As raízes da escalada conservadora no Brasil atual

15 03 27 Espaço do Leito Ascenção conservadoraBlog da Boitempo apresenta em seu Espaço do leitor textos inéditos escritos por nossos leitores. Quer colaborar também? Saiba como no fim deste post!

Por Rogério Castro.*

É uma espécie de consenso na realidade brasileira contemporânea a constatação de uma tendência que registra uma crescente inflexão de setores médios da sociedade para o pensamento conservador. Apontar algumas das raízes desse fenômeno são o objetivo desse esboço que pretende apenas apresentar de modo sintético alguns pontos ou linhas gerais do problema.

Durante o ano de 2013, em São Paulo, o Movimento (juvenil) Passe Livre (MPL) saiu às ruas para protestar contra o reajuste da tarifa do transporte público na capital paulista – administrada desde então pelo prefeito Fernando Haddad, PT. À época, articulistas da grande mídia, notadamente o senhor Arnaldo Jabor, no seu hoje praticamente extinto comentário no telejornal de final de noite da TV Globo, ironizaram aqueles jovens de “classe média” alegando ser “tudo aquilo” (referência aos protestos) por apenas “20 centavos” – era a diferença monetária entre o valor antigo e o reajustado da tarifa. Tal movimento, ao contrário do que prescrevia os sábios articulistas da grande mídia, muito bem pagos, diga-se de passagem, para “defender suas convicções”, adensou-se, ganhou novas pautas, chegou ao Rio de Janeiro, e teve alguns picos – na capital fluminense, um no dia 17 de junho e outro no dia 20 de junho de 2013. O Brasil estava prestes a sediar o evento da FIFA, Copa das Confederações, e muito se falava na grande mídia a respeito das obras majoradas dos estádios de futebol e sobre a utilidade dos mesmos após a realização da Copa do Mundo, realizada no país no ano seguinte. Em São Paulo, por exemplo, a FIFA havia exigido a construção de um novo estádio, o que acabou ocorrendo (“Itaquerão”), e, apesar de blindado pela Rede Globo, o mundo ficara sabendo que o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, havia cobrado propina, segundo o ex-presidente da AF (Federação Inglesa de Futebol) Triesman, para apoiar a candidatura da Inglaterra para sediar a Copa do Mundo em 2018 – apesar do esforço em poupá-lo, o mencionado dirigente chegou a desdenhar do que se falava sobre ele fora do Jornal Nacional, Teixeira acabou entregando o cargo, sob, desde então, uma avalanche de denúncias e investigações. A situação na saúde e educação públicas apareceram, de modo espontâneo, naquele Movimento, que passara a ser conhecido como Jornadas de Junho. O Brasil saiu às ruas contra [aquele] “atual estado de coisas” – ou seja, era mais ou menos esse o sentimento genérico da maioria das pessoas que saía de suas casas para protestar de maneira espontânea. Evidentemente que, conforme observava na época o ex-presidente da Associação dos Docentes da UFRJ (ADUFRJ), Mauro Iasi, aquilo era a expressão maior de um conjunto de contradições que se desenvolvia de modo latente no seio da sociedade brasileira, e que, uma hora, iria explodir, como explodiu. A repressão brutal da Polícia Militar paulista, posteriormente esquecida por significativa parcela da classe média paulistana refém dos direcionamentos da grande mídia, foi outro motivo que impulsionara as pessoas a reagir, movidas também pela indignação contra a truculência oficial do Estado. Tal revolta com a Polícia logo fez surgir, no seio da juventude, sempre mais afeita (e cheia de gás) a rebelar-se contra injustiças, jovens dispostos a enfrentar a PM com máscaras de gás, vinagre – para proteger-se das bombas de gás lacrimogêneo – e artefatos caseiros, como coquetéis molotov. O Brasil conheceu a ideologia Black Bloc (bloco de pessoas trajando preto), que, em Seatle, EUA, durante os protestos anti-globalização, em 1999, havia demonstrado a tática de ação direta que – segundo seus membros – tinha como objetivo “gerar prejuízos ao capitalismo”, destruindo corporações consideradas “símbolos do sistema”. Como grupo de pessoas (mascaradas, em grande parte, talvez para protegerem-se da repressão das inúmeras câmeras de vigilância situadas em toda a parte) que se unem e se identificam pela cor da vestimenta (preta), basicamente para a ação direta, despertaram a atenção pela destruição a bancos e ao patrimônio privado aqui no Brasil em 2013. A esquerda brasileira, confusa ou até estupefata diante do fenômeno inusitado e desacostumada com manifestações não coordenadas por ela, muito mais pela peculiaridade de ação do grupo do que pela dimensão que a manifestação tomou, oscilou em suas posições entre uma rejeição enérgica, em grande parte pequeno-burguesa, à destruição, e uma posição de encarar aquilo como produto da dinâmica do próprio capitalismo, como fora a reação espontânea dos trabalhadores de destruição às máquinas no século XIX, ainda que movidos pelo temor da iminente perda de emprego para o maquinário, e com menos sentimento de culpa ou responsabilidade; alguns chegaram a descrever os black blocs como neoludistas, em referência ao ludismo inglês.  A guerra de rua, com a utilização de barricadas, repetiu-se em São Paulo, mas, antes de arrefecer, teve maior incidência na zona sul do Rio de Janeiro, cidade que teve a sua Câmara Municipal ocupada no decorrer dos acontecimentos em prol da CPI dos Transportes e cuja manobras da maioria governista impediria uma investigação descomprometida, batalha travada pela oposição liderada pelo PSOL, que pretendia investigar o magnata dos transportes do Rio, Jacob Barata; dada a desproporcionalidade de forças, foram muitas as prisões, inquéritos e outras medidas judiciais – diga-se de passagem, ainda há encarcerados no Rio de Janeiro, em decorrência dos protestos.

Em síntese, as Jornadas de Junho, se compiladas, embora tenham tais demandas surgidas imprevisivelmente e espontaneamente, podem ser precisadas como lutas contra o transporte público de modelo concessionário (a bandeira do MPL é passe-livre universal), por mais investimentos em educação e saúde públicas (uma das palavras de ordem mais comuns que se ouvia nas ruas do Rio era “Da Copa (do Mundo) eu abro mão, quero dinheiro para saúde e educação!), e, intimamente ligado à isso, a revolta era movida pelos gastos astronômicos com a construção ou reformas dos estádios das 12 cidades-sedes da Copa do Mundo. O Movimento ganhou dimensão nacional, dias depois de ter aumentado de proporção em São Paulo e no Rio de Janeiro, e, como uma maré montante, explodiu no dia 20 de junho de 2013 levando mais de um milhão de pessoas às ruas do país – a imagem da tomada do Congresso Nacional, em Brasília, chegou a ser descrita por alguns como a Tomada da Bastilha, na França, em 1789, mas, movidos por sentimentos mais difusos do que os revolucionários franceses que queriam derrubar a monarquia feudal (ou eram guiados por um polo consciente desse propósito), aqueles jovens mostravam-se muito mais intrincados ao então filme “clássico” entre as novas gerações “V de Vingança”. As máscaras vistas nas ruas, nas convocações do grupo Anonymous e inspiradas no filme, que revela-se tão difuso e, em certa medida, confuso nos seus propósitos e na sua crítica ao regime social (não só confusa, como rasa e sem coerência crítico-analítica), mostravam-nos que, se se quisesse entender o que movia parcela daquela juventude, ter-se-ia que se mergulhar no universo da mesma, e este não era, entre os mais novos principalmente, os livros que tinham como objeto de crítica a sociedade engendrada pelo padrão industrial e suas várias mutações, mas sim o filme cujo título expressa o sentimento da revolta – vingar, por vingar-se (as tentativas de incendiar Casas Legislativas eram muito mais uma demonstração da vingança com os políticos do que uma ação consciente com o intuito de derrubar o Estado e reconstruí-lo revolucionariamente, como se viu em Paris no ano de 1871, ainda que seja uma reconstrução com vias estratégicas na sua desconstrução futura, ou uma ação que mostra a hegemonia do pensamento anarquista de esquerda, que projeta a destruição imediata do Estado, na juventude brasileira, ainda que a zona de influência e tal corrente política tenha saído fortalecida, também entre os professores da rede estadual de ensino, principalmente no Rio de Janeiro).

O ambiente horizontal e descentralizado da internet, como caracteriza os estudiosos da cibercultura, corretos na descrição de tal evento, principalmente com o advento das redes sociais e da circulação instantânea de informações, contribui para dificultar a apreensão das linhas motoras, ainda que espontâneas, do Movimento em questão; mas, creio que, ainda que espontâneo, uma das linhas motoras da juventude brasileira em 2013 tenha sido o filme “V de Vingança” – principalmente no momento em que o Movimento atingiu o auge. No Rio, por exemplo, não se pode descartar que a simpatia de fortes segmentos sociais com o deputado Marcelo Freixo na eleição para prefeito no ano anterior, o seu trabalho de denúncia ao modelo de cidade-negócio desenvolvido, ou seja, o rescaldo de 2012, não tenha tido relação com a composição original dos protestos de junho ali realizados e não tenha sido – também – uma das linhas motoras do Movimento – em seu primeiro momento, especialmente no dia 17 de junho. Como há um farto conteúdo sobre as Jornadas, com reflexões, como o livro Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil (Boitempo, 2013), ou como a análise empírica da cobertura da mídia no livro Vozes Silenciadas (Intervozes, 2014) – outro ponto sensível e decisivo para a manipulação da opinião pública –, assim como uma infinidade de artigos que exploram a infinidade de fatos aqui sequer mencionados, na Internet, o importante a reter aqui é que, de um modo geral, ainda que difuso em alguns momentos, o polo impulsionador dos protestos foi a esquerda, o sentimento da luta contestatória; nos momentos difusos, em que a força motriz hegemônica passou a se identificar com o “V de Vingança”, tal hegemonia não parecia incomodar-se com a presença da esquerda, o que não quer dizer que nutrisse as maiores simpatias. Indiferença, e não desprezo ou rejeição enérgica, talvez traduzisse a situação – mas isso até que a presença das bandeiras dos partidos de esquerda não desse início às turbulências e fissuras. Em parte, aquilo era a manifestação do que o filósofo Carlos Nelson Coutinho chamava de despolitização da sociedade, provocada pela ideologia neoliberalista e a imposição do pensamento único, que só a forma social atual é possível – ou melhor, irreversível. A incapacidade de a esquerda ler aquela situação ficou patente na sua falta de protagonismo político e iniciativa como força consciente e motora que se atualiza conforme os fatos – o problema teórico da compreensão do real a partir do ponto de vista da totalidade, como assinala Lukács desde 1923, nos parece ser ainda um dos principais entraves para tal superação. A ausência de quadros qualificados, e, por conseguinte, de um polo consciente para extrair as potencialidades daquela ebulição social, iria também, em grande parte, expressar e ser responsável pela não-observância na consolidação ou no surgimento de uma liderança pública, tal qual fora nas expressivas manifestações em 1992, ou nas manifestações operárias nos anos 1978-80. Evidentemente que aqui se interpõe o problema da composição social das manifestações de 2013, e também os limites; mas o fato é que não está dado ou pressuposto no começo os rumos e a evolução de uma crise social como a que se ensaiou em Junho de 2013 – a situação poderia evoluir, ter ganhado outro eixo dinâmico, mas, apesar de ter conseguido o êxito da redução das passagens no Rio e em São Paulo (que pouco depois seriam novamente majoradas), no Rio, a evolução condensou-se de modo mais expressivo na exigência – esta não exitosa – da saída do governador estadual Sérgio Cabral.

O fato é que a direita não ficou em casa assistindo às manifestações pela TV – outro fato inovador nesses protestos, a cobertura em tempo real teria sido, em parte, estimulada pela concorrência e contraponto das coberturas em tempo real (via internet) feitas pelos ativistas da Mídia Ninja e dos meios de informação da chamada mídia alternativa. A guerra na Avenida Paulista contra o vermelho das bandeiras, ou mesmo no Rio de Janeiro no dia 20 de junho de 2013, não era apenas uma manifestação do “independentismo” dos movimentos juvenis em rejeição às supostas (e às vezes reais) manobras dos líderes dos partidos, ou o receio de ser massa de manobra de interesses pejorativamente chamados de partidários; não era também uma rejeição às hierarquias e aos comandos ou instâncias partidárias superiores, cuja resposta são movimentos como o próprio MPL, que prima pela chamada horizontalização. A guerra contra as bandeiras vermelhas – e contra os partidos de esquerda – tinha como polo propulsor sentimentos e pensamentos conservadores que já há algum tempo vinham sendo gestados na sociedade brasileira – e que ganhou potencialidade com o poder de difusão da internet. A ação, ou a “grande estreia”, do pensamento conservador nas ruas de São Paulo e do Rio de Janeiro na quadra atual deu-se pegando carona ou usurpando um Movimento que, apesar do adensamento espontâneo posterior, teve como polo deflagrador a esquerda – apesar das reivindicações de independência e horizontalismo, o próprio MPL, com o desdobramento dos fatos, assumiu, e isto é um inevitável desdobramento necessário, ser um movimento anti-capitalista. Tal observação se faz importante aqui, pois, como é praxe na trajetória das forças conservadoras, as Manifestações de Junho de 2013 não foram por elas organizadas/convocadas, algo totalmente diferente do que se diz nesses dias de 2015. A entrada pesada e triunfal das forças conservadoras nos protestos deu-se, portanto, graças à polêmica das bandeiras, isolando e sufocando, com isso, a esquerda, que não fora capaz de sair-se dela. Com palavras de ordem despolitizadoras e com uma defesa abstrata do Brasil, como se o país não fosse todos nós e, a causa do dissenso social, não tivesse relação alguma com os habitantes daqui e o papel desempenhado por cada um deles na estrutura social, as manifestações, ainda que não totalmente influenciadas decisivamente por esta nova força motriz atuante, passaram a receber sua influência, e, ainda que não de modo inteiramente consciente pelos agentes dispersos deste polo, passaram a galvanizar importantes contingentes para uma zona de influência com polo alimentador conservador e reacionário – e o importante aqui, para o nosso propósito, é o desenvolvimento do ativismo militante de direita pela internet.

A questão é que após as Jornadas de Junho, os governos, inclusive o federal, passaram a dar respostas às reivindicações que vieram das ruas. O passe-livre, ainda que como política social focalizada, foi instituído, apesar das tarifas de transporte urbanas terem sido reajustadas – e muito – no período seguinte. A questão posta na forma do “direito à cidade” passou a ser tratada como “mobilidade urbana”. Em São Paulo, por exemplo, a prefeitura instalou dezenas de quilômetros de ciclovia. Na saúde, o governo federal, apesar de seguir na sua obstinada obediência ao superávit fiscal, lançou o Programa “Mais Médicos”, que levou médicos à áreas remotas do país. Na educação, o governo sancionou o projeto que destina 75% dos royalties e 50% do Fundo Social do Pré-Sal, após o mesmo ter sido aprovado pela Câmara dos Deputados. Naquela época, vale dizer, a rejeição geral era aos políticos (vide a docilidade com que o Congresso encaminhou respostas às ruas), diferente de hoje. Em relação à corrupção, propôs-se uma Assembleia Constituinte Exclusiva para a realização de uma Reforma Política, mas que por resistência do PMDB, e também da oposição conservadora, foi travada. A defesa por parte do PT do financiamento público de campanha – bandeira esta também defendida pelo PSOL (aliás, aqui encontra-se um ponto para iluminar aqueles que localizam o PT, em todos os aspectos, como parte do campo conservador) –, bem como a defesa de uma consulta popular via plebiscito para decidir pela realização ou não de uma Assembleia Constituinte Exclusiva, foi inteiramente rechaçada. Aqui, vale um parêntese, revela-se a hipocrisia e o caráter anti-democrático dos setores que nos dias de hoje falam em “combate à corrupção” e em tentativa de transformar o Brasil numa “ditadura bolivariana” – aos moldes da Venezuela. Ora, se a maioria da propina “cobrada” pelos partidos são “pagas” pelas empreiteiras sob a rubrica de “doações (oficiais ou não) de campanha”, por que então alguns partidos colocam-se contra essa clara tentativa de contenção da promiscuidade entre as agremiações e o poder econômico? Desde quando um plebiscito com participação popular direta é algo tirânico e ditatorial? Revela-se aqui uma assombrosa dissimulação no trato do problema com vistas ao seu equacionamento, assim como fica evidenciado que tal discussão só pode ser vedada ao conjunto da opinião pública por sofisticados mecanismos de controle e por articulistas mais engajados a um determinado ponto de vista do que comprometidos com o debate do problema até as suas últimas consequências. E é aqui que surge a proposta, defendida pelo PT e também pelo PSOL, de regulação dos meios de comunicação ou “democratização da mídia”, dado a forma como editorialmente os jornalistas são controlados e domesticados pelas redações pertencentes a monopólios e oligopólios, que, por conseguinte, acabam controlando a informação. A desfaçatez aqui se revela da seguinte maneira – a regulamentação da mídia inibe a liberdade de expressão; o Estado não pode controlar a informação – esbravejam –, mas um punhado de empresários da comunicação e políticos, sim.*

Ascensão conservadora

Passada as manifestações, pelo lado da sociedade civil (não no sentido hegeliano), a intransigência à esquerda passou a girar em torno do Conselho Federal de Medicina e a oposição ao “Programa Mais Médicos” – pelo programa importar médicos estrangeiros, e em sua maioria cubanos. O ódio ao regime cubano passou a acusar o governo brasileiro de cumplicidade com uma “ditadura sanguinária”. A questão a ser dita aqui é que, no geral, o crescimento desse sentimento anti-esquerda não pode ser compreendido como um fenômeno despropositado, sem a interferência ativa, consciente e sistemática de um polo propulsor, e muito menos, em alguns casos, como um saudosismo de quem supostamente viveu “bem” entre os anos de 1964-1985. Refiro-me aqui, em linhas gerais, a um polo intelectual de jornalistas e escritores brasileiros que são, hoje, a força motriz da escalada do pensamento e da ação liberal-conservadora e ultra-conservadora (reacionária), bem como as consequências da entrada das Igrejas Evangélicas no “debate público” nacional.

No campo editorial, o ex-jornalista da revista Veja, Leandro Narloch, é responsável por uma sistemática “releitura” do mundo, da América Latina (em parceria com Duda Teixeira, jornalista e editor-assistente de internacional de Veja) e do Brasil – os chamados Guias Politicamente Incorretos. O encarregado de escrever a “releitura” da História da Filosofia, proposta impensável para um ex-jornalista de Veja, é o filósofo e professor da PUC-SP, Luiz Felipe Pondé, co-autor do título “comovente”, e sugestivo, “Porque virei a direita – três intelectuais explicam sua posição pelo conservadorismo” (2012), junto com João Pereira Coutinho, que acaba de lançar no Brasil “As ideias conservadoras – explicadas a revolucionários e a reacionários” (2014), e Denis Rosenfield, professor da UFRGS e autor de “Reflexões sobre o direito à propriedade – condição de liberdade” (2007). Outro “Guia Politicamente Incorreto” é o “Livro Politicamente Incorreto da Esquerda e do Socialismo”, lançado em 2013, de Kevin Williamson (este livro no site da Livraria Saraiva estava na lista dos mais comprados). Temos ainda como combatente do front editorial conservador o historiador, também da USP, Marco Antônio Villa, que, pela Editora Leya Brasil, lançou, em 2012, o livro “Mensalão – o Julgamento do Maior Caso de Corrupção da História Política Brasileira”, cuja capa, vista em todos os recantos do bombardeio publicitário que é a internet, chama a atenção, por trazer uma mulher trajando um atraente vestido com a bandeira brasileira cercada por políticos com olhares sedentos e parcialmente fantasiados num baile de carnaval. Villa também escreveu “Década perdida”, pela Editora Record, no ano de 2013, e cujo trabalho se encontra na 8ª edição, bem como “Um país partido: 2014 – a eleição mais suja da História” (Leya, 2014). Outro autor, que se autoproclama um “liberal sem medo da polêmica”, é o economista Rodrigo Constantino, também alçado pela Veja como colunista no front da internet, o que lhe rende uma legião de “seguidores”. Constantino – que também é presidente do Instituto Liberal no Brasil – acaba de lançar “Contra a maré vermelha” (Record, 2015), livro em que colige artigos publicados por ele no jornal O Globo, do Rio de Janeiro, entre os anos de 2009 a 2014. Mas o seu sucesso editorial mesmo é “Esquerda Caviar” (2013), que está na sua 8ª edição e vendeu mais de 40 mil exemplares, além de ter figurado nas listas da Veja, Época e O Globo. Rodrigo escreveu também “Privatize já: pare de acreditar em intrigas eleitorais e entenda como a privatização fará o Brasil um país melhor” (2012), “Liberal com orgulho” (2011), “Economia do indivíduo: o legado da escola Austríaca” (2009), “O poder das ideias – A vida, a obra e as lições de Ludwing von Mises” (2010), dentre outros. Constantino também apresenta o livro “Nossa Cultura.. ou o que Restou Dela”, de Theodore Dalrymple, lançado este ano. A “Escola Austríaca”, “O Essencial de Von Mises”, ambos lançados em 2010, “A mentalidade anti-capitalista”, de Ludwing von Mises, 2013, são obras que confirmam que a escalada conservadora no campo editorial é articulada. O jornalista Reinaldo Azevedo, hoje blogueiro de Veja e colunista da Folha de S. Paulo, e que conta, segundo sua página na enciclopédia virtual Wikipédia, com 150 mil acessos diários em seu blog, mostrando assim uma influência não desprezível, lançou, em 2012, “O País dos Petralhas- II”, uma reunião de ensaios e artigos sobre política, mas também sobre aborto, homossexualismo, discriminação das drogas, etc., temas para os quais ou tem posição contrária e conservadora, ou polemiza negativamente com os movimentos organizados (gays). No flanco extremo dessa plêiade conservadora, destaca-se aqui o mais velho de todos os “novos conservadores” brasileiros: o filósofo e entusiasta do regime militar, Olavo de Carvalho. “O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota”, lançado no ano de 2013, é uma obra que reúne textos do autor que, além de ser articulista do site direitista Mídia sem Máscara, há alguns anos dá cursos e grava vídeos divulgados pelo YouTube alarmando seus ouvintes, dentre outras, para os riscos do Foro de São Paulo e a “ameaça” do comunismo na América Latina.

No campo do jornalismo, apesar de alguns dos autores acima serem colunistas em alguns jornais, revistas e telejornais, destacaremos aqui os dois mais raivosos dos liberais: Reinaldo Azevedo e Rodrigo Constantino. Ambos são blogueiros da revista Veja, do grupo Abril, e se destacam por produzirem artigos, com audiência não desprezível, quase inteiramente panfletários e com o objetivo exclusivo de atacar o pensamento de esquerda. Azevedo e Constantino, como jornalistas, poderiam ser chamados de estalinistas de sinal contrário; isto é, submetem a ciência à propaganda, suas pautas deixam de ser guiadas naturalmente pelos fatos que emanam da dinâmica social para partirem do princípio obsessivo de atacar a qualquer custo o pensamento de esquerda (propaganda). E para ilustrar o seu ataque não apenas ao governo federal, podemos citar aqui as duras críticas dirigidas por Constantino à Vladimir Safatle, filósofo da USP e militante do PSOL, ou mesmo a censura raivosa e radical de Reinaldo Azevedo aos protestos contra o Leilão do Campo de Libra, em 2013, ao PSOL e ao PSTU (os destaques nos textos de ambos são sempre feitos em azul, e nunca em vermelho, mostrando, fato dito abertamente pelos mesmos, a que nível rebaixado de intolerância chegaram). Se pegássemos dois renomados articulistas da grande mídia, como Miriam Leitão e Elio Gaspari, e comparássemos com os dois, veríamos um contraste entre o ataque premeditado e obsessivo destes dois últimos com uma oposição à esquerda mais equilibrada, sutil e até mais racional daqueles – por partirem e argumentarem dos fatos e não pura e simplesmente do ataque obsessivo e até mais irracional. É aqui, portanto, a nosso ver, que está a base intelectual do ódio e da intolerância mais radical à esquerda, vistos nos protestos de 15 de março de 2015. Outra que se destacaria na mais nova legião de reacionários é a jornalista Rachel Sheherazade, comentarista da rádio Jovem Pan, em São Paulo, e do SBT. Ela se destacou por tentar, mesmo sendo mulher, defender o militar da reserva e deputado federal, Jair Bolsonaro, de sua fala infame de que não estupraria a deputada Maria do Rosário (PT) por “ela não merecer”, e por defender jovens de classe média do Rio de Janeiro que amarraram um garoto negro a um poste após o mesmo praticar um pequeno furto.  

No andar de baixo, as inflexões de dois roqueiros brasileiros ao pensamento conservador não podem ser entendidas sem a compreensão desse caldo cultural de direita. Lobão, que até escreveu um livro chamado “Manifesto do Nada na Terra do Nunca”, antes de ter sido doutrinado por Olavo de Carvalho, era um artista que aparentava possuir algum tipo de credibilidade intelectual; mas, submetido a doutrinação barata e ao seu ímpeto de querer ser sempre maior do que realmente é ou pode ser, mostrou ser alguém de diminuta estatura intelectual, de frágil formação filosófica – a sua conversão fora precedida, anos antes, de uma luta contra a exploração das gravadoras sobre os artistas, da luta contra a hipócrita “guerra às drogas” e mesmo de uma prisão por porte de entorpecente. Não se imaginava que alguém que tecesse tão lucidamente uma crítica ao modo burguês de vida (“Sua vida burguesa é um romance/um roteiro de intrigas/para Fellini filmar”) pudesse se reencantar tão credulamente. O suposto comediante Danilo Gentili, com quase 10 milhões de seguidores no Twitter, famoso por ser um dos precursores do gênero comédia stand-up no Brasil, é outro que pode ser considerado um influente produto do caldo cultural direitista que vem se instalando no Brasil. Numa de suas apresentações ao estilo do “Politicamente Incorreto”, vê-se, além da baixeza dos seus argumentos e que denuncia a sua pífia formação cultural, um discurso altamente preconceituoso, como o que critica Lula por não saber, segundo ele, ler (como se ele, Gentili, fosse exímio conhecedor da cultura universal), e dirigido premeditadamente contra a esquerda – no stand-up citado, ele diz não fazer sentido algum a esquerda ter lutado contra a ditadura, desdenha da tortura e das guerrilhas, bem como acusa Plínio de Arruda Sampaio, ex-candidato do PSOL à presidência, de ser “um rico comunista que quer dividir as terras, mas não as suas” (o evento ocorrera em 2010, na cidade de Brasília). Ao lado de Gentili na trincheira anti-esquerda encontra-se o roqueiro Roger (Ultraje a Rigor), que desfere, em outras palavras, o mesmo pensamento de Danilo e do caldo cultural direitista, mostrando, também, com isso, pífio conhecimento histórico e fraquíssima formação filosófica – condições basilares para se fazer arte de verdade.

A legião de seguidores que estes indivíduos possuem nas redes sociais e o caldo cultural ao qual se encontram envoltos e que reproduzem são suficientes para, já que eles ou são formadores de opinião, ou exercem pressão sobre ela, se constituírem fortes “correntes de opinião” conservadoras. Não é à toa que se ouve falar nos dias correntes em “bolsa-ditadura”, ou nos “crimes cometidos pelos militantes de esquerda” durante o regime militar – para ficar só com esses exemplos. A ignorância histórica, a superficialidade e a estupidez professadas por esses argumentadores só merecem atenção aqui pelos estragos que têm feito sobre as referidas audiências. Faixas cobrando menos “doutrinação marxista” nas escolas, ou mesmo “menos Paulo Freire”, ou ainda “Mais Mises, menos Marx”, durante os protestos do dia 15 não são casuais; antes são reflexo não apenas desse caldo cultural, como também resultado da pregação de seus agitadores conservadores, como Rodrigo Constantino (é só ir ao blog do presidente do Instituto Liberal, no site de Veja). A comparação com o regime militar e os pedidos de intervenção não podem ser inteiramente compreendidos sem a observância dos textos, áudios e vídeos – com relativa audiência – do defensor do golpe militar de 1964, Olavo de Carvalho, que “milita em prol do Brasil” direto dos EUA. Longe de bobo, Carvalho, que mostra conhecer o marxismo ao falar que o único componente racional de sua teoria é a sua explicação do mundo social a partir do trabalho, na sua lógica conspirativa, apregoa em seus vídeos que, enquanto os militares pensavam ter “aniquilado” a esquerda no Araguaia, ela estava com o PCB fazendo a revolução cultural, imiscuindo-se na cultura nacional, por já ter lido A. Gramsci; é daí que se entende porque alguns chegam a dizer hoje ser grandes jornais, como a Folha de São Paulo e O Globo, jornais “contaminados” pelo pensamento de esquerda (ver entrevista de Olavo à Veja, 03/04/2011). É a visão de um totalitarista.. de uma direita com aversão ao debate lógico e racional – e, por conseguinte, não democrática. E aqui, uma vez mais, estariam dadas as condições para o ressurgimento do ódio e da tolerância zero à esquerda.

Em amplo sentido, essas diversas correntes de opinião de direita acabaram por se expressar nos últimos tempos em grupos para a ação prática – uma espécie de oposição extra-parlamentar conservadora. Atuando majoritariamente nas redes sociais, grupos como “Movimento Brasil Livre”, ou mesmo “Revoltados On Line” (com quase 750 mil seguidores no Facebook) e cujo líder, Marcello Reis, defendera a intervenção militar e extinção de partidos, “Vem pra rua” (os articuladores do “panelaço” contra Dilma) apregoam, volta e meia, ataques à Venezuela, Cuba (cartazes contra Cuba e anti-revolução bolivariana não são aleatórios), e a tudo que possa lembrar Marx, a esquerda ou o comunismo (“A nossa bandeira jamais será vermelha”, não foi uma palavra-de-ordem inflamada à toa), onde refletem o mesmo ódio do caldo cultural conservador e reacionário gestado por seus intelectuais (“Olavo tem razão”, é o que dizia uma dos cartazes). Em entrevista à BBC, a líder do MBL afirma com todas as letras não ser apenas anti-PT, mas ser a favor da privatização da Petrobras e liberal. As redes sociais são a condição para a rápida proliferação de suas mensagens na selva que se tornou a internet, principalmente para o cidadão médio. Não foi por acaso que viu-se, semanas atrás, um cartaz com a promessa de se recompensar por um líder do MST “vivo ou morto”, ou mesmo tanta gritaria por Lula, na ABI, dias atrás, ter falado em convocar o “exército” do MST e a sua fala ter sido distorcida do sentido metafórico para o literal. Tais fatos não podem ser compreendidos desconexos do ambiente de exasperação que vem sendo gestado no país.

O outro polo que nutre o pensamento conservador no Brasil atual é o evangélico. Fundado em verdades previamente reveladas, e portanto avessas ao exame empírico característico da ciência na era moderna, o pensamento religioso, por isso, é dogmático; crer, contra qualquer evidência empírica, antes e acima de tudo, na existência de um Ser Supremo. O seu guia são as Escrituras Sagradas – Bíblia. E, por elas conterem antes e acima de tudo a verdade, que fora previamente revelada, não só defendem ardorosamente o Pecado Original ou o Fim do Mundo, mas têm exigido de seus seguidores uma conduta sempre compatível com as suas interpretações do evangelho. Silas Malafaia é no Brasil de hoje um dos mais engajados na Cruzada da Fé contra os ímpios e detratores da “Palavra de Deus”. Não por outro motivo, inclusive nas últimas eleições com o candidato Pastor Everaldo, que em temáticas mais gerais era uma espécie de linha auxiliar de Aécio Neves tamanha identificação com a linha neoliberal, sumamente diziam ser “família, homem e mulher, a favor da vida do ser humano desde a sua concepção e contra a legalização das drogas”; era uma referência clara à temas postos na ordem do dia por movimentos sociais brasileiros. Qualquer componente de racionalidade para esse setor – que inclusive hoje preside a Câmara dos Deputados – é facultativo; a fala de Eduardo Cunha de que o aborto só seria discutido na Casa Legislativa “após passar por cima do seu cadáver” pode ser vista como mais do que uma declaração carregada de sentido político; ela parece refletir muito mais o sentimento religioso de sobreposição do dogma e da fé sobre o diálogo racional, traço constitutivo do debate científico e público modernos; e o problema aqui é que isso não nos parece ser um caso isolado – André Singer, em palestra realizada em São Paulo em 2012 (disponível no YouTube) sobre a ascensão do conservadorismo, pontua para a ascensão das confissões evangélicas e a relativa identificação destas com o pensamento conservador, bem como observa a decaída do pensamento progressista na Igreja Católica e a perda de sua influência no país – é só contrastar, por exemplo, o humanismo de Frei Beto e Leonardo Boff com o dogmatismo e conservadorismo de Silas Malafaia, Marco Feliciano ou o Pastor Everaldo, este último conhecido em 2014 pelo bordão “vou privatizar tudo!”.

A confluência dessas ações em vários fronts – como aqui salientado – tem como desaguadouro a criação do Partido NOVO – “um partido político sem políticos”, como se auto-definem, como se a defesa da “redução da área de atuação do Estado [leia-se: privatização dos serviços públicos], a “diminuição da carga tributária” [para os empresários?] ou a defesa do “livre mercado” não fossem uma “ação política”. O Partido, fundado em 2011, sem dar destaque para a presença de nenhum trabalhador não-intelectual (vide Página oficial na Internet), com mais de 750 mil seguidores no Facebook, já aguarda, desde o ano passado, o registro oficial junto ao TSE. Quem preside o NOVO, cuja inovação se resume a um ressuscitar das velhas ideias liberais do século XVIII, é João Amoedo, administrador e conselheiro do Itaú-BBA. Em entrevista ao autor de “Privatize já”, Rodrigo Constantino, Amoedo diz que não há por que o Estado está envolvido em exploração de petróleo, manutenção de estradas e bancos, defendendo, em outras palavras, sem o menor pudor, a privatização total da Petrobras, da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil. Amoedo vai mais além e diz que o Estado deve focar apenas na Educação Básica, posiciona-se contra as cotas raciais, destituindo qualquer componente histórico da análise (o passivo colonial), contra o Bolsa Família, pelo Programa não ter “uma porta de saída” (como se os programas de transferência de renda não tivessem conexão alguma com o atual estágio da economia capitalista, na geração da pobreza), defende a flexibilização das leis trabalhistas (FGTS opcional), além de defender o desenvolvimento de mais iniciativa privada na saúde. Por mais carência de substância teórica que exista nessas análises, o que não quer dizer que seus formuladores sejam leigos e aventureiros, longe disso (são leitores de Friedman e Mises), a forma desavergonhada com que falam de um “Estado menos babá”, ou seja, menos direitos sociais e maior ênfase na “meritocracia” (os demitidos da Volkswagen e Mercedes-Benz no Brasil perderam seus empregos por serem todos eles não merecedores!) e na “liberdade” do indivíduo – a velha compreensão do liberalismo clássico de indivíduos iguais (Locke, etc.), possível de ser defendida apenas no plano abstrato, visto que a desigualdade entre proprietários e não-proprietários enuncia desde sempre a desigualdade concreta entre os indivíduos (fato observado por Karl Marx desde o século XIX) – deve ser compreendida como expressão no campo da política desse caldo cultural conservador que vem sendo adensado nos últimos anos, para o qual há relativa aderência em crescentes camadas da sociedade brasileira, alimentadas e retroalimentadas pelo mesmo caldo, principalmente nos setores médios (a polêmica promovida por um estudante da USP, em vídeo gravado pelo próprio, acusando jovens negros de “discurso vitimizador” quando da passagem em sala para a defesa das cotas raciais é ilustrativa para o que estamos chamando a atenção aqui referente ao caldo cultural conservador e a um movimento síncrono).

Muito do que se viu, portanto, nas manifestações de 15 de março de 2015, não foram eventos meramente espontâneos, casuais ou sem ligação com o caldo cultural conservador aludido; ao contrário, foram a mais forte expressão dele. Há em curso no Brasil de hoje o renascimento de um discurso conservador (“renovado”), impulsionado por gente mais nova, e que não tem constrangimento – ainda que por ignorância histórica, isso aqui não é preponderante – de defender ideias conservadoras e retrógradas. O ódio à esquerda, a recusa ao contraditório e ao debate são questões que devem, a nosso ver, não apenas ser objeto de preocupação da esquerda brasileira, mas de firme combate.

* No livro História secreta da Rede Globo, Daniel Herz mostra a forma como outorgas de rádio e televisão foram concedidas a vários políticos no Brasil. O documentário Muito além do cidadão Kane também nos dá uma boa mostra do controle da opinião pública brasileira exercido pelas Organizações Globo.

***

Rogério Castro é Doutorando em Serviço Social pela ESS/UFRJ. Mestre em Serviço Social pela UFAL. Pesquisador da obra do filósofo húngaro György Lukács. Professor universitário, jornalista e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ensino Superior – CAPES.

***

O Espaço do leitor é destinado à publicação de textos inéditos de nossos leitores, que dialoguem com as publicações da Boitempo Editorial, seu Blog e obras de seus autores. Interessados devem enviar textos de 1 a 10 laudas, que não tenham sido anteriormente publicados, para o e-mail blog@boitempoeditorial.com.br (sujeito a aprovação pela editoria do Blog).

10 comentários em As raízes da escalada conservadora no Brasil atual

  1. Roberto Pereira // 01/04/2015 às 11:26 // Responder

    Achei o artigo excelente, acho que é o melhor apanhado geral da situação sócio-política no Brasil num único (e relativamente curto) texto.

    Gostaria porém que o autor dissesse se ele acha que toda essa ~direitização~ e doutrinação ocorre “por acaso”, se Sherazades, Cosntantinos e que tais de repente ganharam todo esse espaço do nada, ou se (como me parece) o grande irmão tá mexendo os pauzinhos.

    Para mim estamos vivendo um IPES-IBAD 2 turbinado em tempos de redes sociais. Porque essa aversão primária à esquerda num momento em que a própria esquerda tá perdida e sem rumo – quer dizer há muito deixou de ser qualquer ameaça concreta aos interesses da classe capitalista – é algo de um absurdo total. Ver gente na rua berrando “nossa bandeira nunca será vermelha” em 2015 me parece coisa de hospício

    Na verdade o ultraliberalismo está usando essa fraqueza (da esquerda) para doutrinar completamente as pessoas pro credo liberal. E duvido que isso aconteça meramente porque de repente alguns ex-cineastas fracassados, uns colunistas doutrinados por Olavão e saídos do nada, e ex-roqueiros aposentados (que nem no seu ‘auge’ foram relevantes) resolveram se interessar por política. Tem caroço grosso nesse angu.

    Curtir

    • Rogério Castro // 01/04/2015 às 22:12 // Responder

      Caro Roberto,
      Existe muita informação relativamente comprovada que dão amparo para suspeições de ingerências estrangeiras não só no Brasil, na América Latina, como em outros países do mundo. O livro de Moniz Bandeira “A Segunda Guerra Fria”, bem como seus constantes alertas para isso, as informações vazadas pelo Wikileaks (http://www.pragmatismopolitico.com.br/2015/04/rogerio-chequer-wikileaks-eua-impeachment-dilma.html), dão a entender que tais movimentos não sejam inteiramente espontâneos, e, se sejam, não quer dizer que não sejam encorajados/estimulados por interesses estrangeiros.
      Vendo a coisa de forma panorâmica como o texto tenta esboçar, não há como não suspeitar realmente dessa suposta “espontaneidade”.

      abraço,
      R.C.

      Curtir

  2. Nunca, em manhã de 1º abril, li alguma coisa com tantas verdades explícitas.

    Curtir

  3. O Partido Novo entregou seu pedido de registro definitivo no TSE em julho de 2014. Já estamos em abril de 2015. O TSE é presidido por Dias Toffoli. Contra fatos não há argumentos.

    Curtir

  4. O Partido Novo entregou seu pedido de registro definitivo no TSE em julho de 2014. Já estamos em abril de 2015. O TSE é presidido por Dias Toffoli. Contra fatos não há argumentos.

    (corrigindo envio de comentário anterior)

    Curtir

  5. Diogo Lima // 01/04/2015 às 15:27 // Responder

    Excelente análise.
    Um dos melhores textos lido sobre a temática, elucidativo para a compreensão do atual contexto vivido.
    Durante a leitura lembrei de fatos e fotos, passagens e episódios, como por exemplo o artigo do Pondé intitulado “Direita Festiva”
    Muito Bom!

    Curtir

  6. Concordo inteiramente com o artigo do Rogério, mas… esse texto poderia ter sido mais bem tratado… Nem o saudoso Leonel Brizola faria parágrafos tão prolixos…

    Curtir

  7. Fábio Lúcio Martins Neto // 04/04/2015 às 11:32 // Responder

    O texto apresenta e analisa os fatos coerentemente ao mesmo tempo que nomeia os atuais “intelectuais” de direita e deixa claro que há uma orquestração não só contra o Governo, mas contra todo o ideal de esquerda.

    Curtir

  8. nelson chalfun // 07/03/2016 às 20:38 // Responder

    gostaria de acrescentar à observação do Fábio Lúcio Martins Neto
    o texto deixa claro que há uma orquestração não só contra o Governo e todo o ideal de esquerda,mas, principalmente, contra os 200 milhões, dos 204 milhões de brasileiros e brasileiras.

    Curtir

  9. Marcos Roberto // 21/03/2016 às 0:53 // Responder

    Gostaria que todos aqueles que leram este texto leiam também o Texto de uma amigo meu neste blog. Fiquem tranquilos, ele é bem curto mas muito claro!
    http://arenadojuizo.blogspot.com.br/2016/03/ser-de-esquerda-no-seculo-xxi-nesses.html?showComment=1458521271622#c3966758072643983311

    Curtir

11 Trackbacks / Pingbacks

  1. As raízes da escalada conservadora no Brasil atual | psiu...
  2. Da direta à esquerda: a crise diante da falta de um projeto de país | Blog da Boitempo
  3. Caso Vale/BHP/Samarco: o problema é a eficiência | Blog da Boitempo
  4. Um novo tsunami financeiro global à caminho? | Blog da Boitempo
  5. A crise brasileira atual – Blog da Boitempo
  6. crise política no Brasil: 2016 - marxismo21marxismo21
  7. Brexit: o Reino Unido sequestrado pela extrema-direita? – Blog da Boitempo
  8. O Brexit e as esquerdas: as contradições da razão europeísta – Blog da Boitempo
  9. Brasil 2016: preparando a (nova) gestão de uma crise permanente – Blog da Boitempo
  10. Três dimensões da tragédia da esquerda no início do século XXI – Blog da Boitempo
  11. A esquerda diante do poder: do trágico ao cômico para o tragicômico – Blog da Boitempo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: