Cultura inútil: Pensamentos profundos, e rasos também

15 04 27 Mouzar Benedito Cultura InútilPor Mouzar Benedito.

Jorge Luís Borges: “Todos os caminhos levam à morte. Perca-se”.

* * *

Paulo Leminski: “Salve-se quem quiser. Perca-se quem puder!”.

* * *

Tom Jobim: “Viver no exterior é bom, mas é uma merda. Viver no Brasil é uma merda, mas é bom”.

* * *

Graciliano Ramos: “Fiz coisas boas que me trouxeram prejuízo; fiz coisas ruins que me deram lucro”.

* * *

Clarice Lispector: “Liberdade é pouco. O que eu desejo ainda não tem nome”.

* * *

Eça de Queiroz: “Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo”.

* * *

Isadora Duncan: “Você já foi selvagem aqui uma vez. Não deixe que eles lhe domem”,

* * *

Carlito Maia: “Evite o tráfico. Plante em casa”.

* * *

Carlito Maia, de novo: “Liberdade sexual é foda!”.

* * *

Padre Antônio Vieira: “Mais afronta a mesura de um adulador que a bofetada de um inimigo”.

* * *

L. Menchen: “É pecado pensar mal dos outros, mas raramente é engano”.

* * *

Santos Dumont: “É para Paris que emigra a alma dos bons americanos quando morrem”.

* * *

Xiquote (pseudônimo de Bastos Tigre): “Somente num caso é possível a amizade de dois homens, havendo uma mulher no meio: se ela é sogra de ambos”.

* * *

Rui Barbosa: “Amigos e inimigos estão, amiúde, em posições trocadas. Uns nos querem mal e fazem-nos bem. Outros nos almejam o bem e fazem-nos mal”.

* * *

Karl Marx: “O caminho do inferno está pavimentado de boas intenções”.

* * *

Henny Young: “Sabe o que significa voltar para casa à noite e encontrar uma mulher que lhe dá amor, afeto e ternura? Significa que você entrou na casa errada, só isso”.

* * *

Machado de Assis: “O melhor jeito de apreciar o chicote é ter-lhe o cabo nas mãos”.

* * *

Berilo Neves: “Dá-se o nome de trovoada a um barulho que chega atrasado, já passou. É como conselho dado depois que nos casamos: já não adianta…”.

* * *

Camilo Castelo Branco: “Não há amor que resista a 24 horas de filosofia”.

* * *

Luís Carlos Prestes (poucos dias antes do golpe de 1964): “Não há condições para o golpe reacionário. Se os golpistas tentarem, terão as cabeças cortadas”.

* * *

Mark Twain: “Prefiro o paraíso pelo clima, o inferno pelas companhias”.

* * *

Carlos Drummond de Andrade: “A minha vontade é forte, mas a minha disposição de obedecer-lhe é fraca”.

* * *

Barão de Itararé: “Mais valem dois galos cantando no poleiro do que um na testa”.

* * *

Érico Veríssimo: “De que serve construir arranha-céus, se não há mais almas humanas para morar neles?”.

* * *

Darcy Ribeiro: “Mais vale errar se arrebentando do que poupar-se para o nada”.

* * *

Johann Goethe: “Só sabemos com exatidão quando sabemos pouco. À medida que vamos adquirindo conhecimentos, instala-se a dúvida”.

* * *

Getúlio Vargas: “Nos períodos de exaltação e de luta não é raro vermos a democracia matando em nome da liberdade e a fé religiosa trucidando em nome de Deus”.

* * *

Fialho de Almeida: “Um cínico disse: só os imbecis se portam bem. E eis aí uma verdade universal”.

* * *

Ellen Goldman: “Mostre-me uma mulher que quer ser magra apenas por razões de saúde e e eu lhe mostro um homem que lê Playboy apenas pelas entrevistas”.

* * *

Mário Quintana: “Tudo que acontece é natural. Inclusive o sobrenatural”.

* * *

Kurt Vonnegut: “Humanista é uma pessoa com grande interesse pelos humanos. Meu cachorro é humanista”.

* * *

Trilussa: “Quem gasta tudo o que possui economiza o choro dos herdeiros”.

* * *

Vítor Caruso: “Chamar cara-metade à própria esposa é perigoso: pode dar a ideia de que há um sócio”.

* * *

Mário de Andrade: “Popular é o ruim gostoso”.

* * *

Marilyn Monroe: “Hollywood é um lugar onde te pagam mil dólares por um beijo e cinquenta centavos por sua alma”.

* * *

Chico Buarque (respondendo à acusação de “passadista” que lhe fez o movimento tropicalista, em 1968): “Nem toda loucura é genial, assim como nem toda lucidez é velha”.

* * *

Millôr Fernandes: “Democracia é quando eu mando em você, ditadura é quando você manda em mim”.

* * *

Afrânio Peixoto: “É cético o caramujo: desconfia de tudo, até da própria casa. Por isso anda com ela às costas”.

* * *

Confúcio: “Para conhecermos os amigos é necessário passar pelo sucesso e pelo fracasso. No sucesso, verificamos a quantidade e, na desgraça, a qualidade”.

* * *

Viana Moog: “Tragédia sem incesto é drama”.

* * *

Ambroise Pierce: “Bem-estar é o estado da alma produzido pela observação do mal-estar do nosso vizinho”.

* * *

Dercy Gonçalves: “Nunca tive amor pelos homens. Com eles sempre fiz negócios”.

* * *

Mae West: “Nunca cometa o mesmo erro duas vezes. A não ser que tenha sido bom”.

* * *

Mae West, de novo: “A virtude tem suas vantagens, mas não dá bilheteria”.

* * *

Capistrano de Abreu: “É bom que os críticos estreiem por obras próprias”.

* * *

Harry Benjamin: “Não acrescente dias à sua vida, mas vida aos seus dias”.

* * *

Graça Aranha: “A civilização é uma violência do homem à natureza”.

* * *

Charles Chaplin: “Se matamos uma pessoa somos assassinos. Se matamos milhões de homens, celebram-nos como heróis”.

* * *

João Grosso (de Nova Resende): “Homem que não come cinco pratos de comida, pra mim não é homem”.

* * *

Fernando Pessoa: “As figuras imaginárias têm mais relevo e verdade que as reais”.

* * *

Fernando Sabino: “Não confio em produto local. Sempre que viajo, levo meu uísque e minha mulher”.

* * *

Einstein: “Tristes tempos os nossos, em que é mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito”.

* * *

Autor desconhecido: “Para evitar filhos, transe com a cunhada… Se nascerem, serão sobrinhos”.

* * *

Paula Nei: “A democracia seria ideal se não tivesse sovaco. Tudo!, tudo!, menos tal cheiro de suor honrado”.

* * *

Stanislaw Ponte Preta: “No Brasil, as coisas acontecem, mas depois, com um simples desmentido, deixam de acontecer”.

* * *

Tim Maia: “Comecei uma dieta, cortei bebidas e comidas pesadas, e em um mês perdi trinta dias”.

* * *

Sócrates: “O ideal no casamento é que a mulher seja cega e o homem surdo”.

* * *

Luís Fernando Veríssimo: “Brasil: esse país de corruptos sem corruptores”.

* * *

Al Capone: “Não entendo como alguns escolhem o crime, quando há tantas maneiras legais de ser desonesto”.

* * *

Che Guevara: “Quando o extraordinário se torna cotidiano, é a revolução”.

* * *

Victor Hugo: “Em tempo de revolução, cuidado com a primeira cabeça que rola. Ela abre o apetite do povo”.

* * *

Glauber Rocha: “A História é feita pelo povo e escrita pelo poder”.

* * *

Baiaco (craque do time do Bahia, que não entrou num jogo porque estava contundido): “Comigo ou sem migo, o Bahia ganha”.

* * *

Walther Waeny: “O homem é tão egoísta que foi preciso falar-lhe de recompensa em outra vida para que ele praticasse o bem nesta”.

* * *

Woody Allen: “Não é que eu tenha medo de morrer. É que eu não quero estar lá na hora que isso acontecer”.

* * *

Marquês de Maricá: “Folgamos com os erros alheios como se eles justificassem os nossos”.

* * *

Mouzar Benedito, quer dizer, eu mesmo: “Há uns tempos, velho começou a ser chamado de idoso, depois passou a ser da ’terceira idade’ e por fim da ‘melhor idade’. Assim capenga a humanidade.”

***

Ou clique aqui, para ver todas as outras colunas da série “Cultura inútil”, de Mouzar Benedito, no Blog da Boitempo!

***

Mouzar Benedito, jornalista, nasceu em Nova Resende (MG) em 1946, o quinto entre dez filhos de um barbeiro. Trabalhou em vários jornais alternativos (Versus, Pasquim, Em Tempo, Movimento, Jornal dos Bairros – MG, Brasil Mulher). Estudou Geografia na USP e Jornalismo na Cásper Líbero, em São Paulo. É autor de muitos livros, dentre os quais, publicados pela Boitempo, Ousar Lutar (2000), em co-autoria com José Roberto Rezende, Pequena enciclopédia sanitária (1996) e Meneghetti – O gato dos telhados (2010, Coleção Pauliceia). Colabora com o Blog da Boitempo quinzenalmente, às terças. 

4 comentários em Cultura inútil: Pensamentos profundos, e rasos também

  1. “Cultura inútil” para quem?

    Curtido por 1 pessoa

  2. Fica fazendo cagada, cagada, cagada, a vida vira uma merda!
    Ricardo Shiota

    Curtir

  3. Carlos J. R. Araújo // 05/05/2015 às 4:08 pm // Responder

    “Num pais que coloca em primeiro plano a dança da garrafa, às vezes parece que existem só duas entradas culturais: a xoxota e o ânus”, disse Gianni Ratto, numa entrevista à Carta Capital, em março de 2002.

    Curtir

  4. Ainda que, seu eu soubesse entender as pessoas, se eu fosse um excelente profissional, sem um padrinho eu nada seria…

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: