psicanálise

O que Freud disse sobre a Revolução Russa?

13/09/2017 // 1 comentário

Por Christian Dunker / "Em um texto de menos de 20 páginas, nas quais se discute as visões de mundos possíveis, a Revolução Russa ocupa quase cinco páginas. Talvez Freud tivesse percebido que as chances da revolução e da psicanálise serão sempre pequenas, mas nem por isso menos impensáveis." [...]

A liberdade de limitar-se: psicanálise e teoria do poder

23/08/2017 // 6 comentários

Christian Dunker / "A psicanálise desenvolveu uma pequena teoria prática sobre o poder. Pouco se percebe que a limitação de si, justamente por ser contingente, é um ato supremo de liberdade. O modelo de ação, assim estabelecido, tem um profundo efeito moral, de ação capilarizada sobre os subordinados. Ele recria as relações de poder como relações de autoridade e respeito. O limite confere a liberdade – uma das teses menos conhecidas de Lacan." [...]

Alá não é Deus. Uma reflexão sobre psicanálise e islamismo

07/07/2017 // 13 comentários

Por Christian Dunker / "O medo não apenas cria monstros, ele cria monstros que falam a nossa língua e são pré-determinados por nossas fantasias. Mas se é verdade que as identidades são sempre baseadas em políticas, disso não decorre que nossas políticas tenham que se basear em identidades." [...]

A psicanálise como ciência

30/05/2017 // 10 comentários

Por Christian Dunker / "Recebi um grande número de comentários sobre minha última coluna, acerca do discurso da “pós-verdade” e seu uso da ideia de pseudociência. Muitos desses leitores concordavam com crítica feita ao jornalismo científico mal feito e à ingenuidade com a qual se usa a ideia de ciência como instrumento de autoridade e silenciamento no Brasil. Para aqueles que pediam detalhes sobre o problema da cientificidade da psicanálise, aqui vai uma coluna que compila dados e autores em favor do reposicionamento da psicanálise tanto no campo da ciência, quanto da crítica da ideologia." [...]

Crítica e ideologia em tempos de “pós-verdade”

17/05/2017 // 5 comentários

Por Christian Dunker / "Expressões como 'pseudociência' ou 'pseudointelectual' são recorrentes entre autores que se consagram à pós-verdade, justamente porque, na medida em que elas o guarnecem na posição de quem pratica a denúncia, isso aparentemente os blinda da crítica de estarem, eles próprios, fazendo 'pseudoepistemologia' ou 'pseudocrítica'." [...]

Como acontece o milagre?

10/01/2017 // 11 comentários

Por Christian Dunker / "Enquanto não reconhecermos a nova função do milagre na política brasileira – fato que tanto esquerda quanto direita evitam enfrentar, ainda que por vezes o instrumentalizem – será muito improvável que entendamos o que foram os anos Temer. As declarações por Deus, pela família e pela comunidade, por ocasião do afastamento de Dilma, a ascensão de líderes religiosos a cargos públicos, a polarização entre deuses e demônios, a cultura da denúncia e da pós-verdade, tudo isso se apoia na lógica do milagre. Contra ela não adianta teologia." [...]

O paradigma do sofrimento e o conflito Israel-Palestina

07/12/2016 // 4 comentários

Por Christian Dunker / "Normalmente quando pensamos no conflito que se arrasta desde 1948 entre Israel e Palestina pensamos em três paradigmas para seu tratamento ou solução: a dimensão histórico-religiosa, a perspectiva político-econômica e a saída futura pela mediação ou conciliação. Gostaria de propor, à guisa de experimento teórico e tomando o caso como um modelo mundial para a solução de conflitos, o que não deixará de interessar aos clínicos e psicanalistas, que assumamos um quarto paradigma: o paradigma do sofrimento. Pensar a partir do sofrimento é levar em conta a dinâmica de reconhecimento, a narrativa e a trasitividade entre os envolvidos no que diz respeito a quem ocupa o lugar de agente e quem é que sofre a ação. Isso significa pensar para além da contagem de vítimas e carrascos ou da dinâmica entre reconciliação e vingança." [...]

O neoliberalismo e seus normalopatas

03/11/2016 // 16 comentários

Por Christian Dunker / "Depois dos frankensteins, esquizoides errantes sem fronteiras, e dos fantasmas alienados que vagam da pressão, descompressão e depressão, chegamos finalmente aos zumbis que hoje se tornaram nossa mais próxima normalopatia." [...]