Os grandes ciclos da sociedade brasileira

flavio-aguiar-ciclos

Por Flávio Aguiar.

No Norte ela se chama sanfona; no Sul, gaita. Nas lojas, acordeom. O fole vai e vem. É uma metáfora excelente para a sociedade brasileira.

Estamos às voltas com mais uma crise de grande monta. Um governo que não existe, um Congresso 50% (pelo menos) corrupto, avatares do Poder Judiciário ávidos pelo poder discricionário, com apoio de partes da Polícia Federal, a mídia conservadora no lugar de sempre: mentindo sobre o Brasil e o mundo, provinciana, anacrônica, golpista. As esquerdas na defensiva. A extrema-esquerda muitas vezes culpando a centro-esquerda por tudo, mais ciosa de ganhar espaço do que de enfrentar a crise. Protestos importantes mas impotentes nas ruas. Na mídia internacional, em grande parte, com honrosas exceções, uma cobertura pífia que não sai das areais de Copacabana.

Novidade? Decididamente não. Estamos entrando em mais um “período de transição”, em que contradições se aguçam, uma semianarquia institucional se instala, até que alguma nova hegemonia cresça e apareça. Querem ver?

A sociedade brasileira funcionou desde sempre atravessando ciclos de “exclusão” e de “inclusão”. Os períodos de transição de um ciclo para o outro foram sempre marcados por crises algo anárquicas do ponto de vista institucional, e por tentativas infrutíferas a longo prazo dos conservadores de “por a pasta de dente de volta dentro do tubo”. Atenção: “inclusão” não significa necessariamente “democracia”. E os ciclos são tendências, não são homogêneos nem lineares: por exemplo, pode haver uma tendência de inclusão econômica ou legal acompanhada por exclusão política…

Depois da confusão da Independência, a que se seguiu um longo período de disputas regionais entre diferentes facções dominantes, seguiu-se um período altamente excludente, caracterizado pela hegemonia do amplo setor escravista, formado por uma associação de latifundiários e investidores financeiros com ramificações no exterior. Isto durou mais ou menos de 1840 – data do chamado “Golpe da Maioridade” – até o início da década de 1860. Neste momento, marcado por crises de inflação e carestia no abastecimento, começou um novo ciclo, sobretudo a partir de 1865, inclusivo. Neste, a pergunta dominante foi a do que fazer com a escravaria, uma vez que, por mais longevo que fosse o regime escravocrata, ficou claro que ele estava condenado. Uma ponta de lança desta “inclusão” esteve no Exército, pois dezenas de milhares de libertos foram incorporados a ele devido à trágica Guerra do Paraguai, fato que levou boa parte da oficialidade a aderir ao programa abolicionista e republicano. O apogeu deste ciclo foi a Abolição decretada em 1888, através da pena de uma princesa carola e conservadora que, graças a isto, privou os escravocratas remanescentes da indenização pela perda dos escravos e o Império do seu apoio.

Seguiu-se um período anárquico, de disputas entre militares e civis, guerras regionais, que se estendeu até a posse de Prudente de Morais, em 1894, quando se inaugurou novo período excludente, a chamada República Velha, que durou até 1930 e manietou a sociedade brasileira a programas econômicos e políticos extremamente retrógrados, que fariam o orgulho dos Meirelles, FHCs, Fragas, etc.

A Revolução de 1930 inaugurou o período inclusivo, depois da hesitação que se seguiu até 1934, mais longo da nossa História, que se estendeu até 1964, onde o proletariado nascente foi incorporado política, legal e caudilhescamente à vida nacional. Em 64 este período, cujo ápice foi o projeto das “Reformas de Base”, foi interrompido, seguindo-se um período de confrontos internos e externos ao golpe de estado que durou até 1968, quando a hegemonia do “Sistema” se impôs.

O regime de 1964 não caiu: se esvaiu pelo ralo em 1985, seguindo-se o caótico período Sarney-Collor. Deposto este, graças a Constituição de 88, seguiu-se o longo período inclusivo – de grandes massas à sociedade de consumo – que ora está se tentando dar por encerrado. Estamos vivendo o período anárquico das disputas internas entre os golpistas – Temer e seus asseclas de um lado, um Congresso onde predominam as ratazanas, promotores, juízes e policiais federais do outro, a mídia conservadora, capitaneada pela Globo (Folha, Estadão, Veja, IstoÉ e quejandos são candidatos apenas ao Oscar de coadjuvantes) pondo lenha na fogueira, fascistas desatados pelas ruas imitando os juízes e promotores no incenso da impunidade, uma classe média desarvorada pela perda de status nos aeroportos, shopping centers e universidades (nesta ordem de importância), um setor rentista que não quer perder um vintém de suas rendas, um PSDB consumido por lutas internas mas ávido por uma eleição indireta e um Parlamentarismo de ocasião, e na arquibancada o estamento militar que está na escuta mas também não sabe muito bem o que fazer. As esquerdas não estão prostradas mas, como sempre, estão divididas, e um setor delas está unida com a direita no esforço por declarar que tudo o que aconteceu nos governos petistas não passou de uma ilusão.

Vamos ver que bicho dá. Mas tenhamos uma certeza: a longo prazo, a pasta de dente não vai voltar para dentro do tubo.

***

Flávio Aguiar nasceu em Porto Alegre (RS), em 1947, e reside atualmente na Alemanha, onde atua como correspondente para publicações brasileiras. Pesquisador e professor de Literatura Brasileira da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, tem mais de trinta livros de crítica literária, ficção e poesia publicados. Ganhou por três vezes o prêmio Jabuti da Câmara Brasileira do Livro, sendo um deles com o romance Anita (1999), publicado pela Boitempo Editorial. Também pela Boitempo, publicou a coletânea de textos que tematizam a escola e o aprendizado, A escola e a letra (2009), finalista do Prêmio Jabuti, Crônicas do mundo ao revés (2011) e o recente lançamento A Bíblia segundo Beliel (2012). Colabora com o Blog da Boitempo quinzenalmente, às quintas-feiras.

6 comentários em Os grandes ciclos da sociedade brasileira

  1. Antonio Elias Sobrinho // 05/12/2016 às 17:13 // Responder

    Essa visão dos ciclos, na sociedade brasileira, é uma forma de interpretação que vem de longe, dos nossos clássicos como Caiu Prado e Celso Furtado. Esses ciclos, que se baseavam em centros dinâmicos da economia brasileira, que forçavam com que as outras atividades girassem em torno deles e que, ao mesmo tempo, faziam com que todos os principais fatores deles dependessem. Importante também, é mencionar o fato de que esses ciclos dependiam muito das variações dos mercados externos, dos centros desenvolvidos do sistema. Era uma visão controvertida, que gerou muitos debates, sobretudo nas décadas de 1950 e 1960. Já esses ciclos apontados pelo articulista além de serem apenas constatações superficiais não possui nenhuma explicação de fundo que justifique as mudanças. De qualquer maneira é um roteiro inicial capaz de provocar uma boa discussão.

    Curtir

  2. Flávio Aguiar // 05/12/2016 às 18:14 // Responder

    Caro Antonio, obrigado pelo comentário. Esta minha visão dos ciclos é baseada em ritmos da política, não da economia, embora, é claro, esta seja importante. Num futuro post, esclareço os links entre política, economia, cultura… Mas aquela tem o primado. E minha visão não é superficial não. Pode-se discordar dela, é claro. Mas não acusa-la de não ser atenta à complexidade da nossa sociedade. Ela difere um pouco das visões do Celso Furtado e do Caio Prado (data vênia, com permissão destes gigantes da nossa cultura) porque põe em primeiro plano a política, sobre a economia. Valho-me da consideração de Umberto Eco, no romance O nome da rosa, quando o seu detetive William of Baskerville diz ao seu assistente: “estamos assentados sobre os ombros de gigantes, como Aristoteles, Platão, Agostinho. Mas por isto mesmo conseguimos ver mais longe do que eles”. Ou algo parecido. Com todo o respeito, Flavio.

    Curtir

  3. Mari Santos // 07/12/2016 às 3:30 // Responder

    Que bicho dá,Flavio Aguiar? Ora, dá rato prá todo lado que se olhe. Saem pelos ralos, pelas janelas, entram e saem pelas portas dos palácios, das prefeituras, dos apartamentos e mansoes de luxo.Precisamos da ajuda do Flautista Mágico para levá-los e,.. quem sabe, afogá-los no rio Tietê. Ou, talvez mandá-los para a China onde o tratamento para eles seria muito bom. Muito triste o abismo em que nosso país está mergulhado.

    Curtir

  4. Mari Santos // 08/12/2016 às 4:38 // Responder

    Em tempo: Há tambem os que tramam nos porões do Judiciário e comemoram. Não sei o que há para comemorar. Talvez a derrocada do país? ou o desemprego, os pacotes que penalizarão a populacão? nossa juventude sem perspectivas?A miséria dos futuros idosos? que poderão escolher entre morrer logo que se aposentarem ou viver na miséria mais alguns anos? E para os políticos , o que ou quem ou quais Leis os penalizarão? Eles estarão acima das Leis do país?

    Curtir

  5. Mari Santos // 08/12/2016 às 5:09 // Responder

    Algum destes ciclos acima mencionados terá sido mais indigno , mais vergonhoso, mais imoral, mais atrevido, mais indecente, no sentido de burlar, desafiar e escrachar a ética e principalmente as Leis brasileiras ? Pergunto novamente:há motivos para comemorar ?Ou para receber premiacões e festejar com os que deliberadamente,jogaram o país no mais vergonhoso caos da sua história?Creio que só podemos festejar o trabalho concluído , pois há ainda muito a ser feito.Ou vamos parar por aqui e deixar o servico incompleto? Como criancas emburradas cansadas da brincadeira, dizer: não brinco mais! Será que a musiquinha ficará imcompleta?

    Curtir

  6. Flávio Aguiar // 08/12/2016 às 15:51 // Responder

    Obrigado, mais uma vez, por todos os comentários. Num filme grandioso (uma trilogia japonesa), Guerra e Humanidade, o protagonista, ao final, na Segunda Guerra, está morrendo de fome, caído na neve, tentando voltar para casa, sozinho naquele deserto. Retira um bolinho de arroz do bolso, que pretendia levar para a mulher, olha-o e… não o come. Decide continuar rastejando, nem que seja, guardando seu precioso presente para o futuro.
    É desta força inquebrantável que precisamos. Dia a dia.

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. Os grandes ciclos da sociedade brasileira – Blog da Boitempo | BRASIL S.A

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: