Je suis Younes Amrani

15.01.12_Ruy Braga_Je suis Younes[Manifestantes em Clichy-sous-Bois, subúrbio de Paris, em novembro de 2005]

Por Ruy Braga.

Younes Amrani, jovem sub-empregado de origem marroquina, enviou em 2003 um e-mail ao sociólogo Stéphane Beaud. O propósito da mensagem era comentar o livro de Beaud dedicado às vicissitudes da massificação do ensino superior na França. Em “80 % au bac” et après?, o sociólogo francês documentou o relativo fracasso da política do Partido Socialista que, em meados dos anos 1980, decidiu estabelecer como meta do sistema educacional “80% de uma geração na faculdade”.1 Pragmaticamente, o governo de François Mitterrand alimentou a esperança de integração nacional e de progresso social de milhares de jovens filhos de imigrantes ao mesmo tempo em que manipulou a taxa de desemprego por meio da extensão do tempo de permanência escolar.

Pelo conteúdo das mensagens eletrônicas trocadas ao longo de um ano entre Amrani e Beaud, é possível perceber que a substituição do mundo do trabalho pelo ensino superior como meio de integração dos imigrantes ampliou a fratura entre diferentes gerações e promoveu a inquietação social dos subalternos.2 Por um lado, a esperança de fazer parte de uma classe trabalhadora sindicalmente organizada que alimentou os sonhos dos pais desapareceu com o desmanche neoliberal do operariado francês. Por outro, as expectativas de progresso ocupacional dos filhos dos imigrantes estimuladas pelo acesso ao ensino superior sucumbiram ao subemprego, à degradação social das periferias e à violência policial.

Algumas dimensões-chave do sofrimento íntimo e do ressentimento social do jovem precariado de origem imigrante na França aparecem condensadas na trajetória de Amrani: a relação usualmente tensa com os professores franceses, o abuso de substâncias psicoativas, a experiência da discriminação racial, a realidade da pobreza, a solidariedade dos companheiros do bairro, a aproximação em relação às posições da extrema-esquerda, as decepções políticas, o sentimento de segregação espacial e a presença marcante da religiosidade na família. Aos poucos, o diálogo amistoso entre um jovem de origem marroquina e um sociólogo crítico revela as razões pelas quais a pátria do iluminismo transformou-se no “país da infelicidade” para os filhos de trabalhadores imigrantes.

A leitura das mensagens serve também para apagar o estigma que marca o “mec de banlieue”, isto é, o árabe que mora nas periferias das grandes cidades francesas. Ao contrário do que muitos poderiam imaginar, Younes Amrani é simplesmente um jovem tão inteligente quanto outro qualquer. Suas opiniões são muito razoáveis e suas observações jamais deixam transparecer um traço sequer de fanatismo. Como vítima consciente da violência sistêmica que desestrutura as famílias trabalhadoras é possível notar certa condescendência em relação a algumas atitudes violentas de seus amigos do bairro. Mas, o que prevalece em suas mensagens não é o ódio e sim o sofrimento resultante da subjetivação da violência inerente à reprodução das contradições do capitalismo francês. Um sofrimento que, por vezes, transborda os limites da angústia íntima, revelando-se publicamente em explosões de violência inorgânica.

Alguns dirão que ondas de rebeliões populares protagonizadas por imigrantes, como as revoltas de novembro de 2005 nas “cités populaires” francesas, por exemplo, não são um fenômeno novo.3 Mas, a realidade é que o neoliberalismo esgarçou o tecido social francês ao ponto de modificar até mesmo a natureza do chiste. Novamente, Stéphane Beaud, junto com Michel Pialoux, em sua conhecida etnografia do grupo operário da fábrica da Peugeot em Sochaux-Montbéliard, registraram o fenômeno.4 Os “imigrantes” sempre foram os alvos prioritários das zombarias dos operários “franceses”. Ocorre que durante o período fordista, as brincadeiras eram predominantemente amistosas, funcionando em proveito da socialização de turcos e marroquinos. Afinal, bem ou mal, todos faziam parte de um mesmo e orgulhoso grupo social.

Após a reestruturação produtiva dos anos 1990, contudo, a realidade fabril mudou sensivelmente. Uma rede de empresas subcontratadas formou-se como resultado das estratégias gerenciais de terceirização implantadas pela Peugeot. A rotatividade aumentou, a competição no interior do grupo fabril tornou-se a regra, os salários caíram, as carreiras foram simplificadas, o sindicato passou a ser hostilizado pelas gerências e o sistema fordista de solidariedade fabril colapsou finalmente. Os filhos dos operários imigrantes foram acantonados nos postos mais degradados sem a mínima chance de progredirem em termos ocupacionais.  

Neste novo contexto, o trabalhador francês passou a caçoar do jovem precariado “imigrante” não a fim de integrá-lo, mas para legitimar sua segregação na fábrica. O marroquino e o turco deixaram de ser “companheiros”, transformando-se em uma ameaça aos salários e às conquistas trabalhistas. Dispensável dizer que esta mudança alimentou tensões racistas registradas por Beaud e Pialoux no interior da fábrica. Estas tensões revelavam-se, por exemplo, nos conflitos entre “franceses” e “imigrantes” em torno da maneira de educar os jovens. Sumariamente, parte importante do operariado nacional percebeu sua “respeitabilidade” ameaçada pela presença do “imigrante”. O aumento da votação operária na Frente Nacional de Le Pen na região de Sochaux-Montbéliard resultou, em grande medida, do aprofundamento destas tensões.

De fato, o humor pode cumprir estes dois papéis: a integração social via banalização das diferenças ou a segregação via estereotipação e essencialização das subjetividades. Portanto, é preciso estar atento ao fato de que muitas reportagens e charges publicadas pelo Charlie Hebdo retratando o profeta Maomé e a população muçulmana serviam indiretamente para reforçar a segregação social dos povos de origem árabe na França. A despeito de não ser este o objetivo dos jornalistas, muitas sátiras publicadas pelo semanário francês vitimado pelo bárbaro e covarde ataque da semana passada estereotipavam os “imigrantes”.  

Imediatamente após o atentado ao Charlie Hebdo, uma mesquita parisiense foi atingida por tiros e um restaurante muçulmano incendiado. O recado é claro: os muçulmanos são os culpados. Eis a essência da estereotipação. Pela natureza politicamente regressiva do atentado em Paris, na Europa, combater a islamofobia e defender as populações de origem árabe dos ataques filo-fascistas tornaram-se as principais tarefas das forças progressistas. No entanto, isto não significa que devamos nos acomodar às opiniões daqueles, inclusive na esquerda, que condenaram o semanário apoiando-se em um cínico relativismo cultural ou na defesa mais ou menos velada da “identidade religiosa” dos muçulmanos. Sobretudo, devemos evitar cair na armadilha do “afinal, o jornal foi longe demais nas sátiras” ou algo do gênero.

Na verdade, estas posições apenas elidem a questão-chave: o massacre do 7 de janeiro não tem nada a ver com o Islã. Afinal, que fé seria esta se um crente se sentisse realmente ameaçado por charges? Isto não faz o menor sentido! Na realidade, este atentado foi uma explosão brutal de violência preparada e nutrida não por ofensas ao profeta, mas por décadas de reprodução dissimulada de um tipo de violência sistêmica cujas razões últimas devem ser buscadas no recente ciclo da mundialização capitalista. Neste sentido, as motivações religiosas dos jihadistas simplesmente não importam. Mesmo que assim se reivindiquem, Chérif Kouachi, Said Kouachi e Amedy Coulibaly não devem ser considerados fundamentalistas religiosos, mas simplesmente extremistas políticos que instrumentalizaram uma confissão religiosa a fim de espetacularizar organizações autoritárias.

Ao fim e ao cabo, o objetivo do massacre foi seduzir e recrutar jovens “imigrantes” oprimidos pelo aprofundamento da exploração econômica e pela ameaça da exclusão social para as fileiras da Al Qaeda (irmãos Kouachi) e do Estado Islâmico (Coulibaly). Estes agrupamentos extremistas, largamente minoritários no mundo muçulmano e imersos em uma competição entre eles próprios, alimentam-se das guerras e dos ataques neocolonialistas aos países árabes, do desmonte do Estado social, do aumento das desigualdades entre as classes e da defensiva das forças políticas de esquerda em uma Europa cada dia mais prisioneira do despotismo financeiro para ampliar o alcance de seu poder despótico.

Porquê então atacar o Charlie Hebdo? Simplesmente por se tratar de um alvo conveniente para a espetacularização da agenda política destes agrupamentos. Assim, independentemente do teor polêmico das charges e matérias publicadas pelo semanário esquerdista, Charb, Wolinski, Cabu, Tignous, Phillippe Honoré, Bernard Maris, Mustapha Ourad, Elsa Cayat, além de Franck Brinsolaro, Ahmed Merabet, Frédéric Boisseau e Michel Renaud, serão lembrados como mártires da resistência democrática ao avanço do obscurantismo político e do autoritarismo armado.

E, perfilados ao lado das lutas sociais futuras, certamente encontraremos milhares de Younes Amrani, jovens trabalhadores precarizados, filhos e netos de imigrantes, em sua maioria, defendendo a liberdade de expressão, reivindicando direitos sociais nas ruas e desafiando com seus incontáveis exemplos de dignidade pessoal os estereótipos criados para oprimí-los. O futuro da Europa está nas mãos dos Amranis, não dos Kouachis.

* Nota do editor [19.01.2015]: Após a repercussão deste artigo, o jovem bibliotecário de Lyon, Younes Amrani, filho de imigrantes marroquinos na França, enviou o seguinte “tweet” a Ruy Braga: “Un grand merci pour votre texte que j’ai trouvé très juste. Salut de France !

ruy_younes

NOTAS

1. Ver Stéphane Beaud. “80 % au bac” et après? Les enfants de la démocratisation scolaire. Paris, La Découverte, 2003.

2. Ver Stéphane Beaud, Younes Amrani. Pays de malheur! Un jeune de cité écrit à un sociologue. Suivi de des lecteurs nous ont écrit. Paris, La Découverte, 2005.

3. Ver Chakri Belaïd, Clémentine Autain e Stéphane Beaud. Banlieue, lendemains de révolte. Paris, La Dispute, 2006.

4. Ver Stéphane Beaud e Michel Pialoux. Retorno à condição operária: investigação em fábricas da Peugeot na França. São Paulo, Boitempo, 2009.

***

A esquerda diante dos fenômenos religiosos | Em tempos de barbárie e acirramento de fundamentalismos políticos e religiosos, a Boitempo dá início à publicação do curso “Sociologia marxista da religião”, de Michael Löwy, no curso de pós-graduação em sociologia da USP e viabilizado pelo Programa Escola de Altos Estudos da CAPES. Coordenação e apresentação de Ruy Braga.

Para além da fórmula da religião como “ópio do povo”, o sociólogo franco-brasileiro fornece elementos para compreendermos a dialética entre os elementos emancipatórios e os opressivos das religiões. De Marx e Engels, a Walter Benjamin e Hobsbawm passando por Gramsci, Bloch e Mariátegui, entre tantos outros “marxistas heterodoxos”, o panorama do curso oferece uma preciosa e urgente reflexão sobre como a esquerda deve se orientar diante do delicado terreno do fenômeno religioso.

A aula de abertura “Karl Marx como sociólogo da religião”, já está disponível online abertamente. Aulas novas toda semana! Acompanhe no canal daBoitempo no YouTube clicando aqui.

***

CH especial banner

Confira o especial Charlie Hebdo, no Blog da Boitempo, com reflexões, vídeos e artigos de Slavoj Žižek, Michael Löwy, João Alexandre Peschanski, Gilberto Maringoni, Osvaldo Coggiola, Tariq Ali, Ruy Braga, entre outros. Veja aqui.

***

Ruy Braga, professor do Departamento de Sociologia da USP e ex-diretor do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic) da USP, é autor, entre outros livros, de Por uma sociologia pública (São Paulo, Alameda, 2009), em coautoria com Michael Burawoy, e A nostalgia do fordismo: modernização e crise na teoria da sociedade salarial (São Paulo, Xamã, 2003). Na Boitempo, coorganizou as coletâneas de ensaios Infoproletários – Degradação real do trabalho virtual (com Ricardo Antunes, 2009) e Hegemonia às avessas (com Francisco de Oliveira e Cibele Rizek, 2010), sobre a hegemonia lulista, tema abordado em seu mais novo livro, A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às segundas.

17 comentários em Je suis Younes Amrani

  1. “Na verdade, estas posições apenas elidem a questão-chave: o massacre do 7 de janeiro não tem nada a ver com o Islã. Afinal, que fé seria esta se um crente se sentisse realmente ameaçado por charges? Isto não faz o menor sentido!” Ruy Braga simplifica o fundamentalismo islamico e o fundamentalismo religioso em geral para que caibam em seu ferramental analitico marxista. Infelizmente nao necessariamente condiz com a realidade. Sunitas e Xiitas, por exemplo, se explodem rotineiramente no Iraque e na Siria sem qualquer relacao com o capitalismo ocidental. Todos os fundamentalistas, de todas as religioes, sentem-se ameacados e ofendidos por blasfemia. Estou ansioso para saber como Ruy Braga justifica os ataques do Boko Haran na Nigeria e do ISIS na Siria… Devem ser todos agentes da CIA….

    Curtir

  2. Ruy Braga // 13/01/2015 às 13:50 // Resposta

    Será que não tem nada a ver com o imperialismo, as guerras pelo petróleo, a herança colonial, a desigualdade econômica, o subdesenvolvimento, a política externa francesa, o alinhamento com os Estados Unidos, a guerra ao terror, etc.? Não estou simplificando. Apenas tentando entender. Xiitas e sunitas conviveram em paz por séculos. Aliás, convivem em paz ainda hoje. Vc está essencializando diferenças ideológicas-religiosas de uma maneira bem preconceituosa. Como se existisse um DNA violento na Islã. Além disso, não é verdade que fundamentalismos se sentem ameaçados por charges. O fundamentalistas budistas dão de ombros à charges sobre Buda, por exemplo. Nem todo fundamentalista religioso é um extremista político. O EI foi armado pelos Estados Unidos a fim de derrubar Al Assad. Isto é um fato documentado. E não tem nada a ver com religião…

    Curtir

  3. Iconoclastia Incendiária
    “O islã é a religião da paz” – OK, vamos ver isso aí. Pega o seu Corão e vamos dar uma olhadinha…

    “Mas quanto os meses sagrados houverem transcorrido, matai os idólatras, onde quer que os acheis; capturai-os, acossai-os e espreitai-os; porém, caso se arrependam, observem a oração e paguem o zakat, abri-lhes o caminho. Sabei que Alá é Indulgente, Misericordiosíssimo.”
    Surata 9,5

    “Sabei que aqueles que contrariam Alá e seu mensageiro¹ serão exterminados, como o foram os seus antepassados; por isso Nós lhes enviamos lúcidos versículos e, aqueles que os negarem, sofrerão um afrontoso castigo.”
    Surata 58,5

    “Ó fiéis, combatei os vossos vizinhos incrédulos para que sintam severidade em vós; e sabei que Alá está com os tementes.”
    Surata 9,123

    “Ó fiéis, não tomeis por amigos os judeus nem os cristãos; que sejam amigos entre si. Porém, quem dentre vós os tomar por amigos, certamente será um deles; e Alá não encaminha os iníquos”.
    Surata 5,51

    “Matai-os onde quer se os encontreis e expulsai-os de onde vos expulsaram, porque a perseguição é mais grave do que o homicídio. Não os combatais nas cercanias da Mesquita Sagrada, a menos que vos ataquem. Mas, se ali vos combaterem, matai-os. Tal será o castigo dos incrédulos.”
    Surata 2,191

    “E combatei-os até terminar a perseguição e prevalecer a religião² de Alá. Porém, se desistirem, não haverá mais hostilidades, senão contra os iníquos.”
    Surata 2,193

    “Anseiam (os hipócritas) que renegueis, como renegaram eles, para que sejais todos iguais. Não tomeis a nenhum deles por confidente, até que tenham migrado pela causa de Alá. Porém, se se rebelarem, capturai-os então, matai-os, onde quer que os acheis, e não tomeis a nenhum deles por confidente nem por socorredor.”
    Surata 9,89

    “Combatei aqueles que não crêem em Alá e no Dia do Juízo Final, nem abstêm do que Alá e seu mensageiro¹proibiram, e nem professam a verdadeira religião²daqueles que receberam o Livro³, até que, submissos, paguem o Jizya.”
    Surata 9,29

    “O castigo, para aqueles que lutam contra Alá e contra o seu mensageiro e semeiam a corrupção na terra, é que sejam mortos, ou crucificados, ou lhes seja decepada a mão e o pé opostos, ou banidos. Tal será, para eles, um aviltamento nesse mundo e, no outro, sofrerão um severo castigo.”
    Surata 5,33

    Curtir

  4. Ruy Braga // 13/01/2015 às 16:12 // Resposta

    Não disse que o Islã é a “religião da paz”. Mas, de que edição você extraiu essas traduções?

    Curtir

  5. Ruy Braga // 13/01/2015 às 16:16 // Resposta

    Um monte de passagens citadas sem o contexto… Muito ruim…

    Curtir

  6. Ruy Braga // 13/01/2015 às 16:19 // Resposta

    Apenas um exemplo da 2a Surata:
    “190 Combatei,(77) pela causa de Deus, aqueles que vos
    combatem; porém, não pratiqueis agressão, porque Deus
    não estima os agressores.
    191 Matai-os onde quer se os encontreis e expulsai-os de
    onde vos expulsaram, porque a perseguição é mais grave
    do que o homicídio. Não os combatais nas cercanias da
    Mesquita Sagrada(78), a menos que vos ataquem. Mas, se
    ali vos combaterem, matai-os. Tal será o castigo dos
    incrédulos.
    192 Porém, se desistirem, sabei que Deus é Indulgente,
    Misericordiosíssimo.
    193 E combatei-os até terminar a perseguição e prevalecer
    a religião de Deus. Porém, se desistirem, não haverá mais
    hostilidades, senão contra os iníquos.”

    Curtir

  7. Ruy Braga // 13/01/2015 às 16:20 // Resposta

    E por aí vai…

    Curtir

  8. Ruy Braga! Aplausos!!! Artigo maravilhoso, já dizia Marx ” mais cedo ou mais tarde as coisas se revelam e tudo que era sólido se desmancha no ar…” Ponderação das mais excepcionais que eu já li sobre o atentado terrorista!!! A reprodução da violência sistêmica é ocasionada pelas facetas capitalistas, mascaradas em fórmulas como “globalização” e “modernização”, logo a reestruturação produtiva de 90 é muito reveladora.
    Este fenômeno é visto em todos os campos, porém em roupagens distintas e negação a qualquer custo.

    Curtir

  9. Ruy Braga // 13/01/2015 às 18:12 // Resposta

    Valeu pela força, Andresa. Abraços!

    Curtir

  10. Sandro Gomes // 13/01/2015 às 19:04 // Resposta

    Uma abordagem esclarecedora e que não reduz as explicações ao simplismo do fundamentalismo islâmico. É mais complexa a situação social na França do que nossa mídia e redes sociais estampam em imagens e posts. Há algumas décadas o P. Bourdieu e o Abdelmalek Sayad já chamavam a atenção sobre a situação social dos migrantes e de seus filhos na França.
    Valeu, Ruy!

    Curtir

  11. Ruy Braga // 13/01/2015 às 19:17 // Resposta

    Meu caro Sandro. Concordo contigo. Dê uma olhadinha neste pequeno artigo que publiquei no blog há uns meses atrás…
    https://blogdaboitempo.com.br/2014/08/18/lutar-nao-e-jogar/

    Curtir

  12. Parabéns Ruy Braga! Não é fácil perceber as diversas mediações que conformam esses fenômenos. No entanto, ao ler seu artigo nos parece bem evidente que estamos diante de mais umas dessas mediações da contradição entre capital e trabalho. Abraço!

    Curtir

  13. Sandro Gomes // 14/01/2015 às 16:36 // Resposta

    Me lembro desse artigo, Ruy. Querer enfatizar o fundamentalismo islâmico como fator explicativo, como fazem alguns, é praticar um marxismo vulgar às avessas. A adesão a formas extremas (violentas) do fundamentalismo islâmico é uma porta de saída para uma minoria de jovens de sua condição de marginalização. Algo semelhante como os jovens do narcotráfico das favelas cariocas, mas nem por isso a grande maioria dos jovens das favelas são “bandidos”, e nem a maioria dos jovens migrantes na França são Jihadistas. É uma construção de uma identidade masculina (questão de gênero) que está aí presente também: o uso da violência armada, a constituição de um ethos guerreiro como enfrentamento a uma situação de impotência face ao mundo social que marginaliza e submete.

    Curtir

  14. Ruy Braga // 14/01/2015 às 19:19 // Resposta

    Bem, observado Sandro Gomes. Valeu pela nota Marcel. Abraços.

    Curtir

  15. geraldopontesjr // 18/01/2015 às 1:21 // Resposta

    Caro Ruy Braga, o raciocínio de seu texto é mais astuto que o que propõe Zizek, quando você procura mostrar a falta de perspectivas dos jovens “beurs”, os descendentes de magrebinos, que já são gerações de franceses. Nisso, creio que você é bem mais eloquente e Zizek não tem distanciamento suficiente para entender esse fenômeno, com todo o respeito à interpretação que ele dá aos fatos, que é igualmente importante.

    Curtir

  16. Ruy Braga // 19/01/2015 às 21:40 // Resposta

    Valeu pelo comentário geraldopontesjr. Abração.

    Curtir

3 Trackbacks / Pingbacks

  1. Guerra ao terror | Blog da Boitempo
  2. Mamilos 8 - Liberdade de expressão, Globo de Ouro e Ataque na Nigéria
  3. GUERRA AO TERROR |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: