Žižek: Trump versus Sanders e a implosão do sistema bipartidário nos EUA

Os EUA estão adentrando uma guerra civil ideológica na qual não há chão comum ao qual ambas as partes da disputa podem recorrer. Mas não nos enganemos: o verdadeiro conflito não está se dando entre as duas siglas do bipartidarismo estadunidense, mas no próprio interior de cada um dos dois partidos.

Por Slavoj Žižek.

* TEXTO ENVIADO DIRETAMENTE PELO AUTOR PARA SUA COLUNA NO BLOG DA BOITEMPO. A TRADUÇÃO É DE ARTUR RENZO.

Duas semanas atrás, quando promovia seu novo filme na Cidade do México, Harrison Ford disse que “A América perdeu sua liderança moral e credibilidade”.1 Será mesmo? Mas afinal, quando foi que os EUA exerceram liderança moral sobre o mundo? Na gestão Reagan, na gestão Bush? Os Estados Unidos perderam o que nunca tiveram. Ou seja, perderam a ilusão (daí o termo “credibilidade” na colocação do ator) de que detinham essa liderança moral. Com Trump, só se tornou visível aquilo que desde sempre já era verdadeiro. Em 1948, logo no início da Guerra Fria, essa verdade foi formulada com um brutal franqueza por George Kennan:

“Nós [os EUA] detemos 50 por cento da riqueza mundial, mas representamos apenas 6,3 por cento de sua população. Nessa situação, nossa verdadeira tarefa no período que se abre […] é manter essa posição de disparidade. Para fazê-lo, precisamos abrir mão de toda e qualquer sentimentalidade […], devemos parar de pensar em direitos humanos, elevação de padrões de vida e democratização.”2

Aqui revela-se, em termos muito mais claros e honestos, o que Trump efetivamente quer dizer com o slogan “America first!” (“Os EUA em primeiro lugar!”). Por isso não devemos nos chocar ao ler que “a gestão Trump, que assumiu a Presidência prometendo acabar com ‘guerras infindáveis’ está agora adotando armas proibidas em mais de 160 países, e se preparando para utilizá-las no futuro. Bombas de fragmentação e minas terrestres antipessoal, explosivos mortais conhecidos por mutilar e matar civis muito depois de terminados os combates, tornaram-se integrais aos futuros planos de Guerra do Pentágono.”3 Aqueles que se mostram surpresos diante de notícias como essa são simplesmente hipócritas. Em nosso mundo invertido, Donald Trump é considerado inocente (não sofreu impeachment) ao passo que Julian Assange é considerado culpado (por revelar crimes do Estado).

Mas, afinal, o que é que está ocorrendo agora? É verdade que Trump exemplifica a nova figura de um líder político abertamente obsceno que desdenha das regras básicas de decência e de abertura democrática. Quem explicitou a lógica que está por trás das ações de Trump foi Alan Dershowitz (entre outras coisas, o defensor da legalização da tortura), que recentemente “defendeu dentro da própria casa do Senado que se um político pensa que sua reeleição for algo de interesse nacional, quaisquer ações que ele tomar visando tal fim não podem, por definição, ser passíveis de impeachment. ‘E se um presidente tiver feito algo que ele acredita irá ajudá-lo a garantir a eleição, no interesse público, esse não pode ser o tipo de quid pro quo que resulta em impeachment’.”4 O caráter de um poder livre de qualquer controle democrático sério é aqui claramente explicitado.

O que testemunhamos nos debates em curso a respeito do impeachment de Trump é um exemplo da dissolução da substância ética comum compartilhada que torna possível o diálogo polêmico argumentativo. Os EUA estão adentrando uma guerra civil ideológica na qual não há chão comum ao qual ambas as partes da disputa podem recorrer – quanto mais cada lado elabora sua posição, mais fica claro que nenhum diálogo, mesmo que polêmico, é sequer possível. Não nos fascinemos demais pela dinâmica teatral do processo do impeachment (Trump se recusando a cumprimentar Nancy Pelosi, e ela em resposta rasgando uma cópia de seu Discurso sobre o Estado da União): o verdadeiro conflito não está se dando entre as duas siglas do bipartidarismo estadunidense, mas no próprio interior de cada um dos dois partidos

Os EUA estão agora passando de um Estado bi-partidário para um Estado tetra-partidário. Há efetivamente quatro partidos preenchendo o espaço político: Republicanos do establishment, Democratas do establishment, populistas da alt Right e socialistas democráticos. Já há ofertas de coalizões transpondo as linhas partidárias: Joe Biden deu a entender que nomearia como vice-presidente um republicano moderado, ao passo que Steve Bannon chegou a mencionar um par de vezes seu ideal de uma coalizção entre Trump e Sanders. A grande diferença é que, enquanto o populismo de Trump facilmente afirmou sua hegemonia sobre o establishment republicano (aliás uma prova clara, se é que ainda precisava de uma, de que, apesar de toda a barulheira de Bannon contra o “sistema”, o apelo de Trump aos trabalhadores comuns nunca passou de uma mentira), o racha no interior do partido Democrata está ficando cada vez mais forte – não é de se espantar visto que, como já discutimos nesta coluna, a luta entre o establishment Democrata e a ala de Sanders é a única verdadeira disputa política atualmente em curso.

Bernie Sanders e Joe Biden durante debate do partido Democrata, em outubro de 2019. Nicholas Kamm/AFP via Getty Images.

Para usar um pouco de jargão teórico, estamos portanto lidando com dois antagonismos (“contradições”, se quiser): um entre Trump e o establishment liberal (foi disso que tratou o processo do impeachment), e outra entre a ala de Sanders do Partido Democrata e todas as demais. A articulação pelo impeachment de Trump foi uma tentativa desesperada de recuperar a liderança moral e credibilidade dos EUA – um exercício cômico de hipocrisia. É por isso que todo o fervor moral do establishment Democrata não deveria nos enganar: a obscenidade aberta de Trump só explicitou aquilo que sempre esteve lá. O campo de Sanders enxerga isso com clareza: não há caminho de volta, a vida política dos EUA precisa ser radicalmente reinventada.

Mas será que Sanders representa uma verdadeira alternativa, ou, como alegam alguns “esquerdistas radicais”, ele não passaria um social democrata (um tanto moderado) que no final das contas quer mesmo salvar o sistema? A resposta é que esse dilema em si é falso: os socialistas democráticos começaram um movimento de massa de radical redespertar, e o desfecho de movimentos como esses nunca está predestinado. Apenas uma coisa é certa: a pior postura imaginável é aquela adotada por certos “esquerdistas radicais” ocidentais que tendem a desdenhar a classe trabalhadora nos países desenvolvidos como uma mera “aristocracia dos trabalhadores” que vive da exploração do Terceiro Mundo e está enredada em ideologias racistas-chauvinistas. Na visão deles, a única possível mudança radical viria de um “proletariado nômade” (imigrantes, refugiados e os pobres do Terceiro Mundo) entendido como agente revolucionário (eventualmente ligado a alguns intelectuais de classe média empobrecidos nos países desenvolvidos). Mas será que esse diagnóstico para em pé?

É verdade que a situação de hoje é global, mas não nesse sentido maoista simplista de opor nações burguesas a nações proletárias. Os imigrantes são subproletários, sua posição é muito específica: não são explorados no sentido marxista clássico e como tal não estão predestinados a serem agentes de mudança radical. Consequentemente, considero essa escolha “radical” uma escolha suicida para a esquerda. É preciso apoiar Sanders incondicionalmente.

A batalha será cruel, a campanha contra Sanders será muito mais brutal do que a que foi travada contra Corbyn no Reino Unido. Em cima da carta usual de antissemitismo, haverá amplo recurso às cartas de raça e de gênero (a desqualificação de Sanders enquanto homem branco e velho…). Basta lembrarmos da brutalidade do mais recente ataque de Hillary Clinton contra ele. Todas essas cartas serão jogadas com base no medo do socialismo. Os críticos dos socialistas democráticos martelam incessantemente que Trump não poderá ser derrotado a partir de uma plataforma como a de Sanders (por ser demasiadamente esquerdista), e que o objetivo primordial hoje é se livrar de Trump. A isso devemos simplesmente responder que a verdadeira mensagem escondida por trás argumento cínico é a seguinte: “se a escolha for entre Trump e Sanders, nós ‘moderados’ preferimos Trump…

Notas

1 Ed Mazza, “Harrison Ford: America Has Lost Its Moral Leadership And Credibility”, HuffPost, 6 fev. 2020.
2 George Kennan, citado em John Pilger, The New Rulers Of the World (Londres, Verso Books 2002), p. 98.
3 John Ismay e Thomas Gibbons-Neff, “160 Nations Ban These Weapons. The U.S. Now Embraces Them”, The New York Times, 7 fev. 2020.
4 Stephen Collinson, “Republican theory for Trump acquittal could unleash unrestrained presidential power”, 30 jan. 2020, CNN.

* * *

* * *

Slavoj Žižek nasceu na cidade de Liubliana, Eslovênia, em 1949. É filósofo, psicanalista e um dos principais teóricos contemporâneos. Transita por diversas áreas do conhecimento e, sob influência principalmente de Karl Marx e Jacques Lacan, efetua uma inovadora crítica cultural e política da pós-modernidade. Professor da European Graduate School e do Instituto de Sociologia da Universidade de Liubliana, Žižek preside a Society for Theoretical Psychoanalysis, de Liubliana, e é um dos diretores do centro de humanidades da University of London. Dele, a Boitempo publicou Bem-vindo ao deserto do Real! (2003), Às portas da revolução (escritos de Lenin de 1917) (2005), A visão em paralaxe (2008), Lacrimae rerum (2009), Em defesa das causas perdidas, Primeiro como tragédia, depois como farsa (ambos de 2011), Vivendo no fim dos tempos (2012), O ano em que sonhamos perigosamente (2012), Menos que nada (2013), Violência (2014),  O absoluto frágil (2015) e O sujeito incômodo: o centro ausente da ontologia política (2016). Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

7 comentários em Žižek: Trump versus Sanders e a implosão do sistema bipartidário nos EUA

  1. Marcus Apolinário // 17/02/2020 às 4:52 pm // Responder

    Zizek mais uma vez com um comentário cirúrgico da política atual.

    Curtir

  2. Preferível um trumpi rústico do que os vaselinas frouxos dos politicamente corretos destes pusilamines democratas. Assim sabemos com quem estamos lidando. Vai trumpi. Quem espionou o Brasil e a Petrobrás não foram os republicanos dos USA.

    Curtido por 1 pessoa

  3. Aída Paiva // 05/03/2020 às 2:45 pm // Responder

    Slavoj Zizek, eu acho que a desculpa para votar em Trump não será a mesma que estão inventando no Brasil: “o PT é responsável por Bolsonaro ter ganhado as eleições”, ou melhor, “prefiro Trump porque sei com quem estou lidando”. Porque esse joguinho já está fraco de tanto que foi usado.
    Zizek, as pessoas que eram contra o PT acusavam o PT de roubo e nós do PT não nos defendíamos porque a gente sabia que era mentira mas de uma hora para outra a moda pegou e LULA foi preso inocentemente. Essas mesmas pessoas que acusavam o PT de roubo tinham uma ficha na sociedade muito suja e defendem o voto nulo porque não podem assumir que pertencem a um partido de direita que não quer ver seu nome ligado a essas pessoas. Essas pessoas cometeram crimes, são difamadores, cooperam com os partidos de direita mas não podem aparecer ao lado do Moro, do Bolsonaro, Dória e Ricardo Covas porque tem uma ficha muito suja. Essas pessoas defendem o voto nulo porque nenhum político presta. Eu gostaria de saber como fica o poder caso todos votem nulo no Brasil?

    Curtir

  4. Aída Paiva // 05/03/2020 às 2:54 pm // Responder

    O bipartidarismo existiu no Brasil na época da ditadura, Arena e MDB. A esquerda brasileira sempre defendeu o pluripartidarismo. Eu não tinha ficado consciente que o Estados Unidos era bipartidário até que surgiu o Bernie Sanders. Li na internet que os democratas são iguais aos republicanos da mesma forma que quem se manteve no poder no Brasil na ditadura militar concordava com o que estava acontecendo, hoje é claro isso no Brasil. Mas a existência de muitos partidos num país também não é ruim? No Brasil por duas vezes um partido desconhecido chegou ao poder e foi caótico: Collor (PRN) e Bolsonaro (PSL). Qual o número ideal de partidos numa democracia?

    Curtir

  5. Aída Paiva // 05/03/2020 às 2:56 pm // Responder

    Gostei muito sobre o que você escreveu de “reinventar a política do Estados Unidos”.

    Curtir

  6. Aída Paiva // 05/03/2020 às 3:11 pm // Responder

    Slavoj Zizek, porque a crise atual é mais uma crise moral do que saber fazer o que é certo?
    Bolsonaro sabe o que se deve fazer, Trump saber o que se deve fazer, Merkel e Macron e o Bóris também sabem o que deve ser feito porque então não fazem o que é certo? É por isso que eu estou falando em crise moral e não em inventar um sistema que resolva os problemas econômicos do mundo. A pequena classe rica resolveu assumir que é errada mas não está nem aí. A classe rica já está apresentando um outro comportamento: o de tratar bem os pobres.
    Resta para a esquerda resolver o que nós vamos fazer com esse novo comportamento.

    Curtir

    • Força trumpi. Quem não foi roubado pelos Pē$Tė$, roubou com os Pê$Tē$. Aqui a espectativa é de que se o menos ruim, vencedor da última eleição, vai oferecer mais. Por enquanto com o aumento de importacoes de produtos feitos aqui , e entrega do que há de bom, perdulariamente, deste país e dólar R$4,70…. passados 435dias . Nos 16 anos PTs o país foi mais roubado de dentro do que de fora, agora passa a ser mais roubado de fora do que de dentro. Os autores do lesa pátria são todos brasileiros. Culpar estrangeiros é muita pobreza de espírito ou vileza. Do primitivismo para a ignorância, merecemos o subdesenvolvimento e a escravidão de nós mesmos.

      Curtir

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Zizek: Sanders sacode a política nos EUA - Trópico em Movimento
  2. Trump versus Sanders e a implosão do sistema bipartidário nos EUA. Por Slavoj Žižek | Poliarquia >

Deixe uma resposta para Aída Paiva Cancelar resposta

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: