Michael Löwy: Não há contradição em defender a democracia e combater as políticas neoliberais do governo

Entrevista inédita com Michael Löwy

michael löwy blog da boitempo

Entrevista especial com Michael Löwy.

No contexto do lançamento do livro Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade, de Fabio Mascaro Querido, que retraça a trajetória intelectual e política de Löwy e oferece um panorama do conjunto de sua obra, o sociólogo franco-brasileiro concedeu uma entrevista à Folha de S. Paulo em que discute a conjuntura política e econômica do Brasil, a onda conservadora global e os desafios e possibilidades abertas para a esquerda mundial. No entanto, somente alguns fragmentos da entrevista realizada por Natália Portinari foram aproveitados na matéria publicada. Por isso, o Blog da Boitempo publica a seguir, a versão integral da entrevista. Saiba mais sobre a promoção de lançamento do livro ao final deste post!

***

Qual o papel do marxismo e do pensamento socialista hoje? Estamos em um momento de polarização política, em que, talvez, jogos concretos de interesse (PT vs. pró-impeachment/ Donald Trump vs. democratas/ na Europa, xenofobia, Estado Islâmico…) não deixem espaço para projetos de resistência anticapitalista. Esse diagnóstico faz sentido? Como interferir, qual a porta de entrada da esquerda revolucionária num mundo assim? O que o pensamento utópico tem a acrescentar?

O pensamento marxista, o socialismo, a resistência anticapitalista constituem a única esperança para a humanidade de escapar das falsas alternativas que propõe o sistema imperante: ditadura militar ou terrorismo, racismo xenofóbico ou fundamentalismo islâmico, neo-liberalismo ou nacionalismo fascista, democracia corrupta ou regime autoritário direitista, e assim por diante. Como diz um velho proverbio inglês, é a escolha entre o diabo e o fundo do mar. Mas para que o marxismo e o socialismo possam ter um papel, é preciso que se enriqueçam com as contribuições dos movimentos sociais: ecologia, feminismo, indigenismo, etc. O marxismo não tem pretensão de ser um sistema fechado de dogmas e axiomas, mas é, por definição, um pensamento em movimento, em transformação permanente – como o era o próprio pensamento de Marx e Engels no curso de sua vida.

A porta de entrada para a esquerda revolucionaria são as questões essenciais para a população, para os trabalhadores, para a juventude, para as mulheres: a luta contra a injustiça social, a exploração, o racismo, a dominação planetária de uma minúscula oligarquia financeira, e a destruição acelerada da natureza pelo sistema. Será que esta porta vai se abrir? Não sabemos, só podemos apostar – no sentido da aposta de Pascal: um compromisso de uma vida inteira, com o risco de perder, mas também com a esperança de vitória. Uma aposta na auto-emancipação dos explorados e oprimidos, que não é garantida por nenhuma “lei da historia”. (Leia, a este respeito, o artigo “Lucien Goldman, marxista pascaliano”, de Michael Löwy, publicado na revista Margem Esquerda #24)

É verdade que o sistema capitalista esta cada vez mais atravessado de contradições, como revela a crise financeira que o desestabiliza desde 2008. Mas, como dizia Walter Benjamin, “nossa geração aprendeu uma lição: o capitalismo nunca vai morrer de morte natural”. Não podemos esperar que o sistema desapareça, vitima de suas contradições: só se acabara com ele se houver uma vontade popular, democrática, revolucionária, de transformação social radical. Sem duvida, os limites ecológicos do planeta são um limite objetivo para o capitalismo; mas podemos imaginar um pesadelo no qual o capitalismo continuara vigente entre os sobreviventes de uma catástrofe ecológica sem precedentes (como o aquecimento global). Uma alternativa radical, como o ecossocialismo, só poderá se realizar, se surgir, à partir das contradições do sistema, uma profunda aspiração popular anticapitalista, ao mesmo tempo social e ecológica.

No Brasil, a esquerda se divide agora entre apoiar ou não o PT. Os que não apoiam, geralmente têm motivações teóricas, querem se manter fiéis aos ideais socialistas. Como lidar com um cenário político como o nosso, resistindo ao conservadorismo, se a maior força organizada contra a direita é um governo que já não se coloca há tempos como anticapitalista?

Para os socialistas e os anticapitalistas é realmente difícil “apoiar” este governo, que tem se caracterizado por uma política econômica e social neoliberal, profundamente antipopular, e por concessões ilimitadas aos bancos, ao capital financeiro, aos latifundistas. Não é necessário apoiar o governo de Dilma Rousseff para se opor às manobras golpistas da direita, às tentativas de “golpe legal” via impeachment contra uma Presidenta democraticamente eleita pelo sufrágio universal, ou aos clamores reacionários dos partidários de um retorno dos militares ao poder. A corrupção nas altas esferas existe, é evidente, mas contamina todos os partidos, a começar por aqueles que agora pretendem capitanear uma demagógica campanha de “limpeza”: o PSDB, o PMDB, etc. Não há contradição, para os socialistas, em defender a democracia contra as ofensivas reacionárias, fundamentalmente antidemocráticas, e combater as políticas neoliberais do governo. Quanto à corrupção, só desparecerá com a supressão do capitalismo… De imediato, uma reforma política radical, que acabe com as subvenções empresariais aos candidatos, poderia limitar algumas de suas manifestações mais nefastas.

O que causou esse levante conservador, essa perda de legitimidade da esquerda? Temos movimentos parecidos nos EUA, na Europa. O que isso significa?

Existe, com efeito, uma onda conservadora planetária, mas que toma formas diferentes segundo as regiões e os continentes. Em algumas regiões como a Índia e o Oriente Médio se observa um espetacular reforço do mais reacionário fundamentalismo religioso. Na Europa e Estados Unidos se trata de uma onda nacionalista, xenofóbica, racista, de ódio aos imigrantes – latinos nos Estados Unidos, muçulmanos na Europa. Na América Latina o conservadorismo é geralmente de caráter oligárquico neoliberal, mas podendo tomar formas autoritárias e golpistas, como há anos atrás nas fracassadas tentativas de golpe na Venezuela e Bolívia, e mais recentemente nos golpes pseudo-“legais” em Honduras e no Paraguai. Assim como, atualmente, no Brasil, com a tentativa de derrubar, por um golpe “parlamentar” ou militar, a Presidenta democraticamente eleita.

Em muitos países, a esquerda – de tipo socialdemocrata, ou social-liberal – perdeu legitimidade por sua adaptação ao sistema, sua aplicação das velhas receitas neoliberais, e sua subserviência aos interesses do capital financeiro. A França é um exemplo evidente disto e, em parte, é também o caso do Brasil, embora haja diferenças importantes.

Ainda existe espaço para projetos ideais de sociedade, para a utopia? Qual a importância disso?

Como dizia Max Weber, que não tinha nada de marxista, o capitalismo é uma jaula de aço, que acaba com a liberdade humana. Por isto sempre aparecem, mais cedo ou mais tarde, movimentos libertários de resistência anti-sistêmica. Sem negar a avassaladora onda conservadora, não podemos ignorar que em muitos países forças de esquerda, com propostas socialistas, ou anti-neoliberais, têm tido um significativo apoio popular, em particular entre a juventude. É o caso de Bernie Sanders, nos Estados Unidos, que tem suscitado, em torno de suas propostas socialistas, uma mobilização entusiasta sem precedente, na juventude e entre muitos trabalhadores; embora haja pouca probabilidade que consiga se impor como candidato contra o aparelho do Partido Democrata (alinhado com a candidata do sistema, Hillary Clinton) pode se dizer que é o socialista mais popular na historia dos Estados Unidos depois de Eugene Debs, que havia conseguido um certo apoio no inicio do século 20. O significativo voto pelo Bloco de Esquerda (antcapitalista) em Portugal – levando à queda do governo de direita – e pelo Podemos (anti-neoliberal) na Espanha são outros exemplos. No caso da Grécia, a vitória de Syriza (Coalização da Esquerda Radical), embora tenha terminado com uma capitulação diante do “golpe bancário” da Comissão Europeia, é também um indicativo da revolta contra o neoliberalismo.

Os projetos ideais de sociedade, as utopias socialistas e revolucionárias – como a proposta ecossocialista – são importantes, são essenciais mesmo, como bussola política, horizonte histórico, ou “principio esperança”, como diria o filosofo “marxista utópico” Ernst Bloch. Mas só terão futuro se conseguirem se enraizar nas lutas concretas, aqui e agora, contra o sistema, nas resistências populares anti-neoliberais ou anticapitalistas. Por exemplo, nas mobilizações socio-ecológicas indígenas contra as multinacionais mineiras, nas lutas dos trabalhadores contra a ditadura patronal, nas lutas de jovens pelo transporte publico gratuito, no combate dos sem-terra e sem teto, na luta das mulheres pelo direito de dispor de seu corpo, nas mobilizações anti-racistas, e muitas outras. Apesar da atual crise da esquerda na América Latina, ainda acredito que este continente é o lugar onde mais possibilidades existem para esta confluência entre a perspectiva socialista/revolucionaria e as lutas sociais concretas. Afinal, o ecossocialismo pode se apoiar nas tradições comunitárias populares, em particular nas tradições indígenas de vida comunitária e de respeito pela Mãe Terra.

Estamos mais perto de propagar a ideia do ecossocialismo do que vinte anos atrás, ou o regresso conservador afeta também a força do ambientalismo?

O ecossocialismo tem uma influencia e um impacto social e político muito maior hoje, do que há vinte anos atrás. Existem hoje forças que se reclamam do ecossocialismo na Europa – em particular na França – nos Estados Unidos, na China, e na América Latina, em particular no Brasil. Estas forças – partidos, redes, associações, revistas, movimentos sociais – não existiam há vinte anos atrás, ou não se referiam ao ecossocialismo.

Sem dúvida a onda conservadora é um obstáculo, mas o problema principal é outro: nestes vinte anos, a crise ecológica, e em particular o processo de mudança climática, tem se acelerado muito mais rapidamente do que os avanços do ecosocialismo… É uma corrida contra o tempo… Como dizia Walter Benjamin, a revolução não é a locomotiva da história, ela é a humanidade que puxa os freios de urgência para parar o trem! Somos todos passageiros de um trem suicida que se chama civilização capitalista/industrial moderna; este trem avança a uma rapidez crescente em direção à um terrível abismo: a catástrofe ecológica, o aquecimento global, a subida do nível do mar submergindo as principais cidades da vida humana. O desafio é puxar os freios da revolução ecossocialista e parar este trem antes que seja tarde demais…


PROMOÇÃO DE LANÇAMENTOmichael lowy banner

O mais novo lançamento da Boitempo introduz a trajetória crítica e os debates suscitados pela experiência intelectual de um dos mais influentes pensadores da esquerda hoje: Michael Löwy. À luz das transformações políticas, culturais e ideológicas das últimas décadas, Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidde analisa a forma através da qual o sociólogo franco-brasileiro transformou o tema da crítica da modernidade no eixo de suas proposições em defesa da atualização do marxismo. Escrito pelo sociólogo e pesquisador Fabio Mascaro Querido, o livro constitui também material precioso para quem quiser mapear mais sistematicamente o conjunto da obra de Löwy, suas inspirações e interlocuções, dos anos de formação reavaliando a experiência filosófica e política de György Lukács e Rosa Luxemburgo, passando pela incorporação da crítica benjaminiana e romântica da ideologia moderna do progresso, aos atuais engajamentos na luta ecossocialista.

PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO

Pra comemorar o lançamento, a Boitempo realiza em seu site uma promoção especial para os leitores interessados em aprofundar o estudo da obra de Michael Löwy. Na compra de um Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade, de Fabio Mascaro Querido, mais um livro clássico de Michael Löwy, o leitor ganha um desconto especial de 20% na compra do combo.

Ao todo, são três combos, que reúnem os livros Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade, de Michael Löwy e Robert Sayre, Walter Benjamin, aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”, de Michael Löwy (com texto integral de Walter Benjamin) e O capitalismo como religião, com ensaios inéditos de Walter Benjamin, selecionados e comentados por Michael Löwy.

A promoção é válida até dia 30 de abril de 2016, somente pelo site da Boitempo. Confira os combos promocionais abaixo.

COMBO #1

Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade
+
Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade

Economize 20% levando o combo com Revolta e melancolia, que recupera as fontes românticas do marxismo para reabilitar uma crítica da ideologia moderna de progresso.

COMBO #2

Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade
+
Walter Benjamin, aviso de incêndio: uma leitura das “teses sobre o conceito de história”

Economize 20% no combo com o Walter Benjamin: aviso de incêndio, livro com tradução integral do texto de Benjamin, comentado por Löwy.

 

COMBO #3

Michael Löwy: marxismo e crítica da modernidade
+
O capitalismo como religião

Economize 20% levando o combo com O capitalismo como religião, com ensaios inéditos de Benjamin, selecionados e comentados por Löwy.

***

Michael Löwy, sociólogo, é nascido no Brasil, formado em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo, e vive em Paris desde 1969. Diretor emérito de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique (CNRS). Homenageado, em 1994, com a medalha de prata do CNRS em Ciências Sociais, é autor de Revolta e melancolia: o romantismo na contracorrente da modernidade, Walter Benjamin: aviso de incêndio (2005), Lucien Goldmann ou a dialética da totalidade (2009), A teoria da revolução no jovem Marx (2012), A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano (2014) e organizador de Revoluções (2009) e Capitalismo como religião (2013), de Walter Benjamin, além de coordenar, junto com Leandro Konder, a coleção Marxismo e literatura da Boitempo. Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

2 comentários em Michael Löwy: Não há contradição em defender a democracia e combater as políticas neoliberais do governo

  1. Marcelo Rangel // 08/04/2016 às 17:30 // Resposta

    DG:

    Curtir

  2. Juan Gamarra // 09/04/2016 às 0:47 // Resposta

    Republicou isso em dias incertos.

    Curtir

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Michael Löwy: “Não há contradição em defender a democracia e combater as políticas neoliberais do governo” | Q RIDÃO...
  2. Michael Löwy: Não há contradição em defender a democracia e combater as políticas neoliberais do governo – Blog da Boitempo | CLIPPING DE NOTÍCIAS DA SENAPRO-PCO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: