O marxismo surrealista de Michael Löwy

Michael Löwy é muito conhecido como historiador das ideias da esquerda, e praticamente desconhecido como militante do surrealismo. Entretanto, desde cedo já apostava no valor artístico da profanação."

A Boitempo acaba de lançar uma nova edição, revista e ampliada, do clássico de Michael Löwy sobre marxismo e surrealismo: A estrela da manhãEm nove ensaios breves, o sociólogo franco-brasileiro aborda a filosofia política do surrealismo e sua ligação com o marxismo. Protesto contra a racionalidade limitada, o espírito mercantilista, a lógica mesquinha e o realismo rasteiro da sociedade capitalista-industrial, o surrealismo é um movimento de revolta do espírito e uma tentativa eminentemente subversiva de reencantamento do mundo, é uma aspiração utópica e revolucionária de “mudar a vida”. É uma aventura ao mesmo tempo intelectual e passional, política e mágica, poética e onírica, que, iniciada por André Breton em 1924, está longe de ter dito suas últimas palavras. Leia abaixo, os textos de capa do livro, assinados por Alex Januário e Roberto Schwarz.

* * *

“Michael Löwy é muito conhecido como historiador das ideias da esquerda, e praticamente desconhecido como militante do surrealismo. Entretanto, desde cedo já apostava no valor artístico da profanação. E até hoje sua relação direta, mas nada convencional, com as obras de arte me surpreende e faz pensar. Para ele, quem manda são os apetites da imaginação, que não pedem licença e cuja esfera é a vida corrente, sem cálculo estético, sem especialização de ofício e com pouca história da arte. O que conta, o que fala a seu coração é o que as obras trazem à luta socialista e à libertação do inconsciente. É uma espécie de conteudismo franco, mas, como as demandas do socialismo e do inconsciente não coincidem, o resultado não é óbvio nem previsível.” — Roberto Schwarz

* * *

“Transformar o mundo, disse Marx; mudar a vida, disse Rimbaud. Estas duas palavras de ordem, para nós, são uma só”. Com esta afirmação – em Position politique du surréalisme, de 1935 –, André Breton instaurou o ponto nodal de uma questão profunda: surrealismo e marxismo.

Michael Löwy, conhecido pelo leitor brasileiro como pensador das correntes marxistas libertárias, sempre atuou junto ao movimento surrealista internacional. Ao lado do Le groupe de Paris du mouvement surréaliste, Löwy possui extensa produção em publicações e exposições surrealistas, que inclui tanto ensaios, como os que se apresentam neste volume, quanto obra plástica: collages (vide a da capa desta edição), desenhos automáticos e gouaches, trabalhos ainda inéditos no Brasil. Em sua obra visual, carregada de crítica marxista, a revolta alinha-se à poesia e ao humour noir para que as imagens possam revelar outras realidades.

O pensamento libertário de Charles Fourier, Rosa Luxemburgo, Hegel, Marx, Walter Benjamin, Ernst Bloch, Trotski, lançado sob a luz transgressora através da poesia e da vida de Isidore Ducasse, Breton, Benjamin Péret, Pierre Naville, Vincent Bounoure e outros nomes da constelação surrealista e suas relações com o situacionismo através do seu maior expoente, Guy Debord, instauraram a geografia afetiva de Löwy.

O selvagem, o amoroso, o erótico, o maravilhoso, os encontros utópicos que vivenciamos estão presentes nos nove ensaios que compõem este livro e lançam fagulhas e inquietações como recusa ao total miserabilismo em que a sociedade se encontra. A estrela da manhã reivindica a crítica subversiva sobre questões que visam a (re)estabelecer as pontes dialéticas entre o surrealismo e o marxismo, que, sob o signo das imagens e pela força poética da escrita de Löwy, penetram e ultrapassam o sentido da revelação da estrela luciferiana.

Para um surrealista, a insubmissão, a rebelião romântica e o amor são elementos da condição humana, isto é, uma atitude de posicionamento para combater as relações de poder e de ordenamento da vida cotidiana. Nesta obra o surrealismo e o marxismo exercem os “campos magnéticos” que lançam toda a carga explosiva do romantismo e da revolta como ferramentas libertárias e anticapitalistas.

A estrela da manhã inscreve-se na fecundidade de um conhecimento sensível: aqui revela-se o incêndio do corpo e do espírito na grande noite oculta e revolucionária. — Alex Januário

Este slideshow necessita de JavaScript.

* * *

Michael Löwy, sociólogo, é nascido no Brasil, formado em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, e vive em Paris desde 1969. Diretor emérito de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Homenageado, em 1994, com a medalha de prata do CNRS em Ciências Sociais, é autor de A estrela da manhã: marxismo e surrealismo (2018) Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade, Walter Benjamin: aviso de incêndio (2005), Lucien Goldmann ou a dialética da totalidade (2009), A teoria da revolução no jovem Marx (2012), A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano (2014) e organizador de Revoluções (2009) e Capitalismo como religião (2013), de Walter Benjamin, além de coordenar, junto com Leandro Konder, a coleção Marxismo e literatura da Boitempo. Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

1 comentário em O marxismo surrealista de Michael Löwy

  1. Será que o socialismo científico e a ideia de comunismo não foi altamente influenciado pelo roamantismo?

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. O marxismo surrealista de Michael Löwy – Blog da Boitempo – ESPANTALHO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: