens entre 16 a 34 anos. Concentra-se em fóruns restritos, jogos online e caixas de comentários de sites de cultura pop em que é possível verificar falas tradicionalistas e intolerantes sobre personagens específicos do mundo dos games, quadrinhos e filmes. Além do mundo do entretenimento e dos jogos, a figura dos haters e trolls se fazem presentes nos comentários de portais de notícias e em outras ações cibernéticas como ataques à determinadas páginas ou perfis. Compreende-se tal grupo como um dos principais responsáveis por disseminar a imagem de Bolsonaro em sua pré-campanha, o que contribuiu consideravelmente para sua atual “popularidade”. A figura em particular construída pelos nerds, gamers e hackers conservadores compreende a do “bolsomito”, lapidada a partir da produção, majoritariamente nas redes sociais, de memes centrados no candidato, geralmente acompanhados por um tom jocoso e provocador”.

O que repudiam: Agindo geralmente de forma organizada, costumam fazer campanhas de assédio online contra perfis progressistas. Um dos casos mais famosos, que reuniu homens do mundo inteiro, o #GamerGate, foi uma tentativa de barrar a participação de mulheres nos games e plataformas online de jogos. A campanha se estendeu por outros segmentos do ramo, como quadrinhos, conhecido como #ComicsGate e a campanha de boicote a filmes que abordassem as questões de gênero e racismo.

4. Militares e ex-militares

Guerra às drogas como solução para a segurança pública

Perfil: Homens e mulheres que têm ou tiveram carreira dentro de corporações policiais e Forças Armadas (policiais, delegados, cabos, generais, majores e bombeiros). Lançam mão de seus cargos e conhecimento para propagar as ideias relacionadas à segurança pública e, também, participar da vida política.

O que repudiam: Repudiam, em sua maioria, a escalada da criminalidade, a desvalorização e o sucateamento das instituições voltadas para a segurança pública e também a falta de ordem nas instituições nacionais e na sociedade civil. No tema da criminalidade, este perfil critica a ascensão de facções criminosas como o PCC (Primeiro Comando da Capital) e o CV (Comando Vermelho), e vinculam esse fenômeno à despreocupação dos governos de esquerda com o tema da segurança pública, em especial, o problema do tráfico de drogas.

5. Femininas e “bolsogatas”

O “empoderamento” da mulher para além do “mimimi”

Perfil: Perfil composto pela nova geração de “mulheres da direita”, mais presentes na classe média, na classe média alta e nas elites. Elas são jovens na faixa etária dos 20 a 30 anos, sem filhos ou com filhos pequenos, com diploma em áreas diversas e que atuam no mercado em diferentes profissões. São mulheres financeiramente independentes que construíram sua imagem e discurso sob a perspectiva do crescimento individual. Ou, como afirmam, sem precisar do “mimimi”, conhecido por elas como o “discurso de vitimização” da mulher.

O que repudiam: “Sou feminina, mas não sou feminista”. O uso do termo “femininas” é uma forma de se contrapor às “feministas”. Enquanto as feministas estariam chamando atenção nas redes sociais “problematizando tudo” ou propagando a “desconstrução social” e pautas como leis para legalizar o aborto, as femininas (que também se reconhecem como “bolsogatas” ou bolsolindas”) estão preocupadas em reafirmar a imagem da mulher é bem-sucedida, sem abrir mão de aspectos de “feminilidade”, e que alcançou o sucesso pelo esforço próprio. Assim, algumas mulheres repudiam mais a agenda feminista, outras repudiam mais o assédio dos homens e a violência contra a mulher.

6. Mãe de direita

Por uma escola sem “ideologia de gênero”

Perfil: As mães de direita formam um perfil de mulheres entre 30 e 50 anos, com filhos em idade escolar, entre o ensino fundamental e o ensino universitário. Formam um perfil de classe média baixa, com filhos predominantemente na escola pública, mas também na privada. Podem ser casadas, divorciadas ou chefes de família monoparental. Para esse perfil, a educação (especialmente pública) é o grande campo de batalha político e ideológico.

O que repudiam:  Elas afirmam não serem preconceituosas com a comunidade LGBT. Para este grupo, a questão não está na orientação sexual em si das pessoas, mas na forma como expressam sua sexualidade em público. De acordo com essa perspectiva, gays, lésbicas, bissexuais e transexuais deveriam “viver entre os seus”. Para as pessoas ouvidas, a maior parte não se importa com a união afetiva formalizada no cartório, mas acreditam que estes casais não deveriam “ensinar” nem “mostrar” esses afetos para as crianças, que precisariam ser protegidas. Essas mães defendem que a “inocência” e a “ingenuidade” infantil devem ser preservadas e temem a “doutrinação da ideologia de gênero” e/ou “doutrinação marxista” nas escolas pelos professores.

7. Homossexuais conservadores

“Homem é homem”, não importa se gay ou hetero 

Perfil: Composto principalmente por pessoas de 20 a 40 anos, de diferentes classes sociais, este grupo encontra meios de compatibilizar suas próprias identidades de gênero e orientação sexual com determinados ideais moralizantes a respeito da família e da educação. Se reconhecem como “gays de direita” porque são “direitos” (e não apenas “gays da direita”). A maioria deste perfil é formada por homens. Poucas mulheres lésbicas são vistas em meio ao grupo. Este perfil se combina com o da “pessoa de bem” na crença de que as únicas pessoas LGBT que sofrem violência são aquelas que “dão pinta” ou “não se dão o respeito”. Embora este grupo não seja numericamente a maior base de apoio a Bolsonaro, este perfil é visto como essencial para ajudar a comprovar a tese de que o candidato não seria homofóbico e respeitaria as liberdades individuais.

O que repudiam: São gays contra o movimento LGBT, com forte presença dos “pais de família” desiludidos com a maneira com que o movimento LGBT tradicional tem pautado as demandas do grupo. A base comum para este perfil é o discurso “anti-corrupção” e a defesa do extermínio de “bandidos” e a implementação de penas mais rígidas. Questões relacionadas aos direitos LGBT ficariam em segundo plano dada a urgência de pautas relacionadas aos “interesses da nação”. Este perfil tende a naturalizar o discurso “anti gay-afeminado”. Ou seja, uma pessoa homossexual deveria manter a “compostura” perante as pessoas mais velhas e crianças, para não oferecer exemplos de “vulgaridade em público”. Compartilham da perspectiva de que “homem é homem, independentemente de ser ou não gay”.

8. Etnias de direita

Minorias perseguidas por se posicionarem a favor de Bolsonaro 

Perfil: Composto por homes e mulheres negros, indígenas, orientais e imigrantes, este perfil (pouco numeroso e muito diverso) começou a se tornar visível após as denúncias de que a direita e a extrema direita não comportavam entre seus militantes e representantes políticos pessoas negras, indígenas, quilombolas e orientais. Suas principais reivindicações são no sentido de buscar maior autonomia de posicionamento político, defendendo que minorias étnicas têm sido perseguidas por se posicionarem a favor de Bolsonaro. Este é um dos últimos perfis a se tornarem mais visíveis na campanha do candidato.

O que repudiam: A atuação deste perfil é orientada pela ideia de que os governos de esquerda teriam fragmentado uma “unidade nacional” e que Bolsonaro teria como proposta um “governo unificador” baseada na ideia de que “o Brasil é um só”, como expressa o jargão propagado pelo próprio candidato. Alguns são contra as cotas, muitos são contra o “vitimismo”. A questão do desemprego é recorrentemente citada. Sua atuação visa diluir as diferenças entre as classes, etnias e gênero que, segundo essa tendência, teria sido propagadas pelos governos, intelectuais e militantes de esquerda.

9. Estudantes pela liberdade

Voto rebelde contra a “doutrinação marxista” 

Perfil: Esse perfil é constituído por jovens estudantes do ensino médio ou estudantes universitários que têm entre 14 e 30 anos. Estes estudantes não se veem contemplados pelo ambiente escolar ou acadêmico e se sentem privados da participação em grêmios e centros acadêmicos em razão de posicionamentos políticos. Este é um dos perfis mais heterogêneos por comportarem estudantes de ensino médio público e particular e estudantes de universidade pública e privada.

O que repudiam: Nos grupos de estudantes do ensino médio público temos, muitas vezes, apoiadores que enxergam Bolsonaro como um outsider e no ambiente escolar este voto se torna “descolado”. Dentre os estudantes de ensino médio privado temos aqueles que são contrários às políticas públicas que possibilitam acesso dos jovens de ensino público na universidade e também qualquer mecanismo de cota que “facilite” ou “privilegie” certas camadas sociais em detrimento de outras. Para estes, o mérito é o que deve imperar. Entre os mais jovens, está presente uma espécie de voto rebelde, muito próximo a um voto de protesto, “votar naquilo que é diferente”. Alguns repudiam o uso de drogas entre os jovens, pois essa seria uma forma de degeneração e de desperdício da possibilidade de futuro.

Dentre os universitários, os discursos sobre cotas e mecanismos que incentivam a entrada de certos grupos sociais no ensino superior tomam maior corpo. Há um discurso mais ou menos comum desses “estudantes pela liberdade” de que somente as cotas sociais seriam suficientes, visto que a desigualdade econômica contemplaria as outras desigualdades e esse mecanismo seria suficiente para sanar as injustiças sociais. Especificamente em relação aos cursos de humanidades, fazem fortes críticas à uma “educação doutrinadora”, que não respeita os valores que os alunos trazem de casa, ou, até mesmo, de sua “formação política independente”. Vislumbram a “doutrina marxista” como uma grande ameaça à educação imparcial liberal, fazem coro a discursos sobre o “marxismo cultural” e da escola enquanto uma forma de reprodução da “ideologia comunista”.

10. Periféricos de direita

Os pobres que desejam o Estado mínimo

Perfil: Este perfil é composto por pessoas do sexo masculino e feminino que se identificam, por vezes, com a categoria “pobres de direita”. No caso da cidade de São Paulo, se identificam como moradores das periferias. São profissionais de carteira assinada, autônomos, pequenos empreendedores, desempregados e outros trabalhadores. Um discurso presente entre pessoas deste perfil é o de que o início da participação em manifestações políticas no espaço público é recente, em geral, após o ano de 2016 no contexto do impeachment. 

O que repudiam: O grupo caracteriza-se pela revolta e pela denúncia da violência e da impunidade – fenômenos vivenciados por essas pessoas nas regiões periféricas da cidade – e/ou questões específicas como violência contra mulheres e crianças, estupro, problemas econômicos, desemprego, corrupção e ainda sobre a má qualidade dos serviços públicos. Segundo esta perspectiva, as posturas e propostas “de esquerda” não dão conta de resolver ou não davam a atenção necessária para tais questões, com ênfase especial à questão da segurança pública. Com este argumento, esse perfil absorveu e criou um variado repertório crítico aos governos e aos sujeitos que se posicionavam a partir de concepções “de esquerda”. Se posicionam de modo cada vez mais enfático, de forma a se distinguirem de camadas ainda mais empobrecidas. Ou seja, ainda que se identifiquem, em alguns casos, como “pobres”, buscam manter uma distinção em relação aos mais pobres, caso dos beneficiários do Bolsa Família que, para eles, teriam pouca perspectiva crítica em relação à situação do país. Ao realizarem essa crítica, buscam assinalar uma distinção “esclarecida” das perspectivas políticas da esquerda e de seus apoiadores.

Sobre uma potencial redução do papel do Estado – já que são pessoas que dependem dos serviços públicos –, na percepção de parte dos entrevistados, a defesa do Estado mínimo significa que o Estado deveria intervir o mínimo possível em questões consideradas como o campo da religião ou da vida íntima (leia-se moral) e não necessariamente implicariam em uma redução de serviços públicos, como a educação e a saúde. Compreender esse elemento nos ajuda a lidar com discursos aparentemente contraditórios em que pessoas que dependem diretamente do sistema público defendem o Estado mínimo.

11. Meritocratas

O antipetismo dos liberais que “venceram pelo próprio mérito” 

Perfil: Este perfil é caracterizado por pessoas de classe média alta e de elite, com alto nível de escolarização. São empresários, advogados, médicos, intelectuais, professores, e outras profissões que se apoiam em alguma forma de autoridade. Como o nível educacional é uma forma de distinção, enfatizam como “venceram pelo próprio mérito”. Este perfil assume um dos discursos mais convictos, principalmente contra a corrupção, tendo como expressão um acentuado antipetismo.  Possuem uma visão mais racional e esclarecida a respeito de um projeto de Estado neoliberal ou Estado mínimo. Defendem redução ou corte de programas sociais, tendem a ver estes programas ou como privilégios ou como formas de tornar as pessoas pouco produtivas. São contra cotas e direitos dos territórios indígenas e se expressam através da máxima “é preciso ensinar a pescar e não dar o peixe”. Usam a si mesmos como exemplos, ou então pessoas conhecidas como o filho da empregada que recusou entrar na universidade pelas cotas por ter dignidade e querer vencer pelo próprio mérito.

O que repudiam:  Eles podem adotar posições economicamente liberais (no sentido de apoiar o livre mercado e o Estado mínimo), mas não necessariamente se adequam ao modelo representado por Bolsonaro, conservador nos costumes. Para a maioria dos meritocratas, as discussões relacionadas a gênero, sexualidade e identidades são secundárias. O que importa é que Bolsonaro não representará o modelo econômico petista que corrobora uma tendência vista como negativa na sociedade brasileira que teria “muitos direitos e poucos deveres”.

12. Influenciadores digitais

Liberais e conservadores “salvando o Brasil de se tornar uma Venezuela” 

Perfil: Os influenciadores digitais estão próximos do perfil meritocrata mas são aqueles que efetivamente produzem conteúdo para as redes sociais, como YouTube, Instagram e Facebook. Podem se lançar como candidatos na política após alcançar um público relativamente numeroso. Essas figuras podem não se ver inteiramente contempladas pelas perspectivas de Jair Bolsonaro – seja política, moral ou economicamente –, mas acreditam que no momento o candidato representa a melhor saída. Para parte dessas pessoas, é preciso “arrumar a casa” e cuidar da corrupção para que depois possam ser implementados os projetos com que realmente concordam. Alguns tipos são comuns entre os influenciadores: 1) Convertidos: pessoas que já foram comunistas, do movimento gay, feministas, ateus e militantes de esquerda, mas que abandonaram esses movimentos e assumiram uma postura de duras críticas em relações a eles; 2) Celebridades: são, muitas vezes, cantores, atletas e artistas que declaram apoio a Jair Bolsonaro, seus posicionamentos geram grande repercussão; 3) Pensadores, intelectuais e jornalistas que lançam tendências, realizam análises e, por vezes, possuem afinidades ideológicas com a direita internacional (liberal ou conservadora).

O que repudiam: Possuem uma forte repulsa ao “comunismo”, às “ideologias de esquerda” e também aos movimentos sociais ou a quaisquer grupos que possuam preocupações com as minorias sociais. Possuem um discurso de denúncia contra o “autoritarismo da esquerda”, da forma como os movimentos sociais e de minorias se organizam. Têm como característica um forte sentimento antipetista e contra corrupção. Procuram “salvar o Brasil” da possibilidade de se tornar um regime de esquerda, autoritário, pobre e violento que se expressaria no “risco do Brasil se tornar uma Venezuela”.

13. Líderes religiosos

A defesa da família contra o “kit gay” e outros pecados 

Perfil: O líder religioso é um perfil que tem grande importância pelo papel que exerce como influenciador e como propagador de campanha e interesses. Por esta razão, pode se sobrepor ao perfil do influenciador. Esse perfil agrega figuras como padres, pastores, missionários, cantores evangélicos e indivíduos que têm importância e voz no meio religioso (especialmente cristão) considerado um propagador exatamente por sua posição de influência e pelo fato de seus discursos gerarem repercussão. São formadores de opinião e podem ser detentores de grandes canais de comunicação como TV, cinema, rádio e outras plataformas de entretenimento religioso ou não religioso. Esse perfil também abarca líderes religiosos de menor alcance em pequenas cidades, periferias, e pequenas comunidades.

O que repudiam: Se colocam como arautos do que entendem como sendo formas de conduta adequadas e íntegras. Por conta disso, repudiam à dita “ideologia de gênero”, vista como pecado e degeneração dentro das instituições religiosas. Possuem um discurso extremamente forte em relação ao que chamam “kit gay”, que estaria corrompendo as crianças na escola. Segundo eles, seriam materiais didáticos e ações que estariam “ensinando para meninos que ser menino é errado e para meninas que ser menina é errado”. São extremamente críticos ao feminismo, em especial na questão da descriminalização do aborto. Nesse contexto, seu discurso deixa claro que pautas defendidas pelo movimento feminista, movimento LGBTQ e projetos de discussão de gênero e sexualidade nas escolas estão promovendo a “destruição da família tradicional”.

14. Fieis religiosos

Cristãos pela “família tradicional”

Perfil: Esse perfil se expressa pela pluralidade religiosa: são evangélicos, católicos, espíritas, entre outras crenças. Muitas vezes são indivíduos que colocam a religião e suas crenças como balizas de suas opiniões políticas. Como não há uma faixa etária, classe e nem mesmo um gênero que prevaleça neste grupo, este perfil se sobrepõe aos demais. Nas manifestações públicas têm havido uma espécie de articulação entre representantes de grupos católicos, evangélicos e defensores do estado de Israel – estes últimos, sobretudo, alertando para os riscos do que eles chamam de processo de “islamização do mundo”.

O que repudiam: Possuem a percepção de que a “família tradicional” vem sendo ameaçada nos últimos tempos e que o PT corroborou para que isso acontecesse, sobretudo com aquilo que propunham para a educação das crianças, levando “ideologia de gênero” e o “kit gay” para dentro das escolas. Acreditam que nos últimos tempos houve, no Brasil, uma inversão de valores em que prevalece a defesa do criminoso e não da vítima. A isso soma-se a percepção do aumento do incentivo ao consumo de drogas, do aborto e da promiscuidade por parte de jovens esquerdistas e feministas. Esses grupos estariam subvertendo a família tradicional em favor de uma possível “ditadura gayzista”. Para esse perfil, os valores cristãos e os preceitos de Deus estão sendo abandonados em detrimento de “um império de pecadores”. Além disso, também possuem um grande repúdio à corrupção. Por vezes, até repudiam as falas de Bolsonaro, por serem contrárias ao que prega o cristianismo, mas “lutar contra a corrupção perpetrada pelos políticos é o mais importante”.

15. Monarquistas

O retorno a um passado glorioso

Perfil: De perfil diversificado, organizam-se através de encontros conquistando uma série de adeptos nos estados do Rio de Janeiro e em São Paulo, que inclusive deram sustentação à eleição de Luiz Philippe de Orleans e Bragança, considerado príncipe na linha sucessória, como Deputado Federal. Luiz Philippe chegou a ser cogitado como vice-presidente na chapa de Bolsonaro, e entre alguns apoiadores seria uma figura até mais querida do que a de um membro do exército, como General Mourão. A figura do “príncipe” é importante na campanha do candidato para ajudar a conformar um ideal de “passado glorioso”, que é evocado seja pelos tempos imperiais, seja pelo tempo dos militares. Em ambos os casos, se busca reforçar a “manutenção da ordem”. Assim, como a glorificação dos tempos da ditadura militar, a figura dos monarquistas ajuda a construir imagens de um passado utópico em relação a um futuro distópico e caótico.

O que repudiam: Possuem um profundo desprezo pelas correntes de ideias à esquerda e pela Teologia da Libertação, que, na avaliação do grupo, agiria na ilegalidade “amordaçando a nação e excluindo fatos do passado histórico monárquico”, investindo assim contra os principais fundamentos da sociedade: a propriedade privada e a livre iniciativa. Não reconhecem a Proclamação da República do Brasil apontando que ela não poderia ter sido aceita na época porque não obteve apoio popular. A solução seria então a restauração dos poderes monárquicos, restabelecendo a família imperial Orleans Bragança na linha sucessória. O modelo seria de separação entre Chefe de Estado e Chefe de Governo e com parlamentares sendo votados pelo povo, garantindo assim “estabilidade”, “unidade” e “continuidade”, já que a República teria provocado uma situação política e social muito instável. De acordo com o grupo, o regime monárquico seria uma saída para acabar com “tudo que está aí”.

16. Isentos

“Política não se discute” 

Perfil: Esse perfil é composto pelos indivíduos que expõem suas opiniões publicamente, exceto em círculos de amigos restritos e reuniões familiares. Estão incluídos nesse grupo pessoas que mantém a opinião de que “religião, política e futebol não se discute”, ao menos em público. Característico desse perfil são as pessoas que defendem que Bolsonaro não representa a solução para os problemas do país, mas possuem um forte sentimento antipetista, anticorrupção ou antisistema. Pensam que algo precisa ser mudado e isso se materializaria com a saída do PT do governo. Esse perfil repudia a violência e é formado também por aqueles que têm vergonha de admitir que votariam em Bolsonaro ou por aqueles que tendem a acompanhar o voto de seus familiares.

O que repudiam: Por não se envolverem em debates no espaço público e acreditarem que a discussão sobre política não provoca nada além de brigas e desavenças, têm uma forte repulsa à atual situação em que amigos rompem amizades e familiares se afastam. De alguma forma, localizam como fonte do problema a polarização política que gera belicosidade nas relações cotidianas e, inclusive, nas redes sociais. Tendem a ver que a polarização foi iniciada pelo PT, embora tanto a direita quanto a esquerda são vistos como agentes da violência, reforçando sua posição apaziguadora de conflitos. Em seu discurso, também está presente uma forte repulsa à corrupção, o que na verdade alimenta seu antipetismo. Argumentam que a corrupção passou dos limites e que ela é uma das maiores responsáveis pela crise econômica do país.

Nota

* A pesquisa é de natureza antropológica e foi realizada a partir da experiência de levantamento de dados etnográficos em protestos e manifestações iniciados na cidade de Nova Iorque, na Universidade de Columbia, no ano de 2011 com o movimento Occupy Wall Street e foi continuada, no Brasil, na Fundação Escola de Sociologia e Política com a observação dos protestos de junho de 2013 e várias manifestações que se seguiram até o ano de 2018, na cidade de São Paulo. Os esforços são parte também de uma pesquisa internacional em 10 países da América Latina sobre conservadorismo e políticas anti-gênero, realizado pelo Sexuality Policy Watch, um fórum global composto de pesquisadores e ativistas de diferentes regiões do mundo. Colaboraram para a elaboração dos perfis Álex Kalil, Felipe Paludetti, Gabriela Melo, Weslei Pinheiro e Wiverson Azarias.

***

Boitempo nas eleições // Na nossa cobertura das eleições 2018 realizamos uma série de ações que buscam contribuir com a reflexão coletiva durante o período, entre as quais a publicação de textos inédito no Blog da Boitempo, vídeos na TV Boitempo e um serviço gratuito de indicações de leituras pelo WhatsApp, com curadoria da equipe editorial. Reflexões de Luis Felipe Miguel, Boaventura de Sousa Santos, Vladimir Safatle, Flávia Biroli, Esther Solano, Ricardo Antunes, Mauro Iasi, Christian Dunker, Rosane Borges, Mouzar Benedito, Dênis de Moraes, Flávio Aguiar, Felipe Brito, entre outros. Clique aqui para conferir.

***

Isabela Oliveira Kalil é Doutora em Antropologia Social (USP), com estágio doutoral na Universidade de Columbia, na cidade de Nova Iorque. Como docente atua na Escola de Sociologia e Política (FESPSP), no Programa Internacional Brazilian Studies (PUC-SP) e como local faculty em programas acadêmicos internacionais de estudos comparativos de cidades no Brasil, Índia, Estados Unidos e África do Sul. É coordenadora do NEU (Núcleo de Etnografia Urbana), onde tem desenvolvido e coordenado pesquisas sobre protestos e manifestações no espaço urbano. Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente. Dela, leia também “O que acontece aos sábados na política? Militarização e desmilitarização da vida cotidiana“, “A tragédia depois da tragédia do incêndio no Largo do Paissandu: uma ferida aberta na cidade” e “#EleNão e #EleSim: uma perspectiva feminista sobre os protestos em São Paulo e sua repercussão“.

3 comentários em Qual o poder do WhatsApp? Quem são e no que acreditam os eleitores de Bolsonaro

  1. Flavio Lindolfo // 23/10/2018 às 6:13 pm // Responder

    Enfim, algo que preste. Parabéns, mas sentir falta de perscrutar os pensadores por trás deste movimento social em que Bolsonaro não passa apenas de sua expressão política. Pelo menos não caiu na palermice de rotular de fascistas ou nazistas. Dirceu chegou mais perto na sua avaliação do estado de coisas.

    Curtir

  2. Ou seja, geral vai votar no cara. Povão mesmo. Que novidade! E a elite tbm! Mas quem decide eleição é o povão, e nele vcs perdem, por isso estão desesperados.

    O PT leva o voto dos sindicalistas, estudantes da une, maconheiros, militantes lgbt, feministas, negros cotistas, black blocks, intelectuais orgânicos. Pode não ser pouca gente, mas numa eleição… vão tomar uma surra nas urnas!

    Curtir

  3. Vive o PT de clichês publicitários bem elaborados por marqueteiros. Nada espontâneo. Mas

    apenas um frio slogan (tal qual “Dononinho Vale por Um Bifinho”/Ou: “Fiat Touro: Brutalmente Lindo”). Não tem nada a ver com um projeto de Nação. Eis:

    0.
    “Coração Valente”
    1.
    “Fica Querida”
    2.
    “Impeachment Sem Crime é Golpe”
    3.
    “Foi Golpe”
    4.
    “Fora Temer”
    5.
    “Ocupa Tudo”
    6.
    “Lula Livre”
    7.
    “eleição sem Lula é fraude” [kuá!, kuá!, kuá!].
    8.
    “O Brasil Feliz de Novo”
    9.
    “Lula é Haddad Haddad é Lula”
    10.
    “Ele não”.
    11.
    “Haddad agora é verde-amarelo” [rsrsrs].

    PT é vigarista.
    Vive de ótimos e CALCULADOS mitos publicitários.
    É o tal de: “me engana que eu compro”.

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. Qual o poder do WhatsApp? Quem são e no que acreditam os eleitores de Bolsonaro – Blog da Boitempo – ESPANTALHO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: