As ideias de Fraga Araújo, futuro Chanceler de Bolsonaro

Carlos Eduardo Martins comenta o artigo "Trump e o Ocidente", assinado por Ernesto Araújo, recentemente indicado por Bolsonaro para o Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

Por Carlos Eduardo Martins.

As ideias de Fraga Araújo

O artigo “Trump e o Ocidente”, assinado por Ernesto Henrique Fraga Araújo, futuro Ministro das Relações Exteriores, é uma versão reacionária da já reacionária tese de Samuel Huntington, expressa em The Clash of Civilizations (1996) e, sobretudo, em Who are We? The Challenge`s to America`s National Identity (2004), menos conhecido do público brasileiro. Araújo aponta que o Ocidente não apenas está em perigo, mas está desesperadoramente em perigo. Seu texto propõe o engajamento na defesa do Ocidente para salvá-lo principalmente de seus inimigos internos, que seriam de longe os principais.

Para isso, ancora a essência do Ocidente em uma comunidade criada há três milênios, nas batalhas de Salamina em 480 A.C., que defendeu com sangue, sem diálogo nem tolerância, a sua própria identidade: a nação/pátria, entendida como unidade indissociável da liberdade, família, heróis, crença e história. O autor afirma que apenas o Ocidente reivindicaria a Pátria, que seria uma criação do espírito. Após um período de submersão de mil anos, entre os séculos I-XI, o Ocidente renasceria na Alta Idade Média, em torno da fé cristã, para a defesa da nação, que se materializaria nas cruzadas que expulsaram os árabes.

Segundo Araújo, a tradição vale muito mais que a modernização para definir o Ocidente. A modernização traz o risco do Ocidente se perder de si mesmo, criando seus inimigos internos. O ponto de ultrapassagem para a perda de si mesmo do Ocidente é, segundo o autor, a Revolução Francesa, “vírus de todos os despotismos que avassalaram o mundo”. Esta teria contestado a ideia de nação ao decapitar o Rei (sic!) e criado os seus inimigos modernos: o niilismo ateu, o liberalismo político, o marxismo e o pós-modernismo.

O Ocidente, portanto, nem se definiria pelo capitalismo e nem pela democracia liberal, mas por essa comunidade de credos que vê na Pátria a unidade que define a liberdade, a história e a família de forma singular, tolerando apenas a diversidade no mundo exterior. Cada nação, segundo o autor, é uma religião e uma vivência incomunicável.

O Ocidente se definiria pela singularidade e não por princípios universais, aceitando a convivência com um mundo de diferenças territorialmente segregadas. Em nome destes princípios, Araújo se coloca contra as migrações e contra os relativismos, entre os quais o marxismo cultural globalizante, que negaria o “fato biológico [sic!!] do nascimento de cada pessoa em determinado gênero e em determinada comunidade histórica”.

Araujo afirma que, após a Segunda Guerra Mundial, a Europa perdeu a capacidade de defender o Ocidente. Seja porque o socialismo teria se dividido em duas correntes (sic!!), a marxista e a nazista (sic!!) deturpando o sentimento nacional (sic!!), seja porque a criação da União Europeia teria afastado a Europa da ideia de pátria e nação, tornando-a a refém da burocracia e de um pensamento histórico de estruturas, sem heróis e sem vida.

Ameaçado pelo marxismo globalizante, pelo niilismo e pelo pós-modernismo, o Ocidente teria em Trump a chance de expurgar seus inimigos internos. Araújo o evoca como um herói que fala em nome de Deus para submeter o Ocidente a uma “terapia de recuperação da personalidade perdida”. A ação de Trump de resgate do Ocidente perdido não deverá se limitar às fronteiras territoriais dos Estados Unidos pois trata-se de uma identidade espiritual que se expressa numa comunidade definida de nações. O Deus dos heróis do Ocidente seria transcendente e imanente e agiria através da história

Para o Chanceler de Bolsonaro, o Brasil tem uma origem profunda e sagrada que o define como uma comunidade de destino do Ocidente: é filho de um Portugal envelhecido, mas eterno e infante, que lhe deu inicialmente o nome de Vera Cruz e Santa Cruz, trocado, posteriormente, pelo nome de uma planta, que se converte em lenha e, portanto, em cruz (sic!! credo?!!)

Sobre as ideias de Fraga Araujo

O artigo de Fraga indica as linhas prováveis de sua atuação como Chanceler. Elas deverão levar a política externa do Brasil à subordinação e ao alinhamento mais radical ao Imperialismo de Trump, bem como à ofensiva política que move no mundo. O autor se alinha às correntes anti-modernas surgidas da reação à Revolução Francesa. Elas constituem a base do conservadorismo radical que se expressou contra o liberalismo político e os trabalhadores em diversos momentos da história, como durante a ofensiva nazi-fascista.

Chama atenção, no artigo do autor, o descompasso entre as suas gigantescas pretensões e o seu wishful thinking, expresso nos silogismos simplórios com que elabora os seus argumentos. A formulação sobre o Brasil chega a ser constrangedora de tão rude. Caberia perguntar, sobre o artigo, se planta é lenha e cruz, é também nau? E se for nau, naufraga?

Boitempo nas eleições // Na nossa cobertura das eleições 2018 realizamos uma série de ações que buscam contribuir com a reflexão coletiva durante o período, entre as quais a publicação de textos inédito no Blog da Boitempo, vídeos na TV Boitempo e um serviço gratuito de indicações de leituras pelo WhatsApp, com curadoria da equipe editorial. Reflexões de Luis Felipe Miguel, Boaventura de Sousa Santos, Vladimir Safatle, Flávia Biroli, Esther Solano, Ricardo Antunes, Mauro Iasi, Christian Dunker, Rosane Borges, Mouzar Benedito, Dênis de Moraes, Flávio Aguiar, Felipe Brito, entre outros. Clique aqui para conferir.

***

Carlos Eduardo Martins é Professor Associado do Instituto de Relações Internacionais e Defesa da UFRJ e Coordenador do Laboratório de Estudos sobre Hegemonia e Contra-Hegemonia (LEHC/UFRJ). Membro do conselho editorial da revista semestral da Boitempo, a Margem Esquerda, é autor, entre outros, de Globalização, dependência e neoliberalismo na América Latina (2011) e um dos coordenadores da Latinoamericana: Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe (Prêmio Jabuti de Livro do Ano de Não Ficção em 2007) e co-organizador de A América Latina e os desafios da globalização (2009), ambos publicados pela Boitempo. É colaborador do Blog da Boitempo quinzenalmente, às segundas.

2 comentários em As ideias de Fraga Araújo, futuro Chanceler de Bolsonaro

  1. Antonio Tadeu Meneses // 19/11/2018 às 6:04 pm // Responder

    Será que essa “teoria da essência do Ocidente nas batalhas de Salamina”, tem alguma relação com a quela outra teoria de Arthur de Gobineau (1816-1882)?
    Para este francês em seu “Essai sur l’inégalité des races humaines” (Ensaio sobre a desigualdade das raças humanas) de 1853, supôs que a raça indo-europeia seria a ancestral de todas as classes dominantes da Europa e da Ásia Ocidental, sobretudo da nobreza francesa da qual ele alegava ser descendente.
    Karl Penka popularizou a imagem do ariano louro com olhos azuis, que e sobre tudo na Alemanha se transformou em uma crenças tão forte que virou uma espécie de religião denominada Arianismo.
    Porém esta ideia não se desenvolveu sem oposição, os italianos à desdenhavam com uma outra teoria que tinha um resquício direto da visão dos romanos e gregos, eles acreditavam que povos muito claros ou muito escuros eram racialmente inferiores e fracos.
    Esta discussão sobre a superioridade racial como “fato biológico” não foi suficientemente esclarecida no século passado?

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. As ideias de Fraga Araújo, futuro Chanceler de Bolsonaro — Blog da Boitempo | O LADO ESCURO DA LUA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: