Até onde vai seu antipetismo?

"O desdém é uma atitude politicamente perigosa. A médio e longo prazo ela instiga uma curiosa identificação com o desdenhado. Esses que não são uma minoria constituída nem reconhecida, sentem-se apenas irrelevantes indignos até mesmo de se portarem como vítimas."

Por Christian Ingo Lenz Dunker.

Uma pesquisa recente, conduzida por Pablo Ortellado, analisou 38 milhões de postagens nas redes sociais revelando aspectos intrigantes sobre os eleitores de Jair Bolsonaro. São antipetistas com forte indisposição para com a política e suas instituições conexas, entendidas como não confiáveis e desonestas. Estão indignados com métodos políticos tradicionais e querem uma mudança radical. Além disso, eles são anti-Globo. Com alguns ajustes e acomodações, essa seria também a atitude média de um simpatizante da esquerda “esclarecida”, na expectativa da autocrítica petista. Por mais paradoxal que seja, trata-se de um voto rico, masculino e de protesto. Em suma: o voto antipetista vem do pior tipo de esquerda, aquele que diante de uma dificuldade rapidamente se torna direita.

A análise dos posts revelou coisas surpreendentes sobre esse subgrupo específico. Nele não há nacionalismo, apesar do uso ostensivo da bandeira ou do verde e amarelo pelo candidato. O coeficiente de militância homofóbica ou preconceito racial explícito é baixo. Trata-se de uma maneira muito particular de traduzir e de usar o que Bolsonaro efetivamente diz. Tributando isso ao discurso de campanha, argumentando que não se deve acreditar em tudo o que ele diz, eles parecem estar mais atentos à enunciação do que ao enunciado do discurso. Aqui, por experiência social concreta, as mulheres têm uma leitura realmente diferente, que as imuniza contra esse efeito. Elas sabem que esse tipo de entendimento “na paralela”, de “código intragrupo”, envolvendo “ambiguidade e sedução”, particularmente quando vem de figuras de autoridade, é o mesmo tipo de parceria que silencia violências e invisibiliza iniquidades. Ou seja, não é apenas porque Bolsonaro diz coisas como “só não te estupro porque você não merece” dentro da Câmara dos Deputados que ele desafia as eleitoras, mas porque ele propõe uma enunciação que convida à leniência com a opressão.

Outros candidatos extravagantes foram eleitos exatamente porque seu eleitorado não acreditava na mensagem explícita, nem tomava ao pé da letra a truculência e a ofensividade do que seu líder colocava em discurso. Essa distância, que vai da ironia ao cinismo, cria sua própria oposição potencial. Ele captura a vergonha suprimida no cotidiano em uma vingança triunfal do nerd. Esse parece ter sido o caso da eleição de Trump, na qual negros e mulheres ficaram em casa em vez de votar porque afinal supunham que ninguém iria acreditar no conto da cenoura “Great America”. Este é também o erro estratégico dos que criticam Bolsonaro dizendo que ele é racista, homofóbico ou fascista, que ele não se importa com museus queimando e assim por diante. Isso tudo pode ser verdade, mas não é o ponto decisivo, pois diante desta crítica é como se ele respondesse aos seus eleitores: vocês sabem que todos nós somos um pouco assim, não é? Mas, ao contrário de Lula, eu não fui pego.

O desdém é uma atitude politicamente perigosa. A médio e longo prazo ela instiga uma curiosa identificação com o desdenhado. O clube dos que acreditam que a terra é plana, que vacina causa autismo ou que Hitler era de esquerda costuma sofrer muito com o sentimento de irrelevância. Para eles, crenças erráticas assumem um valor curiosamente inclusivo – neste caso, reforçado pela atitude de indiferença por parte do establishment. Crenças erráticas fazem parte da reação aos artistas, aos professores ou aos intelectuais que possuiriam uma prerrogativa da qual eles estariam excluídos. Esses que não são uma minoria constituída nem reconhecida, sentem-se apenas irrelevantes indignos até mesmo de se portarem como vítimas. De certa forma, gostariam de ter cotas para eles também, por isso são contra privilégios. Sentem que as mulheres ganham espaço e não entendem por que, afinal, se elas podem ser feministas, eles não poderiam então ser machistas.

O voto útil e o voto fútil

Quero crer que as próximas eleições serão decididas pela combinação entre o voto flutuante dos que consideram a própria situação de voto uma situação aversiva porque expõe sua inadequação discursiva, e os que diante da ausência de convicção acirram o voto antipetista. Ambos alimentam-se da polarização, mas por razões inversas. Enquanto o voto fútil escolhe Bolsonaro pela sua enunciação, que funciona como uma espécie de receptáculo vazio de opiniões, o voto útil escolhe Bolsonaro por seus enunciados, porque ele é a oposição fiel e consistente ao retorno do PT. Isso explicaria porque a campanha dele inclui memes, posts e comentários erráticos, que dizem “não me leve a sério”, mas também brados de autoridade e ameaças específicas, que dizem: “cuidado comigo”.

Os analistas ainda não chegaram a uma boa hipótese sobre por que os dois grupos capazes de desequilibrar a eleição são os mesmos que potencialmente teriam uma relação de reconhecimento pelos serviços prestados pelo PT, ou seja: a nova classe média e as camadas A e B. Lembremos que o petismo esteve associado com esse fenômeno que massa que foi a passagem de milhões de pessoas da miséria para a pobreza e da pobreza para a classe média consumidora. Lembremos também que durante os anos de lulismo, apesar da redução da desigualdade social, houve um incremento mais substancial ainda dos ganhos para os mais ricos. É certo que grandes promessas levam às maiores decepções, pois é preciso um laço forte para criar o sentimento de traição. Voltar atrás (nos dois sentidos: o de pedir desculpas e o de regredir socialmente) é algo muito difícil do ponto de vista psíquico. Frequentemente isso significa humilhação e perda narcísica, como se a partir de então nossa palavra ficasse sem crédito na praça. Neste ponto, o voto útil reencontra um dos piores defeitos da representação social do petismo: sua dificuldade de fazer autocrítica. Sem autocrítica ele não consegue recuperar a força da promessa fundamental: errei e não vou fazer de novo!

O voto fútil, ao contrário, parece viver da surpresa e irreverência de um candidato que se apresenta como autêntico, que fala como uma pessoa comum, que pensa em soluções simples, que todos pensariam, e que tem respostas contundentes. Ainda que boa parte das “mitadas” disponíveis na internet sejam vexatórias quando olhadas de perto, ou simplesmente falsas do ponto de vista da relação entre o título do vídeo e seu conteúdo, elas são retoricamente eficazes. Tais peças de propaganda confirmam pragmaticamente que um grupo muito grande de pessoas pensando a mesma coisa torna aquilo mais “real”, ainda que não seja “verdadeiro”. Isso cria a substância mais preciosa para alguém que se sente enjeitado socialmente: confiança.

O voto útil tem outra estrutura discursiva. Ele está assentado em uma história de conversas e embates nos quais honestidade e indignação foram assentadas na crítica ostensiva ao petismo. O sujeito em questão aqui argumentou que nada seria pior que Dilma. Defendeu o impeachment em nome da família. Tem amigos que bateram panelas no condomínio. Depois viu-se um pouco constrangido com o governo Temer e a seletividade da Lava Jato. Defendeu timidamente a cassação de Temer, mas achava deselegante falar em golpe. No fundo, foi enganado, como tantos outros, por uma direita gananciosa, que quis apressar as coisas e governou 30 meses em nome de ninguém. Logo, muito justo, que o mesmo ninguém aderiu a candidaturas como as de Meirelles e Alckmin.

Nesse oceano de ressentimentos e decepções, uma coisa passou a funcionar como ponto fixo. O fato inegável, verdadeiro e real, de que Lula foi preso. Surge assim um novo princípio, um novo nível de traição, uma súmula de aprendizagem que curiosamente ouvi também de vários amigos de esquerda: “corto minha mão, mas nunca mais voto no PT”. Neste caso, a raiva advém do fato de que uma parte grande da esquerda teria sido leniente com o PT. Via coisas erradas, mas olhava para o outro lado reconhecendo um cenário pior. Esta lógica do “menos pior” tem, portanto, uma história. Ela não acossa apenas a consciência da esquerda, mas também, curiosamente esse tipo de esquerda que agora tornou-se direita: anti-Globo, anti-políticos, anti-instituições e que pratica o “argumento ético”. Depois de tudo, esse mesmo grupo reencontra-se agora, e mais ainda no segundo turno, com a humilhação de, mais uma vez, votar no menos pior.

Um elemento decisivo nessa conta é o movimento #EleNão. Um movimento coletivo que retoma o início da conversa em 2013. Movimento que subverte a oposição entre “nós” e “eles” com a ideia de que “pode ser qualquer um” desde que não seja “este um”. Altera-se a gramática. Em vez de contar porque faz parte de um grupo é preciso reconhecer características daquela única pessoa. Olhar para este e não para o grupo ao qual ele pertence é um tratamento possível para o estado geral de monólogo de surdos, mas é um movimento decisivo para suspender a violência segregatória que se apossou do país. As mulheres trouxeram para a conversa uma dialética imprevista. Enquanto discutíamos até onde vai a família e a partir de onde começa o espaço público, o discurso do #EleNão percebeu que dentro da família há mulheres e homens, ainda que não divididos nesta ordem em todas as famílias.

Por isso, a pergunta fundamental para entender até onde vai esse antipetismo é saber quanto esses homens ricos e emergentes serão capazes de suportar voltar atrás, ouvir o que o outro fala e o que ele diz, de modo a suportar que seu sentimento de futilidade momentânea não significa que eles se tornarão inúteis para sempre.

Boitempo nas eleições // Na nossa cobertura das eleições 2018 realizamos uma série de ações que buscam contribuir com a reflexão coletiva durante o período, entre as quais a publicação de textos inédito no Blog da Boitempo, vídeos na TV Boitempo e um serviço gratuito de indicações de leituras pelo WhatsApp, com curadoria da equipe editorial. Reflexões de Luis Felipe Miguel, Boaventura de Sousa Santos, Vladimir Safatle, Flávia Biroli, Esther Solano, Ricardo Antunes, Mauro Iasi, Christian Dunker, Rosane Borges, Mouzar Benedito, Dênis de Moraes, Flávio Aguiar, Felipe Brito, entre outros. Clique aqui para conferir.

***

Christian Dunker foi um dos convidados do último episódio do podcast “Mamilos” sobre “Os desafios da democracia” junto com Pablo Ortellado, Ana Olmos e Cyrus Afshar. Vale a pena conferir:

***

Christian Ingo Lenz Dunker é psicanalista, professor Livre-Docente do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), Analista Membro de Escola (A.M.E.) do Fórum do Campo Lacaniano e fundador do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da USP. Autor de Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica (AnnaBlume, 2011) vencedor do prêmio Jabuti de melhor livro em Psicologia e Psicanálise em 2012 e um dos autores da coletânea Bala Perdida: a violência policial no Brasil e os desafios para sua superação (Boitempo, 2015). Seu livro mais recente é Mal-estar, sofrimento e sintoma: a psicopatologia do Brasil entre muros (Boitempo, 2015), também vencedor do prêmio Jabuti na categoria de Psicologia e Psicanálise. Desde 2008 coordena, junto com Vladimir Safatle e Nelson da Silva Junior, o projeto de pesquisa Patologias do Social: crítica da razão diagnóstica em psicanálise. Colabora com o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas.

13 comentários em Até onde vai seu antipetismo?

  1. Republicou isso em luveredase comentado:
    “O desdém é uma atitude politicamente perigosa. A médio e longo prazo ela instiga uma curiosa identificação com o desdenhado. Esses que não são uma minoria constituída nem reconhecida, sentem-se apenas irrelevantes indignos até mesmo de se portarem como vítimas.” C. D.

    Curtir

    • Criticando o PT e mostrando alguns erros petistas um certo candidato do PT humilhou um rival num debate e perdeu as eleicoes porque o povo se identifica com o oprimido. Apesar de que o candidato do PT tinha absoluta razao de ficar bravo porque se tratava de trabalho infantil mesmo assim perdeu as eleicoes. O povo tem medo das pessoas que sabem muito porque pensa que essas pessoas sao muito energicas e bravas. Infelizmente o povo nao esta acostumado com educacao, escola e professores.

      Curtir

    • Desdém?…
      O PT vive de clichês publicitários elaborados por marqueteiros.
      Nada espontâneo.
      Mas apenas um frio slogan (tal qual “Dononinho Vale por Um Bifinho”/Ou: “Fiat Touro: Brutalmente Lindo”). Não tem nada a ver com um projeto de Nação.
      Eis:

      0.
      “Coração Valente”
      1.
      “Fica Querida”
      2.
      “Impeachment Sem Crime é Golpe”
      3.
      “Foi Golpe”
      4.
      “Fora Temer”
      5.
      “Ocupa Tudo”
      6.
      “Lula Livre”
      7.
      “eleição sem Lula é fraude” [kuá!, kuá!, kuá!].
      8.
      “O Brasil Feliz de Novo”
      9.
      “Lula é Haddad Haddad é Lula”
      10.
      “Ele não”.
      11.
      “Haddad agora é verde-amarelo” [rsrsrs].

      PT é embusteiro. Vigarista.
      Vive de mitos publicitários.
      É o tal de: “me engana que eu compro”.

      Curtir

  2. Grande Dunker, colocar a turma para ler r não sonhar. Ler é melhor 😀😁😂

    Curtir

  3. Julio Cesar Basle // 02/10/2018 às 12:16 pm // Responder

    Muito bom analise das patologias politicas da nossa sociedade. Argentina esta sofrendo também as consecuencias de ter um presidente sociopata, como é Macri.

    Curtir

  4. Muito boa interpretação!

    Curtir

  5. Muito bom! Então quer dizer que metade do eleitorado brasileiro sufocado pela canalhice escrota dos politicos é apenas um “subgrupo”? Então quer dizer que, se o PT surrupiou letalmente o país, criou uma legião de 13 milhões de desempregados, atracou o Brasil num cenário de recessão e inflação, enviou trilhões para financiar obras de infraestrutura em ditaduras do exterior, além dos 60 mil assassinatos por conta da violência, tudo isso não passa de uma “dificuldade”? Até onde vai o cinismo de vocês? Criaram o Bolsonaro! Assinem a obra, tirem o time de campo, enfiem a viola no saco e deixem o Brasil ir pra onde quiser! Enfim, comam o pão que o diabo amassou, assim como dezenas de milhões estão comendo, e façam isso sem tanta tagarelice. Safados!

    Curtir

    • Lucas, sua revolta eh falsa porque voce esta apenas fugindo do cumprimento de sua pena. Sua revolta eh falsa igual aos seus argumentos porque voce nao sabe argumentar apenas repete o que os outros falam. Voce nao entende de politica voce nao quer pagar pelos erros que voce cometeu. Lucas, voce nao esta comprometido com a classe popular voce tem medo de pagar pelos seus crimes nem que para isso morramos todos da classe popular. O PT nao roubou e voce sabe muito bem disso. Lucas voce eh que tenta roubar o Brasil nao pagando pelos crimes que voce cometeu. O safado aqui eh voce! Procure a turminha do Bolsonaro que nao tem alimento cognitivo em casa. A unica coisa que voces sabem fazer eh difamar e logo logo estarao pagando esse crime, porque Deus quer justica no Brasil.

      Curtir

  6. Corrupção se paga com prisão. Me arrependo amargamente de ter votado no PT durante anos de eleições. :/

    Curtir

    • Keila, o PT errou ao perdoar os crimes que voce cometeu. Keila, voce trocou o seu voto em Bolsonaro a troco da impunidade. Se voce se livrar do cumprimento de sua pena aviso que existe a justica divina e que eh impossivel se livrar dela. Se voce ainda eh jovem com certeza vai pagar pelos seus crimes, meu pai ja votou no PT e hoje vota em Bolsonaro meu pai tem 88 anos. Ate quando voce acha que os ricos vao deixar voce nao pagar pelos seus crimes?

      Curtir

  7. Sergio Rodrigues // 19/10/2018 às 9:04 am // Responder

    17 e confirma.

    Curtir

  8. Aída Paiva // 02/11/2018 às 1:24 am // Responder

    Gostaria de saber o que deseja a pessoa que xinga o Dunker na internet? O que quer pra propria vida a pessoa que xinga o Dunker na internet? Estou buscando compreender pra ajudar as pessoas que aparecem na internet xingando o PT. Acredito que atraves dos xingamentos varias dessas pessoas estao pedindo ajuda. Muitas delas estao arrependidas por nao terem estudado mas a maioria esta achando que sabe muito porque o Bolsonaro fala a mesma coisa que elas e esta eleito presidente do Brasil.

    Curtir

    • Aída:

      PT?…

      PT vive de clichês publicitários elaborados por marqueteiros. Nada espontâneo. Mas apenas um frio slogan (tal qual “Dononinho Vale por Um Bifinho”/Ou o: “Fiat Touro: Brutalmente Lindo”).
      Não tem nada a ver com um projeto de Nação. Eis:

      0.
“Coração Valente”

      1.
      “A Copa das Copas”
      2.

      “Fica Querida”
      
3.

      “Impeachment Sem Crime é Golpe”

      4.
      
“Foi Golpe”

      5.

      “Fora Temer”
      
6.

      “Ocupa Tudo”

      7.

      “Lula Livre”
      
8.

      “eleição sem Lula é fraude” [kuá!, kuá!, kuá!].
      
9.
      
“O Brasil Feliz de Novo”

      10.
“
      Lula é Haddad Haddad é Lula”

      11.

      “Ele não”.

      12.

      “Haddad agora é verde-amarelo” [rsrsrs].
      13.
      ÁGUA PARA TODOS” (kkkkk).

      É o tal de “me engana que eu compro”.
      O Petismo vive de ótimos e CALCULADOS mitos publicitários.
      PT é vigarista.

      PT?… kuá, kuá, kuá!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: