Chomsky: O Brasil está sofrendo um golpe brando

Dilma Rousseff está sendo destituída por uma "gangue de ladrões" através de um "golpe brando"

chomsky democracy nowPor Noam Chomsky.

Durante longa entrevista ao Democracy Now! de ontem, 17 de maio de 2016, o analista político e linguista Noam Chomsky descreveu os acontecimentos recentes no Brasil como um soft coup [golpe brando], os situou no contexto geopolítico da relação dos EUA com a América Latina e afirmou, sem rodeios, que Dilma, “a única figura política de alto escalão que não roubou em benefício próprio está sendo destituída por uma gangue de ladrões”. Convidado pela jornalista Amy Goodman a comentar a atual conjuntura brasileira, marcada por “protestos contra o afastamento da presidente Dilma Rousseff se alastrando”, e diante da recente “declaração do presidente de El Salvador, Cerén, que afirmou não reconhecer a legitimidade do governo interino e aproximar o processo “aparência de golpe de estado”, Chomsky respondeu o seguinte:

* * *

Ao longo dos últimos 10 ou 15 anos, a América Latina tem, em larga medida, se libertado da dominação estrangeira (principalmente dos EUA). Foi um desenvolvimento dramático em termos de cenário global e política internacional – a primeira vez que isso ocorre em 500 anos. É de fato uma grande mudança. Então mais do que terem dado uma trégua à América Latina, o fato é que os EUA têm sido realmente afastados do hemisfério sul, tendo seu poder de intervenção um pouco mais limitado nesse sentido. Até então, estavam muito acostumados a poderem derrubar governos, conduzir golpes de estado à revelia e por aí vai. E por certo eles ainda tentam. Já houve três – talvez quatro, dependendo do critério – golpes ou tentativas de golpe neste século. O de 2002, na Venezuela, foi bem sucedido por alguns dias com apoio dos EUA, mas em seguida foi batido por uma reação popular. Um segundo, no Haiti, em 2004, realmente logrou: os EUA e a França (o Canadá também ajudou) raptaram o presidente, o conduziram à República Centro-Africana, e até hoje impedem que seu partido concorra a eleições. Esse foi um golpe muito bem sucedido.

Em 2009, já durante o governo Obama, Honduras sofreu um golpe militar que derrubou um presidente reformista. Os EUA ficaram praticamente sozinhos tentando legitimar o golpe, alegando que as eleições sob o regime golpista eram legítimas etc. E então Honduras, que sempre foi uma sociedade muito pobre e reprimida, virou um horror total – um regime militar, financiada pelos EUA, com provavelmente a pior ficha em termos de direitos humanos do hemisfério sul. Houve um enorme influxo de refugiados aos EUA, e nós ainda os despejamos de volta para a fronteira, de volta à violência que ajudamos a criar… No Paraguai também houve uma espécie de semi-golpe, também para se livrar de um bispo progressista que estava tocando o país brevemente.

Agora, o que está acontecendo no Brasil neste momento é extremamente lamentável em muitos sentidos. Primeiro porque revelou-se um nível enorme de corrupção. Infelizmente, o Partido dos Trabalhadores, de Lula, que teve uma verdadeira oportunidade de conquistar algo extremamente importante, e que de fato fez algumas mudanças positivas consideráveis, não obstante se misturou ao resto – à elite tradicional – no roubo indiscriminado. E isso deve sim ser punido. Mas por outro lado, o que está acontecendo agora – a declaração de El Salvador que você citou, acho bastante precisa – é sim uma espécie de soft coup [golpe brando]. A elite, que sempre odiou o PT, está aproveitando a oportunidade para se livrar do partido que venceu as eleições. Eles não estão querendo esperar as eleições – que, diga-se de passagem, provavelmente perderiam – mas querem se livrar dele explorando a recessão econômica, que é séria, e a enorme corrupção que agora foi revelada.

Como o próprio New York Times assinalou em seu editorial de 12 de maio de 2016, Dilma Rousseff talvez seja a única figura política de alto escalão que não tenha roubado em benefício próprio. Ela está sendo acusada de manobras orçamentárias, que são bastante comuns em muitos países, emitindo decretos abrindo a possibilidade de realocação interna de recursos. Talvez até seja algum tipo de infração, mas certamente não justifica um impeachment. De fato, temos a única figura política de alto escalão que não roubou em benefício próprio, sendo destituída por uma gangue de ladrões que, estes sim, fizeram isso. Trata-se sim de um golpe brando [soft coup].

*  Confira a entrevista integral com Noam Chomsky em inglês aqui. A tradução e adaptação é de Artur Renzo, para o Blog da Boitempo.

***

Para aprofundar a reflexão, uma dica de leitura da Boitempo:

A política externa norte-americana e seus teóricos, de Perry Anderon

O livro reconstitui os principais acontecimentos e inflexões da política externa dos EUA desde o fim da Segunda Guerra até os dias atuais, fazendo uma análise crítica desse período e de como foram tecidas as bases ideológicas, políticas, militares e institucionais em que se sustenta, atualmente, o poder imperial do país. Uma obra sucinta, que se inscreve dentro da literatura crítica do imperialismo, mas não repete os seus argumentos clássicos. Para o historiador, a oposição radical ao império norte-americano não “exige garantias do seu recuo ou do seu colapso iminente”. Mais do que isso, Anderson considera que, apesar das grandes mudanças geopolíticas em curso nesta segunda década do século XXI, os EUA mantêm sua hegemonia mundial.

***

Noam Chomsky é analista político e professor de Linguística no Massachussetts Institute of Technology (MIT). Além do trabalho na área de Linguística, Chomsky é reconhecido internacionalmente como um dos maiores intelectuais vivos da esquerda, tendo publicado centenas de artigos e livros que abordam temas como mídia, movimentos sociais, política e economia global. Foi traduzido para centenas de idiomas e publicado, no Brasil, por diversas editoras, como a Bertrand Brasil, Hedra, WMF Martins Fontes, Editora UNESP, dentre outras.

7 comentários em Chomsky: O Brasil está sofrendo um golpe brando

  1. Dilma foi por quatro anos Ministra das Minas e Energia(indica o Presidente da Petrobrás) e quatro Chefe da Casa Civil do Governo Lula, Presidente do Conselho da Petrobrás por oito anos e Presidente da Nação por seis anos e meio, a partir dos dados Sr. Noam Chomsky pergunto-lhe: Então quem é o responsável por toda corrupção ocorrida na maior estatal Brasileira, favorecendo empreiteiros e políticos?

    Curtir

  2. Dilma foi por quatro anos Ministra das Minas e Energia(indica o Presidente da Petrobrás) e quatro Chefe da Casa Civil do Governo Lula, Presidente do Conselho da Petrobrás por oito anos e Presidente da Nação por seis anos e meio. A partir dos dados Sr. Noam Chomsky pergunto-lhe: Então quem é o responsável por toda corrupção ocorrida na maior estatal Brasileira, favorecendo empreiteiros e políticos?

    Curtir

    • Alfredo Garcia // 18/05/2016 às 19:40 // Resposta

      Sempre os empreiteiros (casualmente empresários capitalistas), isso diz do princípio do modo de produção, ser competitivo significa ter mérito para consecução dos objetivos, usar de todos os meios possíveis para alijar o concorrente do processo, maximizar os lucros, e, sobretudo, minimar ou excluir os riscos. Que não se fale em ética, a ética no capitalismo é uma cortina encobridora das práticas, sempre. A única ética que o capitalista eventualmente cumpre são os contratos, isso para não perder o cliente, somente isso e por isso.

      Curtir

  3. Antonio Elias Sobrinho // 18/05/2016 às 16:48 // Resposta

    O PT, cansado de perder com alianças pela esquerda, e formas de fazer política diferenciando-se, resolveu disputar para ganhar. Isso significava ter dinheiro e alianças sólidas, com grandes partidos, que possuíssem enraizamentos em toda a extensão territorial. Assim, resolveu mergulhar na política convencional, utilizando os mesmos métodos da tradição. Aí, nesse caminho, não tinha como não se enlaçar com o PMDB e com as grandes empresas. Como essa gente não costuma fazer gentilezas e sim barganhas, das boas, que asseguram bom retorno, foi então que o PT pôs o pé na lama. Enquanto os ventos sopraram favoráveis, pela conjuntura internacional, que permitia o financiamento de projetos sociais populares e a compra de partidos corruptos, o esquema funcionou. Quando a fonte secou, com a crise, os compromissos que foram feitos por debaixo do pano deixaram de ser cumpridos e aí apareceram as rebeldias e debandadas. Se a Dilma, pessoalmente é inocente, é irrelevante, num país em que as regras constitucionais são bastante elásticas para permitir qualquer manobra. Agora, a crise prossegue, na medida que Temer não tem condições para solucionar, a não ser para alguns, e a Dilma, se voltar, possivelmente ficará arrastando o esqueleto até 2018.

    Curtir

  4. Abolicionista // 18/05/2016 às 18:38 // Resposta

    Excelente artigo. Chomsky é um dos pensadores que mais conhece o contexto político latino-americano e as interferências de Washington na soberania dos povos americanos.

    Curtir

  5. Anesia Gonçalves // 19/05/2016 às 15:48 // Resposta

    Muto bom este artigo. É esclarecedor…. Pena que o PT não tenha conseguido tomar outro caminho!!! Mas vamos sair desta carruagem vergonhosa…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: