Michael Löwy: A infâmia

15.01.09_Michael Löwy_A infâmiaPor Michael Löwy.

Infâmia. É a única palavra que pode resumir o que sentimos diante do assassinato dos desenhistas e jornalistas do hebdomadário Charlie Hebdo. Um crime tanto mais odioso que estes companheiros eram pessoas de esquerda, anti-racistas, anti-fascistas, anti-colonialistas, simpatizantes do comunismo ou do anarquismo. Há pouco, participaram com desenhos em um álbum em homenagem à memoria das centenas de anti-colonialistas argelinos assassinados pela polícia francesa em Paris, em 17 de outubro de 1961.

Sua única arma era a pluma, o humor, a irreverência, a insolência. Também contra as religiões, seguindo a velha tradição anti-clerical da esquerda francesa. Mas no ultimo número da revista, que acabava de sair, a capa era uma caricatura contra o escritor islamofóbico Houellebecq, além de uma página de caricaturas contra a religião… católica. Charb – pseudônimo de Stéphane Charbonner – o editor-chefe da revista, era um artista de sensibilidade revolucionária, que ilustrou o livro do filósofo marxista Daniel Bensaïd, Marx, manual de instruções, publicado no Brasil pela editora Boitempo.

CHARLIE HEBDO MARX MANUAL

A última edição do Charlie Hebdo (n.1177), publicada no dia do atentado; e o livro Marx, manual de instruções, com texto de Daniel Bensaïd e ilustrações de Charb.

O ato destes fanáticos e intolerantes partidários do Jihad é um crime contra a liberdade de imprensa, o livre pensamento, a liberdade artística. Mas é também um crime contra o Islã, e contra os muçulmanos da França, que correm o risco de acabar pagando a conta de uma infâmia da qual não tem a mínima responsabilidade.

A onda de islamofobia, que tem se desenvolvido bastante na França nos últimos tempos, com o apoio de jornalistas racistas, ou escritores famosos como Eric Zemmour como Houellebeck, confunde muçulmanos com integristas, e integristas com jihadistas. Este clima deletério favorece as várias correntes racistas, fascistas, e sobretudo o Front National da família Le Pen, que fez do racismo islamofóbico seu principal fundo de comércio. Eles naturalmente tratarão de utilizar o crime dos jihaddistas para difundir seu veneno.

Uns e outros tentam instaurar um clima de “guerra das civilizações”, segundo a sinistra proposta de Samuel Huntington (um dos arquitetos da Guerra do Vietnã). É urgente lembrar que o verdadeiro conflito de nossa época não é entre “Islã” e “Ocidente”, mas entre os explorados e os exploradores, os opressores e os oprimidos, e, em ultima análise, entre os interesses do capitalismo e os da humanidade.

***

A esquerda diante dos fenômenos religiosos | Em tempos de barbárie e acirramento de fundamentalismos políticos e religiosos, a Boitempo dá início à publicação do curso “Sociologia marxista da religião”, de Michael Löwy.

Para além da fórmula da religião como “ópio do povo”, o sociólogo franco-brasileiro fornece elementos para compreendermos a dialética entre os elementos emancipatórios e os opressivos das religiões. De Marx e Engels, a Walter Benjamin e Hobsbawm passando por Gramsci, Bloch e Mariátegui, entre tantos outros “marxistas heterodoxos”, o panorama do curso oferece uma preciosa e urgente reflexão sobre como a esquerda deve se orientar diante do delicado terreno do fenômeno religioso.

A aula de abertura “Karl Marx como sociólogo da religião”, já está disponível online abertamente. Aulas novas toda semana! Acompanhe no canal da Boitempo no YouTube clicando aqui.

***

Leia também, especiais para o Blog da Boitempo, Atentado contra a extrema esquerda na França, de João Alexandre Peschanski, Um ataque à imprensa e aos muçulmanos, por Gilberto MaringoniReflexão sobre a chacina de Paris, por Miguel Urbano Rodigues e editores de O diário.info, além da nota oficial da Aliança Internacional dos Editores IndependentesO mundo (das ideias) ferido, e Muros e silêncios: o ataque ao Charlie Hebdo em perspectiva ampliada, publicada do Espaço do Leitor.

***

Michael Löwy, sociólogo, é nascido no Brasil, formado em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, e vive em Paris desde 1969. Diretor emérito de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Homenageado, em 1994, com a medalha de prata do CNRS em Ciências Sociais, é autor de Walter Benjamin: aviso de incêndio (2005), Lucien Goldmann ou a dialética da totalidade (2009), A teoria da revolução no jovem Marx (2012), A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano (2014) e organizador de Revoluções (2009) e Capitalismo como religião (2013), de Walter Benjamin, além de coordenar, junto com Leandro Konder, a coleção Marxismo e literatura da Boitempo. Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

4 comentários em Michael Löwy: A infâmia

  1. Ana Alice Cunha // 13/01/2015 às 1:27 // Responder

    Gostaria de receber material sobre o assunto.

    Curtir

  2. Emilia M. de Morais // 19/01/2015 às 16:10 // Responder

    Lamento deveras que meu comentário anterior tenha sido censurado.
    Sem mais para o momento, despeço-me.

    Curtir

  3. Emilia M. de Morais // 20/01/2015 às 1:04 // Responder

    Deixei o registro que o meu primeiro comentário fora censurado, e vocês publicaram sem réplica, ou seja, assumiram mesmo a censura!
    Embora condenando o atentado, do judaísmo (que nunca teve charge dos seus personagens fundadores), não se pode sequer dizer que foi poupado.
    Grata pela lição de defesa da “liberdade de expressão”.

    Curtir

  4. Cool! That’s a clever way of lonkiog at it!

    Curtir

6 Trackbacks / Pingbacks

  1. Žižek: Pensar o atentado ao Charlie Hebdo | Blog da Boitempo
  2. Tariq Ali: Guerra entre fundamentalismos | Blog da Boitempo
  3. aliás | juliana sayuri, uma repórter
  4. Blog do Pedlowski
  5. Opinião ## Charlie Hebdo: A infâmia | Milton Alves
  6. aliás | juliana sayuri

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: