A história e a luta de Rosa Luxemburgo

"Neste centenário do assassinato de Rosa Luxemburgo, o leitor brasileiro terá a oportunidade de conhecer uma biografia inédita no país. Paul Frölich nos convida a mergulhar no universo de Rosa, que é também o universo da luta comunista."

Por Diana Assunção.

Em 1919, há cem anos, tentaram sufocar a força das ideias de uma das grandes personalidades da história da humanidade, Rosa Luxemburgo. Essas ideias, entretanto, seguem vivas até hoje. Neste centenário, o leitor brasileiro terá a oportunidade de conhecer uma biografia inédita no país. Paul Frölich nos convida a mergulhar no universo de Rosa Luxemburgo, que é também o universo da luta comunista. Como seu contemporâneo e camarada, Frölich pôde captar de forma viva aspectos e detalhes da vida de Rosa e transmitir com delicadeza a história de uma mulher revolucionária que rompeu com todos os estereótipos.

Nascida na Polônia, sua atividade militante começou aos quinze anos, quando ela se uniu ao movimento socialista. Exilada em Zurique, quando já estava na mira da polícia, conheceu Leo Jogiches, companheiro, amor e camarada durante muitos anos de sua vida. Rosa foi uma das poucas mulheres de sua época a se formar como doutora em Ciências Políticas. Pouco depois, foi viver na Alemanha, integrando-se ao Partido Social-Democrata Alemão (SPD), que era o centro político da Segunda Internacional. É quando conhece Clara Zetkin, com quem cultiva uma amizade tão profunda quanto as críticas políticas que lhe fazia. Nesse momento ainda era uma militante desconhecida, mas logo assumiria uma posição de dirigente, ao dedicar-se aos grandes debates da Segunda Internacional – o que significou empreender uma grande batalha contra o oportunismo nas fileiras do partido, até romper com ele e fundar um novo, sob cuja bandeira lutou até o final, até ser assassinada pelo governo de seus velhos adversários.

Naquele início de século, o oportunismo tinha como um dos principais representantes a figura de Eduard Bernstein, que havia iniciado uma revisão profunda do marxismo. Talvez por isso Franz Mehring tenha declarado que Rosa seria a “mais genial discípula de Karl Marx”, já que o embate contra essas ideias revisionistas tomou carne em seu famoso texto Reforma ou revolução?. Ela empreendeu várias discussões no calor da Revolução Russa de 1905, coincidindo com grandes dirigentes revolucionários, como Leon Trótski e Vladímir Lênin, ao defender que a classe trabalhadora teria de cumprir um papel protagonista na revolução, mesmo em meio a divergências sobre determinadas tarefas preparatórias.

Mais tarde, na década de 1910, com o mesmo vigor que a consagrou no combate às teses revisionistas de Bernstein, debateu contra Karl Kautsky, considerado o maior marxista da época, identificando nele um distanciamento crescente das concepções revolucionárias que deveriam guiar o partido. Com seu companheiro Karl Liebknecht, enfrentou uma das maiores traições ao movimento operário por parte dessa mesma social-democracia, opondo-se à votação dos créditos de guerra durante a Primeira Guerra Mundial e mostrando aí seu viés profundamente internacionalista.

Quando chegou a hora da Revolução Russa de 1917, Rosa Luxemburgo demonstrou igual personalidade. Ao mesmo tempo que fez críticas e condenou parte das táticas empregadas pelos bolcheviques, foi uma ardente defensora da própria revolução e da audácia com que os camaradas russos a levaram à vitória. Em suas próprias palavras:

“Neste último período, em que lutas finais decisivas são iminentes no mundo inteiro, o problema mais importante do socialismo, a questão candente da atualidade, era e é não esta ou aquela questão de detalhe da tática, e sim a capacidade de ação do proletariado, a energia revolucionária das massas, a vontade do socialismo de chegar ao poder. Nesse sentido, Lênin, Trótski e seus amigos foram os primeiros a dar o exemplo ao proletariado mundial, e até agora continuam sendo os únicos que, como Huten, podem exclamar: eu ousei! […] Na Rússia, o problema só podia ser colocado. Ele não podia ser resolvido na Rússia. Ele só pode ser resolvido internacionalmente. E, nesse sentido, o futuro pertence, por toda parte, ao ‘bolchevismo’.”1

Levando adiante essa mesma tarefa de resolver o problema em escala internacional, Rosa fundou a Liga Spartakus e em seguida o Partido Comunista Alemão, em 1918, sendo ativa participante dos acontecimentos de 1919. Foi perseguida por essas ideias pela própria direção social-democrata, que temia sua poderosa influência revolucionária. Esses são alguns dos capítulos pelos quais passa a história dessa que terá sido a maior dirigente revolucionária mulher do último século.

A obra de Paul Frölich chega ao Brasil em um ano de enorme mudança nas estruturas políticas brasileiras, com o início de um governo de extrema direita que ecoa a voz da ditadura para perseguir justamente as ideias do comunismo. Mais do que nunca é preciso afiar as armas da crítica para servir de contraponto às ideologias que estão a serviço da perpetuação da dominação e da espoliação capitalista, buscando contribuir para a resistência e a organização da classe trabalhadora e da juventude. Por isso, Rosa Luxemburgo: pensamento e ação é um instrumento de combate contra toda forma de exploração e opressão que fortalece a luta pelas ideias revolucionárias e socialistas também no Brasil.

É preciso dizer que essa força irrompeu enquanto os espaços de direção política, inclusive das organizações revolucionárias, eram vistos como uma tarefa quase exclusiva dos homens. Rosa enfrentou isso, não sem percalços e infortúnios, por parte de figuras que estavam na mesma trincheira, mas conseguiu, com a força de suas ideias, não somente ser uma das maiores dirigentes revolucionárias do século XX, como protagonizar, com personalidade ímpar, inúmeras lutas políticas. Não obstante, o stalinismo como reação burocrática dos estados operários buscou apagar da história de Rosa Luxemburgo todo o seu combate justamente contra esse fenômeno histórico que distanciava os revolucionários da batalha pela verdadeira emancipação da humanidade. Por isso, em homenagem a Rosa Luxemburgo e seu grande parceiro Karl Liebknetch, Leon Trótski escreveu: “[…] eles já não estão mais em nosso mundo, mas seguem entre nós; viveremos e lutaremos animados pelas suas ideias, sob influência de sua grandeza moral, e juramos que se chegar nossa hora morreremos de pé frente ao inimigo, como vocês morreram, Rosa Luxemburgo e Karl Liebknecht”2.

A história e a luta de Rosa nos inspiram a seguir de pé ante o inimigo: tanto às novas gerações, que precisam resistir à crise capitalista internacional sempre disposta a descarregar suas mazelas em nossas costas, como a toda a classe trabalhadora que carrega em si o poder social de ser a classe revolucionária de nossa época. Imagino o efeito que teria, para milhares de mulheres e meninas de todo o mundo que agora se levantam como uma força imparável contra o patriarcado, saber que Rosa ainda era uma estudante secundarista quando se uniu ao movimento revolucionário clandestino na Polônia, passando a partir daí a exalar energia comunista em cada uma de suas ações e discursos, buscando atingir a todos como uma trovoada.

Que esse livro chegue a milhares de jovens e trabalhadores, para que as lutas da nossa época se conectem com a única estratégia capaz de nos libertar verdadeiramente, a estratégia da revolução operária e socialista da qual Rosa foi uma das grandes expoentes em nossa história. E que chegue às mulheres que se levantam em todo o mundo contra o patriarcado, para que abracem das mãos de Rosa Luxemburgo seu feminismo socialista, podendo transformar-se assim, verdadeiramente e aliadas à classe operária, em uma força avassaladora para construir o novo mundo.

Nas palavras de uma de suas grandes amigas da vida, Clara Zetkin:

“A ideia socialista foi para Rosa Luxemburgo uma poderosa paixão – da mente e do coração – que dominava tudo, uma paixão que se consumia e se materializava criativamente. Preparar a revolução que abria o caminho para o socialismo foi a missão e a grande ambição da vida dessa mulher rara. Viver a revolução, participar de suas batalhas, era a felicidade suprema que lhe acenava. Com força de vontade, abnegação e dedicação tais que palavras não conseguem expressar, Rosa Luxemburgo empenhou ao socialismo tudo o que ela era, tudo o que levava dentro de si. Ela ofereceu a si mesma em sacrifício a ele, não só com sua morte, mas a cada dia, a cada hora de um trabalho e de uma luta de muitos anos. Por isso podia exigir dos demais que também se entregassem totalmente, sua vida inclusive, pela causa do socialismo. Ela foi a espada, a chama da revolução, e seu nome ficará gravado nos séculos como o de uma das mais grandiosas e célebres figuras do socialismo internacional.”

* Este texto foi escrito originalmente como “Prólogo à edição brasileira” da biografia Rosa Luxemburgo: pensamento e ação, de Paul Frölich, coedição da Boitempo e da Edições Iskra com apoio da Fundação Rosa Luxemburgo e do Goethe-Institut. Hoje à noite, Diana Assunção participa do debate de lançamento da obra na Casa Plana em São Paulo, com Isabel Loureiro (que assina o posfácio da obra) e mediação de Larissa Coutinho (podcast Revolushow). A entrada é gratuita e aberta ao público em geral. Só vem!

Rosa Luxemburgo: pensamento e ação, 100 anos após seu assassinato
Debate com Isabel Loureiro e Diana Assunção, mediação de Larissa Coutinho (podcast Revolushow), seguido de lançamento de biografia escrita por Paul Frölich

Sexta-feira, 18/01/19
19h às 21h
Casa Plana | Rua Fradique Coutinho, 1139 – Pinheiros, São Paulo – SP

Realização: Boitempo, Edições Iskra, Plana e Fundação/Fundación Rosa Luxemburgo Brasil & Cono Sur
Apoio: Goethe-Institut São Paulo

Notas

1 Rosa Luxemburgo, “Sobre a Revolução Russa”, em Jörn Schütrumpf (org.), Rosa Luxemburg ou o preço da liberdade (trad. Isabel Maria Loureiro, São Paulo, Expressão Popular/Fundação Rosa Luxemburgo, 2006), republicado em Ivana Jinkings, Emir Sader (orgs.), As armas da crítica: antologia do pensamento de esquerda (São Paulo, Boitempo, 2012), p. 248.
2 Leon Trótski, “Karl Liebknecht y Rosa Luxemburgo”, em Juan Ignacio Ramos, Bajo la bandera de la rebelión: Rosa Luxemburgo y la revolución alemana (Madri, Fundación Federico Engels, 2014), p. 434.

1 comentário em A história e a luta de Rosa Luxemburgo

  1. Prezados, estaremos fazendo uma feira de livros latino americanos na usp, campus Butantã de 6 a 10 de maio deste ano, como parte d eum congresso internacional. Gostaríamos de convidá-los. remetemos a quem o ofício? grata, aguardo, Margarida Nepomuceno

    Curtir

1 Trackback / Pingback

  1. A história e a luta de Rosa Luxemburgo – Blog da Boitempo – ESPANTALHO

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: