Doença mental na política

[Eduardo Bolsonaro, do Partido Social Cristão, discursa em manifestação anti-dilma no dia 1/11/2014 em São Paulo. O Deputado Federal, eleito com 82.224 votos, foi armado ao protesto.]

Por Christian Ingo Lenz Dunker.

As eleições de 2014 foram palco de um acirramento discursivo sem precedentes no país. A disponibilidade de meios e a facilidade dos fins desencadeou uma espécie de loucura coletiva que dividiu famílias, amigos e comunidades. Nunca se falou tanto em política nos divãs e os conflitos se alastram catalisando o tencionamento de relações entre professores e alunos, médicos e pacientes, empregados e funcionários. Transfigurações e epifanias se sucediam quando se descobria um novo colega “aecista” ou quando um pequeno gesto deixava farejar um “dilmista” nas redondezas.

A coisa já vinha se anunciando desde que as manifestações de junho de 2013 anunciavam, ao lado da renovação da esquerda, a emergência de um novo discurso conservador, cujo traço mais significativo é a suspensão do seu tradicional universalismo. Lembremos aqui que o apóstolo Paulo é conhecido como inventor do universalismo ao interpretar que a chegada do cristianismo significa uma suspensão da antiga lei, que dividia as pessoas entre “gregos e judeus, entre mulheres e homens, entre escravos e livres”.* Diante da nova lei, com a qual podemos nos medir e comparar, somos todos iguais e dissolvemos nossas particularidades de nascimento, de origem cultural, de gênero ou de condição social.

Discordo dos que pensam que a política deveria ser o espaço do debate neutro de ideias, sem a degradação representada pelo “Fla-Flu” eleitoral. O “Fla-Flu” está aí desde que há política e o antagonismo que ele representa constitui a política como ocupação do espaço público, não sem violência. Há interesses e há diferença de interesses. Ocorre que a nomeação dos “times” já é um ato político. Dividir as coisas entre direita e esquerda, entre progressistas e conservadores, ou entre liberais e revolucionários, exprime não só o lugar de quem propõe a geografia do problema, quanto a teoria da transformação que este pressupõe. Mas então o que teria mudado nesta última eleição de tal maneira que o ódio e o ressentimento parecem ter assumindo o controle discursivo da situação?

Paulo Arantes argumentou que esse fenômeno corresponde ao surgimento de uma polarização assimétrica, na qual há um lado que não está interessado em governar, mas em impedir que haja governo. O outro lado, o da esquerda moderada, está um tanto esgotado quanto a definir que Brasil interessa ao conjunto paulíneo dos brasileiros. Teríamos assim um agrupamento que não quer mais esperar, que alterou a relação da política com o tempo, e que não está interessado nas próximas eleições como ponto de mudança. Do outro lado, uma esquerda incomodada por ter que apostar em uma plataforma de continuidade. Para quem conhece a expressão vergonha alheia, adapte-se ao contexto definido por uma espécie de inveja alheia. Situação e oposição vivendo um drama de sinais de identidade trocados.

É o caso da madame que despede sua empregada servindo-se do discurso de que virão tempos de crise, nos quais ela não poderá arcar com os custos fixos de uma funcionária. Sabendo que a tal havia votado em Dilma, a demissão transforma-se em uma descompostura moral contra o voto mal feito. Como se a empregada, ao eleger Dilma, tivesse levado a patroa ao ato de demissão. O medo do declínio social, a incerteza identitária que caracteriza a classe média, transforma-se cinicamente em um ato de bravura vingativa e afirmação de força política feita por outras vias.

A chamada “elite branca” jamais havia sido confrontada tão abertamente quanto nessa combinação de cinismo, auto-complacência e complexo de adequação, que veio a carregar semanticamente a palavra “coxinha”. O nosso rico típico deixou de ser o ostentador consumista cuja autoridade depende da capacidade de impor humilhação e inveja ao outro, assim como petista não é mais o pobre engajado na aliança operário-camponesa-estudantil. O novo discurso do ódio generalizado começa pela interpretação de que até mesmo nossos inimigos são farsantes, dissimulados, pessoas que escondem o que “realmente são”. Os petistas viraram “esquerda caviar” e os ricos viraram “coxinhas”. Neste novo mundo, não se pode confiar nem mesmo em nossos inimigos, estes corruptos e dissimulados, black ou yellow blocs, mascarados.

Isso é muito evidente nos epígonos desta nova era de ressentimento na política, que já vinha sendo anunciada pela nova direita conservadora. Figuras visionárias que perceberam com clareza que, diante dos perigos representados pela diminuição da exclusão social e da desigualdade, seria preciso construir uma reação representada pela exclusão discursiva e por novas retóricas da diferença. Como quem diria: “os que pensam diferente de nós não representam apenas outro ponto de vista, mas são pessoas doentes que precisam ser corrigidas como indivíduos desviantes”. E o ponto comum nesta exclusão é a redução de seus adversários a uma figura de irracionalidade.

Não há que se argumentar com os “petralhas” porque eles “são” pessoas moralmente indignas. E por petralhas inicia-se uma associação englobante que vai do governo a todos os que votam no partido e termina em todos aqueles que se recusam a “ver o óbvio” – inclusive a pobre empregada doméstica demitida. Estes estão possuídos por um estado de excepcionalidade na qual foram destituídos de sua razão, do uso livre da vontade, revelando assim seu verdadeiro caráter.

Ora, como psicanalista, interessado na psicopatologia, salta aos olhos o uso sistemático e recorrente que este discurso faz da noção de doença mental. Isso me faz retomar o debate interrompido com Rodrigo Constantino sobre o uso da destituição da racionalidade do outro, pelo seu rebaixamento ao estado de loucura. Para tanto remeto o leitor a afirmações como:

“A verdadeira desordem psiquiátrica é justamente esse esquerdismo doente, que relativiza tudo e não encontra mais parâmetro algum de comportamento decente.”
(Rodrigo Constantino. “Pedofilia: uma orientação sexual?”. Veja, 31.10.2013. Página visitada em 20.11.2013.)

Questionado, nesta coluna, sobre o fato de que nenhuma orientação política ou religiosa pode ser considerada imediatamente um transtorno mental, percebe-se, na resposta do autor, que o uso de expressões como “esquerdopatia” não é alegórico, metafórico ou um exagero retórico, mas representa uma crença real de que as pessoas que pensam e votam à esquerda são “portadoras de um problema mental”. Elas estão realmente sancionando os milhões de mortes ocasionados pelos ditadores cubanos, chineses ou cambodjanos. Os eleitores de Dilma são psicopatas, como eles. Em escala reduzida, elas são tão corruptas quanto a turma do Lava a Jato da Petrobrás. Confrontado com o fato de que a associação entre orientação política e diagnóstico de transtorno mental é repudiada explicita e veementemente, até mesmo pelos manuais mais conservadores em psicopatologia, como o DSM-V e o CID-X, Constantino responde que:

“O psiquiatra Lyle Rossitter, por exemplo, sustenta que esse esquerdismo é sim um desvio de personalidade. Você não diria que os nazistas sofrem de certa patologia? Então orientação política não pode jamais ser patologia? Não tem nada a ver com comportamento decente? Nem mesmo no caso dos nazistas? Ou será que você, agora, vai adotar um critério seletivo para conviver com esse discurso relativista e hipócrita?
(Rodrigo Constantino, “A esquerda dissimulada“, Veja, 08/07/2013)

Uma determinada orientação de personalidade, circunstanciada em um contexto social, mediada por alternativas politicamente definidas, pode favorecer a adesão a certas ideologias, mas aí – e este é o ponto – há personalidades autoritárias de direita e personalidade autoritárias de esquerda. O erro aqui é pensar que a personalidade autoritária, a psicopatia, ou a personalidade anti-social, liga-se necessariamente a um tipo de partido, religião, gênero ou raça. Todavia o erro segundo, e mais importante, é inverter esta relação imaginando então que pessoas de tal partido ou orientação política ou religiosa – que coincidentemente não é a sua própria – têm uma determinada compleição patológica específica. É assim que se engendra, discursivamente, um processo como a homofobia. É assim que se desdobram os fenômenos de preconceito contra grupos e classes.

Quem leu o excelente estudo de Daniel Goldhagen, Os Carrascos Voluntários de Hitler, (Cia. das Letras), ou passou por Eichmann em Jerusalém de Hanna Arendt (Perspectiva) sabe que as atrocidades nazistas não foram causadas pelo repentino nascimento de milhões de alemães acometidos subitamente pela psicopatia. Os carrascos voluntários que trabalharam em Auschwitz e Treblinka eram, no geral, banais funcionários de Estado, interessados em valores como conformidade, adequação e obediência. Pessoas que se sentiam irrelevantes, mas que podiam substituir esta irrelevância por um grandioso projeto coletivo se obedecessem ao discurso correto.

Ou seja, eles não se distinguiriam de todos nós por sofrerem de patologias específicas, simplesmente teriam sido “mobilizados” por um discurso. Um discurso que, como o do bom burocrata, os fazia adivinhar a vontade do mestre, produzindo uma escalada de violência institucionalizada. Um discurso que suspendia o universal pela divisão entre espécies: loucos e normais, homens e mulheres, bons e maus, judeus e arianos. Em outras palavras, os carrascos voluntários não eram pessoas indecentes, mas personalidades excessivamente orientadas para o que eles julgavam ser a decência do momento. Passar de categorias clínicas e disciplinas psicológicas ou psiquiátricas para categorias morais como decência e indecência não é um acidente. Isso remonta a uma antiga e errônea convicção de que transtornos mentais implicam rebaixamento cognitivo (expressões como idiota e imbecil nasceram no alienismo psiquiátrico), ou desvios de caráter que pactuam de uma moral duvidosa. Nada mais errado e nada mais preconceituoso. Aliás, vejamos como o psiquiatra supracitado, Lyle Rossiter, caracteriza a esquerda antes de patologizá-la:

“Para salvar-nos de nossas vidas turbulentas, a agenda esquerdista recomenda a negação da responsabilidade pessoal, incentiva a autopiedade e autoconsideração, promove a dependência do governo, assim como a indulgência sexual, racionaliza a violência, pede desculpas pela obrigação financeira, justifica o roubo, ignora a grosseria, prescreve reclamação e imputação de culpa, denigre o matrimônio e a família, legaliza todos os abortos, desafia a tradição social e religiosa, declara a injustiça da desigualdade, e se rebela contra os deveres da cidadania.”
(Lyle Rossiter. The Liberal Mind: The Psychological Causes of Political Madness. Free World Books, U.S.A, 2011)

O curioso neste retrato, no qual nenhum esquerdista real consegue se reconhecer, é que ele não contém nenhum elemento clínico, apenas ilações morais, semelhantes às que são mobilizadas na onda de ódio que precedeu e sucedeu as eleições. O segundo elemento estranho é que o livro em questão chama-se The Liberal Mind, ou seja, a mente liberal e não a mente esquerdista (Leftist Mind). Devemos tomar isso como uma confissão de que a mente liberal tem agendas esquerdistas? O terceiro acaso, absolutamente irônico, é que o grande caso de uso político da doença mental, historicamente denunciado, ocorreu na União Soviética dos anos 1950, onde se diagnosticava massivamente a “esquizofrenia progressiva” nos que discordavam de Stalin, antes de enviá-los aos Gulags. Ou seja, esta história de achar que esquerdista é doente mental, é uma invenção de… esquerdista, mascarado de liberal, que não consegue separar clínica de moralidade preconceituosa. Diria mesmo, que dentro de cada “aecista” sanguinário, mora uma pequena Dilma, que à noite, quando ele deita a cabeça no travesseiro, lhe sussurra obscenidades indecorosas, mas ainda assim irresistíveis.

Contudo, o verdadeiro problema do discurso da nova direita conservadora e injustificadamente intitulada “liberal” não é o clamoroso erro de uso de categorias indevidas, em contexto de desqualificação do adversário. No caso da “esquerdopatia” isso é simplesmente ignorância. O problema é que este discurso possui efeitos de incitação, desencadeamento e estimulação sobre nossas formas habituais de sofrimento e seus sintomas associados. O que este discurso faz é nomear nosso mal-estar, atribuindo-lhe uma causa precisa e localizável: “os esquerdistas e suas mentes doentias”. Ele nos faz pensar nosso sofrimento como sendo causado por um determinado objeto intrusivo que veio, não se sabe de onde, perturbar nossa paz e harmonia.

Podemos não acreditar nesta bobagem de que a esquerda é uma patologia mental, mas mesmo assim somos expostos a (e absorvemos) esta lógica discursiva. A lógica que suspende o universal, a lógica anti-São Paulo, não se faz em nome de nossa singularidade, mas em nome de nossas particularidades adesivas, do grupo que garante e certificpaula minha identidade.

Contudo, a novidade nesta onda de ódio é que ela não age em nome da identidade de cada qual, ela não fala sobre a certeza de “quem somos nós”, mas da certeza de quem é o outro. Surge assim a crença de que somos o que somos, não porque pertencemos a este ou aquele clube, mas porque não somos do clube do vizinho. Clube, aliás, que não deveria ter direito a existência. Passamos a acreditar que a palavra não é mais um meio de transformação – afinal, ‘quem vai discutir com loucos?’ –, que a negociação de interesses não é mais possível – afinal, são desonestos, e não podemos confiar neles –, e que como o Outro está a jogar um “vale tudo fora das regras”, nós também seríamos autorizados a fazer o mesmo… certo? Eis a atualização da lei de Gérson versão 2014.

Ou seja, a nossa percepção da Política, ainda que parcial ou equivocada, muda nossa relação com o mundo e a interpretação de quem são estes outros com quem vivemos. Um discurso que pregue que só existem homens e mulheres, loucos e normais, judeus e gregos, ricos e pobres, nordestinos e sulistas, para em seguida perguntar “de que lado você está?” incidirá em todas as psicopatologias, transversalmente extraindo de cada uma delas o que há de pior. Este efeito soma de todos os males acontece porque identificamos nossa própria divisão subjetiva com uma divisão objetiva, no mundo, de tal forma que se torna tentador eliminar um dos polos do conflito, que tanto nos assedia e nos faz sofrer.

Silenciando o outro, tornando-o irracional, louco e desprezível, nós nos “normalizamos”. Aderindo a um dos dois lados no qual o mundo se simplificou, nos demitimos do trabalho e da incerteza de ter que escolher, como meros indivíduos, dotados de almas inconstantes, em meio a uma geografia indeterminada. E assim esquecemos que o universal que nos constitui é exatamente esta divisão, que nos torna pauliniamente seres capazes de loucura.

* Ver por exemplo Carta aos Colossenses 3:11: “Nessa nova ordem de vida, não há mais diferença entre grego e judeu, circunciso e incircunciso, bárbaro e cita, escravo ou pessoa livre, mas, sim, Cristo é tudo e habita em todos vós.”

***

Eleições630p

Especial Eleições: Artigos, entrevistas, indicações de leitura e vídeos para aprofundar as questões levantadas em torno do debate eleitoral de 2014, no Blog da Boitempo. Colaborações de Slavoj Žižek, Mauro Iasi, Emir Sader, Carlos Eduardo Martins, Renato Janine Ribeiro, Edson Teles, Urariano Mota e Edson Teles, entre outros. Confira aqui.

***

miniaturaA Boitempo prepara para breve o novo livro de Christian Dunker: Mal-estar, sofrimento e sintoma: a psicopatologia do Brasil entre muros. A integrar a coleção Estado de Sítio, coordenada por Paulo Arantes, o livro parte de uma psicanálise da vida em condomínios para desenvolver uma aprofundada reflexão interdisciplinar sobre a privatização do espaço público e a inserção da psicanálise no Brasil. Confira a aula dele, no Café filosófico do CPFL Cultura, sobre as transformações no sofrimento psíquico:

***

Christian Ingo Lenz Dunker é psicanalista, professor Livre-Docente do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), Analista Membro de Escola (A.M.E.) do Fórum do Campo Lacaniano e fundador do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da USP. Autor de Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica (AnnaBlume, 2011) vencedor do prêmio Jabuti de melhor livro em Psicologia e Psicanálise em 2012, seu livro mais recente é Mal-estar, sofrimento e sintoma: a psicopatologia do Brasil entre muros (Boitempo, no prelo). Desde 2008 coordena, junto com Vladimir Safatle e Nelson da Silva Junior, o projeto de pesquisa Patologias do Social: crítica da razão diagnóstica em psicanálise. Colabora com o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas.

17 comentários em Doença mental na política

  1. Geraldo Pontes J // 05/11/2014 às 12:03 // Responder

    Estupendo texto e, ainda mais, o achado acerca do conceito de universalismo paulinista, ou seja, do apóstolo São Paulo em sua remissão aos atuais acontecimentos em uma cidade que tem esse apóstolo como padroeiro oficial de sua arquidiocese, a cidade de São Paulo; na qual cidade tenho, por sinal, grandes amigos, que andam aterrorizados pelo que ouvem e veem no dia a dia.

    Curtir

  2. Passando, muito brevemente e com muito sofrimento, pelo ponto de vista do Constantino, não “adotar um critério seletivo para conviver com esse discurso relativista e hipócrita”, o que ele supõe fazer e o que o faz generalizar o esquerdismo e colocá-lo como patologia, assim como faz com o nazismo, o levaria a ter que considera esse discurso odioso contra a esquerda (esquerdopatia, petralha etc.), que ele e outros tantos reproduzem, como uma patologia, e uma muito mais grave do que aquela que ele considera encontrar na esquerda. Coerência não é o forte dos conservadores esquizofrenicamente liberais, e o discurso de ódio deles não mais se produz, apenas se reproduz, e indiscriminadamente, sem qualquer raciocínio sobre o que se diz/escreve. É uma direita, como falado, que se caracteriza pela diferença, por não ser algo, não por uma identidade real, mas violenta, fascista e ignorante, e com um poder de mobilização que ainda não se mostrou totalmente. É algo caricato, mas preocupante.

    Curtir

  3. Sergio Pestana // 05/11/2014 às 13:56 // Responder

    Análise muito importante de nosso acontecer antes e durante as últimas eleições presidenciais. Os demônios estão soltos. Precisamos ficar atentos para impedir o crescimento do ovo da serpente.

    Curtir

  4. Arnaldo Domínguez de Oliveira. // 05/11/2014 às 15:36 // Responder

    Gostei muito de tua reflexão sobre um acontecimento discursivo que, como diz, era anunciado. Estas últimas eleições possibilitaram que se manifestasse um sintoma social encalacrado nas subjetividades, quiçá, da América Latina.

    Curtir

    • Celsio Almeida // 27/08/2017 às 21:13 // Responder

      *Falando em serpente, bom relembrar àquele que tanto se se denomina a “Jararaca”. Divinalmente comparado a Jesus e Tiradentes, que segundo o mesmo, ambos crucificados!
      Se isto não for patologia, hehehe…

      Curtir

  5. Interessante a sua afirmação sobre psicopatologização do adversário. Foi exatamente o que Adorno tentou fazer em “A Personalidade autoritária”.

    Curtir

  6. Perfeito! A única ressalva é quanto à analise do livro americano e do título “Liberal Mind”, por aquelas bandas, o adjetivo ‘liberal’ define o que aqui conhecemos como progressista, seria liberal especialmente em termos de direitos e liberdades sociais, enquanto aqui pessoas ditas liberais defendem mais liberdades de mercado atrelada a menos das sociais. Essa mistura perversa, que foi e é em boa parte importada de lá, mas sem sua terminologia, resulta na confusão.

    Curtir

  7. marcos a. moraes // 15/11/2014 às 12:20 // Responder

    Pois é. Liberal lá é de esquerda. O resto é justificativa imbecil para explicar seu voto em Dilmá.

    Vc não passa de um zizekette.

    MAM

    Curtir

  8. Renata Udler Cromberg // 19/11/2014 às 14:21 // Responder

    Lúcido! Sempre lúcido e confiante modesto e simples na potência do pensamento complexo. Um prazer ler seus escritos!

    Curtir

  9. Nunca li tanta merda na minha vida

    Curtir

  10. É triste saber que existe pessoas que realmente acreditam que sendo esquerdistas,estão fazendo algum bem à humanidade e a sì proprio. O problema de quem é de esquerda,está em sua formação psicológica que reflete na sua maneira de enxergar o mundo. Salvo aqueles que são sìnicos de carteirinha.Mas nem tudo está perdido,pois a esquerdopatia já tem tratamento.

    Curtir

  11. “Cìnico” Perdão aos nativos sìnicos…:-)

    Curtir

  12. Um ano de Lava Jato depois fica praticamente provado tudo o que o psiquiatra Lyle Rossiter aventou sobre o esquerdismo. Pelo menos no que diz respeito ao esquerdismo do PT, embora não haja nada que sugira que o esquerdismo seja diferente em qualquer outro lugar do mundo.

    Curtir

  13. o que você não falou é: existe democracia, liberdade de expressão e debate de ideias sem a esquerda, são entre conservadores e libertários.

    Curtir

  14. Que merda de artigo. É a esquerda querendo se apossar de um discurso que se voltou contra ela própria. E o canalha recebe dinheiro dos tributos para manter seu discurso cínico.

    Curtir

  15. Vão ler o livro pra ter opinião própria, o texto trás algumas reflexões considerável, mas também um discurso apelativo contra direita.

    Curtir

  16. Que a direita queira usar argumentos para tentar desqualificar o discurso dos defensores da eesquerda eu até entendo, mas qualificar posição e formação discursiva como doença mental já é totalmente descabido. Pior ainda é alguém com um mínimo de formação acadêmica escrever publicar livro defendendo algo tão rídiculo. Querer ganhar dinheiro de otário vendendo livros é algo totalmente legal, mas usar pseudodiscursos científicos é imoral. Este autor é um típico caso de desonestidade intelectual. Vai defender esta tese idiota em um seminário internacional entre os principais expoentes da psicologia e você vai virar piada. Pelo menos o livro serve como um exemplo bem adequado de que não se deve acreditar em tudo que se lê.
    http://www.recantodasletras.com.br/artigos/5612270

    Curtir

4 Trackbacks / Pingbacks

  1. Doença mental na política | EVS NOTÍCIAS.
  2. Avance Dilma… e leve o Brasil com você! | Blog da Boitempo
  3. A alma revolucionária | Blog da Boitempo
  4. “Corinthiano-Ladrão”: a política que começa na segregação e termina na violência – Blog da Boitempo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: