Nacionalidade e racismo em profunda conexão com o capitalismo

Silvio Almeida escreve sobre “Raça, nação e classe”, de Étienne Balibar e Immanuel Wallerstein, clássico sobre a questão racial que mostra de uma perspectiva dialética como a formação das classes é racialmente orientada ao mesmo tempo em que a constituição das raças é economicamente determinada, tendo a nação como ponto de mediação histórica entre ambas.

Por Silvio Luiz de Almeida.

Raça, nação e classe nos oferece uma das mais sofisticadas e radicais análises já feitas acerca da questão racial. A força do livro está na análise estrutural do racismo, o que significa dizer que, para além dos diferentes contextos históricos e das diferenças culturais em que a “raça” se manifesta, há um esforço para que questões identitárias saiam da flutuação ideológica e sejam conectadas com o processo de reprodução da sociabilidade capitalista, com seus conflitos, seus antagonismos e suas permanentes crises.

Por esse motivo, o leitor e a leitora irão se deparar com dois conceitos-chave na organização das teses de Raça, nação e classe: “sistema-mundo” e “forma-nação”. É, portanto, com o manejo de tais conceitos que Balibar e Wallerstein colocarão o racismo como relação social cujas determinações atendem às condições históricas em que se realiza o processo de valorização do valor. Assim, o racismo é tratado como uma condição universal da sociedade contemporânea, ao mesmo tempo que chama atenção para as distintas formas com que as tensões raciais podem historicamente se apresentar.

O tratamento conceitual do racismo e o uso de categorias que indicam uma perspectiva de “longo prazo” não afasta – pelo contrário, reforça – a necessidade, nas palavras de Étienne Balibar, de um “estudo da singularidade das situações históricas a partir da especificidade de suas contradições e das restrições que as estruturas globais das quais fazem parte lhes impõem”. 

O livro repõe o dilema “raça ou classe?” a partir de uma perspectiva dialética, ao demonstrar que a formação das classes é racialmente orientada e que a constituição das raças é economicamente determinada. Com efeito, os autores se afastam de explicações economicistas e também daquelas incapazes de ultrapassar as camadas da ideologia. Nesse sentido, o conceito de nação será o ponto de mediação histórica entre os raça e classe e funcionará como o amálgama ideológico que unificará indivíduos e grupos sociais nos limites dos “Estados-nacionais”, ao mesmo tempo que os conecta com o “sistema-mundo”. A nacionalidade é constituída pela fixação no imaginário social e pela reiteração de práticas sociais que enfatizam a especificidade da língua, da cultura e de certas características físicas de um povo, nas condições de universalidade da forma mercantil. É desse modo que este livro nos mostra como a nacionalidade é definida pela construção da identidade racial, pela identidade sexual e pelo racismo e como nada neste processo se separa lógica e historicamente do capitalismo. 

Raça, nação e classe é uma publicação indispensável e que nos ensina de forma rigorosa que racismo e capitalismo não podem ser compreendidos separadamente.


Lançado originalmente há trinta anos e publicado no Brasil pela primeira vez, Raça, nação, classe traz ao leitor um profícuo debate sobre o racismo e sua relação com a luta de classes, o capitalismo e o nacionalismo. Como é possível que o racismo ainda seja um fenômeno crescente? Quais são as características específicas do racismo contemporâneo?

Esta obra tenta responder a essas perguntas fundamentais por meio de um diálogo entre o filósofo francês Étienne Balibar e o historiador e sociólogo estadunidense Immanuel Wallerstein. Ambos os autores desafiam a noção de que o racismo é uma continuação ou um retorno da xenofobia de sociedades do passado e o analisam como uma relação social indissoluvelmente ligada às estruturas sociais atuais – o Estado, a divisão do trabalho e a divisão entre centro e periferia – que são constantemente reconstruídas.

Apesar de naturais divergências durante o diálogo, Balibar e Wallerstein enfatizam a modernidade do racismo e a necessidade de entender sua relação com o capitalismo contemporâneo. Acima de tudo, a obra revela as formas de conflito social presentes e futuras, em um mundo em que a crise do Estado é acompanhada por um aumento alarmante do nacionalismo, do chauvinismo e da xenofobia.

***

“Em todos os sistemas históricos anteriores, a xenofobia teve uma consequência comportamental básica: a expulsão do ‘bárbaro’ do espaço físico da comunidade, da sociedade, do grupo que compartilhava interesses e atitudes, sendo a morte a versão extrema dessa expulsão. Sempre que expulsamos fisicamente o outro, ganhamos a ‘pureza’ do ambiente que provavelmente buscamos, mas é inevitável, ao mesmo tempo, perdermos algo. Perdemos a força de trabalho da pessoa expulsa e, portanto, sua contribuição para a criação de um excedente de que poderíamos nos apropriar diversas vezes. Isso representa uma perda para qualquer sistema histórico, mas ela é particularmente significativa no caso de um sistema cuja estrutura e cuja lógica são construídas em torno da acumulação contínua de capital.”
– IMMANUEL WALLERSTEIN

Raça, nação, classe, de Étienne Balibar e Immanuel Wallerstein foi traduzido por Wanda Caldeira Brant e tem texto de orelha assinado por Silvio Luiz de Almeida. A capa é de Maikon Nery.

***

E-book à venda nas principais lojas do ramo:


Confira também o dossiê Marxismo e questão racial, organizado por Silvio Almeida e com contribuições de Alessandra Devulsky, Dennis de Oliveira, Marcio Farias e Rosane Borges.

***

Saiba mais:

Margem Esquerda #27: Dossiê – Marxismo e questão racial, organizado por Silvio Almeida
Blog da Boitempo: “12 livros para entender a relação entre marxismo e a questão racial“, por Silvio Almeida
A Terra é redonda: “Raça, nação, classe“, por Étienne Balibar

***

Silvio Luiz de Almeida é natural de São Paulo, capital. Jurista e filósofo, doutor em filosofia e teoria geral do direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Largo São Francisco), é autor, entre outros de Sartre: direito e política: ontologia, liberdade, revolução coordenador do dossiê da Margem Esquerda sobre “Marxismo e a questão racial”, revista semestral da Boitempo, de cujo conselho editorial ele integra. Atualmente preside o Instituto Luiz Gama, entidade com atuação na área direitos humanos e leciona nas Faculdades de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie e da Universidade São Judas Tadeu. Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: