Atire a primeira pedra!

"E um denunciou o outro, que denunciou o próximo que reagiu denunciando os demais, até que quase todos estavam denunciados pelos denunciadores, que foram denunciados."

Por Mauro Luis Iasi.

O sangue ainda manchava a areia onde tinha ocorrido a execução. As pedras e o muro testemunhavam as marcas da violência e na Polis não se falava de outra coisa. “Ela fizera por merecer”, diziam os cidadãos, como que desculpando-se da ignomínia, “a lei determina e nossos valores condenam, ela sabia.”

Foi quando veio a notícia de que entre os que atiraram as pedras havia pelo menos seis cidadãos que praticaram o mesmo ignóbil ato. Justo eles, que ergueram as pedras com mais raiva, gritando xingamentos e bradando loas às nossas leis e tradições. A reprovação dos olhares sérios – pelo menos assim parecia naquele momento – seguia-os quando foram levados à frente de todos.

Havia, no entanto, algo estranho. Os cidadãos se encontravam e se cumprimentavam respeitosamente, no entanto, em seus recônditos pensamentos repetiam como um mantra: “não me olhe assim, eu sei que tu também o fizeste, denuncia-me que te denuncio…”

E um denunciou o outro, que denunciou o próximo que reagiu denunciando os demais, até que quase todos estavam denunciados pelos denunciadores, que foram denunciados. Os magistrados, bem… os magistrados se punham solenes ao proferirem as sentenças e a declamarem os valores sobre os quais se fundou a gen que formou um dia nossa Polis, da vergonha, do profano e do sagrado… até que foram denunciados.

A noite que antecedeu o dia trágico correu calada. Nem o vento nas colinas próximas se mostrou confiante para dizer algo. As estrelas no oco do firmamento apenas olhavam incrédulas. A lua se ausentou…

Logo pela manhã os cidadãos começaram a chegar na Ágora, rostos severos, cenhos tensos. Os gritos e as falas incompreensíveis, os ataques, as pedras… Na ástey se ouvia tudo como um tumulto distante. Não se compreendia as palavras, era como um alvoroço de pássaros pegos em um incêndio, uma… barbárie.

As pedras voavam agudas até que encontravam rostos e crânios. O sangue jorrava, os gritos foram sucedidos por gemidos, murmúrios. Até que… silêncio. Um silêncio como nunca se ouvira. Os corpos jaziam retorcidos e as mãos como garras portavam dedos acusadores que apontavam em todas as direções.

Todos… cidadãos, prítanes, magistrados… arcontes epônimos, temostelas… e mesmo o arconte polemarco que deveria por função cuidar dos mortos, ali encontrava-se junto aos cadáveres. Todos… todos! Não sobrara ninguém!

A Polis estava vazia, tomada pelo cheiro ferroso de sangue e excrementos… ninguém!

Os honrados cidadãos da Polis tinham todos se digladiado uns aos outros e não sobrara mais nenhum dos seus membros. Restaram vivos apenas aqueles que não pertenciam à Polis: as crianças, as mulheres, os camponeses pobres da khora, os estrangeiros e os escravos; que se reuniram, enterraram os mortos, fizeram novas leis, e governaram a si mesmos.

Na Acrópole hoje se ergue um único monumento. Não aos deuses, nem aos magistrados, muito menos aos reis, mas àquilo que livrou a cidade de todos eles:. uma única e enorme… pedra.

***

Mauro Iasi é professor adjunto da Escola de Serviço Social da UFRJ, pesquisador do NEPEM (Núcleo de Estudos e Pesquisas Marxistas), do NEP 13 de Maio e membro do Comitê Central do PCB. É autor do livro O dilema de Hamlet: o ser e o não ser da consciência (Boitempo, 2002) e colabora com os livros Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil e György Lukács e a emancipação humana (Boitempo, 2013), organizado por Marcos Del Roio. Colabora para o Blog da Boitempo mensalmente, às quartas.

5 comentários em Atire a primeira pedra!

  1. A quem se atira a primeira pedra, ao senador ou àqueles que a lançam?

    Curtir

    • Hugo Pequeno Monteiro // 21/04/2017 às 15:05 // Responder

      Atiremos um caminhão de pedras no senador e em todos os seus comparsas, aí inclusos aqueles que como você ainda ousam defender o indefensável: A quadrilha que tomou o poder no Brasil através de um golpe jurídico parlamentar.
      Chega de vocês hipócritas verde-amarelados. Os de baixo irão se levantar e com uma grande pedra irão enterrar todos os aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a instauração desta desgraça que se autodenomina governo federal e seus quadrilheiros da câmara e do senado, guardadas as pouquíssimas e honrosas exceções dos 6 deputados federais pelo PSOL na câmara e dos senadores Paulo Paim (PT) e Roberto Requião (PMDB).
      Por uma Assembleia Nacional Constituinte Livre Democrática e Soberana que tenha a participação de todas as organizações políticas (sociais e partidos) que representem a população trabalhadora (MAIORIA ABSOLUTA da Nação). Dissolução e ilegalidade para todas as organizações político-criminosas que hoje infestam o governo federal e são maioria absoluta nas duas casas do Congresso. A Assembleia Constituinte deve chamar eleições gerais e a auditoria pública e soberana da assim chamada “dívida pública” brasileira, uma cortina de fumaça que permite que uma minoria ínfima de rentistas fique com quase 80% do valor do total arrecadado em impostos no pais.
      CHEGA!!! RUMO A GREVE GERAL DIA 28 DE ABRIL!
      o mundo do trabalho tem que mostrar sua verdadeira força.

      Hugo Pequeno Monteiro
      Professor Titular
      Departamento de Bioquímica
      Escola Paulista de Medicina/Universidade Federal de São Paulo,

      PS: Parabéns Mauro por mais uma coluna instigante e provocativa neste Blog da Editora Boitempo

      Curtir

  2. Antonio Tadeu Meneses // 20/04/2017 às 22:03 // Responder

    “A morte de uma organização acontece quando os de baixo já não querem e os de cima já não podem.” Lenin

    Curtir

  3. Antonio Elias Sobrinho // 23/04/2017 às 17:53 // Responder

    Grande texto. O professor fez uma descrição, de forma bastante criativa a que ponto chegamos, isto é, pelo alto não sobrou nada porque o pecado de 1 é o mesmo de todos, levando a uma autodestruição geral, sem a menor possibilidade de generalização. Porém, por fora de tudo que prevalece, surge uma alternativa, pelo menos como forma de possibilidade.

    Curtir

  4. mari santos // 25/04/2017 às 19:54 // Responder

    Perfeito, professor Mauro Iasi !

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: