18 comentários em Conjunturas, poemas e o velho ódio de classe

  1. O Frota agora é “a direita brasileira”?

    Curtir

  2. Alex Fonte // 20/10/2015 às 23:10 // Resposta

    Camarada Mauro Iasi, muito orgulho de compartilhar teus ideais e declaro total solidariedade.
    Avante e sempre na luta!!

    Saudações comunistas!

    Curtir

  3. Belo texto! Todo apoio ao companheiro! Nosso caminho é pela esquerda onde seguiremos sempre “de mãos dadas”.

    Curtir

  4. Sensacional! E por qneuanto, saudades da sua página no facebook!

    Curtir

  5. Antonio Elias Sobrinho // 21/10/2015 às 18:27 // Resposta

    Fazer política nesse país é muito arriscado, professor. Pior ainda fazer política como você entende, assumindo uma posição de forma tão aguerrida, na defesa dos interesses daqueles a quem o poder e a ideologia dominantes fragmentou de tal forma que tornaram-se impotentes para esboçar qualquer reação mais vigorosa diante dos rumos que o país vem seguindo.
    Essa tragédia tornou-se tão patética que o governo, logo após ser eleito com o voto dos mais pobres, no dia seguinte virou as costas ao seu eleitorado, assumiu o programa do vencido e quase ninguém esboçou reação significativa.
    A reação com relação a sua análise foi emblemática. Desprezaram sua argumentação e se apegaram a um símbolo, para destilarem o ódio, não a você, que não é tão importante assim, e sim a algo que você simboliza.

    Curtir

  6. Professor e educador Mauro Iasi, total apoio….fico feliz que tenhamos profissionais que pensa a educação como transformação.

    Curtir

  7. Minha solidariedade ao professor Mauro Iasi.
    Contra a baixaria da direita nada melhor que a ironia

    Curtir

  8. Beatriz Abramides // 22/10/2015 às 1:35 // Resposta

    Apoio e Solidariedade! Pela sua história, pela sua coerência e firmeza, pela sua perspectiva teórica e práxis militante. Não nos calarão! Texto excelente, como sempre, com lucidez e perspectiva histórica emancipatória. Somos todos Mauro Iasi. Beijão da Bia Abramides

    Curtir

  9. Saionara Cristina Bocalon // 22/10/2015 às 13:22 // Resposta

    Nestes “sombrios tempos” é um bálsamo ler seus escritos.
    Saudades de todo o aprendizado que o NEP proporcionou.

    Curtir

  10. Caro Professor Mauro Iasi,

    Li atentamente o artigo que o senhor escreveu a propósito da polêmica provocada nas redes sociais e em alguns órgãos de mídia – pouquíssimos, é bem verdade – pela citação de alguns controversos versos (como o tema de seu artigo e deste despretensioso comentário é um poema, ou melhor, a interpretação de um poema, porque não falar de forma poética?) de Brecht no encerramento de sua fala na cerimônia de abertura do congresso da CSP-Conlutas e devo dizer que estou em desacordo com as conclusões que o senhor expressou em seu texto.
    Em seu artigo, o senhor diz que a verdadeira motivação da declamação dos referidos versos foi expressar uma metáfora da luta de classes. Em sua visão, o eu-lírico do poema seria a classe dominada, que, em resposta à pretensa “bondade” da classe dominante, ofereceria à ela, como penhor de sua gratidão por tão nobre sentimento, “um bom paredão, uma boa bala e uma boa cova”. Em suas próprias palavras: “É uma metáfora de um encontro de classes numa situação dramática, na qual a classe dominante se encontra diante da possibilidade de ser julgada por aqueles que sempre explorou e dominou. As classes dominantes estão imersas numa falsa consciência (não vou pedir que a direita leia Lukács se ela mal entende Olavo de Carvalho*…), isto é, ela realmente acredita que é ‘boa’ e que faz o ‘bem’ para a humanidade quando impõe o livre mercado, a propriedade privada dos meios de produção, o Estado burguês e seus instrumentos de repressão e extermínio. Ela realmente crê que faz isso para o nosso próprio bem, e por isso se espanta quando reagimos”.
    Sendo assim, o que eu, humildemente – vista a enormidade de minha ignorância burguesa frente à suprema verdade marxista e meu total desconhecimento do que vem a ser a ironia do ponto de vista esquerdista (estou sendo irônico, é claro) – gostaria de esclarecer com o senhor, é a seguinte questão: descartado, como o senhor procurou frisar em seu texto – embora sem grande sucesso, ao meu ver – o apoio ao assassinato de conservadores de direita por militantes de esquerda a nível individual, deve-se então, inferir que, com a declamação dos polêmicos versos brechtianos, o senhor estava a defender o extermínio de classe? Ignoro se o senhor conhece algo a respeito de teoria literária, suponho que não, mas o que me causa espécie e me deixa um tanto quanto perplexo é o estupefaciante paradoxo que resulta de sua argumentação: se o eu-lírico do poema não é um indivíduo mas uma classe e o poema prega “um bom paredão, uma boa bala e uma boa cova” para outra classe, isto não é o mesmo que apregoar o assassinato dessa última? Sendo assim, o senhor continua a incorrer no mesmo pecado, vamos dizer assim, sem conotações de caráter religioso – embora o marxismo não deixe, por isso, de ser uma religião secular – de que seus opositores de direita o acusaram: incitamento ao ódio e a apologia ao uso da violência como instrumento de ação revolucionária.
    Resumindo: quer, então, o senhor, dizer que o assassinato individual de conservadores é inadequado mas que o genocídio de classe é legítimo? Corrija-me se estiver errado, mas é isto que penso haver resultado de suas explicações das reais motivações por trás de sua citação dos versos de Brecht.
    O senhor falou da “falsa consciência” da classe dominante. Suponho que o senhor conheça Hans Freyer. Como o tema de sua argumentação e deste meu comentário é justamente a violência revolucionária, efetuada em nome de uma quimérica luta de classes, creio ser útil citá-lo para aumentar um pouco mais o nível deste debate.
    Em sua Teoria da Época Atual (1965) ele diz o seguinte sobre a violência revolucionária: “A dialética da violência reside em que tudo acontece facilmente em relação a ela, e em que sempre tem a consciência pesada, mas gostaria imensamente de tê-la limpa. Nunca se permite dizer de si mesma que está justificada pelo fato de ser o caminho mais curto. Mas suas exigências em relação a justificativas são modestas, e, a partir do momento em que se sente justificada, desenvolve toda a sua dinâmica, como se a consciência limpa (ou a pesada, porém acalmada) fosse a única coisa que lhe faltasse. Quanto mais elevados, puros e desapaixonados forem os objetivos a cujo serviço ela sabe que está – e o que pode ser mais elevado e desapaixonado do que uma verdade de razão reconhecida a priori? – tanto mais penetrante se torna sua consciência limpa, isto é, tanto mais sem obstáculos funciona ela na utilização dos meios. A violência justificada pela utopia: tal é a definição do terror”.
    Se a direita distingue-se pela “falsa consciência”, a esquerda o faz pela ausência de qualquer consciência.
    É verdade que metáforas e ironias nunca mataram ninguém, a não ser de vergonha. Mas as balas usadas na execução de oficiais poloneses na floresta de Katyn por tropas sovièticas eram bem reais, não eram metafóricas, como não eram metafóricas as picaretas utilizadas pelos agentes do Khmer Vermelho na prisão de Tuol Sleng, como não são nada metafóricas as balas usadas pelos pelotões de fuzilamento de Cuba contra os opositores do regime.
    O senhor não tem o direito de incitar a violência e o ódio e depois fazer de conta que nada fez, defendendo-se com o ridículo argumento de que pretendeu ter sido irônico ou querido lançar mão de uma metáfora para ilustrar o que chama de luta de classes. Principalmente porque professa e é membro de um partido que defende e glorifica uma doutrina política que já não bastasse ser obsoleta e ultrapassada, é, acima de tudo, assassina e jamais admitiu a culpa pelas atrocidades cometidas em seu nome. Segundo as estimativas mais modestas, o número total de mortos pelo comunismo, levando-se em conta os números oficiais dos países em que ele esteve no poder, é de mais de 100 milhões, o equivalente a metade da população brasileira atual! Não sou eu que o digo. Basta somar as estatísticas divulgadas pelos governos dos países que viveram sob o comunismo – principalmente os do leste europeu.
    O senhor, com seu discurso de ódio disfarçado pelos versos de Brecht, e seus correligionários João Pedro Stédile, com o “exército do MST” e Vagner Freitas, com suas “armas nas mãos”, estão constantemente a proferir ameaças, algumas vezes veladas e outras não tão veladas, contra o Estado Democrático de Direito – que para os senhores não passa de mero artificialismo burguês e, portanto, deve ser destruido quando não mais servir aos seus propósitos de aparelhamento ideológico do Estado – e o que chamam de conservadores, e, quando desmascarados, para fugir às consequências de seus atos, tentam justificá-los sob o argumento de que apenas estavam apenas a lançar mão de metáforas para expressar seus pensamentos e não tinham a intenção de dizer o que de fato disseram. Qual! O senhor é um acadêmico e deve saber que a primeira regra, a regra de ouro da ética científica é assumir a responsabilidade pelo seu discurso, é assumir suas consequências. Não fazê-lo é, não apenas, sintoma de grande desonestidade intelectual, é, também, uma grave falha de caráter.
    Em tempo: antes que o senhor ou seus apoiadores e simpatizantes me acusem de pertencer à classe dominante, e por isso estar a defendê-la, aviso-lhes, desde já, que estou longe de pertencer a ela. De um ponto de vista estritamente sociológico e econômico, na verdade sou o típico proletário de periferia. Meus olhos são negros, portanto, não faço parte da “elite branca, de olhos azuis”, a grande vilã do Brasil, segundo a esquerda. E sou um conservador. E sou uma boa pessoa. Encaixo-me perfeitamente na descrição do antagonista do eu-lírico do poema de Brecht. Sejamos francos, Professor Iasi: o senhor realmente acha que eu mereço um bom paredão, uma boa bala e uma boa cova”?
    Que fique claro: não apoio a violência, em nenhuma hipótese, venha ela do lado que vier, seja do lado direito ou esquerdo do espectro político.
    Este comentário já está a ficar demasiadamente longo e prolixo. Quero encerrá-lo com uma pergunta, mais uma, aliás: o senhor foi candidato à Presidência da República, em 2014. Caso tivesse sido eleito, teria instituido a política dos paredões contra seus opositores? É só uma pergunta.

    * Não é só a direita que não sabe ler Lukácz. Mesmo na esquerda há quem não o compreenda. Noam Chonski, por exemplo. Certa vez, numa entrevista, perguntado sobre Lukácz, ele apenas expressou o seguinte expletivo: “confuso”.

    Curtir

    • Augusto Silveira // 27/10/2015 às 18:53 // Resposta

      Caro Sr. Marcos Steklain,
      Face ao que escreveu, entendo-me a fazer parte do seu grupo. A única coisa que não posso gabar-lhe, eh ter chamado de “Meu caro” ao Sr. Mauro Biasi pois ele não merece tal consideração. Ao chamar metáfora ao que disse, o Sr. Mauro (recuso-me a chamar-lhe professor pois não ensina nada) atira poeira para os olhos dos incautos e isso fica-lhe mal. Se é mesmo metáfora, desafio-o a pedir desculpa, pois, para mim, é um discurso igual aos que o Fidel Castro pronunciava nos anos 60.

      Curtir

    • Hugo Pequeno Monteiro // 30/10/2015 às 18:07 // Resposta

      Sr. Marcos Steklain,

      No mínimo impressiona o seu discurso apaixonado de defesa do seu idealizado e santificado Estado de Direito Democrático. Como em qualquer sistema físico a idealidade não tem correspondência na realidade e o que vemos na REALIDADE é um estado de direito dos privilegiados com exclusão crescente da população trabalhadora. Tal exclusão produz nos dias de hoje em um nível de concentração de riquezas onde 1% da população mundial detém 50% de toda a riqueza . Tudo isto acontecendo dentro do seu bem amado e idolatrado Estado de Direito Democrático que opera dentro do sistema capitalista de cunho neoliberal onde uma ínfima minoria de banqueiros, grandes investidores, rentistas e outros parasitas similares se esbaldam com os dividendos de seus “investimentos” às custas do sangue, suor e lágrimas de bilhões de trabalhadores obrigados a trabalhar de 12 a 16 hs por dia para poder garantir ao menos as três refeições diárias.
      Realmente o sr. parece ser um sujeito de boa educação “uma boa pessoa” segundo as usas próprias palavras, mas infelizmente comunga do mesmo anticomunismo doentio de adolf hitler, benito mussolini e dos infames ditadores latino americanos que infestaram nosso continente nos anos 60 – 80. Quando o sr. lista os crimes cometidos pelas ditaduras stalinistas as quais o sr. erroneamente denominou de comunistas, seu anticomunismo doentio não lhe permite citar as cifras correspondentes aos massacres cometidos por aqueles cujo ideário o sr. se afilia. Os 26 milhões de russos mortos por hitler-mussolini; os milhões de chineses e outros povos asiáticos massacrados pelo império japonês; os milhares de coreanos mortos pelos EUA na guerra da Coréia, os milhões de vietnamitas mortos pelos EUA na guerra do Vietnã. Sem falarmos na década de 90 até os dias de hoje, onde milhares de civis inocentes são assassinados diáriamente nas gueras patrocinadas pelos EUA em sua busca incessante for novas fontes de petróleo barato.
      O sr. é sem dúvida mais letrado e mais desenvolto intelectualmente que os acéfalos que pertencem ao mesmo espectro ideológico que o sr. e que gostam de desfilar na Av. paulista trajando camisas da CBF e bradando palavrões contra o governo federal, o partido dos trabalhadores e o comunismo. Entretanto, como eles não consegue enxergar que a resposta ao ódio de classe que estes indivíduos (o sr. incluído) nutrem contra a classe trabalhadora, não pode ser outra que não seja na mesma intensidade. NÃO EXISTE DIÁLOGO COM A DIREITA.
      Para finalizar me remeto a pergunta que o sr. fez ao final de sua longa peroração anticomunista: “Professor Iasi: o senhor realmente acha que eu mereço um bom paredão, uma boa bala e uma boa cova”?”
      Eu aconselharia ao sr. que fizesse uma autor-reflexão e respondesse o sr. mesmo à sua indagação.

      Hugo Pequeno Monteiro
      Professor Titular
      Departamento de Bioquímica
      Escola Paulista de Medicina/Universidade Federal de São Paulo

      Curtir

      • Hugo,
        Segundo o Portal Transparência, o seu salário, após deduções, fica acima de 11 mil reais. Esse valor onera o trabalhador que trabalha de 12 a 16 horas, como o sr mesmo reclama, sabia?

        Curtir

    • Alexandre // 07/11/2015 às 15:07 // Resposta

      Marcos Paulo Storer Stecklaim, perfeita sua colocação e conclusões de que, se Mauro Iasi usou na infeliz metáfora a ilustracao da luta de CLASSE então ele quis incitar à eliminação de TODA uma classe, a classe que PENSA DIFERENTE DELE. Afinam-se ele e seus defensores com os paredões comunistas assassinos, essa é a conclusão lógica. Ele quer se acovardar agora a assumir seu pensamento assassino. E não é só os ricos que querem eliminar, mas sim todos que pensam diferente, mesmo pobres, os que não concordam com as violências, com os meios assassinos para se chegar ao fim. O estado comunista SEMPRE ELIMINA, MATA com uma bala, pa, cova, os que pensam diferente. Ricos ou pobres, basta discordar, não aceitam o diálogo. É por essas e outras que cresce o movimento a favor da VOLTA DOS MILITARES, para controlar esses malucos assassinos. Dividir os bens não é errado, mas matar para isso é errado, MUITO ERRADO. E em todo lugar em que se idolatrou Marx se fez isso. Iasi, com seu discurso, foi adorador de Marx. Este não previu que o ser humano é preguiçoso, corrupto, e tendo o mesmo salário do vagabundo acabaria produzindo menos, por isso todo estado comunista é pobre, miserável, e sempre será. Menos os líderes comunistas corruptos: esses sempre serão ricos capitalistas “de fato”.

      Curtir

  11. renato anacleto // 27/10/2015 às 2:37 // Resposta

    “Sem livre enfrentamento de opinão, a vida se estiola em qualquer instituição pública torna-se uma vida aparente…”
    (Rosa Luxemburgo). É preciso ter cuidado com esses discursos que se prega a falta de diálogo, pois foi com discursos inframados como esses que se cometeram as maiores atrocidades no mundo. Não devemos pensar como a direita ou se igualar à ela, não acho que foi mal interpretado deixou sim seu recado, mas prefiro ficar com a ilustre Rosa Luxemburgo. Na atual conjuntura não precisamos de discursos dessa tonalidade do Mauro. Sou comunista apoio o companheiro contra os ataques pessoal e ameças à sua familia que vêm sofrendo, mas plantou o que colheu. Devemos lutar por uma sociedade livre, justa e igualitária dando voz a todos e não a um partido ou uma ideologia apenas, isso é democracia, acho que o companheiro não foi muito feliz no final de sua fala, mas ainda assim mil vezes Mauro Iasi do que Bolsonaro e tantos outros que assombram nossa sociedade.

    Curtir

  12. Gilmar Caetano // 27/10/2015 às 19:09 // Resposta

    Precisamos de companheiros de coragem SIM! para inverter o senso comum que todos somos brasileiros e está bom para todos ficar como está ,está na hora de “mijar no toco” , como diria um velho companheiro Leo ,com metáforas ou sem metáforas brechtianas não existe futuro feliz para a classe trabalhadora , enquanto não houver um salto de qualidade e ela se enxergar enquanto classe na opressão que sofre no dia por uma punhado de medíocres que acham que sempre permanecer no puder por uma impunidade histórica. Abraços, camarada.
    Gilmar Caetao

    Curtir

  13. Guilherme Baioni // 28/10/2015 às 8:19 // Resposta

    O sujeito diz que entende a metáfora e mesmo assim a leva ao pé da letra, compreende o eu-lírico do poema e seu diálogo, mas quando se traduz para um diálogo entre classes logo transforma o discurso de Brecht em um suposto extermínio físico da classe dominante..
    Não passa de mais um indivíduo “de bem” que nega a Luta de classes, ela permanece e o poema segue atual como sempre, há de se notar a coragem e riqueza intelectual de Mauro Iasi.
    Não tem coisa mais falsa que uma Direita “Humanista”, Direita “do bem”.
    Sem diálogo com a direita, total apoio a Mauro Iasi.

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. Conjunturas, poemas e o velho ódio de classe | Blog da Boitempo | Q RIDÃO...

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: