Terrorismo midiático ou o Conti do Vigário

14.07.10_Izaías Almada_O Conti do Vigário[Wladimir Palomo, sósia de Luiz Felipe Scolari, em entrevista no canal SporTV]

Por Izaías Almada.

Já não é segredo para ninguém que o atual estágio do jornalismo brasileiro é sórdido, para dizer o mínimo, com objetivos políticos e interesses econômicos na maioria das vezes em causa própria e antinacionais. Sem falar no viés ideológico que flerta com o passado e não com o futuro do país. Editoriais e colunistas se juntam numa lenga lenga que já começa a dar sono em anfetamina, mas nem por isso menos criminosa.

O ridículo e vergonhoso caso da falsa entrevista feita pelo jornalista Mário Sérgio Conti há duas semanas com um sósia do técnico Felipão é paradigmático. Teve o mérito, entre outros, de escancarar para a sociedade brasileira o nível de irresponsabilidade que os nossos principais meios de comunicação vêm há algum tempo empregando no torpe exercício de manipulação da opinião pública.

Manipulação essa que criou um surto de pessimismo no país não só em relação à Copa do Mundo de futebol, evento passageiro, mas – sobretudo – com a tentativa de se forjar a qualquer custo um clima de insatisfação, de revolta contra o exercício da atividade política, em tudo e por tudo identificada com a corrupção, como a “possibilidade” de existirem sérios problemas com a Petrobrás, por exemplo, maior empresa do país, e outras obras infra-estruturais do governo.

Ou a ardilosa e impatriótica estratégia de esconder e desprestigiar alguns fatos relevantes como a queda da mortalidade infantil no Brasil, o invento do cientista Nicolelis, construção de usinas, pontes e rodovias por todo o país, a baixa taxa de desemprego, a vinda de médicos estrangeiros excepcionalmente bem recebidos pela população mais carente das regiões mais pobres e longínquas, a defesa da nossa soberania.

Sem falar do clima de ódio construído, na montagem de uma farsa jurídica já comprovada, contra os principais réus da AP 470, José Dirceu de Oliveira e José Genoíno Neto. Ódio que se estende ao partido a que pertencem e ódio ao governo de quase 12 anos liderado por dois dos expoentes desse mesmo partido.

A lista da irresponsabilidade criminosa de nossos jornalões, revistões e telejornais nos últimos quatro anos, correspondentes ao primeiro mandato da presidente Dilma Roussef, e nos oito anos anteriores do presidente Lula da Silva é tal que chega a ser cansativo enumerá-la ou mesmo lembrá-la.

Jornalistas e colunistas que babam na gravata e apequenam a profissão, cujo estoque de boçalidades é inesgotável, ombreiam-se com o Sr. Conti, a tal ponto que já se pode dizer que em relação a esse tipo de imprensa o país caiu e cai quase que diariamente no verdadeiro Conti do Vigário.

Para essa súcia de irresponsáveis, o Brasil não tem passado, ou melhor, os governos que atuaram até o ano de 2002 supostamente teriam deixado um legado de grandes feitos e realizações, em particular no campo social, e a corrupção passou a ser um apanágio do atual governo, sendo o “mensalão” o maior espetáculo de corrupção do país, segundo a avaliação do nobre juiz Joaquim Barbosa, homem equilibrado em suas ações e correto em sua relatoria da AP 470. Um homem honrado, como diria Shakespeare na sua tragédia “Julio Cesar”.

Depreciar o Brasil sempre que possível: essa é a estratégia perversa e impatriótica dos conservadores e reacionários. Minimizar as conquistas sociais dos governos Lula e Dilma, na ilusão de que esconder ou depreciar tais conquistas irá enganar os principais beneficiários delas. Isso sem falar nos novos revolucionários de esquerda sem ideologia que andam aí pelas ruas e alguns laboratórios acadêmicos na missão de enumerar as mazelas ainda existentes, mas sempre faltos de idéias que possam minimamente ser aproveitadas pelo governo ou quem de direito.

O hiato provocado pelo futebol nas primeiras manifestações de uma campanha eleitoral que se prevê bastante acirrada e selvagem por parte da chamada (com o perdão da palavra) elite é provável que vá contribuir, ao contrário do que se poderia esperar, para uma animosidade ainda maior nos próximos meses. Quem viver verá…

A matilha protofascista já afia os dentes e mira a jugular do país na expectativa de impedir a reeleição da presidente Dilma Roussef, o que seria o mal menor de tal empreitada, tendo a imprensa como porta voz fiel de um pensamento ultrapassado, conservador, antitrabalhista e antiprogressista. Verdadeiro terrorismo midiático que, como todo terrorismo é preciso ser combatido no nascedouro, antes que seja tarde.

Ao contrário de outros atos terroristas, o midiático não causa danos físicos ou materiais. É mais perverso que isso: é produzido para obter algum efeito psicológico, seja de pânico, pavor, abulia, revolta, desinteresse, mal estar entre as pessoas, com uma intervenção que se dá de semana em semana, de um dia para o outro, de hora em hora, minuto a minuto nas cidades e países onde vivemos.

É o terrorismo praticado pelos meios de comunicação e que, normalmente, é utilizado para objetivos políticos como a desestabilização de um governo legitimamente eleito pelo voto popular, pois confunde e bloqueia o discernimento dos cidadãos. Quando não os induz à violência e ao desespero.

Na sopa de letrinhas putrefatas que nos oferece a mídia nacional vamos nos envenenando e, sem perceber, vamos nos acostumando ao ódio e ao irracionalismo cada vez menos sutil de jornais, revistas, emissoras de rádio e televisão. Vamos aos poucos nos tornando intolerantes e já não distinguimos com a clareza necessária o caminho a seguir. É neste cenário que caminhamos para as eleições de outubro.

Eleições que, no meu modesto entender, poderão alicerçar de vez o crescimento econômico, político e social do país em direção a um futuro promissor para suas novas gerações, mais democrático ou virar as costas a tudo isso e então mostrar covardemente para o mundo a sua incompetência, aquela acachapante e rancorosa incompetência que o jornalista Arnaldo Jabor encara toda manhã ao se olhar no espelho.

***

Confira o dossiê especial sobre a Copa e legado dos megaeventos, no Blog da Boitempo, com artigos de Christian Dunker, Mike Davis, Bernardo Buarque de Hollanda, Mouzar Benedito, Mauro Iasi, Flávio Aguiar, Edson Teles, Emir Sader, Jorge Luiz Souto Maior, entre outros!

***

Izaías Almada, mineiro de Belo Horizonte, escritor, dramaturgo e roteirista, é autor de Teatro de Arena (Coleção Pauliceia da Boitempo) e dos romances A metade arrancada de mim, O medo por trás das janelas e Florão da América. Publicou ainda dois livros de contos, Memórias emotivas e O vidente da Rua 46. Como ator, trabalhou no Teatro de Arena entre 1965 e 1968. Colabora para o Blog da Boitempo quinzenalmente, às quintas-feiras.

1 comentário em Terrorismo midiático ou o Conti do Vigário

  1. Antonio Gilson // 10/07/2014 às 20:44 // Responder

    Certo!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: