Cultura inútil: Mau, cruel, perverso, desprezível…

De Maquiavel, Tolstói e Freud, passando por John Lennon, Tati Bernardi, Darcy Ribeiro e Raul Seixas, Mouzar Benedito faz uma seleção de frases sobre a maldade humana.

Por Mouzar Benedito

Maléfico, vilão, ofensivo, impiedoso, maligno, odiento, rancoroso, raivoso, hidrófobo, carcoma, caruncho, sinistro, seca-pimenteira, mau-caráter, canalha, repugnante, abominável, sinistro, opressor, malévolo, nocivo, viroso, venenoso, celerado, facínora, daninho, malévolo, ruinoso, funesto, amaldiçoado, maldito, facinoroso, carniceiro, desnaturado, sanguissedento, deletério, malfeitor, nefasto, virulento, serpentífero, horrível, tétrico, criminoso, monstruoso, infame, nefasto, esconjurado, excomungado, corrosivo, lesivo, indigno, acintoso, execrável, nefando, ignóbil, vil, abjeto, deplorável, ultrajante, insidioso, sanguinário, sombrio, pustulento, nojento, repulsivo, pútrido, despudorado,  degenerado, imundo, desalmado, corrompido, desapiedado, pestilento, imoral, desonroso, indecoroso, flagelativo, sanguinolento, sanhoso, harpia, abutre, malvado, bandido, bandoleiro, homicida, assassino, desumano, sádico, sórdido, coração duro, sem coração, vampírico, afrontoso, ruim como o diabo, sem consciência, mazelento, escabroso,  monstro de maldades, de baixos instintos, semeador de ódio…

Esses e outros adjetivos valem para eles. Mas outra “qualidade” deles é desqualificar quem não pensa e age como eles, fingindo que esses é que são isso tudo.

Mas o que dizer de quem inventa mentiras e espalha, contra a imunização da gente contra doença mortífera; de quem não compra vacina na hora certa porque pode lucrar comprando na hora errada, por um preço muito mais alto (e nessa espera morre um monte de gente, mas e daí?); de quem aconselha a comprar fuzis em vez de feijão; de quem acha que empregadas domésticas não podem viajar para o exterior e que filho de porteiro de prédio não pode entrar numa faculdade? 

E põe coisa aí… quem cria ou apoia uma política que leva centenas de milhares de seres humanos à morte; quem promove a queima das florestas e a matança de índios; quem  mata suas mulheres ou crianças, filhos ou enteados (repare que todos estes são do mesmo lado, se dizem “pessoas de bem” e defensores da família, de Deus, da moral e dos bons costumes); quem lucra muito mais com a desgraça dos outros e gosta disso (vejam quantos ricos ficaram muito mais ricos na pandemia, enquanto seus empregados foram condenados à fome); quem pensa diferente deles tem que morrer, quem tem a missão de defender a vida e promover a cura e faz o contrário (felizmente, muitos da mesma categoria não são assim); quem não se comove com a desgraça alheia, quem cria, promove ou apoia uma política econômica de desemprego e miséria…

É um pessoal que parece seguir o lema de Francisco Franco, ditador espanhol: “Viva la muerte!”

São muito mais numerosos do que se podia imaginar.

E pior: há entre eles, vítimas deles mesmos. Pobres.

Injuriado com estes tempos em que há tantos assim, andei coletando frases sobre eles.

Darcy Ribeiro: “O Brasil, último país a acabar com a escravidão, tem uma perversidade intrínseca na sua herança, que torna a nossa classe dominante enferma de desigualdade, de descaso”.

***

John Lennon: “Vivemos num mundo onde precisamos nos esconder para fazer amor, enquanto a violência é praticada cada dia, em plena luz do dia”.

***

Raul Seixas: “Prefiro ser louco, em um mundo onde os normais constroem bombas”.

***

Francis Bacon: “O mal, quando se finge de bom, é péssimo”.

***

Ditado popular: “O caráter verdadeiro não se avulta por dinheiro”

***

Eça de Queiroz: “Por um gesto, julgamos um caráter; por um caráter, avaliamos um povo”.

***

Ditado popular: “Não há bom que não possa melhorar, nem mau que não possa piorar”.

***

Ieda Graci: “A maldade é uma doença moral incurável como todos os males físicos incuráveis”.

***

Jean-Paul Sartre: “A pior coisa do mal é nos acostumarmos a ele”.

***

Sartre, de novo: “O mal só pode ser vencido por outro mal”.

***

Leon Tolstói: “O mal não pode vencer o mal. Só o bem pode fazê-lo”.

***

Ditado popular: “A um ruim, ruim e meio”.

***

Carlos Lacerda: “A ideia de que tudo é a mesma coisa, de que todos são canalhas e portanto, viva a canalhice, apossou-se do Brasil”.

***

Oscar Wilde: “Toda pessoa que diz sempre a verdade acaba sendo apanhada em flagrante”.

***

Kenneth Galbraith: “Nada é tão admirável em política quanto uma memória curta”.

***

Ditado popular: “Todo homem sem caráter, não é homem, é uma coisa”.

***

Diogo do Couto: “Fraqueza e crueldade são coisas que andam sempre juntas”

***

Montaigne: “A covardia é a mãe da crueldade”.

***

Nietzsche: “A crueldade é um dos prazeres mais antigos da humanidade”.

***

Nietzche, de novo: “O cristianismo deve sua vitória a essa desprezível educação da vaidade pessoal. Conseguiu convencer exatamente todos os fracassados, os simpatizantes da insurreição, os malsucedidos, todo o lixo e a escória da sociedade”.

***

Umberto Eco: “Os homens nunca fazem o mal tão completa e entusiasticamente como quando o fazem por convicção religiosa”.

***

Veronica Roth: “Ele é o tipo de pessoa desprezível que não tem nenhuma compreensão de como é desprezível, e eu atormentá-lo com insultos não mudará nada isso. Em vez de ficar com raiva, me sinto pesada, inútil”.

***

Freud: “A maldade é a vingança do homem contra a sociedade pelas restrições que lhe impõe […]. É o resultado dos conflitos entre nossos instintos e nossa cultura”.

***

Young: “Toda gente tem seu lado obscuro que – desde que corra tudo bem – é preferível não conhecer”.

***

Mark Twain: “Cada um de nós é uma lua e tem um lado escuro que não mostra a ninguém”.

***

Fernando Pessoa: “Todos temos por onde sermos desprezíveis. Cada um de nós traz consigo um crime feito ou um crime que a alma lhe pede para fazer”.

***

Einstein: “É mais fácil mudar a natureza do plutônio do que a natureza maldosa do homem”.

***

Edgar Allan Poe: “Creio que a perversidade é um dos impulsos primitivos do coração humano – uma das faculdades, ou sentimentos primários, que dirige o caráter dos homens”.

***

José Saramago: “É evidente: a maldade, a crueldade, são inventos da razão humana, da sua capacidade para mentir, para destruir”.

***

Saramago, de novo: “Quem mata em nome de Deus converte este em um assassino”.

***

Platão: “Boas pessoas não precisam de leis para obrigá-las a agir responsavelmente, enquanto as pessoas ruins encontraram um modo de contornar as leis”.

***

Nelson Rodrigues: “Muitas vezes é a falta de caráter que decide uma partida. Não se faz literatura, política e futebol com bons instintos”.

***

Nelson Rodrigues, de novo: “No Brasil, quem não é canalha na véspera, é canalha no dia seguinte”.

***

Nelson Rodrigues, mais uma vez: “Até os canalhas envelhecem”.

***

Abraham Lincoln: “Se a escravatura não é má, nada é mau”.

***

Alexandre S. Pushkin: “Genialidade e maldade não combinam”.

***

Shakespeare: “A raiva é um veneno que bebemos esperando que os outros morram”.

***

Sêneca: “A maldade bebe a maior parte do veneno que produz”.

***

Martin Luther King: “O que me assusta não são as ações e os gritos das pessoas más, mas a indiferença e o silêncio das pessoas boas”.

***

Napoleão Bonaparte: “Quase sempre a perversidade é individual e só raras vezes é geral”.

***

Napoleão, de novo: “Nunca veja malícia no que pode ser explicado pela incompetência”.

***

Che Guevara: “A farda modela o corpo e atrofia a mente”.

***

Hemingway: “Não existe caçada como a caçada a um homem. Aqueles que caçaram homens […] e gostaram nunca mais vão se importar com mais nada na vida”.

***

Henry Louis Mencken: “Toda pessoa normal se sente tentada, de vez em quando, a cuspir nas mãos, içar a bandeira negra e sair por aí cortando gargantas”.

***

Theodor Adorno: “Dos homens muito maus não se pode esperar nem mesmo imaginar que morram”.

***

Kafka: “Depois de ter dado abrigo ao mal, ele não mais pedirá que você acredite nele”.

***

Bezerra da Silva: “Malandro demais vira bicho”.

***

Millôr Fernandes: “O mal do mundo é que Deus envelheceu e o Diabo evoluiu”.

***

Millôr, de novo: “O mau caráter das pessoas me surpreende. Se soubessem ter bom caráter conquistariam o mundo. Enfim, a ignorância sempre prevalece naquele que não procura evoluir”.

***

Ian Fleming: “Hoje em dia, a história está se movendo rapidamente e heróis e vilões trocam seus papéis constantemente”.

***

Michelangelo: “Não dura o mal onde não dura o bem, mas é frequente um transformar-se no outro”.

***

Camões: “Os bons, vi sempre, passam no mundo grandes tormentas. E para mais me espantar, os maus, vi sempre nadar em mar de contentamentos”.

***

Maomé: “É preferível andar sozinho do que na companhia dos maus”.

***

Jô Soares: “O sujeito era tão mau caráter que até sozinho ele estava mal acompanhado”.

***

Edir Macedo: “O dinheiro é uma necessidade do homem. Na Bíblia, ele aparece como uma ferramenta. Achar que que o dinheiro é um mal não faz sentido”.

***

Textos judaicos: “Não há quem seja mais desprezível do que aquele que cobiça, pois até sua alma vende”.

***

Tati Bernardi: “Quando eu penso que já conheci todos os babacas e canalhas do mundo, percebo que a espécie é infinita”.

***

Platão: “O castigo dos bons que não fazem política é ser governados por maus”.

***

Maquiavel: “A política tem a sua fonte na perversidade e não na grandeza do espírito humano”.

***

Maquiavel, de novo: “O bem se faz aos poucos. O mal, de repente”.

***

Maquiavel, mais uma vez: “Mas a ambição do homem é tão grande que, para satisfazer sua vontade presente, não pensa no mal que daí a algum tempo pode resultar dela”.

***

Bertrand Russell: “A raiz do mal reside no fato de insistir demasiadamente que no êxito da competição está a principal fonte de felicidade”.

***

Bertrand Russell, de novo: “Se no mundo de hoje houvesse um grande número de pessoas que desejassem mais sua própria felicidade do que desejar a infelicidade dos outros, nós poderíamos ter um paraíso em poucos anos”.

***

André Gide: “Sinto em mim a impiedosa obsessão de ser feliz, mas toda felicidade obtida às custas dos outros me parece odiosa”.

***

Clarice Lispector: “Onde a maldade era fria e intensa como um banho de gelo. Como se visse alguém beber água e descobrisse que sede, sede profunda e velha. Talvez fosse apenas falta de vida: estava vivendo menos do que podia e imaginava que sua sede pedisse inundações, talvez apenas alguns goles…”

***

Sócrates: “Não é difícil escapar da morte. Todo soldado sabe, basta sair fugindo. O mais difícil é escapar da maldade, pois ela é mais rápida que nós”.

***

Benjamin Disraeli: “Em política, nada é desprezível”.

***

Leandro Karnal: “Provavelmente a indiferença seja a maior e mais cruel das maldades humanas, pois ela significa que eu nem sequer estou lhe vendo”.

***

Mário Quintana: “No fundo, não há bons nem maus. Há apenas os que sentem prazer em fazer o bem e os que sentem prazer em fazer o mal. Tudo é volúpia”.

***

Gandhi: “Posso ser uma pessoa desprezível, mas quando a verdade falar por mim, sou invencível”.

***

Friedrich Schiller: “Nem mesmo o homem mais bondoso consegue viver em paz, se isso não agrada ao seu vizinho mau”.

***

Marquês de Sade: “Não há outro inferno para o homem além da estupidez ou da maldade dos seus semelhantes”.

***

Adolf Hitler: “Alguém que vê e pinta o céu verde e campos azuis dever ser esterilizado”.

***

Isaac Asimov: “Não é necessário fazer o bem. Apenas trata de não fazer o mal”.

***

Victor Hugo: “O mal é como as mulas: é teimoso e estéril”.

***

Thomas Hobbes: “O homem é o lobo do homem, em guerra de todos contra todos”.

***

Mae West: “Quando sou boa, sou ótima. Quando sou má, sou melhor ainda”.

***

Caio Fernando Abreu: “Se algumas pessoas se afastam de você, não fique triste. Isso é a resposta da oração: ‘livrai-nos de todo mal, amém’”.

***

Mouzar Benedito, jornalista, nasceu em Nova Resende (MG) em 1946, o quinto entre dez filhos de um barbeiro. Trabalhou em vários jornais alternativos (Versus, Pasquim, Em Tempo, Movimento, Jornal dos Bairros – MG, Brasil Mulher). Estudou Geografia na USP e Jornalismo na Cásper Líbero, em São Paulo. É autor de muitos livros, dentre os quais, publicados pela Boitempo, Ousar Lutar (2000), em coautoria com José Roberto Rezende, Pequena enciclopédia sanitária (1996), Meneghetti – O gato dos telhados (2010, Coleção Pauliceia) e Chegou a tua vez, moleque! (2017, e-book). Colabora com o Blog da Boitempo mensalmente.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: