O stand-up como ethos

danilo gentili

Mensagem postada na página oficial de Danilo Gentili no Facebook.

Blog da Boitempo apresenta em seu Espaço do leitor textos inéditos escritos por nossos leitores. Quer colaborar também? Saiba como no fim deste post!

Por Carlos Eduardo Rebuá.

Já há algum tempo, mas sobretudo desde os episódios de Junho que a crítica de direita no Brasil – aquela que tem sido chamada de “crítica coxinha” (ainda que existam vários tipos de coxinhas, com ou sem catupiry) – tem flertado com um gênero de humor que a partir dos anos 2000 ganhou cada vez mais representantes e entusiastas por aqui: o stand-up. No atual cenário político do país, de acirramento de novas e velhas tensões e de hipertrofia da pequena política (na acepção gramsciana do conceito: a política do dia a dia, parlamentar, de corredor, de intrigas), é possível verificar, principalmente nas redes sociais, que estamos diante de um processo de “standupização” do discurso político, variante da política como espetáculo adaptada aos tempos hodiernos. Uma “ironia piadística”, um tom de anedota de stand-up e traços da arrogância agressiva do “humorista solitário” tem sido a tônica de muitas falas recentes, majoritariamente do campo mais reacionário.

Paripassu com a profusão do stand-up em todo o país, artistas, políticos, humoristas e até figuras de parca expressão passaram a reproduzir este formato comédia em pé em suas falas, formato que assume o papel de invólucro da crítica conservadora, seja ela estritamente política (Kim Kataguiri e Fernando Holiday do Movimento Brasil Livre são os grandes exemplos), oriunda de artistas (Lobão e Roger do Ultraje a rigor) e/ou dos próprios protagonistas deste tipo de comédia (Danilo Gentili).

No intrigante documentário O riso dos outros (2012), de Pedro Arantes, que radiografa o humor no Brasil contemporâneo tendo como eixo central o stand-up, fica evidente nas falas dos principais representantes do gênero a opção explícita pelo escárnio a priori, o menosprezo pelas minorias, a crítica despolitizada da política. Num dos momentos do filme afirma Gentili: o comediante tem que ser uma prostituta. O que eu quero é riso. Eu me vendo por riso. Se você riu, eu estou falando”. Vale tudo no mundo da comédia à la carte.

Ao mesmo tempo em que o stand-up e sua difusão monumental chega à tevê e ao teatro (há inclusive programas nos canais à cabo onde comediantes sabatinam convidados), provocando reações as mais diversas (ao abordar questões como a opção sexual, a cor da pele, o sexo com grávidas, a origem social, o estupro, a corrupção, a obesidade etc.), também se difunde para o espaço da política, flertando com a ideologia do cinismo de que fala Žižek  ou fundindo-se nela, sendo capaz de assumir um papel de ethos que impregna tanto a fala do coxinha do Leblon quanto do favelado de Pirambu no Ceará.

Da “Dilma sapatão-guerrilheira” ao “Não estupro você porque não merece” vemos todo um repertório dos bares e pubs onde ocorrem apresentações de stand-up comedy, que na maioria das vezes, ao se referirem às mulheres, aos homossexuais, aos negros (as), aos favelados (as), aos gordos (as) destilam toda uma carga de preconceito e de ódio que em alguns momentos lembram – guardadas as enormes diferenças – o crescimento do nazismo na Alemanha dos anos 1920-30, quando o recurso do humor desempenhou uma eficaz função de amálgama social antissemita, anti-estrangeiros, anti-gays, anti-ciganos, anti-portadores de necessidade especial etc. A escalada do autoritarismo, nos mostra a História, quase sempre vem acompanhada de um suporte humorístico que reitera e dissemina o ódio através de uma forma mais soft

Não estamos dizendo que o humor é tendencialmente de direita ou inclinado naturalmente ao descarte do “cachorro morto”, tampouco que vivemos (como muitos dizem de forma inadvertida ou descuidada conceitualmente) um momento nazi ou fascio. O humor como ruptura, a abordagem lúdica como crítica radical está bastante presente em nossa história recente, como comprovam O Pasquim e as trajetórias de nomes como Jaguar, Ziraldo, Henfil, Laerte, Angeli, Dahmer etc. O que queremos enfatizar é que no Brasil dos Bolsonaros, Sheherazades e Reginas Duarte, o humor, em sua carapuça stand-up, tem sido bastante exitoso na camuflagem do conservadorismo atroz de nossa sociedade, que ainda mantém elevadores de serviço nos prédios, que possui como 80% de seus deputados homens brancos e que condena o aborto a cada esquina.

Talvez o ethos stand-up traduza de maneira vigorosa o ethos liberal da resolução individual das coisas, das miradas atomizadas, como o comediante sozinho no palco, “com a cara limpa” e com texto próprio, que enfrenta a plateia. O comediante de stand-up talvez seja o simulacro do cidadão consciente que paga suas contas, declara seu imposto de renda, vai à igreja aos domingos e ajuda o Criança Esperança uma vez ao ano: ele dá conta sozinho! A standupização da política dialoga diretamente com outros processos cotidianos do Brasil, como a condominização da vida na cidade (que o psicanalista Christian Ingo Lenz Dunker tem trabalhado de forma original), a gourmetização da culinária (vide os reality shows de chefs que estão em todos os canais de tevê), a realityzação das relações humanas, a coxinhização do eleitorado.

Talvez caiba ampliar a assertiva gramsciana acerca da pequena e da grande política (“é grande política reduzir tudo à pequena política”), afirmando que no Brasil do nosso tempo, é grande política “standupizar” os grandes temas historicamente adiados ou atacados, reproduzindo via humor o que existe de pior no pensamento dominante do/no país e tornando a política uma anedota de quem perde o amigo, mas não perde a piada. Perdemos todos.

REFERÊNCIAS

DUNKER, Christian I. Lenz. Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo, 2015.
GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere (v. 3). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 21.
ŽIŽEK, Slavoj. “Como Marx inventou o sintoma?” In.: ŽIŽEK, Slavoj (org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996. p. 59-61.

***

Carlos Eduardo Rebuá é Historiador, doutorando em Educação pela UFF e professor da UERJ. Dele, leia também, Hereges marxistas: similaridades e permanências, sobre Walter Benjamin e Antonio Gramsci, Sobre Sheherazades, Batmans e demônios, e “Muros e silêncios: o ataque ao Charlie Hebdo em perspectiva ampliada“, no Espaço do Leitor do Blog da Boitempo.

***

O Espaço do leitor é destinado à publicação de textos inéditos de nossos leitores, que dialoguem com as publicações da Boitempo Editorial, seu Blog e obras de seus autores. Interessados devem enviar textos de 1 a 10 laudas, que não tenham sido anteriormente publicados, para o e-mail blog@boitempoeditorial.com.br (sujeito a aprovação pela editoria do Blog).

4 comentários em O stand-up como ethos

  1. Antonio Elias Sobrinho // 22/06/2015 às 18:57 // Responder

    O humor é uma forma de manifestação da comunicação e da arte formidável, até porque ele, além de instruir e divertir ajuda bastante as pessoas a conviverem com o drama real.
    Porém, a cultura humorista no Brasil, com raras exceções, desenvolveu-se reproduzindo todos os preconceitos e estereótipos.
    Os humoristas, regra geral, sempre procuraram aquelas facetas mais perversas do senso comum, derivadas de uma sociedade autoritária, machista e conservadora para vender suas piadas num mercado que sempre cultivou a gozação com as minorias e os mais fracos.

    Curtir

  2. Anaiá Zaleski // 22/06/2015 às 19:40 // Responder

    Texto perfeito, é por isso que ainda acredito unicamente no humor do Chaves com todas as suas ‘bruxas do 71’ 😉

    Curtir

  3. jhonny russel // 24/06/2015 às 14:51 // Responder

    O politicamente correto quer quer transformar o brasil num lugar de cagoes conformados, mentirosos e hipócritas. Desses que se riem de tudo, mas não o admitem. Vi um show desses em que entra no palco um cra de uns 80 kilos e fala – MINHA É COZINHEIRA E ATE OS MEUS 14 ANOS ELA ACHAVA QUE MEU NOME ERA “PROVA ISSO” – Que tal, vamos processa-lo por fazer uma piada autodepreciativa? No meio de tudo isso mais bizarro dias tudo é essa indignação seletiva: Dilma bolada faz humor do mesmo jeito, desata na rede piada de gosto tão duvidoso quanto Danilo gentili e nada acontece. Em uma postagem ja chegou a desejar a morte de alguém mas a o humaniza redes não chega ate o perfil e aqui nem uma nota sobre isso: INDIGNAÇÃO SELETIVA. A grande diferença entre os comediantes coxinhas é que, ao contrário de Dilma bolada, eles não recebem verba publica para fazer humor e de quebra ser cabos eleitoral. Ja o documentário citado é raso, não sabe ao que veio e se perdeu uma ótima oportunidade de fazer cinema.

    Curtir

  4. Pedro Serra // 29/06/2015 às 17:54 // Responder

    Texto muito interessante.
    Penso que não se pode responsabilizar os comediantes de stand-up, pois um humor que faz rir corresponde em alguma medida à alguma visão do mundo já compartilhada.
    O que é interessante é estabelecer uma correspondência entre este stand-up e, grosso modo, o comportamento ‘daqueles que pensam só no seu umbigo’ (que aparece no texto como “o ethos liberal de resolver as coisas por conta própria, das miradas atomizadas”). Comportamento que encontra, por sua vez, correspondência com facetas tão flagrantes em nossa (e não apenas na nossa) sociedade, como o sucesso desse stand-up (e de seus protagonistas: Gentili consegue inclusive programa de TV), a ‘condominização’ da vida na cidade, a “gourmetização” da culinária, a ‘realityzação’ das relações humanas e a crítica despolitizada da política.
    O texto abre espaço para atualização de uma questão antiga, eu diria filosófica, que envolve a tensão entre indivíduo e coletividade. Ou seja, da perspectiva individual de se enxergar ou como um átomo isolado (independente, superior, que não deve levar em conta o que lhe rodeia), ou como uma parte de um todo (que implica observar e compreender as alteridades do mundo do qual fazemos parte).

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. NOTA #10 [30/06/2015] (RJ) | CEII

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: