Quem é Patricia Hill Collins?

Conheça Patricia Hill Collins, autora incontornável para entender o conceito de interseccionalidade. Não perca os descontos de até 40% em obras escritas por ou sobre mulheres no #8M da Boitempo!

Patricia Hill Collins nasceu em 1º de maio de 1948 na Filadélfia, Estados Unidos. Filha única de uma família da classe trabalhadora, com uma mãe secretária e um pai operário veterano da II Guerra Mundial, sua formação escolar ocorreu em escolas públicas, locais em que passou por momentos de silenciamento e invisibilização. Deixou a Filadélfia em 1965 para cursar a faculdade na Universidade de Brandeis em Waltham, Massachusetts, onde se formou em sociologia. Enquanto estava na faculdade, dedicou-se a promover modelos educacionais progressistas nas escolas da comunidade negra de Boston, o que lançou as bases para uma carreira que sempre foi uma junção de trabalho acadêmico e comunitário.

Collins fez seu mestrado em ensino de educação em ciências sociais na Universidade de Harvard e logo depois ensinou e participou do desenvolvimento do currículo na St. Joseph’s School e em algumas outras escolas em Roxbury, um bairro predominantemente negro em Boston. Então, em 1976, voltou ao ensino superior e atuou como diretora do Centro Africano Americano na Universidade de Tufts, em Medford. Voltou à Universidade Brandeis em 1980, onde iniciou seus estudos de doutorado em sociologia. Mudou-se para Cincinnati e ingressou no Departamento de Estudos Afro-Americanos da Universidade de Cincinnati, onde construiu sua carreira e trabalhou por vinte e três anos. Em 2005, Collins ingressou no departamento de sociologia da Universidade de Maryland como professora emérita, trabalhando questões de raça, pensamento feminista e teoria social. Em 2009, foi a primeira mulher negra a presidir a Associação Americana de Sociologia.

No premiado Pensamento feminista negro, publicado em 1990, Collins concebeu sua teoria da interseccionalidade das formas de opressão – raça, classe, gênero e sexualidade – argumentando que essas ocorrem simultaneamente, constituindo-se como forças mutuamente constitutivas que compõem um sistema abrangente de poder. O conceito de interseccionalidade, embora inicialmente articulado por Kimberlé Crenshaw, estudiosa do direito que criticou o racismo do sistema jurídico, foi analisado e teorizado por Collins. Na obra Interseccionalidade, escrita em conjunto com Sirma Bilge, Collins fornece uma introdução ao campo do conhecimento e da práxis interseccional.

Patricia Hill Collins é considerada, ao lado de Angela Davis e bell hooks, uma das mais influentes pesquisadoras do feminismo negro nos Estados Unidos.

Para saber mais sobre a autora, confira aqui no Blog da Boitempo:
Um guia teórico, metodológico e político para o feminismo negro, por Nubia Regina Moreira
A urgência do pensamento feminista negro para a democracia, por Juliana Borges
A perspectiva do feminismo negro sobre violências históricas e simbólicas, por Djamila Ribeiro


Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento, de Patricia Hill Collins

Escrito em 1990, o livro faz parte do cânone bibliográfico dos estudos de gênero e raça nos Estados Unidos. A autora mapeia os principais temas e ideias tratados por intelectuais e ativistas negras estadunidenses como Angela Davis, bell hooks, Alice Walker e Audre Lorde, e assim constrói um panorama do feminismo negro com referências de dentro e de fora da academia. Nesta obra intelectualmente rigorosa, Collins contempla tradições teóricas diversas, como a filosofia afrocêntrica, a teoria feminista, o pensamento social marxista, a teoria crítica e o pós-modernismo. Pensamento feminista negro faz parte do combo Essenciais, com 40% de desconto, juntamente com Reivindicação dos direitos da mulher, de Mary Wollstonecraft, Mulheres, raça e classe, de Angela Davis e Feminismo para os 99%, de Nancy Fraser, Cinzia Arruzza e Tithi Bhattacharya.

Interseccionalidade, de Patricia Hill Collins e Sirma Bilge

A interseccionalidade se tornou tema recorrente nos círculos acadêmicos e militantes. Mas qual é o significado exato do termo e por que surgiu como ferramenta indispensável para pensar as desigualdades sociais de raça, classe, gênero, sexualidade, idade, capacidade e etnia? Nesta obra, as autoras fornecem uma introdução necessária ao campo do conhecimento e da práxis interseccional. Elas analisam o surgimento, o crescimento e os contornos do conceito e mostram como as estruturas interseccionais abordam temas diversos, como direitos humanos, neoliberalismo, política de identidade, imigração, hip hop, protestos sociais, diversidade, mídias digitais, feminismo negro no Brasil, violência e Copa do Mundo de futebol.

Os dois livros estão na lista de descontos de 20 a 40% entre os dias 7 e 14 de março.


Não perca o debate Gênero, raça e classe: pensamento feminista negro e interseccionalidade, com Angela Figueiredo, Nubia Regina Moreira e Letícia Parks (mediação), que faz parte da programação do 8 de março! Dia 10 de março às 14h, na TV Boitempo:


Patricia Hill Collins explica Pensamento feminista negro em seis vídeos


Debate Interseccionalidade, com Patricia Hill Collins e Sirma Bilge e mediação de Lana de Holanda


Feminismo negro e a política do empoderamento, com Patricia Hill Collins


O pensamento de Patricia Hill Collins, com Nubia Regina Moreira


Aula de introdução ao pensamento de Patricia Hill Collins, com Winnie Bueno


Da reivindicação dos direitos da mulher ao feminismo marxista, confira a programação do #8M da Boitempo:

Da reivindicação dos direitos da mulher há 230 anos aos desafios do marxismo feminista com a ascensão do fascismo no Brasil e no mundo. O já tradicional #8M da Boitempo buscará apresentar o documento fundacional do feminismo, sua atualidade e seus limites, passando pelas origens do 8 de março na Rússia, pelos conceitos de patriarcado e reprodução social, pelas contribuições do feminismo negro às questões de gênero, raça e classe, com destaque para a interseccionalidade, até chegarmos às lutas feministas no Brasil contemporâneo. Ao longo de seis debates na TV Boitempo entre os dias 7 e 14 de março, apresentaremos as obras de Mary Wollstonecraft, Aleksandra Kollontai, Silvia Federici, Angela Davis, Patricia Hill Collins, Nancy Fraser Flávia Biroli.

Além da programação de debates na TV Boitempo, fizemos uma seleção de ebooks por até R$19,90 nas principais lojas do ramo, descontos de até 40% em livros escritos por ou sobre mulheres e combos arrasadores em nossa loja virtual:

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. O otimismo transformador de Patricia Hill Collins – Blog da Boitempo
  2. O otimismo transformador de Patricia Hill Collins | Provocações Teológicas

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: