Cultura inútil: Brasil e brasileiros: xô, complexo de vira-latas!

De Clarice Lispector a Maiakovski, passando por Mano Brown, Lima Barreto, Cazuza e Gisele Bündchen, Mouzar Benedito faz uma seleção de frases sobre o Brasil e os brasileiros.

Por Mouzar Benedito

Nunca tive o famoso “complexo de vira-latas”, termo criado por Nelson Rodrigues para rotular o comportamento dos brasileiros. Mas confesso… está difícil segurar as pontas. O Brasil está numa ladeira abaixo danada. Pior: com a aprovação de muitos brasileiros. Quantos? Parece que chegam a uns 30% os que querem a continuidade da derrocada. Otimistas acham que não passam de 25%. Gente! 25% de 220 milhões são 55 milhões! É muita gente! Equivale praticamente à população da Inglaterra, e é muito mais do que a da Espanha, que tem 47 milhões. Imagine juntar toda essa gente que vota no Coiso numa região só: uma Inglaterra ou uma Espanha só deles! Horror dos horrores. E se o dito-cujo receber apoio de 30% da população, seriam 66 milhões, equivalente à população da França, que tem 67 milhões, e mais do que a da Itália, que não chega a 60 milhões.

E desses 55 milhões (ou 66 milhões se forem 30%), muitos milhões são de gente que se orgulha da sua imbecilidade! Gente que está disposta a ir à luta (literalmente) de armas na mão para impedir que recuperemos um pouco de dignidade.

Mesmo vencendo as próximas eleições e assumindo o governo em 2023 vai ser difícil recuperar os estragos. Exigirá trabalho, paciência e disposição para encarar esse pessoal, armado e mal-amado. Isso sem contar que com certeza o Centrão continuará firme e forte no Congresso, exigindo cargos e grana para aprovarem qualquer atitude decente. Que contradição: são até capazes de fazer algo correto, mas exigindo para isso algo incorreto, a corrupção explícita ou amoitada.

Enfim, não preciso falar muito disso aqui. Todo mundo sabe. Vamos então para frases sobre o Brasil e os brasileiros (nem todas de gente que eu gosto e sei que cada um vai sentir falta de algumas frases, a escolha é minha…). Tem até algumas otimistas… Se bem que (quase todas) foram ditas ou escritas no passado. O que não significa que todas as frases do passado sejam otimistas. Nossas desgraças são antigas, mas sempre atribuímos isso às elites brasileiras. A diferença é que agora está claro que elas têm muitos adeptos entre suas próprias vítimas.

Millôr Fernandes: “Viva o Brasil / onde o ano inteiro / é primeiro de abril”.
***
Millôr, de novo: “Brasil, condenado à esperança”.
***
Millôr, mais uma vez: “Quando uma ideologia fica bem velhinha, vem morar no Brasil”.
***
E dá-lhe, Millôr: “O Brasil tem um grande passado pela frente”.
***
Luís Fernando Veríssimo: “No Brasil, o fundo do poço é apenas uma etapa”.
***
Veríssimo, de novo: “A diferença entre o Brasil e a República Checa é que a República Checa tem o governo em Praga e o Brasil tem essa praga no governo”.
***
Veríssimo, mais uma vez: “Brasil, esse estranho país de corruptos sem corruptores”.
***
Eu: “Todos os caminhos levam a Roma? No Brasil atual, levam… ao brejo”.
***
Eu, de novo: “Dançarinas de conjuntos musicais bregas provam: no Brasil, muito melhor do que ter boa cabeça é ter boa bunda”.
***
Ariano Suassuna: “…que é muito difícil você vencer a injustiça secular, que dilacera o Brasil em dois países distintos: o país dos privilegiados e o país dos despossuídos”.
***
Fernando Pessoa Ferreira: “O Brasil é a melhor piada já contada por um português”.
***
Glauber Rocha: “O Brasil é uma fazenda de quatrocentos anos”.
***
Eu: “Brasil, o país do futuro, tem cada vez mais saudade do passado”.
***
Ivan Lessa: “O Brasil dá Deus a quem não tem nozes, dentes etc.”.
***
Atribuído a Charles de Gaulle (mas ele nunca disse isso): “O Brasil não é um país sério”.
***
Carlos Heitor Cony: “Antes da frase de de Gaulle, todos os brasileiros sérios já sabiam disso”.
***
Paulo Maluf: “No Brasil, o político é veado, corno ou ladrão. A mim, escolheram como ladrão”.
***
Eu: “Este país é phoda… não é à toa que tem nome de pau”.
***
Eu, de novo: “Não se pode garantir que a Justiça brasileira seja cega, mas o que faz de vista grossa!…”
***
Barão de Itararé: “O júri, no Brasil, consta de um número limitado de pessoas escolhidas, para decidirem quem têm o melhor advogado”.
***
Barão, de novo: “A França teve um Mirabeau. Mas é no Brasil que se passam as coisas mais mirabolantes”.
***
Barão, mais uma vez: “O Brasil é feito por nós. Só falta, agora, desatar os nós”.
***
Getúlio Vargas: “A ninguém é permitido descrer da grandeza futura do Brasil”.
***
Getúlio, de novo: “Só um povo forte, instruído e consciente das suas enormes responsabilidades poderá conduzir este vasto país”.
***
Oswaldo Aranha: “O Brasil, sem ufania, tem um futuro imenso que escapa à nossa visão”.
***
San Tiago Dantas: “A Índia tem uma elite maravilhosa, mas um povo de merda. No Brasil nós temos um povo maravilhoso, mas uma elite de merda”.
***
Eu: “País do Carnaval? O Brasil está mais para país da quarta-feira de cinzas”.
***
Raymundo Faoro: “Acho que a História do Brasil é um romance sem heróis”.
***
Clóvis Bevilacqua: “Quando um país está atrasado por falta de atividade intelectual, é impossível que ele se eleve”.
***
Clarice Lispector: “Sou brasileira naturalizada, quando por questão de meses, poderia ser brasileira nata. Fiz da língua portuguesa a minha vida interior, o meu pensamento mais íntimo, usei-a para palavras de amor”.
***
Chico Anysio: “O brasileiro só tem três problemas: café da manhã, almoço e jantar”.
***
Chico Anysio, de novo: “No Brasil de hoje, a maioria dos cidadãos têm medo do futuro. Os políticos têm medo do passado”.
***
Olavo Bilac: “Ama, com fé e orgulho, a terra em que nasceste”.
***
Gisele Bündchen: “Não existe país melhor do que o Brasil. As pessoas, o carisma, a felicidade… As pessoas passam tantas dificuldades, mas são tão felizes, elas têm garra e fé. Eu tenho orgulho de ser brasileira”.
***
Graça Aranha: “Só o Brasil se julga capaz de criar, e resignado se humilha na imitação”.
***
Graça Aranha, de novo: “Ser brasileiro não significa ser barato”.
***
Assis Chateaubriand: “O Brasil é um inibido, com pouco dinamismo”.
***
Chateaubriand, de novo: “Somos um povo que suporta tudo e engole tudo”.
***
Marquês de Maricá: “A Grécia tinha sete sábios; mas no Brasil, só sete é que não o são”.
***
Eu: “Algumas profissões no Brasil precisam ser redefinidas: metalúrgico é quem leva ferro; carpinteiro é o que leva pau; fumageiro é o que leva fumo; barbeiro/cabeleireiro é o que leva na cabeça e banqueiro é quem banca tudo isso”.
***
Tavares Bastos: “Quando o brasileiro decide ser burro, é melhor sair da frente”.
***
Elis Regina: “O circo não deixa de ser uma casa brasileira, né?”.
***
Eu: “No Brasil, até a independência foi no grito!”
***
Anônimo: “O Brasil tem saída. Ainda não roubaram o Galeão”.
***
Roberto Damatta: “O Brasil é um país que escolheu não escolher”.
***
Luís Antônio Medeiros: “No Brasil, quem tem uns dentes na boca já é elite”.
***
Eu: “O Brasil não precisa de guerras: os economistas do governo, e o próprio governo, fazem o mesmo estrago”.
***
Paulo Francis: “Talvez o Brasil já tenha acabado e a gente não se dê conta disso”.
***
Paulo Francis, de novo: “O Brasil é um asilo de lunáticos onde os pacientes assumiram o controle”.
***
Josias de Souza: “O Brasil já morreu e, suprema desgraça, não foi para o céu”.
***
José Bonifácio: “No Brasil, a virtude, quando existe, é heroica, porque tem que lutar com a opinião e o governo”.
***
Eu: “Sem-teto, sem-terra, sem-saúde, sem-escola que preste, sem-justiça, sem-emprego… Mas com-violência, com-fome, com-vermes, com bolsonaros, com-tudo quanto é merda… Ô vida de brasileiro!”
***
Ziraldo: “Quem pensa que Deus é brasileiro pode estar certo; ele se mudou”.
***
Tim Maia: “Este país não pode dar certo. Aqui prostituta se apaixona, cafetão tem ciúme, traficante se vicia e pobre é de direita”.
***
Tom Jobim: “Este é um país em que as putas gozam, os traficantes cheiram e em que um carro usado vale mais que um carro novo. É ou não é um país de cabeça pra baixo?”.
***
Tom Jobim, de novo: “O Brasil não é para principiantes”.
***
Tom Jobim, mais uma vez: “No Brasil, sucesso é ofensa pessoal”.
***
Tom Jobim, ufa, de novo: “Viver no exterior é bom, mas é uma merda. Viver no Brasil é uma merda, mas é bom”.
***
Fernando Pedreira: “Este é um país das Arábias. Uma grande caverna de Ali Babá virada do avesso”.
***
General Garrastazu Médici (“presidente” na fase mais cruel da ditadura): “Vejo tanta notícia desagradável sobre a Irlanda, o Vietnã, os índios americanos, e, no que diz respeito ao Brasil, está tudo em paz”.
***
Nelson Rodrigues: “O Brasileiro, quando não é canalha na véspera, é canalha no dia seguinte”.
***
Nelson Rodrigues, de novo: “O brasileiro é um Narciso às avessas, que cospe na própria imagem. Nossa tragédia é que não temos um mínimo de autoestima”.
***
Eu: “Alcoolizaram a República brasileira: até 1930 ela era do café com leite, agora é um porre”.
***
Antônio Callado: “O Brasil não sabe mais o que é um porre feliz”.
***
Monteiro Lobato: “No Brasil, subtrai-se; somar, ninguém soma”.
***
Vanessa Pimentel: “Na Índia, vaca é sagrada; na Europa, vaca é louca, e no Brasil vaca é qualquer amiga do seu namorado”.
***
Vanessa da Mata: “O Brasil é muito feminino, apesar do nosso machismo…”.
***
Rita Lee: “Roqueiro brasileiro sempre teve cara de bandido”.
***
Leila Diniz: “A mulher brasileira deveria ir menos ao psicanalista e mais ao ginecologista”.
***
Carlos Drummond de Andrade: “O Brasil não irá crescer enquanto os homens de terno agirem cada vez mais como crianças com uniformes querendo agir como adultos de terno cada vez mais cedo”.
***
Raul Seixas: “O povo brasileiro não tem tempo pra ler, anda muito ocupado para poder pensar”.
***
Gilberto Dimenstein: “O Brasil é um país de espertos que, reunidos, formam uma multidão de idiotas”.
***
Max Nunes: “O Brasil precisa explorar com urgência a sua riqueza – porque a pobreza não aguenta mais ser explorada”.
***
Elias Murad: “O Brasil progride à noite, enquanto os políticos estão dormindo”.
***
Mário Covas: “No Brasil, quem tem ética parece anormal”.
***
Darcy Ribeiro: “O Brasil, último país a acabar com a escravidão, tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma da desigualdade, de descaso”.
***
Darcy Ribeiro, de novo: “A crise da educação no Brasil não é uma crise; é um projeto”.
***
Darcy Ribeiro, mais uma vez: “Não há lugar melhor para fazer um país do que este, mas o Brasil tem uma classe dominante ranzinza, azeda, medíocre, que não deixa o país ir pra frente”.
***
Marco Maia: “A elite brasileira não gosta de ciência e tecnologia, pois eles não permitem que o Brasil seja desenvolvido e emancipe seu povo, gostam de ser colônia dos países desenvolvidos”
***
Ditado popular: “Brasileiro só fecha a porta depois de roubado”.
***
Stanislaw Ponte Preta: “A prosperidade de alguns homens públicos do Brasil é uma prova evidente de que eles vêm lutando pelo progresso do nosso subdesenvolvimento”.
***
Dilma Rousseff: “Antes do Lula, o Brasil estava afunhanhado”.
***
Mário de Andrade: “Minha obra toda badala assim: brasileiros, chegou a hora de realizar o Brasil”.
***
Paulo Freire: “Num país como o Brasil, manter a esperança viva é em si um ato revolucionário”.
***
Tarsila do Amaral: “Parece mentira, mas foi no Brasil que tomei contato com a arte moderna”.
***
Cazuza: “Que o dia nasça lindo para todo mundo amanhã. Com um Brasil novo, com uma rapaziada esperta! Valeu…”
***
Heitor (um amigo meu, depois de repetidas cutucadas de barbatanas no rosto, durante um chuvisqueiro): “O povo brasileiro não está preparado para andar de guarda-chuva”.
***
Carlito Maia: “Brasil? Fraude explica”.
***
Faustão: “Eu já vi país de Primeiro, de Segundo ou de Terceiro mundo. Mas só o Brasil é um país de outro mundo”,
***
Ruy Castro: “Se o Brasil tinha de produzir alguma coisa organizada, precisava ser logo o crime?”
***
Cristiane Torloni: “O Brasil é como uma mulher mal vestida, mal amada e mal comida. Precisamos baixar, em vez de decretos econômicos, um decreto afetivo em relação ao Brasil”.
***
Cristovam Buarque: “O Brasil ficou entre os 8 melhores do mundo em futebol e ficou triste. É o 85° em educação e não há tristeza”.
***
Lima Barreto: “O Brasil não tem povo, tem público”.
***
Vladimir Maiakovski: “Dizem que em algum lugar, parece que no Brasil, existe um homem feliz”.
***
Mano Brown: “O ser humano é descartável no Brasil, como modess usado ou Bombril”.
***
Bezerra da Silva: “Para tirar meu Brasil desta baderna, só quando o morcego doar sangue e o Saci cruzar a perna”.


Ousar lutar: memórias da guerrilha que vivi 

Ousar lutar: memórias da guerrilha que vivi traz o relato de José Roberto Rezende, um brasileiro que viveu, sob fogo cerrado, os meandros do movimento de resistência ao regime militar, nos anos 1960-70. Seu depoimento carregado de sinceridade, narrado ao jornalista Mouzar Benedito, permite ao leitor conhecer a história de quem percorreu os segredos da clandestinidade, conheceu os porões da ditadura e, em sua essência, os escaninhos da tortura.

***

Mouzar Benedito, jornalista, nasceu em Nova Resende (MG) em 1946, o quinto entre dez filhos de um barbeiro. Trabalhou em vários jornais alternativos (Versus, Pasquim, Em Tempo, Movimento, Jornal dos Bairros – MG, Brasil Mulher). Estudou Geografia na USP e Jornalismo na Cásper Líbero, em São Paulo. É autor de muitos livros, dentre os quais, publicados pela Boitempo, Ousar Lutar (2000), em coautoria com José Roberto Rezende, Pequena enciclopédia sanitária (1996), Meneghetti – O gato dos telhados (2010, Coleção Pauliceia) e Chegou a tua vez, moleque! (2021, Editora Limiar). Colabora com o Blog da Boitempo mensalmente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: