Butler e a defesa radical da vida

Helena Silvestre escreve sobre o novo livro de Judith Butler, destacando a crítica da filósofa ao individualismo, a ideia da vulnerabilidade como potência e a defesa radical da vida.

Por Helena Silvestre.

Tenho aprendido, entre quedas e perdas, um pouco sobre aquilo que me foi arrancado e sobre tudo o que foi arrancado de minha comunidade – meu corpo extenso no mundo. Por esse motivo, confesso que desconfio de grande parte dos olhares sobre a vida que simplesmente condenam a violência. Mas devo dizer que A força da não violência, de certo modo, venceu essa minha desconfiança. Aqui Judith Butler nos provoca a observar e, sobretudo, a compreender a violência a partir de um caminho diferente daquele a que fomos habituados.

O que é violência? A definição precisa da palavra é difícil, mas a autora mobiliza uma chave para o entendimento ao evidenciar como o termo surge designando situações muito diferentes entre si e passíveis de interpretação. Ela recupera Max Weber e sua definição de Estado, demonstrando como esta e outras estruturas sociais sistêmicas atuam de modo essencialmente violento em relação a territórios e comunidades ao mesmo tempo que dizem combater, eliminar ou prevenir a violência.

Butler parte, então, para o desenvolvimento conceitual daquilo que seria a não violência, associando-a à valorização da vida, sempre passível de luto, outro conceito disposto em diálogo com a psicanálise. Que vidas são enlutáveis? O que nos leva a defender a vida, a nossa ou a de outra pessoa? As elaborações de Frantz Fanon integram o arcabouço mobilizado pela filósofa para pensar o fato de que algumas populações têm sido terrivelmente violentadas, de que algumas vidas parecem não ter direito ao luto e de que pessoas racializadas precisam gritar o óbvio: que vidas negras importam, como fizeram as Mães de Maio no Brasil.

Ao longo de A força da não violência e em conversa também com o pensamento de Gandhi, Butler toma por base um ideal ético-político fundado numa crítica radical do individualismo e desvela as múltiplas conexões que entrelaçam e associam tudo o que vive, inclusive nós, deslocando a compreensão da violência do contexto de uma contenda entre dois termos e lendo seu caráter estrutural, institucional e ostensivo: assim emerge a percepção de que toda a violência é, em última instância, também contra si mesmo.

Somos vulneráveis, indissociavelmente conectados, e Butler nos instiga a repensar também a noção de vulnerabilidade, associando-a à força da não violência. Uma atitude de defesa radical da vida. Conhecida por desafiar imaginações, a autora cutuca o pensamento para que este se mova, encarando as coisas de outro ponto de vista.

Esta obra oferece reflexões profundas e realmente comprometidas em convidar nossa mente a dançar outros compassos possíveis, libertos. Conecta-se com filosofias de povos nativos que morreram para salvar centenárias seringueiras, acorrentando-se a elas, defendendo a vida delas com a própria vida.

A força da não violência, ao contrário da passividade, nos impele a sair do lugar.

***

Em A força da não violência, Judith Butler percorre discussões da filosofia, da ciência política e da psicanálise para reavaliar o que chamamos de violência e não violência e o modo como essas duas expressões se tornam intercambiáveis quando colocadas a serviço, por exemplo, de uma perspectiva individualista das relações sociais ou de um Estado no exercício do biopoder. 

A obra, lançada originalmente em 2020, mostra como a ética da não violência deve estar conectada a uma luta política mais ampla pela igualdade social. A autora rastreia como a violência é, com frequência, atribuída àqueles que são mais expostos a seus efeitos letais. Para Butler, a condição-limite da manifestação da violência se revela quando certas vidas, uma vez perdidas, não são dignas de luto. 

Expondo os discursos por meio dos quais a desvalorização e a destruição da vida operam, Butler propõe a compreensão da não violência a partir da condição básica da interdependência entre os seres humanos e identifica a não violência como uma prática de resistência à destruição. 

***

O livro de Judith Butler tem tradução de Heci Regina Candiani, prefácio de Carla Rodrigues, texto de orelha de Helena Silvestre, quarta capa de J. M. Bernstein e capa de Alex Gyurkovicz.

***

E-book à venda nas principais lojas do ramo:


Confira a live de lançamento de A força da não violência com Helena Silvestre, Carla Rodrigues, Marília Moschkovich e mediação de Renato Contente (Suplemento Pernambuco).

***

Saiba mais:

Suplemento Pernambuco: Judith Butler: pensar formas de reivindicar a vida, por João Cavalcante e Renato Contente
TV Boitempo: Judith Butler e a filosofia da não violência, com Carla Rodrigues
TV Boitempo: O que é a não violência para Butler?, com Helena Silvestre
TV Boitempo: A força da não violência, com Judith Butler
Podcast Filosofia Pop: #073 – Judith Butler, com Carla Rodrigues

***

Helena Silvestre é escritora e militante das lutas pela libertação de povos e territórios, editora da Revista Amazonas e autora de Notas sobre a fome (Txai Editora), finalista do prêmio Jabuti de 2020.

1 Trackback / Pingback

  1. Política, Cultura e Economia na Fundação Podemos: Agosto – Edição 2 – Público em Debate

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: