Cai, não cai… mas, afinal, o que deve cair?

A presente crise não clama por mais democracia representativa, mas indica seu mais evidente limite, o que exige urgentemente uma nova forma política. Há uma alternativa que se abre na medida em que a crise política se converte em crise do Estado.

Por Mauro Luis Iasi.

“O Direito à revolução é o único direito histórico real,
o único sobre o qual repousam todos os Estados modernos”.
Friedrich Engels (1895)

“Tudo pode acontecer, inclusive nada”
Barão de Itararé

O usurpador balança e se vê na ponta da prancha do navio pirata que pensava comandar. Cobra lealdade de seus colegas saqueadores e usurpadores e tem dificuldade em manter ao seu lado até mesmo o papagaio que vivia pousado em seu ombro. A luta intestina entre os segmentos que levaram a cabo a interrupção do mandato presidencial eleito em 2014 chega ao ponto de fritura e ameaça a estabilidade necessária para implementar as reformas contra os trabalhadores.

A democracia representativa faliu, mas não pelos motivos que a teoria política clássica pensava. Montesquieu, por exemplo, buscava o equilíbrio e a moderação e pensava que a principal causa das instabilidades e da corrupção da República era a ambição do povo em tomar decisões e resoluções ativas. O povo, segundo o ilustre Baron de La Brède et de Montesquieu, deveria contentar-se a apenas indicar seus representantes e nada mais, deixando inteiramente a cargo deles a elaboração das leis e sua implementação ao executivo, bem como o ato de julgar a quem lhe cabe. Mas, por que?

Segundo nosso versado Barão, em qualquer Estado há pessoas eminentes, bem nascidas, detentoras de propriedades e de riquezas… E não seria razoável esperar delas que vivam entre o povo apenas com o direito a um voto como todo mundo. Essa liberdade seria sua escravidão e eles não teriam nenhum interesse em obedecer as leis, “porque a maioria das decisões seria contra eles” (Montesquieu, O espírito das leis, Livro 11: “Capítulo VI: Da Constituição da Inglaterra”).

A solução imaginada é que no Estado exista um “corpo que tenha o direito de refrear as iniciativas do povo”, assim como esse povo teria o direito de refrear as ambições deste corpo. Assim se concebe o jogo de forças entre o executivo que governa, mas não pode fazer a lei, e o legislativo que faz a lei mas não pode aplicá-la. Tal engenharia política, à época de Montesquieu e Locke, se materializava em duas casas distintas – uma dos nobres, outra do povo – nas quais fosse possível produzir deliberações fundadas nos pontos de vista distintos de cada classe. O executivo deveria levar em conta os dois interesses e não somente o de um ou o de outro e, em caso de dúvida, o julgamento caberia a um terceiro poder, o de julgar. Esse, por sua natureza deveria ser “nulo”, isto é, não poderia expressar nem uma vontade nem outra, mas somente a Lei. Em casos de impasse, o Rei representaria o interesse geral, acima dos interesses particulares, como um moderador. E, assim, tudo aconteceria no melhor dos mundos e da melhor forma possível.

No entanto, continua Montesquieu, “poderia acontecer que algum cidadão, nos negócios públicos, violasse os direitos do povo, e cometesse crimes que os magistrados estabelecidos não soubessem ou não quisessem punir”. Ora, nestes casos quem poderia acusar e julgar o malfeitor? Os juízes poderiam acusar, pois expressariam o direito do povo de acusar o mal feito, mas não julgar, porque “os grandes estão sempre expostos à inveja; e se fossem julgados pelo povo, poderiam correr perigo”. Eis que surge uma ideia incrível: eles teriam o direito, como qualquer um em um Estado livre, de serem julgados por seus iguais – e eles não são iguais ao povo. (Em outro momento, poderemos voltar a falar da igualdade para Montesquieu; por enquanto, nos basta afirmar que, para ele, o verdadeiro espírito da igualdade, a igualdade perante a lei, está distante da “igualdade extrema”, como o céu da terra).

Dessa forma, os “nobres” não podem ser julgados pelos tribunais ordinários da nação, mas por aquela parte do corpo legislativo composta por nobres, ou seja, seus iguais. É disso que se trata quando falamos de foro privilegiado nos dias de hoje, trata-se de um privilégio de ser julgado por seus pares, no caso presente, pelos colegas políticos e pelas instancias superiores do judiciário.

A democracia se corrompe, na concepção do barão proto-burguês, quando não apenas o princípio da igualdade se perde, mas, principalmente, quando impera o espírito da “igualdade extrema” que é assim descrita pelo pensador em questão: “cada um quer ser igual aos que escolheu para comandá-lo; porque, nesse caso, o povo, não podendo suportar o próprio poder em quem confia, quer fazer tudo por si mesmo, deliberar em lugar do senado, executar em lugar dos magistrados e despojar todos os juízes” (Montesquieu, O espírito das leis, Livro 8: Da corrupção do princípio da Democracia). Assim, não poderia haver mais virtude na democracia.

Ora, ora, ora, meu bom Barão. Não foi qualquer cidadão que violou os direitos do povo e cometeu crimes, foi o usurpador que ocupou o lugar da Presidente eleita. A particularidade da situação que se expressa em uma crise política que se avizinha de uma crise de Estado, se dá pelo fato que, além dos magistrados não demonstrarem muita vontade em punir, existe o grande problema do que colocar no lugar do delinquente a ser deposto. As alternativas apresentadas são: assume o presidente da Câmara, que teria trinta dias para chamar uma eleição indireta, deliberada pelo Congresso, de um novo mandatário a ser escolhido em 90 dias; eleições diretas antecipadas; ou uma espécie de governo provisório no qual a presidente do STF, Carmen Lúcia, no caso, estaria à frente (indicada pelo Congresso ou por um outro meio qualquer). Também se cogita a figura execrável do senhor Nelson Jobim, que sintetiza em si as três dimensões do parlamentar, ministro do executivo e membro do STJ.

O problema, como querem alguns, não pode se resumir ao que estabelece a Constituição, não apenas pela tensa relação entre o legal e o legítimo, mas pela natureza do fato que se busca enfrentar. O problema para as classes dominantes e setores de classe em franca disputa pelo controle do governo é o da estabilidade que é essencial para a imposição das reformas contra os trabalhadores, notadamente a reforma trabalhista e da previdência, mas não só. A questão é que a saída constitucional (afastamento e eleição indireta pelo Congresso) parece não levar à estabilidade necessária. Isto é, a crise se alastraria até 2018.

Diante da decisão momentânea do usurpador não renunciar, outro problema se coloca. Um processo de impedimento se alastraria por um tempo considerável (a presidente eleita em 2014 teve o seu processo de impedimento aberto na Câmara dos Deputados em 2 de dezembro de 2015, foi afastada em 12 de maio de 2016 e cassada só em 31 de agosto de 2016). Uma eleição indireta ou direta teria que se dar com um intervalo de tempo que poderia variar de 90 dias até algo próximo de 150 dias. Nos parece muito tempo para um vácuo de poder na temperatura de crise política atual.

Tudo indica que se gesta uma alternativa que responda a essa variante, o tempo. No entanto, ao lado disso se apresenta o fato que a alternativa que resolva esse vetor inviabilize outro vetor essencial: a legitimidade necessária para enfrentar a instabilidade. Neste ponto, as coisas se complicam, porque todas as alternativas são problemáticas para os setores dominantes em disputa.

O presidente da Câmara, que assumiria para convocar as eleições, está envolvido na mesma denúncia que atingiu o usurpador. E pior: o Congresso que elegeria o presidente interino, em sua maioria, também está chafurdado na mesma lama que emporcalha os dois primeiros. Afastar um presidente por um crime de corrupção passiva (entre outros) e dar aos políticos envolvidos no mesmo crime o direito de nomear um sucessor é, para dizer o mínimo, complicado.

O teor da denúncia atinge 1829 candidatos e 28 partidos – dos 32 partidos registrados no TSE em 2014, somente quatro não estão envolvidos: o PCB, PSOL, PSTU e PCO. Isso significa que, dos 28 partidos com representação no Congresso, 27 estão envolvidos. Em um pais sério, as eleições de 2014 deveriam ser anuladas e os atos tomados pelos governantes e parlamentares desde então considerados nulos. Como, então, atribuir a esse Congresso o direito de indicar um sucessor para o usurpador?

Ainda que não questione a legitimidade de quem clama pela antecipação das eleições, existe um problema de fundo ignorado. Todas as distorções presentes no pleito passado estão inalteradas e, em certo sentido, agravadas pela mini reforma política imposta. Desde o financiamento privado de campanha, passando pelo poder dos meios de comunicação e a ingerência dos grandes interesses econômicos, até as máquinas partidárias e o uso do poder público (municipal, estadual e federal).

Do ponto de vista das classes dominantes, a antecipação abriria um cenário de agravamento da instabilidade – ainda que, no médio prazo, esse poderia ser o caminho para legitimar as medidas que agora se impõem com as ditas reformas. Para as classes dominantes e seus aparelhos (entre eles a Rede Globo), o central é garantir as reformas, nem que para isso seja preciso rifar o usurpador que eles tanto apoiaram.

Desta maneira, não me parece que as classes dominantes estejam, pelo menos agora, em um beco sem saída. Há pelo menos duas saídas para o atual beco.

Quando olhamos o quadro como um todo (a questão da legitimidade e a urgência do tempo), nos parece que a ordem prepara uma solução pelo alto. De certa maneira, antecipamos esta possibilidade na coluna “O caminho da ditadura”, publicada aqui no Blog da Boitempo em 24/11/2016, quando analisávamos a crise e as alternativas postas que poderiam colocar em risco a ordem em um cenário no qual ainda prevalecia a luta interna entre os setores vitoriosos do golpe. Naquela oportunidade, ponderávamos que os militares não expressariam, como em 1964, esta personificação do Estado colocando-se acima dos segmentos em disputa, mas sim outra instância do Estado burguês. Dizíamos:

“Os indícios apontam para outro sujeito, que busca se credenciar como forma universal, acima das disputas particulares, em nome da substância do capital e da ordem: o Judiciário. O direito reivindicaria sua natureza não como instrumento do Estado, mas como ele próprio Estado. Não apenas como uma relação entre o direito público e fato político, mas o próprio direito como fato político. Caso isso se confirme estaríamos de forma límpida no campo do estado de exceção transformado em regra, chancelada por quem de direito”.

O fato das denúncias aparentemente pouparem o judiciário (o que é de certa forma estranho) acabou preservando essa esfera. E digo que é estranho pois se acompanharmos a operação Mãos Limpas, da Itália, por exemplo, veremos que o judiciário era um alvo estratégico das organizações criminosas envolvidas. O judiciário pode legitimar a alternativa indireta pelo Congresso ou assumir diretamente a condução de um governo interino até 2018. Carmen Lúcia pode estar seduzida por esta alternativa, mas seus pares hesitam em assumir diretamente o ônus de “perder” a suposta imparcialidade. Essa é uma das saídas. O ônus a pagar é o custo de uma imposição pelo alto e a necessidade de enfrentar as resistências que se farão presentes – e aqui não podemos rejeitar o cenário, nem um pouco absurdo, de uma tentativa de cancelamento das eleições de 2018.

De qualquer maneira, em meio a tanta incerteza, aparece uma quase unanimidade: Henrique Meirelles, o escudeiro maior das reformas antipopulares em favor do capital, seguiria no comando da economia.

Isso quer dizer que as facções da burguesia divergem sobre quem deve assumir o governo, mas não sobre o que fazer com ele. Esse campo enfraquece a bandeira das eleições diretas uma vez que a candidatura Lula não se posiciona inequivocamente sobre essa questão, ainda que tudo indique que a pretensão de remendar o pacto entre as classes aponte na direção de manter Meirelles (que já foi seu ministro) ou quem mantenha o que ele faz hoje. Esta, infelizmente, pode ser a outra saída, mas insegura que a primeira, mas pode ser aquela que resolveria, aparentemente, o problema da legitimidade com um ônus menor.

Entretanto, o gênio da extrema direita colocada para fora da garrafa como meio de operar o golpe contra o governo passado é um problema nesse cenário. O pais está dividido e só se agravará a fissura no cenário de um retorno de Lula, com ou sem a intenção de repactuar com as classes dominantes.

O paradoxo, para a esquerda, consiste no seguinte problema. Os trabalhadores só têm um único caminho: a resistência contra as reformas. E o campo para isso, como se demonstrou no dia 28 de abril, é a Greve Geral e a luta nas ruas. Entretanto, ainda que valorosa e necessária, a ação de resistência pode contribuir com duas estratégias que em última instância são contrárias aos interesses dos trabalhadores: de um lado, favorecer a insolvência do governo usurpador (o que é muito bom) e propiciar a saída por cima promovida pela ordem (o que é muito ruim); por outro, criar as condições para, antecipando ou não as eleições, viabilizar a alternativa de Lula, que aponta para a tentativa de remendar o pacto social que um dia promoveu (o que não é nada bom).

Nossa alternativa deve ser criar as condições para barrar as reformas, seja por qual meio venham a se impor. Nosso dever é afirmar que a presente crise não clama por mais democracia representativa, mas indica seu mais evidente limite, o que exige urgentemente uma nova forma política. Existe uma terceira alternativa que se inscreve na medida em que a crise política se converte em crise do Estado. Mas quem a apresentou, interessantemente, a colocava como um perigo terrível a ser evitado. Sim, é aquela apresentada por Montesquieu em 1748: cada um querer ser igual ao que escolheu e comandá-lo; deliberar em lugar do Senado, executar em lugar dos governos e despojar todos os juízes. Enfim, governar a si mesmo. Chamamos isso de Poder Popular. O Barão pira… existem outros que se inquietam.

***

Mauro Iasi é professor adjunto da Escola de Serviço Social da UFRJ, pesquisador do NEPEM (Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas), do NEP 13 de Maio e membro do Comitê Central do PCB. É autor do livro O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência (Boitempo, 2002) e colabora com os livros Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil e György Lukács e a emancipação humana (Boitempo, 2013), organizado por Marcos Del Roio. Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas.

26 comentários em Cai, não cai… mas, afinal, o que deve cair?

  1. Mariquiel dos Santos // 23/05/2017 às 22:45 // Responder

    Seria interessante ter a opção para podermos compartilhar os artigos no whas sap.

    Curtir

  2. a crise brasileira é autóctone ou faz parte da evidente dissolução da antiga Ordem em que, durante séculos, se apoiou a chamada Civilização Cristã Ocidental? Para mim é muito clara a segunda hipótese.

    Curtir

  3. Bolivar Meirelles // 24/05/2017 às 13:17 // Responder

    Excelente artigo Mauro Iasi, poderia se,chama:”Quase um beco sem saída”.

    Curtir

  4. Paulo Gomes Coutinho // 24/05/2017 às 16:34 // Responder

    Impressiona como estamos em 2017,quer dizer, em pleno século XVIII. A proposição final é utópica e precisa: a construção do poder popular. É isso ou permanecer na barbárie.

    Curtir

  5. claudio antonio do valle vigas // 25/05/2017 às 9:47 // Responder

    Excelente análise, camarada Iasi! Esqueçamos tudo e, partimos com que temos, a construir O Poder Popular (com uma Nova Organização Sindical) e… preparar a massa do Trabalhadores para a luta (necessária e inevitável), para além das urnas burguesas!

    Curtir

  6. vicente doria // 25/05/2017 às 13:23 // Responder

    faz-se necessario lideres do porte de Trostky e Lenin, alem de um partido revolucionario proletario. O momento urge o surgimento de soviets ou orgao populares de poder novo para substituir esse governo, vamos de inicio criar comites que se transformarao em novo poder proletario provisorio , do tipo sovietico, com deputados com mandatos a serem destiutidos a qualquer momento, eleitos pelo povo, com salario minimo e sem qualquer regalia, depois criar controlo autentico popular, sem ditador, ou grupos privilegiados de dirigentes, uma ampla participaçao politica popular, depois faremos a revolucao com vista a extincao do estado em todas suas formas, e efetiva administracao do povo atraves de uma assembleia por bairros, municipios, por estados, sem representantes e sim uma rotatividade constante, ate a completa efetivaçao do comunismo. Isto nao é uma utopia, basta a organizaçao deste agora, aproveitando a crise politica burbuesa e avancar nesta organizaçao da classe proletaria e sua vangarda. Nao podemos acreditar na saida burguesa desta crise, com novas eleiçoes, tendo o possivel retornor do sr. lula, de FHC ou de Dilma, fora TEMER , fechamento do congresso imediatamente, vamos as ruas massisamente, vamos nos organizar.

    Curtir

  7. Rafael Carvalho // 26/05/2017 às 5:36 // Responder

    E sobre a tal renovação de alianças e “novos pactos”, professor, não é que o Flávio Dino (talvez a voz maior do PCdoB hoje) já está empurrando um argumento de aproximação entre o Lulinha paz e amor e o…FHC! “Dino diz ainda que Lula é quem mais teria condições de promover uma repactuação do País”(CARA#2$%##$%OO!!!) .http://www.brasil247.com/pt/247/maranhao247/297800/Dino-sa%C3%ADda-%C3%A9-di%C3%A1logo-entre-Lula-e-FHC-com-pausa-nas-reformas.htm

    O PT é masoquista mesmo, só pode ser, pelo menos o Ciro Gomes vem falando em crise da dívida e reindustrialização (enfim..) há algum tempo. Dos males o menor.

    Talvez seja impossível uma real unidade de esquerda no Brasil .Uma unidade histórica, para além da teórica.

    Um abraço, mestre! Mais um artigo certeiro!

    Curtir

  8. “…por outro, criar as condições para, antecipando ou não as eleições, viabilizar a alternativa de Lula, que aponta para a tentativa de remendar o pacto social que um dia promoveu (o que não é nada bom).”
    Quem vai inviabilizar a alternativa do Lula?O PCB, PSTU e PSOL?, ou a justiça burguesa e seu juiz de primeira instância?Ou o pior o juiz vai inviabilizar e a esquerda “revolucionária” vai aplaudir dizendo que está pagando com cadeia a traição aos trabalhadores?
    1 anos depois vocês ainda não entenderam porque houve um GOLPE de Estado no Brasil, e com esta posição continuam a fortalece-lo.

    Curtir

    • Rafael Carvalho // 26/05/2017 às 20:40 // Responder

      Companheiro, e eu me pergunto se você “entendeu” a consumação de um GOLPE desde 2003? Ou desde 1985? Ou 1964? Ou 1930, 1889, 1822…
      “”A cobra, quando entra na água, deixa o veneno em terra. ”
      Uma dica: “O Barão Pira…”

      Curtir

      • Houve vários golpes, vc até esqueceu de um que foi em 1992 e não foi contra o Collor, foi contra o PT, mesmo.
        Me diga pq houve uma consumação de um golpe desde 2003,Seja claro pq nem sempre entendo o linguajar universitário deste site e comentaristas.

        Curtir

        • Rafael Carvalho // 27/05/2017 às 0:33 // Responder

          Ok, não vou persuadir um bom petista, mas vamos lá: O PT escolheu cumprir (visão de um esquerdopata clínico) uma trajetória no poder de alianças espúrias e malditas aonde tudo acabou por encontrar algum preço ao sacrifício da boa e velha governabilidade “republicana”. A estratégia de amansamento foi uma proto-democratização do consumo(e crédito) de massas e uma surfada sagaz no ciclo de commodities da primeira década do século. Nenhuma planificação segura, ampla e longínqua de uma sólida industrialização. Nenhum enfrentamento real do poder burguês corporativo nacional e internacional. Talvez ameaças e cismas. Nenhum programa de reformas legítimo ou com algum impacto futuro. Apenas medidas de proteção e protelamento (migalhas facilmente reversíveis, como sabemos hoje). Mascaramento e cinismo para com todo o problema real da dívida pública. Covardia e apequenamento diante do sistema financeiro (para não falar em lobby barato e tacanho). Claro, nos deram os BRICS, mas ainda parecem ingênuos com o alcance e os usos anti-imperialistas de tal instrumento. E depois de três mandatos e meio os resultados na educação, na saúde, na construção civil e na indústria não foram tão extraordinários para o que um suposto governo popular poderia proporcionar. Infelizmente tem muito mais…mas já estou em um parágrafo. Fiquemos assim.
          Saudações, companheiro! Olho aberto!

          Curtir

          • claudio vigas // 27/05/2017 às 0:48 // Responder

            Brilhante, camarada Rafael!… Penso que há um grande problema para a Classe Trabalhadora Brasileira… que é a de refazer. E, essa (re)construção, passa necessariamente por profundos “cortes na própria carne”! E isto, não está no sentido figurado…

            Curtir

          • 1- Você se refere a um programa de governo, que foi de conciliação de classes, sim, mas não foi um GOLPE,propriamente dito retirando um Presidente/a Eleita,como vc citou em outros casos e agora está querendo incluir, sem sucesso, os governos a partir de 2003.
            2- Foi um GOLPE contra os trabalhadores? O Governo nasceu e foi possível como um governo de conciliação de classes, lembra a carta do Lula antes da eleição? Pois é, foi um “amansamento” da burguesia,Teria sido possível governar sem o que vc chama de alianças espúrias(ou alianças puras dependendo do grau da sua moralidade burguesa)?Me dá um exemplo na América Latina ou de países atrasados que a través da via eleitoral um governo de esquerda conseguiu governar sem alguma aliança com a burguesia.
            3-O PT diferente do que a maioria das pessoas pensa nunca foi um partido revolucionário, foi e é um partido de massas,e de esquerda, mas já na primeira eleição em Mauá em 1982 fez alianças com a burguesia.Já naqueles anos que começava a perestroíka e a queda do bloco, Lula era admirador de Lesh Walesa. Onde estaria, o que eu intuo que vc chama de GOLPE ou engano aos trabalhadores?
            4 – Como vc já percebeu,a essa altura seu esforço de negar que quer persuadir e depois tentar persuadir é em vão.Sua premissa é errada, conheço bem o que é o PT e nunca nutri ilusões, fora da realidade.
            5-Voltemos ao “amansamento” ao qual vc se refere.Como disse antes, Lula teve que “amansar” a burguesia e depois fazer alianças para governar, o que mostra claramente que a correlação de forças para a esquerda ainda não era tão vantajosa. Não era vantajosa aqui nem em qualquer outro lugar do mundo, por um simples motivo, pela derrota do socialismo poucos anos antes, derrota do socialismo que hj em dia padecemos ainda mais quando querem tirar a aposentadoria e direitos mínimos que se conquistaram pela luta dos trabalhadores, mas também pelo medo do comunismo.
            6 – E o que trouxe a queda do socialismo? Será que o “amansamento” das classes populares é culpa do PT?, será que a influência da Globalização, do individualismo, enfim a vitória do capitalismo não foi o responsável no mundo inteiro desse “amansamento” ou vc vê revoluções socialistas explodindo no mundo inteiro depois de 1989?
            7 – Meu amigo Rafael, eu não irei fazer aqui uma lista dos avanços que houve nos governos do PT, para contrapor ao que vc disse, não precisa vc conhece, nem a nível nacional, nem internacional, isso eu deixo para discussões com os coxinhas, mas coxinhas de direita, esses que também me chamam de “esquerdopata” vc não merece, nem eu.
            8- Pelo contrário, e como já te considero, vou te ajudar como te ajudei a dar mais uma referência de golpe no post anterior,O PT não fez absolutamente nada respeito aos meios de comunicação, não vou falar de “democratização” mas nem sequer tentou criar um meio de comunicação forte dos trabalhadores e dos movimentos sociais para romper o cerco midiático e oligopólico, Não educou politicamente as massas, como sim outros governos, inclusive imbuídos em processos de conciliação de classes, fizeram na América Latina, o PT apesar dos avanços que vc e eu conhecemos, acabou entregando migalhas aos trabalhadores.
            9 – Mesmo assim, já antes do Golpe que vcs não entenderam ou que alguns como o PSTU até agora negam, sabíamos que poderia ser pior, e de fato está sendo muito pior o que está ai,a terra arrasada,o inferno na terra,Alertamos, alguns entenderam, outros parece que não, outros entenderam que tanto faz, ou até que é melhor assim, afinal o “muro de contenção” que era o PT já não está ai e talvez até acreditem que há uma revolução inminente.
            10 – Se for assim em breve eu irei reconhecer pra vc que em 2003 houve um golpe igual, ou até pior que o de 2016, por enquanto e por tudo isso continuo acreditando que nem vc nem Iasi entenderam o que aconteceu, nem as opções futuras.
            Como dizia um famoso compositor espanhol chamado João Manuel Serrat: Bienaventurados los que lo tienen claro porque de ellos es el reino de los CIEGOS.
            Abraços.

            Curtir

            • Rafael Carvalho // 30/05/2017 às 4:55 // Responder

              Foi um golpe contra a honra , a história e o sentido de se dizerem representantes da classe operária. Uma síntese tocante de toda esta trajetória cativa pode ser vista aqui:
              http://nildouriques.blogspot.com.br/2017/04/manifesto-pela-revolucao-brasileira.html
              Veja se sobrevive.
              O “amansamento” foi em cima dos sindicatos, movimentos sociais e mesmo da consciência de classe como um todo. Uma alienação letárgica e pensada. E mesmo 2013 ainda não nos despertou para todas as camadas disso. O PT não “amansou” burguesia alguma, rapaz, pelo contrário: foi comprado por ela. Rede Globo, JBS, ODEBRECHT, banqueiros e o resto do bonde. Ou melhor, do jet. A lista é longa. Casa das Garças em peso (IEPE/CdG).

              Apenas observe a política de juros e o gerenciamento suicida da dívida pública. Privatizações de recursos essenciais e estratégicos ainda continuavam na cara grande (o recurso principal foi o próprio brasileiro!). E também não reverteram nenhum dos crimes do FHC. Alguns chamariam isso pelo que é: traição.

              “O PT diferente do que a maioria das pessoas pensa nunca foi um partido revolucionário(…)”

              É duro sabe disso, companheiro, talvez você queira algumas horinhas a mais pela biblioteca para cavar isso aqui: “Uma esquerda para o capital – o transformismo dos grupos dirigentes do PT (1979-1998)”, livro de Eurelino Coelho. Cai dentro!

              Por favor, me envie uma “lista dos avanços que houve com governo do PT”, prometo ter o cuidado de lê-los em detalhe. Se eu lhe demonstrar que tudo não passou de um banquete à devassidão e ao ritmo do capital e que o próprio contexto tornava evidente que um prato de sopa facilmente teria se transformado em file mignon se alguma vontade (ou coragem) política legítima estivesse em jogo (pois apoio popular não faltou), talvez você pudesse reconsiderar algumas de suas memórias. Tenho certeza que não seriam carregadas como o amargor de um trauma. Apenas a febre de uma desilusão. Um fim de namoro que em alguns meses se esquece. Uma marca.

              “O PT não fez absolutamente nada respeito aos meios de comunicação”

              Camarada, infelizmente…tem mais nesse mato aí. Quem dera se ficássemos só nisso…Dilma e Lula colocaram muito dinheiro (nosso dinheiro)na grande mídia, a Globo deitava e rolava com os recursos. Santa SECOM! Viva a “mídia técnica”! Olha a Dilma lá na Ana Maria…

              “(…)PT apesar dos avanços que vc e eu conhecemos, acabou entregando migalhas aos trabalhadores.”
              Obrigado.

              “Mesmo assim, já antes do Golpe que vcs não entenderam ou que alguns como o PSTU até agora negam, sabíamos que poderia ser pior(…)”

              Sempre pode ser pior. Sempre pode ser melhor também. Ou menos pior. Ou melhorzinho.Mas vamos concordar, camarada: foi frustrante…
              Tua língua tá coçando, vai… admita só em pensamentos, hehe, enquanto lê mais uma noticiazinha do vice da Dilma sacolejando dia após dia no planalto…defecando alguns novos truques pro Michelzinho…Admite aí, vai!

              O que você escolheu não falar ou comentar me dá a justa apreensão de que seu depoimento é sincero e honesto. E o que fica de fora em seu texto (consciente ou não) é a real cegueira. O abismo.

              Cego pensa e cego escuta. Já basta…

              Curtir

  9. claudio vigas // 27/05/2017 às 18:40 // Responder

    Camaradas Rafael e Pablo… Afinal, vcs estão divergindo de que (ou em quê)?… Além de percebe-se que apesar de “estarem do mesmo lado”(?), não estão necessariamente, na mesma trincheira! Mas, isso é bom… corrobora com a minha tese, a qual, a Classe Trabalhadora Brasileira, longe duma unidade, terá que depurar-se!…

    Curtir

  10. Eu quero que o Michel Temer é matado e o Juiz Sérgio Moro fica no lugar até entrar um presidente eleito pelo povo em 2018 para 2019 tomar posse dado poder pelo Sérgio Moro. Sérgio Moro pode muito bem estar no lugar do Michel Temer sendo presidente juiz até tomar posse um presidente eleito pelo povo para 2019. Quem sabe a Marina Silva é presidente do Brasil em 2019.

    Curtir

  11. Ninguém fala no lindo papel das forças armadas, né? Por quê? cri cri cri…

    Curtir

3 Trackbacks / Pingbacks

  1. Cai, não cai… mas, afinal, o que deve cair? – Blog da Boitempo | BRASIL S.A
  2. Cai, não cai… mas, afinal, o que deve cair? | Mauro Iasi | jizDoc
  3. Associação Catarinense de Radiodifusão Comunitárias | Cai, não cai… mas, afinal, o que deve cair?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: