A política econômica do governo Dilma

14.05.09_Musse_DilmaPor Ricardo Musse e Carlos Pissardo.

A partir de 2003, os governos do PT estabeleceram por meta principal a reversão da desigualdade social no Brasil. O propósito foi atingido por meio da combinação de distribuição direta de benefícios com aumento real de salários, a partir da elevação consistente de seu piso mínimo, e da ampliação da parcela da população com acesso ao crédito.

Essas políticas geraram consequências facilmente visíveis, como o desmonte de certas conformações políticas locais antirrepublicanas. Seu impacto na economia, no entanto, ainda não foi suficientemente reconhecido. Os programas que inicialmente apareciam como política civilizatória de um partido de esquerda tornaram-se o principal fundamento do ciclo de desenvolvimento que floresceu nos dois governos de Lula da Silva.

Invertendo o cínico clichê dos porta-vozes dos mercados, a divisão do bolo consistiu no principal motor de seu crescimento. Estudo do IPEA mostrou que cada um real gasto com o Bolsa Família teve um impacto de R$ 2,4 no consumo das famílias e R$ 1,78 no PIB. Tudo indica que esse efeito multiplicador da distribuição de renda alavancou o PIB no período.

Tais resultados confirmam a experiência histórica de que o Brasil só obtém altas taxas de crescimento econômico por meio de políticas de inclusão social. Entre 1930 e 1980, período em que o PIB brasileiro manteve um ritmo acelerado, o motor dessa expansão extensiva foram os processos de urbanização e industrialização, capitaneados pela inserção de milhões de pessoas no mercado de trabalho e pela cobertura social da legislação trabalhista.

Por representar a continuidade desse projeto, Dilma Rousseff foi eleita em 2010. Desde então se verifica, entretanto, uma guinada no interior desse modelo. Por certo, seu governo manteve as políticas que propriciam a redução das desigualdades. A renda real do trabalhador continuou tendo aumentos reais nos últimos três anos e não houve recuo nos programas sociais. Mas a tendência parece inercial: é sintomático que, segundo dados do IBGE, o consumo das famílias tenha atingido, em 2013, a menor taxa de crescimento dos últimos 10 anos (2,3%), empatando com o crescimento do PIB.

Em vez de apostar no crescimento da demanda como motor da oferta, a política macroeconômica do atual governo voltou-se para o incentivo direto da oferta: por meio do combate ao alarmado “custo Brasil”, com a política de concessões à iniciativa privada de setores logísticos antes geridos pelo Estado; pelo controle artificial dos preços administrados; pela concessão crescente de incentivos fiscais. Segundo dados da Receita Federal, estes últimos custaram ao tesouro, em 2013, R$ 77,8 bilhões. A previsão é de que, em 2014, essa quantia chegue a 94,3 bilhões – cerca de quatro vezes o valor reservado para o Programa Bolsa Família.

As principais decisões do governo na área econômica andam de mãos dadas com a agenda da FIESP; atendem às pautas da indústria e, a rigor, só dela. Mas se estamos diante de um projeto “neodesenvolvimentista”, trata-se de um neodesenvolvimentismo sem desenvolvimento. Apesar de todos os incentivos à oferta, a taxa de investimento não se amplia. Apesar dos estímulos ao capital local – incluindo uma exitosa desvalorização do real sem surto inflacionário – a indústria patina e se justifica reclamando mais e mais “apoio”.

Dificilmente o almejado crescimento sustentável será obtido sem a deflagração de nova onda de inclusão social. Esse ciclo deve se orientar não apenas pelas estratégias já conhecidas de distribuição de renda, mas sobretudo por mecanismos indiretos. Nessa direção, seria recomendável implantar um ousado programa de investimentos em serviços públicos, em especial, na saúde, educação e transporte, desencadeado pela adoção das reformas tributárias, urbana e agrária.

A acreditar na palavra de seus economistas, as duas principais forças eleitoriais da oposição não estão comprometidas com uma política desse tipo. Cabe à esquerda, dentro e fora do PT, promover sua defesa.

* Enviado ao Blog da Boitempo pelo autor, este artigo foi publicado também na revista Carta Capital, n. 795, em abril de 2014 (p. 50-51).  

***

Para aprofundar a reflexão sobre o impacto econômico das políticas de inclusão social do governo Lula, recomendamos a leitura do recém lançado O mito da grande classe média: capitalismo e estrutura social, de Marcio Pochmann.

***

Ricardo Musse é professor no departamento de sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo. Doutor em filosofia pela USP (1998) e mestre em filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1992). Atualmente, integra o Laboratório de Estudos Marxistas da USP (LEMARX-USP) e colabora para a revista Margem Esquerda: ensaios marxistas, publicação da Boitempo Editorial. Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às sextas.

4 comentários em A política econômica do governo Dilma

  1. Flavio Eduardo Mazetto // 10/05/2014 às 21:08 // Responder

    “As principais decisões do governo na área econômica andam de mãos dadas com a agenda da FIESP”. Cito o trecho do texto para perguntar: como se deu esta mudança de linha de ação? Se entendi, a partir de 2003 o foco do governo do PT era a reversão da desigualdade. Mas o governo continuou do PT e mesmo assim, houve uma guinada. Qual a razão disto? E mais, certeza no tocante ao bloco no poder do governo petista ser o atendimento da Industria? No 6º paragrafo as políticas do governo estariam atendendo com primazia os interesses do grande capital bancário e monopolista internacional, o que colocaria em cheque a própria ideia geral do texto?

    Curtir

  2. podes crer

    Curtir

  3. Alberto Gemal // 20/05/2014 às 23:01 // Responder

    Você esqueceu de incluir a politica assistencialista retirando do mercado de trabalho algo entre 10 e 20 milhões de pessoas. Mascarando uma taxa de desemprego recorde! Esqueceu também de incluir o endividamento da coisa publica a niveis estratosféricos! E a reversão da taxa de juros e também que o pior de tudo, a volta da inflação penaliza mais ainda aos pobres, que artificialmente foram guindados a uma classe virtual de nome classe média, invertendo os conceitos ortodoxos e criando através de uma politica de contabilidade criativa um preço a ser pago pelas gerações vindouras! O pt é um perigo no poder!

    Curtir

  4. José dos Pinhos Kron // 01/04/2016 às 20:09 // Responder

    Meu Deus…. Nunca li tanta asneira junta. Esse texto poderia facilmente ser incluído no Porta dos Fundos ou no Kibe Loco, tamanho disparate entre o mundo da FFLCH e a vida como ela é.. Atribuir o crescimento experimentado na economia brasileira de 2003 a 2010 sem mencionar China, liquidez internacional, e ambiente jurídico estável e pró-empreendedorismo é muito, muito desonesto.

    Curtir

5 Trackbacks / Pingbacks

  1. A política econômica do governo Dilma | EVS NOTÍCIAS.
  2. A política econômica do governo Dilma | Blog dos Desenvolvimentistas
  3. Dilma, o mal menor | Blog da Boitempo
  4. Minhas razões para preferir Dilma a Aécio | Amálgama
  5. Tempestade Perfeita? A oposição de direita e os desafios para a extrema esquerda (3) : Passa Palavra

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: