bell hooks, presente!

Em homenagem a bell hooks, que faleceu no último dia 15, selecionamos alguns conteúdos sobre seus livros publicados pela editora, curso, podcast e artigos no Blog da Boitempo.

“Como uma estudante que chegou à graduação e à pós-graduação graças aos movimentos radicais por justiça social que abriram um espaço até então fechado, aprendi a me agarrar a comunidades, criando ligações em função de experiências de raça, gênero, classe e religiosidade para salvar e proteger a parte de mim que queria ficar em um mundo acadêmico, que queria escolher uma vida intelectual. Forjei ligações com indivíduos que, como eu, valorizavam o aprendizado como um fim em si mesmo e não como um meio para atingir outro fim, mobilidade de classe, poder, status. Éramos aqueles que sabiam que, estando ou não no ambiente acadêmico, continuaríamos a estudar, a aprender, a educar.”
– bell hooks em Educação contra a barbárie

Foi com muita tristeza que recebemos a notícia do falecimento da escritora, educadora, feminista a ativista social bell hooks. Nascida Gloria Jean Watkins na cidade de Hopkinsville, Kentucky, em 1952, adotou o nome “bell hooks” inspirado em sua bisavó materna, Bell Blair Hooks. A escolha das iniciais em minúscula é um lembrete para que o conteúdo de sua escrita tenha maior enfoque do que sua pessoa.

Aluna de uma escola segregada quando criança e admiradora de Paulo Freire durante vida acadêmica, hooks defendia a pluralidade dos feminismos e compreendia a prática pedagógica como um lugar fundamentalmente político e de resistência nas lutas antirracista e anticapitalista. Estudou na Universidade de Stanford, na Califórnia, fez mestrado em inglês na Universidade de Wisconsin e doutorado em literatura, na Universidade da Califórnia.

hooks foi autora de mais de 40 livros publicados em 15 idiomas, nos quais analisou questões relativas a raça, classe e gênero na pedagogia, na história da sexualidade e do feminismo e na cultura em geral. Também publicou poemas, livros infantis e textos autobiográficos em que abordou como o conceito de amor perpassava as temáticas sociais nas quais se debruçava. Tornou-se uma das escritoras feministas e teóricas mais importantes de sua geração.

bell hooks seguirá nos inspirando a lutar e a fazer do amor uma ação.


Leia aqui no Blog da Boitempo:
A urgência do pensamento feminista negro para a democracia, de Juliana Borges
A questão das mulheres negras precisa ser central, de Djamila Pereira

Confira a aula O pensamento de bell hooks, com Evilânia Santos e mediação de Camilla Dias, parte do curso de introdução ao pensamento feminista negro. A aula também está disponível em áudio no Grifa Podcast.


Meu crespo é de rainha, de bell hooks com ilustrações de Chris Raschka
Publicado originalmente em 1999 em forma de poema rimado e ilustrado, esta delicada obra apresenta às meninas brasileiras diferentes penteados e cortes de cabelo de forma positiva, alegre e elogiosa. Um livro para ser lido em voz alta, indicado para crianças a partir de três anos de idade – e também mães, irmãs, tias e avós – se orgulharem de quem são e de seu cabelo “macio como algodão” e “gostoso de brincar”.

Minha dança tem história, de bell hooks com ilustrações de Chris Raschka
Na batida do break, a renomada educadora e ativista bell hooks traz uma história vibrante que capta a energia do que é ser um menino dentro da cultura do hip-hop. Mostrando de forma sensível todas as contradições que permeiam a vida dos pequenos em busca da própria masculinidade, a autora amplia o leque de possibilidades para o que significa ser um menino.

Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar, organizado por Fernando Cássio, com artigo de bell hooks
Contrapondo-se ao discurso sobre educação pautado apenas por indicadores, rankings e eficiência, a obra organizada por Fernando Cássio, reúne mais de vinte autores para propor um debate franco e corajoso sobre as principais ameaças à educação pública, gratuita e para todas e todos: o discurso empresarial, focado em atender seus próprios interesses; a perseguição à atividade docente e à auto-organização dos estudantes; e o conservadorismo que ameaça o caráter laico, livre e científico do ambiente escolar. O livro tem uma tradução inédita de um artigo sobre educação democrática escrito por bell hooks.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: