Lembrar Benjamin

Lembrar Benjamin significa admirá-lo. Não uma admiração contemplativa, mas como afeto e encantamento com a potência de seus escritos, atuais porque organicamente colados à cultura, ou melhor, à sua crítica.

Blog da Boitempo apresenta em seu Espaço do leitor textos inéditos escritos por nossos leitores. Quer colaborar também? Saiba como no fim deste post!

Por Carlos Eduardo Rebuá.

Eu vim do avesso,
Reverso do que é aceito.
[Sinto Encanto, Paulinho Moska]

Walter Benjamin foi o marxista que da maneira mais sensível buscou auscultar o mundo da experiência sob o capitalismo, imergindo nele – em nossa perspectiva –, sob três morfologias: a do flâneur, a do narrador e a do colecionador, que traduzimos como três prismas singulares de diagnose das catástrofes modernas, quais sejam a experiência, a rememoração e a permanência, esta última no sentido da preocupação com a coisa que se guarda para que não se perca.

Nenhum outro intelectual da dialética materialista impregnou na temporalidade um baixo-alto relevo capaz de indicar, num Jetztzeit ainda mais fragmentado que aquele dos anos 1920 e 1930, o que vai mal na cultura, o que estamos perdendo a conta-gotas e o que existe apenas sob fenótipos fantasmagóricos.

À tríade arquetípica apontada acima ousamos acoplar as esferas mais nítidas do pensar benjaminiano, discutidas por seus inúmeros intérpretes: o marxismo (experienciar: a práxis), a teologia judaica (rememorar: o rito) e o romantismo (manter/guardar: a crítica). A própria articulação destes campos é uma marca originalíssima legada pelo ensaísta alemão, ainda hoje debatida e de difícil leitura. Todavia, ainda que num arriscado passo – suscetível de ser compreendido como síntese apressada –, buscamos uma aproximação dos tipos humanos, das concepções de mundo e dos verbos no infinitivo aqui delineados, almejando, quem sabe, epigrafar Benjamin nos 125 anos de seu nascimento, completados em 15 de julho deste ano.

Lembrar Benjamin significa admirá-lo. Não uma admiração contemplativa, mas como afeto e encantamento com a potência de seus escritos, atuais porque organicamente colados à cultura, ou melhor, à sua crítica. Adorno sinalizou o orgulho e a estima pelo amigo em cartas que trocaram, sobretudo na maturidade deste. Admiramos, muitas vezes, aquilo que nos impacta imprimindo uma dificuldade de classificação à primeira vista, como uma música de ritmo estranho ou um filme que não entendemos, ainda, mas temos a sensação que isto ocorrerá em breve, tamanho foi o impacto em nós. É recorrente a percepção da sedução de Benjamin em seus primeiros leitores ou ouvintes, na arquitetura ou na filosofia, na história ou nas artes, nas epígrafes ou nos textos mais densos: gostam, mas é comum não saberem ao certo narrar para alguém, de forma imediata, porque aquilo lhes tocou, porque querem ler o autor novamente ou parar ali, naquele exato ponto do primeiro contato, do primeiro flerte. O filósofo de difícil classificação nos exige, invariavelmente, um tempo de decantação.

A perspectiva dos dominados e esquecidos, a ruptura com o tempo linear-uniforme, a defesa da experiência como partilha e sentido, sua antevisão da perda na crítica radical do capitalismo como modo de vida, a percepção da crise, o cuidado com o diminuto e o fugidio, sua atenção para com as crianças compõem um mosaico intrigante que não é qualquer cor, forma e imagem, mas exatamente o movimento constante de uma nostalgia da totalidade, ciente de sua corrosão simbólica e material, mas engajada no ânimo de sua busca.

De volta à costura triangular que realizamos, flâneur/marxismo; narrador/teologia; colecionador/romantismo, refletimos: como é difícil experienciar, lembrar e manter/guardar no desenraizado mundo hodierno, onde a melancolia ganha matizes distintos a cada fração do instante. A psicanálise talvez seja o espaço do contemporâneo que mais se esmera na radiografia destas dores, perdas e nas suturas possíveis em seus tecidos: para viver a modernidade é preciso uma constituição heroica, sinalizou Benjamin. Contudo, a melancolia para ele não é lamento, mas sintoma; não é patologia, mas uma antevisão da perda, visível nas narrativas das filosofias que compõem os pares que indicamos.

Nestas três fontes da reflexão benjaminiana há a preocupação e a atenção com a dissolução, o ocaso, a metamorfose, o processo, o que explica em grande medida suas marcantes presenças na cultura e nas análises sociais do presente. O perfume trazido por Benjamin à estas miradas é, sem dúvida, a perspectiva a contrapelo vinculada à uma compreensão da História como abertura-possibilidade: uma história que não é inevitabilidade, nem do caos nem da emancipação; que não é progresso linear e inexorável, mas imprevisibilidade e constructo humano, seja da tragédia ou da revolução.

Em sociedades cada vez mais isoladas na conexão, reprodutibilizadas na expressão, emudecidas na profusão, enxergar nos escombros rotas de fuga oníricas e concretas significa agir e pensar de forma revolucionária, resistindo. O flâneur, o narrador e o colecionador são os resistentes em Benjamin!

O flâneur é aquele que só existe na multidão, sem se confundir com ela, sentindo as rugosidades do urbano, os laboratórios do capital e do consumo, as mutações do poeta em assalariado, do pequeno burguês em proletário, do homem em coisa (D’Angelo, 2006, p. 242). O narrador é quem mantém viva em nós – rememorando – a certeza de que não há nada perdido definitivamente para a História: o tempo perdido para Benjamin não é o de Proust (o passado), mas o futuro, daí a relevância destes sujeitos sintonizados com a libertação da finitude, uma vez que o que rememoramos não tem limites, como ocorre com o que vivemos, encerrado na esfera do vivido. Por sua vez, o colecionador é o responsável por manter/guardar o fragmento, não como peça perfeita de um quebra-cabeças, mas como o agente que despe os objetos de seu caráter de mercadoria, tomando posse deles (Kang, 2009, p. 232), significando o tátil em certa oposição ao visual, enfatizando o valor de uso em relação ao valor de exibição. O colecionador é um investigador profano do mundo fantasmagórico, resultado do incremento da lógica da mercadoria como alicerce das relações sociais.

Sentir, rememorar e preservar assumem cada vez mais, como seus arquétipos, o lugar de experiência (Erfahrung) – para além das três filosofias que citamos –, que em Benjamin lemos como construção de novos e outros sentidos; como a criação coletiva de pontes que nos conectem à cultura; como a elaboração de histórias e narrativas que significam algo porque tecidas de forma partilhada pelos grandes-pequenos criadores implacáveis, que recomeçam o ciclo do novo a despeito das bombas-relógio das novas formas de barbárie que amedrontam e dilaceram.

Tomando por empréstimo as últimas palavras de Experiência e pobreza (1933), talvez o mais agudo de seus diminutos escritos: ficamos pobres sem Benjamin.  Por isso lembrá-lo será sempre a reivindicação intransigente e otimista da inventividade, da radicalidade sensível e da capacidade humana de construir uma existência plena de sentido, na contramão (Rebuá, 2015a, p. 330).

Num contexto de Brasil onde hegemonias, espectros e feridas escrevem e apagam projetos emancipadores e/ou conservadores, resgatar experiências de rosto humano em meio às ruínas de nossa gelatinosa democracia é tarefa para aqueles ainda não desprovidos de espírito, como escreveu Benjamin.

A Boitempo acaba de publicar o essencial Ensaios sobre Brecht, de Walter Benjamin! Até então inédita no Brasil, a obra reúne todos os escritos de Benjamin sobre Brecht, dos ensaios às passagens em seus diários, todos traduzidos diretamente do original em alemão. A edição vem acrescida de textos complementares de Rolf TiedmanSérgio de Carvalho e de José Antonio Pasta, orelha de Iná Camargo Costa, além de uma cronologia casada de Benjamin e Brecht. A publicação integra a coleção “Marxismo e literatura”, coordenada por Michael Löwy na Boitempo.

*

“O conjunto dos extraordinários ensaios benjaminianos sobre Brecht poderia ser lido como uma análise do sentido, da extensão e do alcance do distanciamento na obra brechtiana, servindo de antídoto e de advertência quanto a sua interpretação redutora.” – José Antonio Pasta

*

“Os adeptos das teses social-democratas a respeito do desaparecimento do proletariado, da luta de classes e das próprias classes devem ficar longe deste livro, pois ele é veneno puro. Já o arraial brechtiano no Brasil vai encontrar aqui as maiores preciosidades do Benjamin ensaísta, pois seu assunto é a experiência com o ‘agitprop’, com peças, poemas e narrativas de Brecht e com o próprio Brecht. É livro para panfletar.” – Iná Camargo Costa

*

Onde encontrar?

Referências

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Obras Escolhidas, III. São Paulo: Brasiliense, 1989.
___. Experiência e pobreza. In: O anjo da história. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2012. p. 83-90.
___. Ensaios reunidos: escritos sobre Goethe. São Paulo: Duas Cidades: Editora 34, 2009.
D’ANGELO, Martha. A modernidade pelo olhar de Walter Benjamin. Estudos Avançados, vol. 20, nº 56, São Paulo, jan./abr. 2006. p. 237-251.
KANG, Jaeho. O espetáculo da modernidade. Novos Estudos – CEBRAP,  nº 84, São Paulo, 2009. p. 215-233.
REBUÁ, Eduardo. Da praça ao solo: um novo chão para a universidade. As experiências das universidades populares de Madres de Plaza de Mayo [UPMPM] e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra [ENFF] em tempos de crise neoliberal na América Latina [2000-2010]. Tese [Doutorado
em Educação] – Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal Fluminense, 2015a.
___. Benjamin en Gaza: collages de Tesis ‘Sobre el concepto de Historia’ y breves notas. Revista Herramienta [Argentina], nº 56, Año VIII, 2015b. p. 129-139.

***

Carlos Eduardo Rebuá é Professor Adjunto da UERJ [História]. Professor Adjunto Credenciado do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFF [PPGE], onde ministra curso sobre a vida e a obra de Walter Benjamin. Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Católica de Petrópolis [UCP]. Doutor em Educação pela UFF. Mestre em Educação pela UERJ. Bacharel e licenciado em História pela UFF. Pesquisador do NUFIPE-UFF [Núcleo de Estudos e Pesquisas em Filosofia, Política e Educação]. Coordenador do Observatório de História, Educação e Cultura da UCP [HECO]. Organizador das obras “Gramsci nos Trópicos: estudos gramscianos a partir de olhares latino-americanos” (2014); “Educação e Filosofia da Práxis: reflexões de início de século” (2016), em parceria com Pedro Silva, e “Pensamento Social Brasileiro: matrizes nacionais-populares”, em parceria com Rodrigo Gomes, Giovanni Semeraro e Martha D’Angelo (2017). Dele, leia também, Hereges marxistas: similaridades e permanências, sobre Walter Benjamin e Antonio Gramsci, Sobre Sheherazades, Batmans e demônios, e “Muros e silêncios: o ataque ao Charlie Hebdo em perspectiva ampliada“, no Espaço do Leitor do Blog da Boitempo.

***

O Espaço do leitor é destinado à publicação de textos inéditos de nossos leitores, que dialoguem com as publicações da Boitempo Editorial, seu Blog e obras de seus autores. Interessados devem enviar textos de 1 a 10 laudas, que não tenham sido anteriormente publicados, para o e-mail blog@boitempoeditorial.com.br (sujeito a aprovação pela editoria do Blog).

3 comentários em Lembrar Benjamin

  1. Luiz Eduardo // 28/07/2017 às 17:01 // Responder

    Excelente texto! Bem escrito e preciso!
    Parabéns professor.
    Abraço saudoso.

    Curtir

  2. Republicou isso em Exousia.

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. Lembrar Benjamin – Blog da Boitempo – METAMORFASE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: