130 anos de Walter Benjamin: um intelectual na corda bamba

Na corda bamba, com uma vida caracterizada por malogros pessoais, políticos e intelectuais, Benjamin se afigura hoje como uma espécie de alegoria da resistência. Rememorá-lo, portanto, mais de oito décadas depois que lançou o seu “alarme de incêndio”, e diante das novas ameaças protofascistas, implica em restituir a aposta intelectual e política em defesa da qual ele acabou pagando com a própria vida.

Por Fabio Mascaro Querido

“Por que somente aos idealistas é permitido andar na corda bamba e aos materialistas é proibido?”
W. Benjamin, em conversa com G. Scholem.

Há 130 anos do seu nascimento, em 15 de julho de 1892, e mais de oito décadas após a sua morte por suicídio, em setembro de 1940, Walter Benjamin continua a provocar um misto de fascinação e de perplexidade. E não é para menos. Figura de destaque da tradição marxista, Benjamin não facilita. Sua reflexão idiossincrática, heterodoxa, às vezes desconcertante, não poucas vezes foi descartada como demasiadamente hermética, quando não incompreensível. Foi esta a alegação, por exemplo, pela Universidade de Frankfurt, em 1925, para a rejeição de sua tese de habilitação sobre a “origem do drama barroco alemão”.

Desde então, findada qualquer esperança de uma carreira acadêmica estável, Benjamin viveu sob o signo da precariedade material e psíquica, até o seu trágico falecimento em 1940. Em 1932, escreveu ao amigo G. Scholem: “estou cercado pela crise por todos os lados, como um peixe na água – mas de jeito nenhum tão bem disposto como o peixe na água”. Pois bem: é justamente esta instabilidade existencial, própria de quem está “cercado pela crise por todos os lados”, que explica muito da singularidade do marxismo de Benjamin, assim como, por suposto, da sua atualidade.

Nascido em Berlim, filho de pais judeus pequeno-burgueses, Benjamin aderiu ao marxismo apenas em 1924, simultaneamente ao esgotamento da onda revolucionária aberta em 1917. Ele se tornou marxista, porém, sem abandonar as suas referências anteriores, quer seja a crítica romântica da modernidade, uma certa inclinação libertária e, depois, surrealista, quer seja o messianismo judaico, para o qual havia se voltado em oposição à assimilação que marcara a geração dos seus pais. Próximo de Adorno, Benjamin nunca foi um “frankfurtiano”. Amigo de Brecht, mas admirador de Trótski, jamais entrou para o Partido Comunista. Materialista, não se curvou a qualquer tipo de reducionismo. Dialético, procurou a totalidade nos fragmentos, nos trapos que, na sua minúcia, como que sintetizam o cenário significativo mais amplo em que se inserem, perspectiva que pode ser observada em trabalhos como Rua de Mão Única (1926) e/ou o projeto inacabado das Passagens (1927-1940).

E é exatamente essa tonalidade particular do seu marxismo que não poderia deixar de provocar certo embaraço, em especial nos guardiões do templo, mais preocupados em preservar a pureza do espólio do que em fazer da crítica uma apreciação circunstanciada do espírito do tempo, ou, como preferiria o próprio Benjamin, do “tempo-de-agora”. Como disse certa vez Hannah Arendt, de quem fora amiga: “Benjamin foi provavelmente o marxista mais singular já produzido por esse movimento que, sabe Deus, teve seu quinhão completo de excentricidades”. E não por acaso. Afinal de contas, Benjamin adentrou nos debates do marxismo implodindo consensos mais ou menos estabelecidos, notadamente aqueles relacionados à concepção marxista da história.

Assim, embora também concebesse a revolução, na esteira de Marx (O 18 de brumário de Luís Bonaparte), como acontecimento capaz de arrancar “poesia do futuro”, Benjamin jamais corroborou a ideia de que esta seria resultado do progresso ou do continuum histórico. Bem ao contrário: se vislumbram um novo futuro, as revoluções precisam forjar também uma nova relação com o passado, com a “tradição dos oprimidos”, uma vez que, enquanto os inimigos forem vitoriosos, nem os mortos estarão a salvo. Rebelião no presente, a revolução deve ser igualmente uma “redenção” do passado.

Para Benjamin, um dos grandes equívocos das esquerdas “oficiais” (social-democrata ou stalinista) do entreguerras residia na convicção otimista de que estavam “nadando no sentido da corrente”. Mais cedo ou mais tarde, afinal, a História lhes daria razão! Neste tipo de abordagem, fenômenos como o fascismo apareciam como “exceção”, como anomalia histórica a ser, uma hora ou outra, suplantada pelo retorno à norma do progresso. Qualquer semelhança com o Brasil atual talvez não seja mera coincidência.

Ora, argumentou Benjamin, nada mais politicamente contraproducente do que lutar contra o fascismo em nome de alguma norma transcendental – o Progresso, a História, a Modernidade, a Razão etc. Pois o fascismo triunfou, na verdade, explorando as contradições do progresso, entre a norma e a exceção, a fim de manipular as energias embutidas nas “contradições não-contemporâneas”, no dizer de Ernst Bloch. Relegar este passado ao atraso ou ao pré-moderno é deixá-lo de bandeja à propaganda fascista. É nesse sentido que, para Benjamin, ainda que a ele não se resuma, a vitória do fascismo também decorreu, em grande medida, do fracasso da esquerda. Do alto de sua autoproclamada superioridade civilizatória, à esquerda europeia escapou a possibilidade de que a barbárie, longe de ser uma regressão, estava inscrita no próprio coração da civilização. Confiante no progresso, restou-lhe a nostalgia da normalidade a ser reconquistada quando tudo voltasse aos eixos.

Se, no entanto, na modernidade capitalista, a norma é a norma da exceção, e vice-versa, a tarefa da esquerda anticapitalista é, segundo Benjamin, a de criar um “verdadeiro estado de exceção”, conforme formulação contida nas “teses sobre o conceito de história”. A revolução é o “despertar” do “sonho” no qual está imerso o coletivo “que ignora a história”, para lembrar os termos utilizados pelo crítico alemão no projeto das Passagens. Trata-se, então, do “despertar” de uma trajetória histórica que, deixada a si mesma, estaria nos levando rumo à catástrofe. Daí a imagem benjaminiana da revolução não como “locomotiva da história”, como disse Marx, mas sim como ato coletivo que “puxa o freio de emergência” do progresso destrutivo.

130 anos depois do seu nascimento, e 82 após o seu suicídio na fronteira franco-espanhola, enquanto tentava escapar do nazismo, é este o legado que nos deixa Walter Benjamin – ele próprio, no limite, um “vencido da história”. Como um espectro, Benjamin nos assombra na mesma medida em que nos desconcerta, lembrando-nos a todo momento o quanto a própria tradição revolucionária está sujeita ao “conformismo que dela busca se apoderar”. Na corda bamba, com uma vida caracterizada por malogros pessoais, políticos e intelectuais, Benjamin se afigura hoje como uma espécie de alegoria da resistência. Rememorá-lo, portanto, mais de oito décadas depois que lançou o seu “alarme de incêndio”, e diante das novas ameaças protofascistas, implica em restituir a aposta intelectual e política em defesa da qual ele acabou pagando com a própria vida.


Em comemoração aos 130 anos do nascimento de Walter Benjamin, Fabio Mascaro Querido comenta a trajetória intelectual dessa figura incontornável do marxismo e da história dos intelectuais, na TV Boitempo:


O capitalismo como religião, de Walter Benjamin
O capitalismo como religião apresenta uma série de ensaios do filósofo Walter Benjamin, organizado e introduzido pelo sociólogo Michael Löwy. O livro traz textos surpreendentes, em particular os ditos de juventude, que vêm à tona com a liberação da obra benjaminiana para o domínio público. Löwy reuniu escritos de Benjamin inéditos em português ou difíceis de consultar, que contêm, em graus variados, uma crítica radical da civilização capitalista-industrial moderna.

Ensaios sobre Brecht, de Walter Benjamin
Ensaios sobre Brecht estabelece um diálogo extremamente atual entre duas grandes mentes do século XX – dois exilados, dois alemães – ao apresentar uma rica coletânea de escritos de Walter Benjamin, produzidos entre 1930 e 1939, sobre a obra dramática e poética de seu amigo e tutor, Bertolt Brecht. Brecht e Benjamin se conheceram no final da década de 1920, na Alemanha. Ambos marxistas, comprometidos com o potencial emancipatório das práticas culturais, divergiram e concordaram em tópicos tão variados como o fascismo e a obra de Franz Kafka.

Walter Benjamin: aviso de incêndio, de Michael Löwy
Um dos principais estudiosos da obra de Walter Benjamin, Michael Löwy analisa em Aviso de incêndio um dos textos mais enigmáticos e rico de significados desse autor: as suas teses sobre o conceito de história. Para Löwy, Benjamin é mais do que um historiador da cultura, um filósofo – pela forma com que articulou na sua visão arte, política e teologia, criando uma nova visão da história. Analisando tese a tese, Löwy destrincha, de forma clara e erudita, as ideias, polêmicas, confrontos e ideais por detrás das proposições de Benjamin.

***
Fabio Mascaro Querido é professor do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Unicamp, autor de Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade (Boitempo, 2016), e membro do conselho editorial da revista semestral da Boitempo, a Margem Esquerda.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: