Muros e silêncios: o ataque ao Charlie Hebdo em perspectiva ampliada

SinéHebdo_7janvier2015

Charge publicada em outro jornal satírico francês, o Siné Hebdo [que existiu de 2008 a 2010 e mudou de nome para Sine Mensal], exatamente seis anos antes do massacre do Charlie Hebdo, em 07/01/2015. Na legenda da imagem se pergunta: “Charada: caro leitor, você saberá dizer de que lado do muro é Israel?”

Blog da Boitempo apresenta em seu Espaço do leitor textos inéditos escritos por nossos leitores. Quer colaborar também? Saiba como no fim deste post!

Por Carlos Eduardo Rebuá.

Hotel Ruanda (2004) é um filme dirigido por Terry George que relata a guerra civil ocorrida em 1994 naquele país da África centro-oriental, entre suas duas principais etnias (tutsi e hutus). À época houve quase nenhuma atenção do “Ocidente” (com a ONU se recusando em intervir no conflito, num pequenino país sem grandes “atributos” energéticos e minerais) aos eventos bárbaros que vitimaram um milhão de pessoas de um povo marcado – como toda a África – pelas perversas heranças do colonialismo e de sua versão “neo” do século XIX.

Conversando fortuitamente com um amigo acerca do filme no mesmo dia (07/01/2015) do ataque terrorista ao semanário francês Charlie Hebdo, foi quase automática a mesma indagação, feita há pouco menos de um mês, quando do ataque do Café em Sidney pelo muçulmano de origem iraniana Man Haron Monis (em 14/12/2014): por que o massacre de milhões de pessoas tem menor importância midiática e social do que o extermínio (atroz e condenável) de quinze pessoas (doze em Paris e três em Sidney)?

Rememorar o massacre de Ruanda trouxe à tona inúmeros outros fatos que foram negligenciados, esquecidos, negados pelos noticiários ocidentais, desde os mais distantes no tempo (os golpes empresarial-militares na América Latina, vivenciados por muitos de nós; as independências das ex-colônias em Ásia e África na segunda metade do XX, ou a eclosão da AIDS no continente mais miserável do planeta, antes de contaminar os brancos ocidentais, são alguns exemplos importantes) até os mais recentes, onde podemos citar não apenas o episódio australiano como também a epidemia de Ebola na África Ocidental que provocou cerca de 5 mil mortes em 2014 segundo a OMS, sendo a maior desde a descoberta da doença em 1976.

O que o filme, as mortes em Sidney e Paris envolvendo muçulmanos radicais e o Ebola têm em comum? Seja a ação de um indivíduo ou a morte de milhares, o que ocorre com o outro só tem importância quando nossa fronteira – cada vez mais encarnada na figura, concreta ou metafísica, do muro – é violada. O africano Mia Couto em Murar o medo (2011) já alertava que por muito tempo fomos (e ainda somos) ensinados (em casa, na escola, na religião etc.) que estamos mais protegidos quando não nos aventuramos para além da fronteira, dos muros de nossa língua, cultura, território.

Aumentando o escopo, a escala analítica, a despeito da vociferação costumeira dos conservadores de todas as horas, chegamos invariavelmente ao tema da reprodução do capitalismo em escala global, sob a roupagem de guerra ou de mercado ou quase sempre dos dois, produzindo e destruindo formas de sociabilidade, modos de vida, aliados e inimigos. Falar do fundamentalismo de rosto islâmico ou das guerras civis e epidemias na/da África contemporânea (cujo debate não pode prescindir da análise das indústrias bélica e farmacêutica, também profundamente vinculadas) é abordar, quer queira, quer não, as causas do “deserto do real” que é o Terceiro Mundo e suas subcategorias (Bem-vindo ao deserto do real, p. 49), cujo código postal tem endereço no núcleo hegemônico do capital (obviamente sem desconsiderar as dinâmicas internas de cada país), leia-se Estados Unidos-Europa-Japão e as experiências capitalistas autoritárias asiáticas como China e Arábia Saudita.

Se o ocaso da narrativa e da capacidade de intercambiarmos experiências, como vaticinou Benjamin em “O narrador” (1936), tem na profusão da informação como forma de comunicação uma de suas fontes, é imprescindível estarmos atentos sobre o que é o “novo” da vez dos telejornais, revistas e blogs, quais são os muros erigidos em termos de linguagem, identidade, sentidos. O massacre do Hebdo merece nossa atenção, nossas letras e lágrimas, mas se a informação só tem valor enquanto é “fresca”, tendo vida apenas nesse momento (p. 204), cabe indagar o que o frescor do ataque de Sidney, da chegada do Ebola na Europa e nos EUA, do extermínio de Paris deseja sustentar na superfície das coisas (as mobilizações da extrema-direita em França, Alemanha, EUA, nas ruas e nas urnas, contra minorias e estrangeiros, representam exemplos concretos), ou em outras palavras, quais antessalas são criadas a partir da cobertura “que não desliga nunca” de fatos que se não ocorressem do “lado de cá” do muro não ganhariam nem um precioso segundo de nossa atenção.

Não há dúvidas de que a islamofobia é uma chave de resposta poderosa forçando-nos a perguntar: por que os ataques de ocidentais contra ocidentais, seja de fanáticos ou da extrema-direita (como por exemplo o atentado de Oklahoma há exatos vinte anos ou os ataques na Noruega em 2011, que deixaram respectivamente, 168 e 92 mortos) têm uma cobertura mais “soft” do que ataques envolvendo árabes muçulmanos? O episódio de Sidney é paradigmático neste aspecto: um sequestrador e um saldo de 3 mortos tiveram uma colossal repercussão mundial durante o dia e semana adentro. Em setembro do ano passado a execução de 43 estudantes mexicanos por um cartel criminoso teve uma “leve” repercussão internacional. Será que atentados de organizações criminosas, de grupos neonazistas ou de seitas fanáticas têm um peso menor que aqueles cometidos por islâmicos?

Não custa alertar que a orquestração dos consensos em torno de agendas e práticas (neo) conservadoras e até fundamentalistas (termo que se tornou sinônimo de “Oriente” e de Islã) é diuturna e que as significações e justificações dos muros – linguísticos, sociais, econômicos, religiosos, seja em Berlim, Gaza ou Rocinha – são construídas socialmente, com os mass media jogando um papel estratégico sempre. Quando nos damos conta estamos sabendo mais sobre o “Mohammed” da vez do que sobre o que ocorre em nosso bairro, cidade, país.

Žižek ao abordar a guerra contra o terrorismo (que vale para todas as formas de guerra, simbólicas ou materiais, contra aqueles do “lado de lá” do muro) afirma que tal movimento: “(…) funciona então como um ato cujo verdadeiro objetivo é nos acalmar, na falsamente segura convicção de que nada mudou realmente” (Bem-vindo ao deserto do real, p. 51). Talvez já não possamos mais afirmar que o objetivo seja apenas nos acalmar, uma vez que as ofensivas “bárbaras” têm crescido de maneira galopante, sobretudo depois das retaliações que se seguiram ao 11 de Setembro. Basta ligar a tevê ou abrir um jornal para notarmos que mais do que calma, as guerras contra o “outro” (o distante, o diferente) nos exortam à tomada de posição, num esforço de legitimação e de incremento da violência sistêmica em detrimento da violência emancipatória (Violência, p. 161).

Obviamente a questão não é defender que as doze vidas massacradas esta semana em Paris valham menos que as milhões de Ruanda em 1994. O que nos parece inadiável e urgente é refletir sobre silêncios, nuvens de fumaça – como por exemplo a “amnésia” das epidemias como motor do “mercado da cura” ou do Talibã e do Estado Islâmico como resultados diretos da ingerência estadunidense naquela região – e “alteridades interessadas”, capazes de erguerem muros para que nada mude realmente.

Referências

BENJAMIN, Walter. “O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”.  In: Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (Obras escolhidas v. 1). São Paulo: Editora Brasiliense, 1987. p. 197-221.

COUTO, Mia. Murar o Medo [Texto apresentado na Conferência do Estoril, da Fundação Cascais, Portugal, ocorrida em 2011.]. Disponível aqui.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do real: cinco ensaios sobre o 11 de Setembro e datas relacionadas. São Paulo: Boitempo, 2003.

___. Violência: seis reflexões laterais. São Paulo: Boitempo, 2014.

***

Leia também, especiais para o Blog da Boitempo, Atentado contra a extrema esquerda na França, de João Alexandre Peschanski, Um ataque à imprensa e aos muçulmanos, por Gilberto Maringoni e, Reflexão sobre a chacina de Paris, por Miguel Urbano Rodigues e editores de O diário.info, além da nota oficial da Aliança Internacional dos Editores Independentes, O mundo (das ideias) ferido.

A esquerda diante dos fenômenos religiosos | Em tempos de barbárie e acirramento de fundamentalismos políticos e religiosos, a Boitempo dá início à publicação do curso “Sociologia marxista da religião”, de Michael Löwy.

Para além da fórmula da religião como “ópio do povo”, o sociólogo franco-brasileiro fornece elementos para compreendermos a dialética entre os elementos emancipatórios e os opressivos das religiões. De Marx e Engels, a Walter Benjamin e Hobsbawm passando por Gramsci, Bloch e Mariátegui, entre tantos outros “marxistas heterodoxos”, o panorama do curso oferece uma preciosa e urgente reflexão sobre como a esquerda deve se orientar diante do delicado terreno do fenômeno religioso.

A aula de abertura “Karl Marx como sociólogo da religião”, já está disponível online abertamente. Novas aulas toda semana. Acompanhe no canal da Boitempo no YouTube clicando aqui.

***

Carlos Eduardo Rebuá é Historiador, doutorando em Educação pela UFF e professor da UNIGRANRIO. Dele, leia também, Hereges marxistas: similaridades e permanências, sobre Walter Benjamin e Antonio Gramsci, e Sobre Sheherazades, Batmans e demônios.

***

O Espaço do leitor é destinado à publicação de textos inéditos de nossos leitores, que dialoguem com as publicações da Boitempo Editorial, seu Blog e obras de seus autores. Interessados devem enviar textos de 1 a 10 laudas, que não tenham sido anteriormente publicados, para o e-mail blog@boitempoeditorial.com.br (sujeito a aprovação pela editoria do Blog).

4 comentários em Muros e silêncios: o ataque ao Charlie Hebdo em perspectiva ampliada

  1. Republicou isso em xykosanto.

    Curtir

  2. Ana Gomes Almeida // 10/01/2015 às 17:16 // Responder

    Nesse contexto sugiro o filme A Batalha de Argel

    Enviada do meu iPad

    >

    Curtir

  3. Geraldo Pontes // 11/01/2015 às 13:23 // Responder

    Quanto ao peso que se dá a crimes de natureza terrorista, o que dizer do assassinato de argelinos em Paris, a mando do delegado francês Maurice Papon, em 17/10/1961, quando se manifestava pela independência da Argélia, então colônia da França? Os argelinos foram afogados no rio Sena. Um erro, um crime não justificam outros. Mas são tempos distintos para se ponderar qual foi a comoção, o método, os motivos?

    Curtir

  4. Temos que tomar muito cuidado ao relatar determinados pontos de vista em relação ao outro. Hoje vemos a França e o Mundo Ocidental se unindo em prol a uma nova Cruzada contra os Muçulmanos, podem estar certos disso. Ninguém fala de Guantânamo, da prisão norte- americana onde muçulmanos jihadistas estão sendo torturados até a morte, ninguém fala dos ataques da OTAN, liderados pela França, no intuito de levar a ”democracia” aos países governados por ditaduras teocráticas e de lideranças tribais e de etnias diferentes(Líbia, Síria), e ainda ficam zombando da figura Sagrada do Islamismo: O Profeta Mohamed(Maomé)… E se começassem a fazer zombarias a Jesus Cristo, a Buda, a outros Profetas? Duvido que as Igrejas Cristãs, Budistas e demais seguimentos religiosos aceitariam isso. O Charlie Hebdo, Jornal chargista, fazia criticas também ao Catolicismo, aos Papas, mas nunca no mesmo tom de provocação ao Islamismo e a Mohamed(Maomé). É duro dizer isso, pois também não concordo com o Terrorismo de maneira alguma, mas todos sabiam, e inclusive os franceses, que provocar os Muçulmanos acabaria nisso, pois sempre existirá um extremista religioso, independente da religião. E esse negócio de país do livre pensamento, de ideais de igualdade, liberdade e fraternidade, é só na teoria. Quantas vezes os franceses já deram demonstrações de nacionalismos contra os próprios europeus mesmo(os vinhos da Inglaterra, alguém se lembra?). Alguém se lembra que a França foi um dos países europeus que liderou/lideraram a proibição da entrada da Turquia na União Europeia, com o medo dela ser a ponte para a entrada de terroristas, e outros problemas? Sabemos que a Turquia é um país estratégico, e geograficamente, liga a Europa ao Oriente Médio também. Quanto são hipócritas esses franceses, e unindo a eles, o Mundo Ocidental em geral. Eu não sou Charlie, não concordo com ataques terroristas, porém não abuso daqueles que professam religião diferente, não zombo deles e respeito muito as crenças e religiões de qualquer povo. Quem sofrerá com isso são os Muçulmanos, principalmente aqueles do Oriente Médio que estão vivendo na Europa ou na América do Norte pois o preconceito(xenofobia) europeu(francês principalmente), norte- americano se fortalecerá de novo.

    Curtir

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. Michael Löwy: A infâmia | Blog da Boitempo
  2. Žižek: Pensar o atentado ao Charlie Hebdo | Blog da Boitempo
  3. Tariq Ali: Guerra entre fundamentalismos | Blog da Boitempo
  4. O stand-up como ethos | Blog da Boitempo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: