Žižek: Hillary e o triunfo da ideologia

Julian Assange está certo em sua cruzada contra Hillary, e os liberais que o criticam por atacar a única figura que pode nos salvar de Trump estão errados. O alvo a ser atacado e solapado agora é precisamente esse consenso democrático contra o “vilão”.

hilary ideologia zizekPor Slavoj Žižek.

Alfred Hitchock disse certa vez que um filme é tão bom quanto seu vilão. Isso quer dizer que as atuais eleições nos EUA serão boas já que o “malvado” (Donald Trump) é quase um vilão ideal? Sim, mas num sentido muito problemático… Para a maioria liberal, as eleições de 2016 nos apresentam diante uma escolha bem clara e definida. A figura de Trump é evidentemente um excesso ridículo, uma figura vulgar que explora nossos piores preconceitos racistas e sexistas, um porco chauvinista sem um mínimo de decência. Até grandes nomes Republicanos estão o abandonando aos montes. Se Trump de fato permanecer o candidato Republicano, ficaremos com umas eleições de levantar o ânimo: a sensação será de que, apensar de nossos problemas e disputas internas, onde há uma verdadeira ameaça, temos a capacidade de todos nos unir em defesa de nossos valores democráticos básicos… como a França fez após os ataques terroristas.

No entanto, é exatamente esse confortável consenso democrático que deveria nos preocupar. Devemos dar um passo atrás e voltar o olhar para nós mesmos. Afinal, qual é mesmo a coloração dessa ampla unidade democrática? Todo mundo está lá, dos partidários de Wall Street aos apoiadores de Sanders junto com o que sobrou do movimento Occupy, das grandes corporações aos sindicatos, dos veteranos do exército aos militantes LGBT+, de ecologistas horrorizados pela negação de Trump do aquecimento global a feministas felizes com a perspectiva de uma primeira presidenta mulher nos EUA passando pelas figuras “decentes” do establishment Republicano espantadas pelas inconsistências de Trump e suas irresponsáveis propostas “demagógicas”.

Mas o que desaparece nesse conglomerado que aparenta englobar a tudo e a todos? É preciso lembrar que a raiva popular que deu origem ao fenômeno Trump também produziu Sanders. Apesar de ambos expressarem o descontentamento social e político generalizado, eles o fazem em sentidos opostos. Um através do populismo direitista e outro optando pelo grito esquerdista por justiça. E aqui está o truque: o clamor da esquerda por justiça se associa a lutas pelos direitos das mulheres, das minorias, da população LGBT+, por multiculturalismo e contra o racismo, etc. O objetivo estratégico do consenso de Clinton é claramente o de buscar dissociar todas essas pautas do horizonte esquerdista de justiça. É por isso que o emblema vivo desse consenso é Tim Cook, o CEO da Apple que orgulhosamente assinou a carta pro-LGBT e que agora pode facilmente ignorar as centenas de milhares de trabalhadores da Foxconn sendo esfolados em condições análogas à da escravidão na linha de montagem da Apple na China – seu grande gesto de solidariedade para com os “não-privilegiados” se limitou à exigência da abolição à segregação de gênero… Como geralmente costuma acontecer, as grandes empresas se colocam em profundo alinhamento com a teoria politicamente correta.

Essa mesma postura foi levada ao extremo com Madeleine Albright, uma grade apoiadora “feminista” de Clinton. No programa 60 Minutes do canal CBS (12/5/1996, assista aqui), a jornalista a questiona sobre a Guerra no Iraque: “Ouvimos que meio milhão de crianças morreu. Quer dizer, isso é maior do que o número de crianças que morreu em Hiroshima. E, enfim, será que o custo de uma guerra como essa compensa?.” Albright responde prontamente: “Acho que é uma escolha muito difícil, mas o custo – nós consideramos que vale a pena arcar com ele.” Ignoremos as inúmeras questões que essa resposta levanta (incluindo o interessante deslocamento do “eu” para o “nós”: eu considero uma questão difícil, mas nós avaliamos que compensa), e foquemos apenas no seguinte aspecto: imagine só o descalabro que não seria se o mesmo comentário saísse da boca de alguém como Putin, ou o Presidente Chinês Xi, ou o Presidente do Irã! Será que eles não seriam imediatamente bombardeados por todas as nossas manchetes os condenando como monstros frios, bárbaros e sem pudor? Durante a campanha para Hillary, Albright ainda disse: “Há um lugar especial no inferno para mulheres que não ajudam umas às outras!” (Leia-se: que vão votar em Sanders e não em Clinton.) Talvez devamos corrigir essa afirmação: há um lugar especial no inferno para mulheres (e homens) que pensam que meio milhão de crianças mortas é um preço razoável a se pagar por uma intervenção militar que arruína um país, e que ao mesmo tempo calorosamente apoiam os direitos das mulheres e das minorias em casa…

Trump não é a água suja que devemos jogar for a para preservar o bebê saudável da democracia estadunidense. Ele é o próprio bebê sujo que deve ser despejado para obnubilar a verdadeira água suja das relações sociais que sustentam o consenso Hillary. A mensagem que e consenso passa à esquerda é o seguinte: “você pode ficar com o que quiser, nós só queremos o essencial, o livre funcionamento do capitalismo global”. O “Sim, nós podemos!” do Presidente Obama adquire agora um novo significado: “sim, nós podemos ceder a todas as suas demandas culturais… contanto que a economia global de mercado não seja comprometida – então não há motivo algum para medidas econômicas radicais”. Ou, como Todd McGowan colocou (em uma comunicação privada): “O consenso das ‘pessoas que pensam direito’ em oposição a Trump é assustador. É como se seu excesso autorizasse o verdadeiro consenso global capitalista a emergir e a se autocongratular a respeito de seus valores de abertura.”

É por isso que Julian Assange está certo em sua cruzada contra Hillary, e os liberais que o criticam por atacar a única figura que pode nos salvar de Trump estão errados: o alvo a ser atacado e solapado agora é precisamente esse consenso liberal-democrático forjado de cima para baixo para combater o vilão ideal.”

E o pobre Bernie Sanders? Infelizmente, Trump acertou em cheio quando comparou seu apoio a Hillary com um integrante do movimento Occupy apoiando os Lehman Brothers. Ele deveria ter simplesmente se retirado e ter permanecido na dignidade do silêncio para que sua ausência pesasse fortemente sobre as celebrações de Hillary, nos lembrando do que ficou de fora nessa festa de consenso e, dessa forma, preservando o espaço para alternativas futuras mais radicais.

* Texto enviado pelo autor diretamente ao Blog da Boitempo. A tradução é de Artur Renzo.

***

Chegou novo livro do Žižek!

zizek sujeito incomodo livro

Acabamos de desempacotar a primeira edição brasileira do aguardado O sujeito incômodo: o centro ausente da ontologia política, um dos livros mais importantes de Slavoj Žižek!

Nele, o filósofo esloveno apresenta um verdadeiro manifesto político da subjetividade cartesiana, defendendo sua reavaliação crítica como ponto de apoio indispensável para a reformulação de um autêntico projeto político de esquerda. Por meio da análise e contraposição das ideias de Hegel, Lacan, Heidegger, Kant, Butler e Freud, entre outros, o autor revela, por trás do cogito ergo sum [penso, logo existo], o grau zero radical da política emancipatória como o ponto da intersecção negativa entre ser e pensar.

***

Slavoj Žižek nasceu na cidade de Liubliana, Eslovênia, em 1949. É filósofo, psicanalista e um dos principais teóricos contemporâneos. Transita por diversas áreas do conhecimento e, sob influência principalmente de Karl Marx e Jacques Lacan, efetua uma inovadora crítica cultural e política da pós-modernidade. Professor da European Graduate School e do Instituto de Sociologia da Universidade de Liubliana, Žižek preside a Society for Theoretical Psychoanalysis, de Liubliana, e é um dos diretores do centro de humanidades da University of London. Dele, a Boitempo publicou Bem-vindo ao deserto do Real! (2003), Às portas da revolução (escritos de Lenin de 1917) (2005), A visão em paralaxe (2008), Lacrimae rerum (2009), Em defesa das causas perdidasPrimeiro como tragédia, depois como farsa (ambos de 2011), Vivendo no fim dos tempos (2012), O ano em que sonhamos perigosamente (2012), Menos que nada (2013), Violência (2014) e o mais recente O absoluto frágil (2015). Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

7 comentários em Žižek: Hillary e o triunfo da ideologia

  1. Antonio Tadeu Meneses // 27/08/2016 às 0:03 // Responder

    é mais uma vez o dilema da escolha do menor dos males. São situações nas quais nenhuma solução é satisfatória. Mas, muitas vezes decidimos por facilidade, empatia, desconhecimento ou mesmo nojo de alguma atitude.
    Mas a ética de escolher o mal menor prejudica milhões de pessoas, os gregos antigos já tinham consciência de que cada cultura tem noções diferentes sobre o que é certo ou errado: diziam que havia tantas morais quanto povos no mundo. A princípio, saber que a moral muda de acordo com a cultura é importante para não julgarmos costumes de um povo como se fossem os nossos, descobrindo suas razões particulares.
    Mas, como mostram os dilemas morais, nem sempre é fácil fazer essa análise.

    Curtir

    • FABIO ROCHA // 27/08/2016 às 3:29 // Responder

      E se a fragmentação progressista levasse a eleição de Trump? Entendo ser um movimento natural dentro de um sistema politico bipartite.

      Curtir

  2. Guilherme Paula de Almeida // 29/08/2016 às 0:09 // Responder

    Não importa. Desta escolha pode se escoar muitas vidas. Sem o Bush Filho o Mundo estaria muito melhor e muitas vidas poupadas. Que venha a Loira e que aperfeiçoe o legado do Obama.

    Curtir

  3. a resenha diz, diz, diz, mas não diz nada.

    Curtir

  4. Ora, a Hillary está associada aos sauditas e apoiava uma intervenção na Síria tal qual a da Líbia (a qual apoiou e apoiou também a do Iraque). Ele está certo.
    Por isso que nunca me entusiasmei com Sanders. Sou pela Jill Stein.

    Curtir

  5. Aída Paiva // 23/09/2016 às 0:34 // Responder

    Vou deixar aqui um pedido pungente de perdão ao filósofo Zizek por causa da extrema burrice dos meus compatriotas que comentaram acima.
    Meus compatriotas que comentaram acima além da preguiça visível em realizar os comentários é evidente também o descaso, a falta de engajamento, e a propagação da desinformação.
    Eu não sei se os que comentaram estão extremamente cansados pela militância paga contra a minha presidente Dilma ou se estão sendo pagos para fazerem exatamente o que estão fazendo.
    AVISO aos comentadores acima: O sistema econômico muda e da próxima vez eles podem estar na lista dos escolhidos.

    Curtir

  6. Aída Paiva // 23/09/2016 às 1:22 // Responder

    Zizek, a percepção que tenho da classe que rouba os trabalhadores brasileiros é exatamente igual a classe que rouba os trabalhadores do mundo, a classe rica norte-americana.
    A burguesia é igual em todos os lugares. A burguesia gasta um tempo enorme em desenvolver novas formas de roubar. A burguesia quer manter a imagem de pessoas excelentes, essa classe não assume desdenhosamente que vive através do roubo.
    A burguesia vai para a universidade desenvolver formas de roubo.
    Os burgueses sabem o que é certo e como deveriam ser mas não agem corretamente.
    Os burgueses odeiam os trabalahdores dos quais eles dependem. Os burgueses admiram e gostam do que esses trabalhadores produzem mas ao mesmo tempo odeiam esses trabalhadores.
    É impossível despertar amor em um burguês. Qualquer gesto de carinho os burgueses roubam. Os burgueses nos olham pensando o que que eu vou pegar agora.
    O que chamam “desenvolvimento do capitalismo” é que acharam uma nova forma de roubar.
    Eu gostaria de saber o que motiva uma pessoa burguesa a se manter nesse comportamento.

    Curtido por 1 pessoa

5 Trackbacks / Pingbacks

  1. Žižek: Hillary e o triunfo da ideologia – Teoria e Práxis
  2. Žižek: Hillary, Trump e o mal menor – Blog da Boitempo
  3. Žižek: Hillary, Trump e o mal menor | Camalaú Notícias Blog
  4. Donald Trump representa um mal menor que Hillary Clinton?
  5. Donald Trump representa um mal menor que Hillary Clinton? | Politica Aplicada

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: