Anselm Jappe: “As camadas mais reacionárias do Brasil retomaram o seu antigo poder”

"Em todo o mundo, a crise ressuscitou os piores reflexos do passado, em particular o racismo, o antissemitismo e o desprezo pelos pobres. E no Brasil, ressurgiram as atitudes herdadas de uma sociedade escravocrata. Não é o custo – bastante moderado – do Bolsa Família que escandaliza, mas a ideia de que os pobres possam ter direitos."

anselm jappe boitempo md18

Entrevista especial com Anselm Jappe.

A atual crise política no Brasil é um sintoma da impossibilidade de lutar contra o capitalismo com seus próprios meios. A avaliação é do filósofo e crítico social Anselm Jappe, um dos principais representantes atuais da crítica marxista do valor. Professor do Colégio Internacional de Filosofia, em Paris, desde o final da década de 90 Jappe tem passado pelo Brasil e acompanhado de perto a conjuntura política, econômica e social no país frente às dinâmicas do capitalismo global de hoje. Para ele, o atual quadro “tem efetivamente ares de um golpe que traz à tona tempos sombrios” mas ao mesmo tempo reúne os melhores motivos para se retomar uma verdadeira “antipolítica” – termo que longe de significar a renúncia da ação pública e coletiva, descreve um ato de superação do que atualmente chamamos de “política” ancorado em uma recusa da lógica econômica que a enseja.

Esta conversa, conduzida por Gabriel Zacarias (pós-doutorando USP/EHESS-Paris) e traduzida por Luc Duffles Aldon (MD18), dá sequência à série de entrevistas do Movimento Democrático 18 de Março (MD18) com grandes intelectuais de esquerda publicadas no Blog da Boitempo. Leia a primeira entrevista da série, com o sociólogo franco-brasileiro Michael Löwy, clicando aqui, a segunda, com o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, clicando aqui, a terceira com o historiador Luiz Marques clicando aqui, e a quarta, com o cineasta Eryk Rocha, clicando aqui.

* * *

Você visitou o Brasil pela primeira vez no final da década de 1990 e voltou várias vezes, sendo a última logo após as manifestações de junho de 2013. Quais são as mudanças que você observou durante esse período?

Visitei o Brasil pela primeira vez em 1999 e depois voltei quase todos os anos para participar de conferências no meio acadêmico, e também tive a oportunidade de observar outros meios da sociedade. Nos primeiros anos, notei a forte “xenofilia” dos intelectuais brasileiros: boa parte dos professores brasileiros havia estudado no exterior, e o fato de ter feito um doutorado em Paris ou em Londres era uma garantia quase certa de obter, em seguida, um cargo de professor no Brasil – especialmente após o fim da ditadura. Da mesma forma, intelectuais europeus, ainda que não fossem muito conhecidos em seus próprios países, eram recebidos no Brasil com grande respeito e, por vezes, tornavam-se estrelas. Os visitantes estrangeiros eram facilmente convidados para ficar e ensinar em condições muito favoráveis. Assim, predominava a impressão, até no plano intelectual, de se estar em um país “semiperiférico”.

Alguns anos depois, isso mudou. As importações foram substituídas por produtos locais. As principais universidades brasileiras passaram a produzir um grande número de doutores, de boa qualidade, que em seguida ocupavam as cadeiras das universidades em rápida expansão no país. Sentia-se que universidades como as de São Paulo ou de Porto Alegre se propunham a competir com Harvard ou com a Sorbonne, queriam jogar com os grandes. A cada ano, chegavam mais estudantes brasileiros na Europa. Paris estava repleta. Parecia que qualquer estudante brasileiro que quisesse uma bolsa para estudar no exterior a recebia. Na Europa, ao contrário, as universidades estavam em crise. Aqui só se falava em cortes no orçamento e em cortes de empregos, e encontrar trabalho tinha se tornado quase impossível para os jovens doutores. Vi vários universitários europeus chegarem ao Brasil em busca de emprego, até em lugares distantes dos grandes centros. Além disso, nunca parecia faltar dinheiro para organizar simpósios e convidar palestrantes. Lembro-me bem que por volta de 2010, confrontando as situações das universidades brasileiras e europeias, eu tinha a sensação de que era eu que vinha do terceiro mundo!

Mas isso não durou muito…

Sim, o milagre desapareceu tão rápido quanto havia aparecido. A situação atual em muitas universidades brasileiras parece desastrosa – disseram-me que professores são orientados a não acender a luz muito cedo! O número de bolsistas brasileiros na Europa parece ter caído tão rápido quanto o número de colóquios faustosos no Brasil, e o fluxo de migração se reverteu novamente. Embora essas observações só se refiram ao microcosmo universitário, eu acho que refletem uma realidade mais ampla. A ambição de sair do “subdesenvolvimento”, a convicção, depois de vários anos de crescimento, de ter definitivamente virado a página e de ser agora “um país como os outros”, isto é, como os Estados Unidos ou Europa; e, finalmente, a amarga desilusão, que é uma das causas da crise política atual.

A “crítica do valor”, corrente crítica na qual se inserem seus escritos, argumenta que o capitalismo entrou numa fase irremediável de crise, devido a uma contradição estrutural. O Brasil é um país onde essa corrente tem suscitado interesse desde os anos 1990. As vicissitudes que você descreveu afetaram a forma com a qual a wertkritik foi recebida no país?

Sim, poderíamos acompanhar essa evolução também através do recebimento da crítica do valor e do seu autor mais conhecido, o alemão Robert Kurz. Ele atingiu um grande público no Brasil na década de 1990, depois da tradução de O colapso da modernização (Paz e Terra, 1991). Esse livro anunciava que o capitalismo mundial, apesar da atmosfera de triunfo que prevaleceu no Ocidente depois da queda da URSS, inevitavelmente entraria em colapso. Enquanto novas catástrofes econômicas reapareciam no Brasil (por exemplo, o retorno da hiperinflação que se repetiu várias vezes), a teoria da crise de Kurz permaneceu bastante debatida. Através de sua coluna na Folha de São Paulo, ele se tornou um formador de opinião no Brasil. Ele me disse que, cada vez que havia uma má notícia econômica no Brasil, seu telefone começava a tocar e chamavam-no para entrevistas. Mas, com a euforia coletiva que começara a se estabelecer durante os anos Lula, ninguém queria ouvir falar de crise. Mesmo os grupos de pesquisa no Brasil que se inspiravam na crítica do valor relatavam manter apenas alguns de seus aspectos. Eles diziam que, naquele contexto, era impossível falar de uma crise do capitalismo no Brasil sem que rissem da nossa cara. A Folha fechou a coluna de Kurz.

O fato de que o Brasil aparentava ter sido poupado da crise mundial de 2008 parecia reforçar ainda mais a impressão de que o capitalismo só estava em crise nos seus antigos centros e que simplesmente havia passado a tocha para a ex-periferia: os famosos países BRICS. Assim, o sentimento de nova riqueza foi acompanhado pela satisfação de uma espécie de revanche histórica que finalmente permitia ao Brasil fazer parte do clube das potências. O país reivindicava então um assento permanente no Conselho de segurança da ONU, propunha-se como mediador entre países em conflito em outros continentes e investia maciçamente fora das suas fronteiras. Finalmente, o Brasil não era mais o “primo pobre”.

Além disso, aqueles que aprovavam o governo do PT podiam enfatizar que não eram apenas os indicadores econômicos que subiam, mas que também havia uma evolução para uma maior igualdade social e mais serviços básicos, mais respeito das minorias e um espírito menos colonialista. Por isso, inclusive nesse sentido, o Brasil tornou-se “moderno” e foi integrado ao mundo globalizado. De fato, eu já não via mais, ao longo da estrada que leva do aeroporto de Guarulhos a São Paulo, as favelas particularmente miseráveis que havia visto em 1999 – quem sabe para onde eles foram deslocadas… Em todo caso, agora sabemos que bastou pouco para acabar com este conto de fadas.

O que houve?

O país foi alcançado pela crise mundial, com uma crise política caseira em bônus. Não é necessário recordar aqui os detalhes. Há, sobretudo, duas questões que devem ser colocadas: o fato de que o Brasil tenha caído tão rapidamente seria o resultado de más políticas que poderiam ter sido evitadas ou seria a consequência inevitável de uma lógica pétrea do capitalismo mundial? E por que os grupos dominantes no país – o grande capital, a finança, os latifundiários, a grande mídia – têm atacado obstinadamente o governo de Dilma, apesar dos anos de prosperidade que o governo do PT lhes proporcionou, desde 2002? Que razão teria o Capital para desaprovar o PT (e não os seus eleitores populares decepcionados)?

Você diz que o Brasil teve uma “recaída”. Você acredita que o que está acontecendo pode ser descrito como um retrocesso?

“Recaída”, “retrocesso”, sim, é o caso de usar essas palavras. No plano econômico, em primeiro lugar. A situação atual demonstra que o Brasil nunca tinha se liberado do pecado capital das economias “atrasadas”: a dependência das exportações de matérias-primas. Pelo contrário, a sua incidência na economia nacional quase dobrou desde 2000. A economia brasileira continua tão frágil e dependente quanto antes, o que resultou no rápido retorno da inflação e da pobreza, a partir do momento em que a economia mundial piorou. Os observadores sérios são unânimes no seu diagnóstico: era essencialmente a demanda voraz da China, em termos de matérias-primas, que estimulava a economia brasileira, e a economia chinesa dependia, por sua vez, da capacidade dos países ocidentais de absorver seus produtos manufaturados. No momento em que esse esquema mundial instável – que se baseava apenas no crédito – começou a vacilar, o milagre econômico brasileiro já tinha terminado. Mesmo internamente, ele só funcionava a base de crédito. O crédito ao consumo e o crédito imobiliário criavam uma sensação de enorme expansão das classes médias e geravam consenso social, enquanto que o Estado fazia investimentos maciços que eram igualmente financiados a crédito. A famosa inclusão de milhões de pessoas pobres não era fruto de qualquer redistribuição real, mas apenas um subproduto – um “derivado” – da bolha especulativa global. O PT anunciou que deveria fazer o bolo crescer para poder distribuir a todos; mas, no final das contas, o bolo tinha apenas inchado com fermentos artificiais… Em suma, o boom econômico não tinha base sólida em termos capitalistas, mas era estritamente o resultado de fatores externos e incontroláveis.

Você acredita então que essa nova queda era previsível?

Sim, esta queda era previsível porque a economia global, na era neoliberal, não é mais baseada na única fonte real de “rentabilidade” no sentido capitalista: isto é, a transformação do trabalho vivo em valor e sua constante acumulação. Desde que a substituição do trabalho vivo pela tecnologia – que não cria valor econômico – ultrapassou um determinado nível, mais ou menos na década de 1970, a economia mundial só simulou o crescimento econômico, com uma utilização cada vez mais maciça de crédito e de todas as formas de capital fictício (bolsas, valores imobiliários etc.). A crise de 2008 foi apenas o começo do colapso dos valores irreais criados pela finança e, desde então, nada foi feito para reavivar a economia global de forma sustentável – apenas empréstimos e ainda mais empréstimos.

Também era previsível que o deslocamento de acumulação global dos centros – imaginados como velhos e cansados – para a periferia – imaginada como jovem e cheia de energia – não ocorreria. O capitalismo não é uma receita que, se devidamente aplicada, dá os mesmos resultados em todos os lugares. Foi baseado desde o início sobre o caráter não-contemporâneo das diversas economias e sobre uma divisão de tarefas, tudo em benefício dos países que tinham um nível maior de produtividade. São sempre os mesmos países que, inevitavelmente, têm mantido suas vantagens iniciais, o que remonta ao século 19. A globalização, a partir da década de 1970, destruiu as últimas possibilidades de estabelecer economias nacionais ou regionais, seja na União Soviética, seja como parte de um “desenvolvimentismo”. A partir daí, a única integração possível ao mercado mundial se deu pela via das exportações – o Brasil e a Rússia o fizeram com as matérias-primas; a China, com produtos manufaturados que os estadunidenses compravam quase gratuitamente, graças à função do dólar como moeda mundial. Neste sistema, sempre há um país “atrasado” que deve vender barato seus recursos ou seu trabalho para países mais “produtivos”. Pode-se, é claro, combater essa desigualdade global, mas deve-se, então, lutar contra o sistema capitalista como tal. Quando se aceita o capitalismo como horizonte intransponível, também se aceita, goste-se ou não, o fato de que há vencedores e perdedores. As políticas mais ou menos apropriadas dos diferentes governos só podem mudar detalhes – vemos isto todos os dias.

Em outras palavras, poderíamos dizer que assistimos mais uma vez ao fracasso daquilo que Kurz chamara de “modernização retardatária”?

Sim, exatamente. Se podemos aplicar o conceito de “retrocesso”, também é nesse outro sentido: o fracasso da “modernização retardatária” mostrou que a modernização da sociedade brasileira em si foi em muitos aspectos um verniz superficial. Uma vez que o quadro econômico piorou e que não havia mais abundância para distribuir aos ricos e aos pobres, os velhos demônios, que nunca dormiram realmente, finalmente despertaram. Apesar de todas as benesses que favoreceram a burguesia, esta nunca gostou da política do PT. De um ponto de vista puramente econômico e prático, isso pode parecer ódio irracional ou pelo menos ingrato. Mas a satisfação social do sujeito capitalista não é medida apenas pelos produtos que consome, mas também por sua distinção em relação aos outros sujeitos. E essas questões de status são ainda mais importantes, onde os restos de uma mentalidade pré-moderna e colonialista persistem. Dizem que o Bolsa Família desagradou aos pequenos burgueses porque havia se tornado mais difícil encontrar empregadas domésticas. A presença delas, até mesmo em famílias da pequena burguesia, é uma característica da vida brasileira que causa grande impacto nos visitantes estrangeiros. A perda desse status simbólico foi certamente angustiante para muitas pessoas. Da mesma forma, estudar na universidade ou viajar para o exterior deixou de ser o sinal de se pertencer a uma elite.

Como diziam alguns, “os aeroportos viraram rodoviárias”…

Sim, isso mesmo. E por que os velhos burgueses suspiravam assim? Eles não tinham perdido nada de seus bens materiais, mas agora dificilmente poderiam sentir o prazer abjeto de ver o engraxate aos seus pés. Vemos que questões de identidade podem contar tanto quanto questões materiais. Em todo o mundo, a crise ressuscitou os piores reflexos do passado, em particular o racismo, o antissemitismo e o desprezo pelos pobres. E no Brasil, ressurgiram as atitudes herdadas de uma sociedade escravocrata. Não é o custo – bastante moderado – do Bolsa Família que escandaliza, mas a ideia de que os pobres possam ter direitos.

Mas que relação podemos estabelecer entre a persistência de mentalidade ultrapassada e o cenário político atual?

Também reconhecemos essa persistência do passado na facilidade com que os “poderes fortes” em alguns países invertem o jogo “democrático” assim que o jogo não lhes convém. É claro que, em nenhum lugar do mundo, os dominantes aceitam mais as regras “democráticas” antes estabelecidas por eles mesmos. Mas, no caso brasileiro, a ânsia pelo poder tem efetivamente ares de um golpe que traz à tona tempos sombrios. Claro, não temos que ter pena do PT: ele tropeçou no seu próprio tapete, ele foi vítima de seu próprio jogo, traído por aliados que ele próprio levou ao poder e os instalou em lugares de onde eles poderiam golpeá-lo. Mas esta consideração não altera o fato de que as camadas mais reacionárias do país retomaram o seu antigo poder. A composição do governo Temer é uma confirmação caricatural. Do ponto de vista da pura lógica do capital e do dinheiro, um branco e um negro, uma mulher e um homem, um gay e um pai de família, um evangélico e um ateu, um descendente dos colonizadores e um descendente de escravos são iguais – mas a mesma lógica ainda mantém seu lado obscuro irracional de que essas pessoas não se equivalem, de forma alguma.

No entanto, a queda da Dilma não foi apenas o resultado de uma conspiração nos corredores de um Parlamento de corruptos. Foi precedida por enormes manifestações pedindo o impeachment, muito maiores e mais contínuas do que as de 2013. Um dos fatores que precipitaram a desgraça do PT, junto ao estrato social que até então tinha beneficiado de suas políticas, foi o fenômeno já observado pelo sociólogo francês Emile Durkheim no final do século XIX, quando tentava entender por que, paradoxalmente, a taxa de suicídio aumentava durante períodos de prosperidade: as expectativas crescem mais rápido do que as possibilidades reais, causando uma maior decepção do que antes. Prometeram às novas classes médias, criadas pelas políticas do PT, que viveriam como nos países mais “desenvolvidos”; consequentemente, elas rapidamente consideraram intoleráveis situações que antes elas teriam considerado como “progresso”. Eu não pretendo fazer um discurso culturalista sobre as “mentalidades eternas” dos povos. Pelo contrário, é um discurso sobre a impossibilidade de lutar contra o capitalismo com seus próprios meios. Ele nunca permitirá que o Brasil tenha um melhor lugar no mercado mundial, nem que os pobres conquistem o seu lugar na sociedade brasileira.

Em meio a essas perspectivas pouco animadoras, que possibilidades de resistência podemos vislumbrar?

Antes do governo do PT, existiram fortes movimentos sociais. Houve as manifestações – um tanto misteriosas – de 2013. Os melhores motivos para se retomar uma antipolítica estão reunidos. Mas ela deve absolutamente se separar de qualquer referência aos partidos, sejam esses quais forem, ao Estado e ao “desenvolvimento”. Ela não deve redistribuir a falsa riqueza capitalista, o dinheiro, mas sim lutar pelo acesso de todos às riquezas concretas.

Poderia nos explicar melhor o que entende por “antipolítica”?

A antipolítica não tem nada a ver com a renúncia da ação pública e coletiva. Pelo contrário, é uma forma de agir que percebe que na sociedade de mercado não pode haver uma esfera da política autônoma, lugar de decisão soberana e consciente, que seria capaz de ditar a lei a uma esfera separada da economia e do mercado. Enquanto o valor, o dinheiro e o trabalho formarem a síntese social, eles serão como um a priori, um filtro inconsciente que se interpõe entre todas as decisões dos sujeitos e o mundo no qual querem agir. Observamos isso na famosa questão da “financiabilidade”: numa sociedade de mercado, nós não nos perguntamos se a solução proposta é apropriada ou não, mas se podemos ou não “financiá-la”. Qualquer política que atue no campo pressuposto e não questionado do dinheiro e do trabalho já perdeu a partida de antemão, e só pode se tornar executora da lógica econômica. É por isso que todos os governantes do mundo, mesmo aqueles que poderiam, no início, ser “honestos” ou “de esquerda”, acabam aplicando receitas neoliberais. É preciso romper com a própria lógica econômica, o que significa uma espécie de revolução antropológica que vai além do que chamamos atualmente de política. Não se trata, porém, de uma perspectiva utópica ou irrealista. Considerando-se o desastre ao qual a lógica econômica nos levou em todas as áreas (e, em particular, na área do meio-ambiente), a única via “realista” seria tentar experiências de vida social para além da economia e do mercado. Mesmo que seja no meio de milhares de incertezas, é o espírito que parece animar uma parte de movimentos sociais na América Latina, sejam os zapatistas no México, os movimentos indigenistas ou os movimentos de apropriação de terras, usinas, serviços. Eu acho que é muito mais promissor do que continuar a confiar em partidos, Estados, eleições…

***

Movimento Democrático 18 de Março (MD18) nasceu da luta contra o golpe de Estado no Brasil. Sediado em Paris, e com grande presença de pesquisadores, professores universitários, artistas e militantes de movimentos sociais, o movimento propõe ampliar a reflexão sobre as possibilidades da esquerda na atual conjuntura de crise. É com esse objetivo que o MD18 inaugura uma série de entrevistas com intelectuais, artistas e militantes de diferentes horizontes, que visam ampliar o debate sobre as formas de resistência que podem e devem advir. O projeto se inicia com a participação de grandes pensadores da esquerda como Michael Löwy, Boaventura de Sousa Santos, Nancy Fraser e Anselm Jappe, além de contar com a colaboração de inúmeros intelectuais brasileiros. As entrevistas serão disponibilizadas em português e em francês no site do MD18.

***

Anselm Jappe é um dos principais autores da crítica do valor (wertkritik) hoje, corrente de teoria crítica marxista que tem como alguns de seus nomes mais conhecidos Robert Kurz, recentemente falecido, e Moishe Postone, autor de Tempo, trabalho e dominação social. Ensina atualmente no Colégio Internacional de Filosofia, em Paris, e é autor de diversas obras traduzidas para o português, entre elas As aventuras da mercadoria (Antígona, 2006) e Crédito à morte (Hedra, 2013) – livro que foi tema da coluna “Roteiros para sair do capitalismo“, de Ricardo Musse, no Blog da Boitempo.

3 comentários em Anselm Jappe: “As camadas mais reacionárias do Brasil retomaram o seu antigo poder”

  1. Antonio Tadeu Meneses // 22/08/2016 às 22:45 // Responder

    Excelente texto, bem sintetizada as causas reais dos problemas do governo Dilma & PT sintetizando em infraestrutura econômica, estrutura ideológica e política. Só faltou levar em consideração os problemas jurídicos e suas causas do Mensalão, Petrolão e outras corrupções, e outros.

    Curtir

  2. Maria Thereza Candido Gomes de Menezes // 23/08/2016 às 15:00 // Responder

    Uma instigante análise sobre o Brasil contemporâneo com destaque para a questão política. No entanto, a abordagem do autor acerca da teoria do valor em Marx para avaliar a crise é problemática com relação ao desvio do enfoque do valor descartando o trabalho como sua principal fonte.

    Curtir

  3. Guilherme Guilherme // 04/06/2017 às 23:52 // Responder

    Bela entrevista, só acho um deslize acreditar que as manifestações pró-impeachment tenham sido maiores e mais contínuas do que junho. Esse foi um discurso midiático facilmente desmentido por um olhar para além das manchetes. De qualquer forma, bela entrevista!

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. As camadas mais reacionárias do Brasil retomaram o seu antigo poder – Anselm Jappe – Ensaios e textos libertários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: