Lutar não é jogar

14.08.18_Ruy Braga_Esporte de combate[Pierre Bourdieu em fotograma do documentário La sociologie est un sport de combat (2002)]

Por Ruy Braga.

De 1998 a 2001, o cineasta Pierre Charles acompanhou o sociólogo Pierre Bourdieu em suas intervenções públicas contra a globalização neoliberal. O resultado é o documentário La sociologie est un sport de combat. Dizem que Bourdieu não gostou do filme. De fato, trata-se de um documentário sem muito brilho, conduzido burocraticamente. No entanto, ao palestrar sobre desigualdades educacionais para moradores de Val Fourré, um grande conjunto habitacional localizado na periferia de Paris, a cadência narrativa muda e, nos trinta minutos finais, assistimos Bourdieu ser desafiado pela plebe que faz questão de mundanizá-lo.

“Ele é apenas Bourdieu. Não ‘Dieu’ [Deus]”, diz Saïd, assistente social do bairro. Mounir, um ativo líder do conjunto habitacional, chama-o jocosamente de “José Bourdieu”. E o que deveria ser apenas mais uma palestra transforma-se em um vívido debate entre os próprios moradores a respeito do desaparecimento das ocupações qualificadas, do desinteresse dos professores em permanecer no bairro, do assédio sistemático da polícia, da insegurança em relação ao futuro ocupacional, da segregação espacial, etc.

Lá pelas tantas, os moradores de Val Fourré assumem o ofício do sociólogo, isto é, desvelar os mecanismos responsáveis pela reprodução da dominação simbólica. Bourdieu reage afirmando que se sua presença serviu para estimular aquelas opiniões, a viagem valeu a pena. Logo depois, ele invoca o trabalho de seu antigo assistente argelino, Abdelmalek Sayad, para dizer que aquele público formado por filhos e netos de imigrantes teria muito a aprender com a leitura de La double absence.1

E o sociólogo encerra a noitada com uma última lição: “Precisamos de um movimento social que queime carros. Mas com um propósito”.2 Como o documentário deixa claro, para Bourdieu o conhecimento científico deveria iluminar este propósito ao prover o “ferramental teórico capaz de auxiliar os movimentos sociais na transformação da dominação”. Como um “esporte de combate” a sociologia deveria se limitar à autodefesa do social contra os ataques do neoliberalismo.

Entretanto, cabe a pergunta, existe algum esporte de combate que se limite à autodefesa? Aliás, a metáfora esportiva é adequada? Ela não nos remete a um campo regulado por regras impessoais que valem para todos de maneira indistinta? Mas aquilo que os moradores da banlieue (grandes conjuntos habitacionais localizados nas periferias das grandes cidades francesas) estão dizendo não é justamente o contrário, ou seja, que a universalidade do Estado os oprime?

Ao admitir que o movimento social queime carros com um propósito, Bourdieu resvalou na tensão entre a miséria do mundo dos subalternos e o papel que, em sua opinião, o conhecimento científico deveria cumprir nas lutas sociais.3 Este papel supõe a skholè como condição necessária para a produção da verdade. Sumariamente, o sociólogo francês entendia que a busca desinteressada pelo conhecimento seria atributo exclusivo de um campo autônomo e protegido que, modernamente, encontramos apenas no ambiente universitário.4 Assim, a classe trabalhadora jamais alcançaria a intuição científica, pois seu senso comum, isto é, seu “senso prático”, seria inescapavelmente conservador.

Mas, se a sociologia vai se engajar com as classes oprimidas e combatentes, seria a autodefesa do que ele, no final dos anos 1980, chamou de “corporativismo do universal” a melhor maneira?5 Afinal, construir alternativas sociais enraizadas nas experiências dos subalternos supõe reconhecer que lutar não é jogar. Por isso, a grande novidade trazida pelo desenlace do documentário foi assistir Bourdieu reconhecendo a “verdade” contida nas opiniões daqueles plebeus. Ademais, ele sugeriu que sua experiência de classe fosse elaborada pela leitura de Abdelmalek Sayad…6

Lembrei-me do documentário sobre Bourdieu ao saber da libertação de Fábio Hideki Harano. O chocante relato de seu périplo pelo Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic), pelo Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros e, finalmente, pelo presídio de Tremembé, evidencia uma inversão embaraçosa, porém, reveladora. A polícia age como o bandido e a bandidagem inspira solidariedade.7

Esta prisão não apenas relembra os desavisados que vivemos sob um autêntico Estado de exceção, como demonstra uma vez mais ao lado de quem o judiciário está. Ao invés do corporativismo do universal, temos um lamento universal unindo filhos de imigrantes magrebinos morando em uma banlieue parisiense e jovens brasileiros protestando legitimamente contra os gastos públicos com a Copa. Não há regras impessoais, apenas a lei do mais forte.

Além de ser ex-estudante de sociologia, Fábio é membro do comando de greve da USP. Um movimento que ultrapassou os 80 dias devido o reitor Marco Antonio Zago agir como um acólito do governador do Estado de São Paulo contra a universidade pública. Apenas isso pode explicar a intransigência da atual gestão totalmente rendida a uma agenda neoliberal que, entre outras medidas deletérias, defende o arrocho salarial, a flexibilização da dedicação exclusiva docente como regime preferencial da USP, a implementação de um programa de demissão voluntária para os funcionários e a transferência do Hospital Universitário para o governo estadual.

O detalhe é que nenhuma destas medidas foi sequer mencionada pelo atual reitor durante a campanha eleitoral do ano passado. Se a estrutura de poder que atormenta a universidade fosse minimamente democrática, este fato seria suficiente para inaugurar o processo de impedimento de Zago. Todavia, como a USP vive à margem da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, apenas uma ampla mobilização de forças democráticas será capaz de revidar o ataque privatista. Neste contexto, falar em skholè parece pouco realista.

Lendo pelo avesso aquela conhecida elaboração a respeito das “vantagens do atraso” segundo a qual países periféricos podem se apropriar de forma mais radical dos avanços tecnológicos dos países centrais8, diríamos que, em termos reflexivos, a localização semiperiférica do Brasil permite à sociologia reconhecer e interpelar as contradições capitalistas de uma forma mais radical que na França. Fábio Hideki entendeu perfeitamente a última lição de Bourdieu. Quando o neoliberalismo ataca, não há espaço para fair play. Apenas para o combate.

NOTAS

1 Abdelmalek Sayad. La double absence: des illusions de l’émigré aux souffrances de l’immigré. Paris: Seuil, 1999.

2 Não nos esqueçamos que o grande levante das banlieues francesas que eclodiu em 2005 já se insinuava no final dos 1990. Para mais detalhes, ver Clémentine Autain, Stéphane Beaud et alli. Banlieue, lendemanis de révolte. Paris: La Dispute, 2006.

3 Em outra ocasião, tentei explorar esta contradição por meio da análise da relação de Bourdieu com o marxismo. Ver Ruy Braga. “O pêndulo de Marx: sociologias públicas e engajamento social”. Utopía y Praxis Latinoamericana, v. 16, Maracaibo, 2011. Ver, também, Michael Burawoy. O marxismo encontra Bourdieu. Campinas: Ed. da Unicamp, 2010.

4 Ver Pierre Bourdieu. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

5 Ver Pierre Bourdieu. As regras da arte. São Paulo: Companhia das Letras, 1992; especialmente, o “Post-scriptum”.

6 Não deixa de ser curioso que alguém tão crítico ao intelectual orgânico tenha se rendido àquilo que Gramsci dizia ser sua principal tarefa, ou seja, elaborar e tornar coerente os problemas colocados pelas massas. No fim do filme, Bourdieu quase passou da sociologia como esporte de combate para a sociologia como combate…

7 Ver Mônica Bergamo. “‘Eu tava marcado’, diz estudante Fábio Hideki ao relatar prisão após protesto”. Folha de S. Paulo, 13 de agosto de 2014.

8 Ver Leon Trotsky. História da Revolução Russa. São Paulo: Sundermann, 2007.

***

Ruy Braga, professor do Departamento de Sociologia da USP e ex-diretor do Centro de Estudos dos Direitos da Cidadania (Cenedic) da USP, é autor, entre outros livros, de Por uma sociologia pública (São Paulo, Alameda, 2009), em coautoria com Michael Burawoy, e A nostalgia do fordismo: modernização e crise na teoria da sociedade salarial (São Paulo, Xamã, 2003). Na Boitempo, coorganizou as coletâneas de ensaios Infoproletários – Degradação real do trabalho virtual (com Ricardo Antunes, 2009) e Hegemonia às avessas (com Francisco de Oliveira e Cibele Rizek, 2010), sobre a hegemonia lulista, tema abordado em seu mais novo livro, A política do precariado: do populismo à hegemonia lulista. Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às segundas.

1 Trackback / Pingback

  1. Lutar não é jogar | CONVERGÊNCIA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: