Cultura Inútil II

13.07.23_Cultura inútil_IIPor Mouzar Benedito.

Continuo “pondo pra fora” abobrinhas que armazenei durante muito tempo, extraindo de almanaques, revistas, jornais, conversas, dicionários e outros livros. Lá vai.

De mais de quinhentos deputados federais e 91 senadores que existem no Brasil, quantos já ocuparam a tribuna para falar alguma coisa? Pois a maioria silenciosa, que não se pronuncia nunca, pode dizer que se inspira em Isaac Newton, descobridor da lei da gravidade. Ele fez parte do parlamento inglês, e sua única fala foi um pedido para que abrissem a janela.

* * *

Bakunin, líder anarquista, era materialista de verdade, e dizia: “Mesmo que Deus existisse, seria necessário aboli-lo”.

* * *

A cidade de Manaus já se chamou Lugar da Barra. Porto Alegre teve o nome de Porto dos Casais, quando foi criada por 60 casais açorianos enviados por Portugal. Belo Horizonte foi construída em cima de um pequeno lugar chamado Curral Del Rey, e recebeu inicialmente o nome de Cidade de Minas. A cidade mineira de Teófilo Otoni, que leva o nome do seu fundador, chamava-se inicialmente Filadélfia, nome dado por ele, que era grande admirador do processo de independência dos Estados Unidos. Joinvile, em Santa Catarina, antes de adotar esse nome, chamava-se Colônia Dona Antônia.

* * *

A esferográfica foi inventada em 1888, por um estadunidense e depois aperfeiçoada por dois irmãos húngaros. Até, pelo menos, os anos 1960, não se aceitava que cheques e livros de contabilidade fossem preenchidos com esse tipo de caneta. Tinha que ser com caneta-tinteiro. E por falar em caneta-tinteiro, uma dermatose do couro cabeludo chamada impingem ou pelada (cai o cabelo onde ela acontece, geralmente com forma arredondada, com alguns centímetros de diâmetro), tinha como principal remédio a tinta Parker, usada nessas canetas.

* * *

Campos dos Goytacazes (RJ) foi a primeira cidade brasileira a receber iluminação elétrica. A inauguração aconteceu em 23 de agosto de 1883.

* * *

Num certo período da Idade Média, na França, para se saber se algum acusado de qualquer coisa falava a verdade ou não, ele era obrigado a agarrar com a mão direita uma barra de ferro em brasa e caminhar dez passos com ela. Acreditava-se que, se a pessoa fosse inocente, Deus curaria as queimaduras em três dias. Daí surgiu essa história de dizer “que pelo fulano eu ponho a mão no fogo”.

* * *

A manga e a goiaba têm muito mais vitamina C do que a laranja e o limão. A acerola, muito mais ainda.

* * *

John Wayne, herói de filmes de cowboy, sempre com papéis de machão, chamava-se na verdade Marion Morrison, um nome que não soa muito másculo, não? Outros nomes artísticos de artistas famosos: Cary Grant (que se chamava Archibald Leach), Tony Curtis (Bernie Schwartz), Maria Callas (Cecília Kalogeropoulos), Pola Negri (Appolina Chapulez), Ava Gardner (Lucy Johnson), Boris Karloff (William Henry Pratt), Marlene Dietrich (Magdalene von Losh), Rita Hayworth (Margarita Cansino), Theda Bara (Theodosia Goodman) e Judy Garland (Frances Gumm).

* * *

Outros famosos também preferiram não usar seu próprio nome: George Orwell (que se chamava Eric Arthur Blair – sua última vontade foi que colocassem no seu túmulo o nome verdadeiro), André Maurois (Émile Herzog), Gerald R. Ford (Leslie L. King Jr.), Joseph Conrad (Teodor Korzeniowski), Billy de Kid (Henry McCarty), Sugar Ray Robinson (Walker Smith), Stendhal (Marie Henri Beyle), Voltaire (François Marie Arouet) e Mark Twain (Samuel Clemens).

* * *

E os artistas brasileiros? Eis aí alguns dos muitos que usam ou usaram nomes artísticos: Adoniran Barbosa (que se chamava realmente João Rubinato), Darlene Glória (Helena Maria Glória Viana), Dick Farney (Farnésio Dutra e Silva), Johnny Alf (João Alfredo da Silva), Robertinho do Acordeon (José Carlos Ferraresi), Procópio Ferreira (João Álvaro de Jesus Quintal Ferreira), Marlene (Vitória Bonaiutti), Susana Vieira (Sônia Maria Vieira Gonçalves), Jerry Adriani (Jair Alves de Souza), Dolores Duran (Adiléia Silva da Rocha), Dionísio Azevedo (Toufik Jacob) e Lima Duarte (Aryclenes Venâncio Duarte).

* * *

Os brasileiros mais velhos devem se lembrar que há décadas muita gente passava mal e chegava a vomitar ao andar de automóvel. Estranho? Pois saibam que a primeira escada rolante, que chamavam de “elevador inclinado”, na loja Harrods, em Londres, era servido um brandy para quem subia, porque as pessoas ficavam tontas.

* * *

Adversários terríveis das Cruzadas, os búlgaros foram considerados heréticos pela Igreja Grega, e sua fama mudou um pouco de sentido ao longo do tempo. Na França, séculos depois, bougre (derivado do latim, bulgarus) era sinônimo de valente, bravo, pessoa com que se pode contar. Aí a palavra veio para o Brasil, onde bugre passou a significar selvagem, índio, ou também pessoa grosseira.

* * *

Até 1814, sabe quanto ganhava um deputado ou senador nos Estados Unidos? Eram 6 dólares por dia, mas só nos dias em que o Congresso funcionava.

* * *

Santos Dumont era supersticioso, não entrava em lugar nenhum com o pé esquerdo. Sua casa em Petrópolis era um sobrado e, seu quarto ficava no andar de cima. Ele criou uma escada em que só era possível começar a subir ou a descer com o pé direito. Já Charles Dickens tinha uma crença parecida com o tal de feng shui, que muita gente leva a sério hoje em dia: acreditava que só era possível ter uma boa noite de sono colocando sua cama na posição norte-sul, para que as ondas magnéticas pudessem fluir diretamente sobre o corpo deitado.

* * *

Benjamin Franklin inventou a cadeira de balanço.

* * *

Na cópula entre polvos, não há contato do órgão sexual do macho com o da fêmea. Os dois ficam frente a frente, o macho ejacula num tentáculo e com ele introduz o esperma no órgão reprodutor da fêmea.

* * *

Sabem qual o primeiro ato da rainha Vitória depois de ser coroada? Mandou tirar sua cama do quarto da mãe.

* * *

Quando a anestesia começou a ser usada em partos, no final dos anos 1840, os igrejeiros de então ficaram contra, dizendo que, segundo a Bíblia, Deus disse a Eva: “Darás a luz a teus filhos com sofrimento”, por ela ter provado o fruto proibido… Epa! Foi Adão que provou o “fruto proibido” dela, não?

* * *

Uma superstição: comer carne com peixe faz crescer as orelhas.

* * *

Grimpa é sinônimo de cume, o ponto mais alto de um lugar. Durante o Ciclo do Ouro, em Minas Gerais, segundo alguns autores, pessoas que procuravam ouro e pedras preciosas subiam às grimpas para escapar da fiscalização. Segundo outros, quadrilhas de assaltantes ficavam nas grimpas, de onde tinham uma vista ampla da região e podiam ver as caravanas levando ouro para o Rio de Janeiro, para assaltá-las. Seja com um o primeiro ou com o segundo sentido, daí surgiu a palavra grimpeiro, que virou garimpeiro e perdeu seu sentido original e dessa palavra surgiu outra, garimpo.

* * *

Carlos V, sagrado imperador romano, disse: “Falo espanhol com Deus, italiano com as mulheres, francês com os homens e alemão com o meu cavalo”.

* * *

Um provérbio de Uganda: “O macaco que vai atrás ri do rabo do macaco que vai à frente”.

***

bill ferrer está de volta

Lançamento de Ferrer, Bill Ferrer, v. 4 – O detector de mentiras e outras histórias, de Mouzar Benedito e Saphira Mind 

Postinho da Vila
6 de agosto, a partir das 19h
Rua Fradique Coutinho, 1332
Telefones 3031-6644 e 7832-6483

***

Ferrer, Bill Ferrer: detetive heterodoxo, de Saphira Mind, com tradução de Mouzar Benedito, e Ousar lutar: memórias da guerrilha que vivi, de José Roberto Rezende e Mouzar Benedito e, participam do Saldão Online da Boitempo e da Flanarte, com quase 80 livros entre 2R$ e 15R$. A promoção será válida durante todo o mês de agosto. Não perca!

Saldão Boitempo (FLANARTE)_boletim

***

Mouzar Benedito, jornalista, nasceu em Nova Resende (MG) em 1946, o quinto entre dez filhos de um barbeiro. Trabalhou em vários jornais alternativos (Versus, Pasquim, Em Tempo, Movimento, Jornal dos Bairros – MG, Brasil Mulher). Estudou Geografia na USP e Jornalismo na Cásper Líbero, em São Paulo. É autor de muitos livros, dentre os quais, publicados pela Boitempo, Ousar Lutar (2000), em co-autoria com José Roberto Rezende, Pequena enciclopédia sanitária (1996) e Meneghetti – O gato dos telhados (2010, Coleção Pauliceia). Colabora com o Blog da Boitempo quinzenalmente, às terças. 

9 Trackbacks / Pingbacks

  1. C o o l tura
  2. C o o l tura
  3. Cultura Inútil IV | Blog da Boitempo
  4. Cultura Inútil V | Blog da Boitempo
  5. Cultura Inútil: Helicóptero, beija-flor e Dadá Maravilha | Blog da Boitempo
  6. Cultura Inútil: Marx dava seus pulinhos | Blog da Boitempo
  7. Cultura inútil: Haja assunto, Lewis Caroll! | Blog da Boitempo
  8. Cultura inútil: Bate que ele gosta! | Blog da Boitempo
  9. Cultura inútil: Bolívar não perdeu tempo! | Blog da Boitempo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: