Brasil: muitos juízes, pouco juízo

flavio aguiar nurembrg

Burt Lancaster em fotograma do filme O julgamento em Nuremberg (1961), dirigido por Stanley Kramer.

Por Flávio Aguiar.

“Viver é muito perigoso… Querer o bem com demais força, de incerto jeito, pode já estar sendo se querer o mal, por principiar. Esses homens!”

O chefe de jagunços Riobaldo, através de
Guimarães Rosa, Grande Sertão: Veredas.

Vivemos hoje no Brasil um movimento autoritário, golpista, cujo objetivo é aleijar a esquerda, alija-la da disputa política, enquadrar em alguma cousa penal o seu principal líder – aliás, um dos maiores que o Brasil, a América Latina e o mundo jamais tiveram –destituir a primeira mulher presidenta do Brasil e desorganizar a Constituição de 1988, no sentido de tomar de volta para as elites reacionárias aquilo que o povo obteve como conquista: a presença significativa no Orçamento Federal.

A vanguarda deste movimento – como em 54 a vanguarda do movimento reacionário foi o “Memorial dos Coronéis” que reclamava dos aumentos “excessivos” do salário mínimo – hoje se encontra em um movimento que reúne juízes, procuradores, setores da Polícia Federal, jornalistas que povoam a mídia corporativa com suas diatribes ensandecidas. Este movimento, empalmando a causa de partes da classe média, identificadas com valores da alta burguesia, e ciosas de privilégios que vêm sentindo como perdidos em nome de reconhecer direitos aos “baixios” da sociedade, vem procurando por todos os meios criminalizar as esquerdas. Brandem o hissope (instrumento para aspergir água benta entre os fiéis de um rito religioso) da luta anticorrupção, mas enquadram o cenário político com um único olho, o que mira as esquerdas.

Nisto, nada há de novo na frente ocidental. Movimentos deste tipo sempre produziram um tipo especial de agentes do aparato jurídico, amparado pelo policial, que se caracteriza pela truculência em relação a suas vítimas, transformadas em réus de processos em que devem provar sua “impossível inocência”, ao invés do contrário – e pela subserviência ao que identificam como os valores dominantes nos “apartamentos de cobertura” da pirâmide social. “Impossível inocência”: a expressão se refere ao fato de que estas vítimas são pré-julgadas culpadas, e apenas depois se tornam réus.

O agente modelar deste tipo de operação é aquele que, esteja onde esteja, usurpa funções. O juiz se faz promotor, e acusa. O promotor se faz juiz, e julga. O policial se faz de ambos, investiga, mas acusa e julga. E hoje, no Brasil, tudo fica acobertado pela mídia corporativa, que recebe os vazamentos ilegais, acusa e julga. E os réus condenados previamente que provem sua inocência, uma tarefa impossível dentro das balizas desta mesma mídia, que já pré-julgou tudo e condenou todos os que quer condenar.

Há modelos históricos para este tipo de operação. Em outras vezes já apontei alguns. Roland Freisler, o juiz preferencial do regime nazista na Alemanha, que acusava e julgava, e gritava impropérios a seus réus nos tribunais. Andrey Vychiinsky, o juiz preferido de Stalin, que fazia o mesmo do lado soviético. Joseph McCarthy, o senador norte-americano que, nos anos cinquenta, denunciava, acusava, e julgava, embora no momento não estivesse num tribunal, seus acusados de fazerem atividades comunistas e anti-americanas.

Agora estamos diante de movimentos semelhantes. Com um agravante. Vychinsky e Freisler, como tinham o apoio integral dos seus líderes, não precisavam da mídia. McCarthy sim, e obteve, até o ponto em que a própria mídia começou a destrui-lo, a partir de um programa apresentado por Edward R. Murrow, na televisão, que denunciou o quanto o senador por Wisconsin se valia de uma clima opressivo criado pelo anticomunismo comum nos Estados Unidos durante a Guerra Fria.

Da mesma forma, este esquadrão de juízes, promotores e policiais que querem aleijar a esquerda, criminalizando-a com exclusividade, a ponto de se cogitar a absurda cassação do registro do PT (como se fez com todos os partidos em 1964, com o Partido Comunista em 1947, e novamente com todos os partidos na “ouverture” do Estado Novo), arma processos cujo resultado é definido de antemão: se cais na rede de acusados, estás condenado. Kafka, no Brasil de hoje, seria um autor realista, com seus O processo, O Castelo, etc. Mas estes Robin Hoods dos mais ricos precisam e dependem da mídia. Dos “vazamentos seletivos”.

Deve-se revisitar um filme excepcional: O julgamento de Nuremberg, versão de 1961, dirigida por Stanley Kramer, que deu a Maximilien Schell o Oscar de melhor ator e a Abby Mann o de melhor adaptação de roteiro. O filme trata do julgamento de um grupo de juízes alemães que desistiram de seus princípios diante dos (des)mandos do regime nazista. O principal deles é Ernst Jennings (Burt Lancaster), um reputado jurista liberal que, dentre outros, julgou o caso de um cidadão judeu (baseado em eventos reais) acusado de ter relações sexuais com uma menor ariana (Judy Garland). Como ele mesmo confessa, embora houvesse indícios de que o acusado tinha propensões pedófilas, não havia provas. Mas isto não importava, sublinha Jennings em seu mea culpa. O acusado, confirma ele, não foi condenado porque seria um criminoso, mas porque era judeu. Ele estava condenado de antemão.

O mesmo acontece hoje, mutatis mutandis. Na sanha de condenar Lula e o PT – além de Dilma – a horda de juízes, procuradores e policiais é movida pela sentença que já traçaram. Assim como a horda de deputados e de senadores que votam pelo impeachment de Dilma não se baseia em nada real, apenas sua sede meio vampiresco de sangue e da ridícula (na verdade) fama que conseguiram, pela TV, em escala mundial, além dos favores do interino. Se for condenado, Lula não o será por algum crime que tenha cometido, mas porque é Lula, o presidente criativo que deve e vai figurar no panteão nacional ao lado de Vargas e Pedro II.

Faz algum tempo que este bando que o persegue – com apoio e instigação da mídia reacionária – não consegue encontrar algo novo contra ele. Então ficam requentando pratos feitos: a delação do Delcídio, o sítio em Atibaia, que não rendem muito, apenas o suficiente para que a nossa mídia provinciana e intempestiva produza manchetes na tentativa de neutralizar a verdadeira devastação que vem sendo feita nas hostes do governo provisório e adjacências.

Uma advertência deveria ser feita a estes Moros, Gilmares, Janots e janotas que se assemelham aos coronéis de 54. Freisler, Vychinsky, McCarthy entraram para a História. Na lata de lixo.

***

Flávio Aguiar nasceu em Porto Alegre (RS), em 1947, e reside atualmente na Alemanha, onde atua como correspondente para publicações brasileiras. Pesquisador e professor de Literatura Brasileira da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, tem mais de trinta livros de crítica literária, ficção e poesia publicados. Ganhou por três vezes o prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, sendo um deles com o romance Anita (1999), publicado pela Boitempo Editorial. Também pela Boitempo, publicou a coletânea de textos que tematizam a escola e o aprendizado, A escola e a letra (2009), finalista do Prêmio Jabuti, Crônicas do mundo ao revés (2011) e o recente lançamento A Bíblia segundo Beliel (2012). Colabora com o Blog da Boitempo quinzenalmente, às quintas-feiras.

8 comentários em Brasil: muitos juízes, pouco juízo

  1. Lula e o PT acabaram com a economia do Brasil quando trouxeram a Copa e as Olimpíadas. Nunca se gastou tanto e à toa neste país. É claro, com a ajuda de partidos da base aliada, principalmente o PMDB. Tudo pela sede em se manter no poder. Aliaram-se todos, os de direita e esquerda aos empreiteiros e locupletaram-se todos. Agora o país está um caos político e financeiro em plena Olimpíadas. Os ricos cada vez mais ricos, os pobres cada vez mais pobres e classe média, que é a classe que mais recolhe impostos aos cofres da União, cada vez mais escrava. Lula e o PT “jogaram para as torcidas(povão)”. Incentivou um consumismo desenfreado com corte dos IPI sobre carros, fogões e geladeiras, e outros itens de consumos e esqueceu do coletivo. Precisamos de transportes públicos de qualidade a carros ou avião. Precisamos de educação básica de qualidade e empregos a bolsas-misérias. Porque não tirou o IPI das bicicletas que é maior(45%) que o dos carros(30%)? Mas não, usou as frases de efeitos. Que o pobre pode andar de carro próprio, pode voar, viajar…pode isto pode aquilo. Sabia que os ingressos para a Copa e Olimpíadas, os quais Lula chorou para que viessem para o Brasil foram somente adquiridos pela elite em sua maioria? Resumo do caos: obras inacabadas, superfaturadas e de péssimas qualidades que vão se transformar em verdadeiros elefantes brancos. Mas o pior legado é o político. Estamos perdidos. Foi golpe ou não foi golpe? Qual seria o pior o antes ou o depois? Também não sei responder. Estamos órfãos de políticos, de partidos e principalmente de ideologias. Uma coisa eu tenho certeza. O PT ao qual eu votei em 2002 justamente por vir na figura de Lula bradando aos quatro ventos deste Brasil, ética, moralidade e transparência acabou. Se não pecou na ação da corrupção. Pecou na omissão da fiscalização no trato das coisas públicas.

    Curtir

  2. Antonio Tadeu Meneses // 11/08/2016 às 20:06 // Resposta

    Faz todo o sentido para o povo brasileiro a nossa justiça passar a ser considerada um ramo inferior da administração pública.
    Mas, por outro lado acreditar que nas palavras do Lula é muita ingenuidade. “Se tem uma coisa que eu me orgulho, neste País, é que não tem uma viva alma mais honesta do que eu. Nem dentro da Polícia Federal, nem dentro do Ministério Público, nem dentro da igreja católica, nem dentro da igreja evangélica. Pode ter igual, mas eu duvido”, disse.

    Também não consta que um partido que se transformou em balcão de negócios apoiando políticos de direita, não nomeando nenhum trabalhador para ministro de seus ministérios mais importantes, mas sim representantes de oligopólios financeiros, do agronegócios, de multinacionais e de poderosas empreiteira, seja um partido de esquerda. Estas atitudes são típicas de partido de conciliação de classes.

    Curtir

  3. Vão se catar.

    Curtir

    • Vá se catar, você. É somente você que tem a capacidade de emitir opiniões. As minhas argumentações são sim pessoais e embasadas. Ou você acha que não houve mensalão e petrolão? A começar por Pasadena. Dilma foi Ministra das Minas e Energia de Lula por três anos. Também foi nomeada presidente do Conselho de Administração da Petrobras, cargo que exerceu até março de 2010(8 anos). Ocupou ainda a Casa Civil no governo Lula por cinco anos no lugar de José Dirceu envolvido no escândalo do mensalão. E por fim foi Presidenta da Nação por quatro anos e meio. Neste espaço em que ocupou cargos públicos importantes, ela não sabia nada do que se passava na maior estatal do país e uma das maiores do mundo, a Petrobrás? Ou melhor, numa analogia aos três macaquinhos japoneses: nada vejo, nada ouço e nada falo, a senhora Dilma e Lula agiram sim com impropriedades, por fazerem vista grossa a todos os escândalos. E ainda quer colocá-los ao lado de Pedro II e Vargas! Ora ora,vá se catar você, Flávio Aguiar.

      Curtir

  4. mari santos // 12/08/2016 às 1:50 // Resposta

    Flavio Aguiar, adoro seus escritos e os endosso . Inclusive as respostas que voce envia aos comentários imbecis e cheios de “sabedoria midiática”.Infelizmente boa parte dos brasileiros não consegue enxergar o que acontece debaixo dos seus narizes sem a “ajuda” da Tv.

    Curtir

    • Vá se catar, você. É somente você que tem a capacidade de emitir opiniões. As minhas argumentações são sim pessoais e embasadas. Ou você acha que não houve mensalão e petrolão? A começar por Pasadena. Dilma foi Ministra das Minas e Energia de Lula por três anos. Também foi nomeada presidente do Conselho de Administração da Petrobras, cargo que exerceu até março de 2010(8 anos). Ocupou ainda a Casa Civil no governo Lula por cinco anos no lugar de José Dirceu envolvido no escândalo do mensalão. E por fim foi Presidenta da Nação por quatro anos e meio. Neste espaço em que ocupou cargos públicos importantes, ela não sabia nada do que se passava na maior estatal do país e uma das maiores do mundo, a Petrobrás? Ou melhor, numa analogia aos três macaquinhos japoneses: nada vejo, nada ouço e nada falo, a senhora Dilma e Lula agiram sim com impropriedades, por fazerem vista grossa a todos os escândalos. E ainda quer colocá-los ao lado de Pedro II e Vargas! Ora ora,vá se catar você, Flávio Aguiar.

      Curtir

  5. Obrigado, Mari. Foi um desabafo. Críticas são bem-vindas. Comentários obtusos, baseados em repetir bobagens da mídia conservadora, mesmo que disfarçados de “opiniões pessoais”, não. Ainda bem que existem pessoas como você, que enxergam o mundo com os próprios olhos. Abs., Flavio.

    Curtir

  6. lucia costa // 12/09/2016 às 21:32 // Resposta

    Olá! Vejam Aline falando sobre Política no Brasil e no Mundo.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: