1968 no Brasil

"Presenciamos em 1968 a era das múltiplas explosões e revoltas no mundo todo: dos operários, dos estudantes, das mulheres, dos negros, dos movimentos ambientalistas e dos homossexuais, entre tantas outras formas de levante e de descontentamento social e político. No que se refere ao Brasil, apesar da influência de fatores externos e da identidade com movimentos contestadores de outros países, 1968 teve suas especificidades."

Por Ricardo Antunes e Marcelo Ridenti.

50 anos depois do mês de maio de 1968, Ricardo Antunes e Marcelo Ridenti escrevem sobre os sentidos e os legados desse ano incendiário. O artigo foi elaborado originalmente para o dossiê especial da revista Margem Esquerda #11 sobre o tema. Em homenagem à efeméride, uma promoção imperdível: quem fizer sua assinatura bianual da revista até o final da semana leva de presente a enciclopédia dos anos 60 escrita por Tariq Ali: o livraço O poder das barricadas: uma autobiografia dos anos 60. Saiba como garantir o seu exemplar ao final deste post. Boa leitura!

* * *

O contexto da crise

Presenciamos em 1968 a era das múltiplas explosões e revoltas no mundo todo: dos operários, dos estudantes, das mulheres, dos negros, dos movimentos ambientalistas e dos homossexuais, entre tantas outras formas de levante e de descontentamento social e político. No que se refere ao Brasil, apesar da influência de fatores externos e da identidade com movimentos contestadores de outros países, 1968 teve suas especificidades. Por exemplo, o movimento estudantil, deflagrado em março, seguiu uma dinâmica de luta específica e um calendário político próprio anterior ao famoso maio de 1968 na França. Do mesmo modo, as greves dos metalúrgicos de Osasco (região industrial da Grande São Paulo), desencadeada em julho, e as greves de Contagem (região industrial da Grande Belo Horizonte), deflagradas em abril e outubro do mesmo ano, foram muito marcadas pela cena brasileira, então em plena luta contra a ditadura militar.

Isso não significa que os brasileiros não estivessem sintonizados com as manifestações que ocorriam mundo afora. Havia uma série de aspectos comuns, intensificados pelo “clima político” que imperava no cenário mundial naquele ano. Em diferentes medidas, havia similaridade de condições, como a industrialização avançada, a crescente urbanização, a consolidação dos modos de vida e da cultura das metrópoles, a massificação dada pela indústria cultural, o aumento e a diversificação do proletariado e das classes médias assalariadas, a importância dos jovens na composição etária da população e o acesso crescente ao ensino superior, além da incapacidade do poder constituído de representar as sociedades que se renovavam. Se esses condicionantes mais estruturais não explicam por si sós as ondas de rebeldia e de revolução, eles ofereceram ao menos o solo onde floresceram as ações políticas e culturais diferenciadas que caracterizam 1968 no Brasil. E, para compreendê-lo, é preciso lembrar dois movimentos, relativamente distintos em suas origens, mas bastante articulados em sua processualidade: o movimento estudantil e as greves operárias.

O movimento estudantil

O ano de 1968 iniciou-se no Brasil com a eclosão de várias manifestações estudantis. Os estudantes reivindicavam ensino público e gratuito para todos, democratização e melhoria da qualidade do ensino superior, com maior participação estudantil nas decisões, e mais verbas para as pesquisas voltadas para a resolução dos problemas econômicos e sociais do país. Também contestavam a ditadura implantada com o golpe de 1964 e o cerceamento das liberdades democráticas. A maioria desses universitários estudava em universidades públicas, mas o acesso ao ensino superior era restrito: havia muito mais procura que oferta de vagas.

As manifestações esporádicas dos estudantes vinham sendo reprimidas desde 1966. Contudo, as rebeliões só desabrocharam realmente em 1968. Em 28 de março daquele ano, a polícia invadiu o restaurante Calabouço, no Rio de Janeiro, frequentado especialmente por secundaristas pobres, entre eles Edson Luís de Lima Souto, que foi morto. Passeatas de protesto espalharam-se por todo o país a partir de então.

Ao mesmo tempo, esboçavam-se movimentos de contestação no meio operário e em parcelas do sindicalismo brasileiro. Nas comemorações do 1o de Maio, em São Paulo, operários e estudantes apedrejaram o palanque em que discursavam sindicalistas e o governador do Estado, Abreu Sodré.

Em junho de 1968, o movimento estudantil atingiu seu ápice. As passeatas, as greves e as ocupações das faculdades se generalizaram. O Rio de Janeiro serviu como cenário principal. Ali ocorreu a célebre Passeata dos Cem Mil, no dia 26 de junho: estudantes, intelectuais, artistas, religiosos e populares foram às ruas para protestar contra a ditadura e a repressão policial. O governo não coibiu a passeata por causa da pressão pública. Foi formada uma ampla comissão para dialogar com o governo, sem sucesso. Enquanto isso, vários atentados eram praticados pelo Comando de Caça aos Comunistas (CCC), uma organização paramilitar de extrema-direita composta por estudantes e policiais e financiada por grandes grupos capitalistas, com o claro apoio da ditadura.

A repressão se intensificou. A Universidade de Brasília foi invadida pela polícia em 29 de agosto. Em São Paulo, no dia de 3 de outubro, um jovem foi assassinado na Faculdade de Filosofia, após o ataque de estudantes e de paramilitares de direita abrigados na Universidade Mackenzie. Em 15 de outubro, foi desmantelado o Congresso da União Nacional dos Estudantes (UNE), que ocorreria em Ibiúna, no interior paulista. Todos os cerca de setecentos universitários presentes foram presos, o que selou a derrota do movimento estudantil brasileiro. Vários deles passaram então para a militância política clandestina, unindo-se a organizações de esquerda e vinculando-se até à luta armada, que praticou suas primeiras ações já em 1968 e se intensificou nos anos seguintes.

A contestação radical à ordem estabelecida espalhou-se pelo cinema, pelo teatro, pela música popular, pela literatura e pelas artes plásticas. Nos anos 1960, manifestações culturais diferenciadas cantavam em verso e prosa a esperada “revolução brasileira”, que deveria basear-se na ação das massas populares na qual a intelectualidade de esquerda pretendia engajar-se e mesmo liderar.

O movimento operário

Mas havia outra figura social presente nesse ciclo de rebeliões mundiais: o operário-massa, a parcela hegemônica do proletariado da era taylorista-fordista. As lutas de classes ocorridas em 1968 solapavam o domínio do capital pela base e traziam à tona a possibilidade de uma hegemonia (ou uma contra-hegemonia) oriunda do mundo do trabalho.

Os operários estampavam desse modo seu descontentamento com a alternativa socialdemocrata, predominante nos sindicatos e nos partidos, que reivindicavam a representação das forças sociais do trabalho e seguiam uma via negocial, institucional e contratualista dentro dos marcos do “compromisso social-democrático”. Se esse traço esteve presente nas lutas operárias na França, em 1968, e, no ano seguinte, no Outono Quente na Itália, e ainda no Cordobazo, na Argentina, entre tantas outras em outros países, no Brasil as greves tinham um claro sentido de confronto, tanto com a ditadura militar, que cerceava a liberdade e a autonomia sindicais, quanto com a política econômica, que se fundava na superexploração do trabalho.

A repressão ao movimento operário e sindical era condição necessária para que o golpe militar pudesse criar novos condicionantes para a expansão capitalista e sua maior internacionalização no Brasil. Fortemente repressiva, a ditadura militar cassou os partidos políticos e criou dois partidos oficiais apenas; proibiu as greves, interveio em diversos sindicatos e decretou a ilegalidade da Central Geral dos Trabalhadores e da UNE.

Depois de alguns anos de resistência, foi no início de 1968 que a luta operária voltou mais forte e mais ofensiva. Em abril, setores sindicais de esquerda lideraram uma greve em Contagem que levou a resultados positivos: a ditadura militar, surpreendida pelo ressurgimento do movimento operário, acabou cedendo às reivindicações trabalhistas. Foi a primeira vitória de uma greve operária depois de 1964. Novos núcleos se formaram em Contagem e Osasco, vinculados sobretudo ao movimento operário católico de esquerda e a militantes e simpatizantes de organizações políticas mais críticas e radicais, à esquerda do Partido Comunista Brasileiro (PCB). Os setores mais moderados do sindicalismo organizaram-se no Movimento Intersindical Antiarrocho.

Mas foi no mês de julho de 1968, em Osasco, que os operários realizaram uma greve que se tornaria lendária. A cidade era considerada um pólo de movimentos mais à esquerda em razão da atração exercida pela oposição sindical, que venceu as eleições de 1967 para a direção do Sindicato dos Metalúrgicos.

Antecipando-se à greve geral que seria realizada em outubro de 1968, mês do dissídio coletivo dos metalúrgicos, a direção sindical de Osasco esperava estendê-la para outras regiões do país. Iniciada no dia 16 de julho, com a ocupação da Cobrasma, a greve atingiu as empresas Barreto Keller, Braseixos, Granada, Lonaflex e Brown Boveri. No dia seguinte, o Ministério do Trabalho declarou a ilegalidade da greve e determinou intervenção no sindicato. As forças militares controlavam todas as saídas da cidade, e as fábricas paralisadas foram cercadas e invadidas. A partir de então, acabou-se toda e qualquer possibilidade de manutenção e ampliação da greve. Quatro dias depois de iniciada a greve, os operários retornaram ao trabalho. Fora derrotada a greve mais importante até então deflagrada contra a ditadura militar.

Os dirigentes sindicais mais combativos exilaram-se ou passaram a atuar clandestinamente. Mais tarde, vários deles aderiram às distintas organizações de esquerda que participaram da luta armada contra a ditadura.

Fazendo um balanço crítico do movimento, José Ibrahim, principal líder grevista, disse:

“O governo estava em crise, ele não tinha saída, o problema era aguçar o conflito, transformar a crise política em crise militar. Daí vinha nossa concepção insurrecional de greve. O objetivo era levar a massa, através de uma radicalização crescente, a um conflito com as forças de repressão. Foi essa concepção que nos guiou quando, em julho de 1968, decidimos desencadear a greve.”

Revista Escrita/Ensaio, São Paulo, Escrita, 1980.

Em outubro, animados pela vitória de abril, os operários de Contagem iniciaram outra greve por melhores condições de trabalho e contra o arrocho salarial. Mas o contexto da ditadura militar era de claro recrudescimento. A paralisação durou poucos dias e houve uma violenta repressão aos grevistas, o Sindicato sofreu intervenção e sua direção foi destituída. Ocorria, então, mais uma violenta derrota do movimento operário, que levou anos para se recuperar. O 1968 brasileiro se encerrou com a dura repressão à ação operário-estudantil por parte da ditadura militar.

Mas a luta pela criação de comissões de fábrica, contra o despotismo fabril, a superexploração do trabalho e a estrutura sindical atrelada ao Estado, e em claro confronto com a ditadura militar, deixou raízes sólidas, que ressurgiram de outro modo e sob outra forma dez anos depois, especialmente na luta das oposições sindicais.

O desfecho

Em 13 de dezembro de 1968, a ditadura militar acentuou seu lado mais repressivo: decretou o Ato Institucional Número 5 (AI-5), conhecido como “o golpe dentro do golpe”. O terrorismo de Estado, que prevaleceria até meados dos anos 1970, foi oficializado. O Congresso Nacional e as Assembléias Legislativas estaduais foram postos em recesso e o Governo passou a ter plenos poderes para suspender direitos políticos dos cidadãos, legislar por decreto, julgar crimes políticos em tribunais militares, cassar mandatos eletivos, demitir ou aposentar juízes e outros funcionários públicos etc. Simultaneamente, generalizavam-se as prisões de oposicionistas e o uso da tortura e do assassinato em nome da manutenção da “segurança nacional”, considerada indispensável para o “desenvolvimento” da economia e do que mais tarde se denominaria “o milagre brasileiro”.

Inúmeros estudantes, operários, intelectuais, políticos e outros oposicionistas dos mais diversos matizes foram presos, cassados, torturados, mortos ou exilados após a edição do AI-5. Foi imposta uma rígida censura aos meios de comunicação e às manifestações artísticas. O regime militar punha fim assim à luta política e cultural daquele período, reprimindo duramente qualquer forma de oposição. Os “anos de chumbo” viriam a suceder ao “ano rebelde” de 1968.

Como conclusão, diríamos que os dois principais movimentos que caracterizam 1968 no Brasil tiveram muitas similitudes: ambos estavam à esquerda dos movimentos mais tradicionais e propunham uma alternativa ao PCB e à sua política de moderação, que dominou os movimentos operário e estudantil pré-1964. Mas as lutas estudantis e operárias de 1968 no Brasil não conseguiram viabilizar uma alternativa de massa, e exauriu-se em seu vanguardismo.

O movimento estudantil, derrotado, engrossou com suas lideranças e militantes as fileiras da luta armada contra a ditadura militar. O movimento operário, depois das derrotas de Contagem e Osasco, refluiu fortemente e vários de seus quadros mais à esquerda também se incorporaram à luta armada. Ambos desnudaram o sentido profundamente ditatorial e terrorista do Estado brasileiro e foram, por isso, violentamente reprimidos.

Não foi por acaso, então, que tanto em Osasco como em Contagem pudemos presenciar uma ação operária com significativa presença estudantil, especialmente de estudantes que militavam por organizações de esquerda e ingressaram nas fileiras da vanguarda operária para melhor influenciar as ações dos trabalhadores.

Talvez esse seja um traço marcante do ano de 1968 no Brasil, muito diferente daquele que se viu tanto no movimento que eclodiu dez anos depois, com as greves metalúrgicas do ABC paulista, quanto no movimento estudantil que voltou a tomar as ruas de várias cidades brasileiras na segunda metade dos anos 1970, mais uma vez contra a ditadura militar. Mas essa já é outra história.

***

O novo número da Margem Esquerda, a revista semestral da Boitempo, chega exatamente 50 anos depois do explosivo mês de maio de 1968. Para comemorar a data, preparamos uma promoção especial para os nossos leitores! Quem fizer sua assinatura bianual da Margem Esquerda no site da Boitempo até o dia 31 de maio tem 15% de desconto na assinatura e ainda recebe um livraço de Tariq Ali sobre os anos 60 de brinde! Saiba mais sobre o livro e a edição atual abaixo.

Aproveite, a promoção só vai até o final do mês, dia 31 de maio!

<< Clique aqui para fazer sua assinatura bianual
e garantir seu exemplar!
 >>

A promoção

Assim que você fizer a sua assinatura bianual, enviaremos de cara a nova edição da revista (a Margem Esquerda #30) junto com o livro de Tariq Ali. A modalidade bianual habilitará o assinante a receber as próximas 3 edições semestrais da revista (#31, #32 e #33). A promoção ocorre no site da Boitempo e dura até quinta-feira, dia 31de maio de 2018. Atenção: a promoção só se aplica às assinaturas bianuais feitas nesse período (e não para as assinaturas anuais).

O livro de brinde

O livraço que os assinantes bi-anuais receberão de brinde é O poder das barricadas: uma autobiografia dos anos 60, de Tariq Ali, pensador e militante paquistanês que viveu intensamente os anos 1960 intensamente, participando de acontecimentos políticos na Europa, na Ásia e nas Américas. Em edição revista e ampliada, a obra traça um panorama essencial para se compreender a avalanche de protestos que tomou conta do mundo durante o período. Mas mais do que isso, nas palavras de Emir Sader, “não se trata apenas de um livro de memórias, mas de uma introdução à política revolucionária, ao que significa ser militante”.

A nova edição da Margem

Lançada exatamente 50 anos depois do explosivo mês de maio de 1968, a edição traz um artigo especial de Maria Lygia Quartim de Moraes que faz um vivo e multifacetado balanço da experiência de 68, além de um artigo de peso de Angela Davis, que faz uma reflexão de fôlego sobre os legados de seu orientador Herbert Marcuse, amplamente associado aos movimentos de contracultura dos anos 1960.

Além disso, o volume traz ainda contém um dossiê especial sobre marxismo e direito coordenado pelo filósofo do direito Alysson Leandro Mascaro, com preciosas colaborações de Ingo Elbe, Alessandra Devulsky e Moisés Alves Soares; além de uma história entrevista com Joachim Hirsch. Entre outros destaques estão poesias inéditas escritas por ninguém menos que Karl Marx, traduzidas e apresentadas pelo nosso editor de poesia Flávio Aguiar, artigos de Carlos Eduardo Martins sobre a vida e obra de Theotonio dos Santos, de Maurilio Botelho sobre a intervenção militar em curso e o assassinato de Marielle Franco e de Demétrio Cherobini sobre a herança teórica e política de István Mészáros.

<< Clique aqui para realizar sua assinatura bianual
e garantir seu exemplar!
 >>

***

Tariq Ali vive na Inglaterra e atua como jornalista, escritor, historiador, cineasta e ativista político, com foco em política internacional. É autor de mais de vinte livros sobre história mundial e política, dentre os quais O poder das barricadas: uma autobiografia dos anos 1960 (Boitempo, 2008). Seu último livro lançado no Brasil é uma nova edição do Manifesto Comunista, combinada com o tratado revolucionário de Lênin, Teses de abril, com comentários e textos introdutórios inéditos de Ali. Ele é o entrevistado da Margem Esquerda n.29.

1 comentário em 1968 no Brasil

  1. Muito bom, o texto.
    Já li outros textos de Ricardo Antunes a pedido da mestre Fernanda Picinim, o que nos propiciou ótimos momentos de reflexão, e me despertou interesse ao trabalho do mesmo.

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. 1968 no Brasil | Atitude & Comunicação Bahia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: