Sartre, filósofo do direito?

Alysson Mascaro escreve sobre o novo livro de Silvio Luiz de Almeida: "Sartre: direito e política"

sartre silvio

Por Alysson Leandro Mascaro.

Sartre: direito e política, de Silvio Luiz de Almeida, tanto revela uma contribuição ímpar de sistematização do jurídico na obra sartriana como extrai, a partir da melhor e mais radical tradição da filosofia do direito marxista, a mais original leitura a respeito dos engates e contradições entre o trajeto filosófico sartriano e a crítica ao direito.

Se durante grande parte do século XX Sartre representou um dos ícones maiores e plenos da intervenção da intelectualidade no mundo, atuando de modo filosófico e estético na política e na sociedade, um eventual refluxo da projeção de sua figura nos tempos neoliberais de virada e início de novo século serve então para ensejar um aprofundamento crítico e sereno dos estudos a seu respeito. Na filosofia, Sartre decanta para encontrar seu papel definitivo na história. No direito, contudo, o espaço sartriano sempre esteve por ser construído e, com esta obra, Silvio Luiz de Almeida dá uma grande contribuição a tal intento.

No século XX, o surgimento do pensamento de Sartre – dadas sua originalidade e falta de relação com a tradição conservadora estabelecida – encontrou a admiração e o atrativo à investigação por parte de alguns pensadores do direito. Embora poucas vezes tentada e realizada, uma abordagem jurídica a partir de Sartre despertou atenções e interesses de filósofos do direito do calibre de Nicos Poulantzas. No entanto, se os trabalhos que buscam relacionar Sartre com o direito sempre se caracterizaram como empreitadas parciais ou comprometidas com apenas algumas fases do pensamento sartriano, este livro surge e se destaca como a grande sistematização do direito em Sartre.

No que tange às possíveis leituras jurídicas de Sartre, elas são, de modo geral, enviesadas pelo ângulo de uma compreensão apenas fenomenológica existencial, descuidando-se, talvez com empenho proposital, de trabalhar com o momento de sua filosofia em que Sartre se encontra com o marxismo e se abre à política revolucionária. A leitura de Almeida vai mais longe, e ainda mais do que simplesmente trilhar por essa estrada pouco trabalhada. Seu propósito é identificar no pensamento de Sartre sua contribuição original para a crítica marxista do direito, ao mesmo tempo que desnuda os limites dessa tentativa. Trata-se de uma investigação crítica às possibilidades de seu próprio objeto.

Esta obra trabalha com três unidades temáticas fundamentais para a apreensão de uma reflexão sartriana a respeito do direito. De início, Almeida realinha a ontologia filosófica de Sartre, investigando a partir de suas obras inaugurais o tema central da perspectiva fenomenológica e existencial da liberdade. Nesse momento, abre-se uma discussão tanto dos novos fundamentos filosóficos trazidos por Sartre quanto de seus encaminhamentos iniciais a respeito da ética, da política e do direito. De tal fase do pensamento sartriano, o autor investiga inclusive textos raros e historicamente pouco estudados no que tange à possibilidade de compreensão de suas questões jurídicas.

Em uma segunda unidade, Silvio Luiz de Almeida avança na relação de Sartre com o marxismo. Trata-se de uma fase em geral descuidada pela investigação filosófica. A singular reflexão de Sartre a respeito do marxismo é posta em perspectiva pelo autor a partir da sua disposição em grandes eixos da própria tradição filosófica. De Hegel a Heidegger, as leituras sartrianas que relacionam marxismo e existencialismo são expostas em suas possibilidades, congruências, limitações e contradições.

É no vínculo entre direito e capitalismo que se revela a grande contribuição deste autor para o refinamento da leitura a respeito do direito em Sartre. Na melhor tradição de Marx e Pachukanis, Almeida busca captar a relação entre forma jurídica e forma mercantil. Aponta para uma possibilidade de tal reflexão a partir dos textos da fase pronunciadamente marxista de Sartre.

O autor problematiza a potencial contradição entre uma filosofia do sujeito em Sartre e uma filosofia que justamente reconhece no sujeito de direito o cerne da própria reprodução capitalista, como é o caso de Marx e Pachukanis. Em sua perspectiva filosófica, Almeida afasta o vínculo rápido e fácil que atrelaria Sartre a um último suspiro da filosofia da subjetividade moderna. O sujeito é compreendido em uma perspectiva ontologicamente indeterminada. Se ele é tomado como núcleo de sua filosofia, Sartre o faz como crítica ao sujeito, sendo exatamente isto que possibilitaria então, na visão de Silvio Luiz de Almeida, o caminho de uma crítica marxista do direito.

Dessa forma, o tensionamento promovido por Sartre no que tange ao sujeito, em busca de uma antropologia concreta, ficará explícito quando se procede à sua abordagem jurídica. Diz Almeida:

O sujeito sartriano só pode ser compreendido no interior de condições materiais historicamente determinadas, ao mesmo tempo que produz e é produzido por tais condições. Disso resulta que ele jamais pode ser considerado o sujeito de direito que tem a possibilidade de determinar-se pela vontade; o sujeito sartriano não pode determinar-se, pois ele é ontologicamente indeterminado. Para o autor, essa liberdade indeterminada independe do querer, porque o homem é Para-si e, por isso, não é. Não tem direitos nem valores intrínsecos: tem projeto. Tal indeterminação é incompatível com o sujeito de direito, determinação jurídica que corresponde à função (na medida em que determina o homem por um conjunto de exigências do campo prático). De tal sorte que tanto Sartre como Pachukanis colocam-se no campo da crítica do sujeito e, mais especificamente, do sujeito de direito.

Sartre: direito e política. São Paulo, Boitempo: 2016. p. 145.

Continuando a problematizar a perspectiva jurídica na visão sartriana, o autor reconhece, no entanto, que a vinculação entre Sartre e a tradição mais plena do marxismo jurídico se dá, em tais questões estruturais, por uma espécie de leitura de possibilidades.

Em uma terceira unidade temática, Almeida trata a respeito de questões instigantes e peculiares do pensamento de Sartre, ligadas tanto à sua reflexão filosófica quanto às suas posturas políticas e aos combates aos quais se ligou em vida. Temas como o da relação entre legalidade e violência, cultura burguesa e justiça, democracia e revolução são enredados pelo autor no contexto maior da reconstrução do pensamento filosófico sartriano. Por fim, Almeida traz à tona uma reflexão de Sartre sobre a política – e também o direito – no caso do Brasil, tendo a ditadura militar como pano de fundo.

Não da França, mas do Brasil, cujas contradições capitalistas são mais expostas e as ilusões jurídicas e políticas menos inebriantes, é que se dá o ensejo de uma grande obra crítica de prisma radical a respeito do direito no pensamento de Sartre, que ora se publica. A leitura marxista de Almeida se consolida no aparato mais pleno da crítica do direito. Partindo das referências de Marx e Pachukanis, o autor descobre um Sartre desconhecido até mesmo dos próprios sartrianos no que tange às suas potencialidades e limites.

Silvio Luiz de Almeida está entre os mais destacados juristas e filósofos da nova geração brasileira. Sua dupla formação – em Filosofia na Universidade de São Paulo (USP) e em Direito na Universidade Presbiteriana Mackenzie – faz dele um dos melhores leitores da filosofia do direito da atualidade. Sua dissertação de mestrado, por mim orientada – intitulada O direito no jovem Lukács: a filosofia do direito em “História e consciência de classe” e publicada pela Editora Alfa Omega –, empreende uma original leitura das questões jurídicas em um autor fundamental da história da filosofia marxista. Avançando nessa caminhada, Almeida agora abraça a totalidade do pensamento sartriano neste livro que é originalmente sua tese de doutorado, defendida na tradicional Faculdade de Direito da USP.

Filósofo, jurista, professor universitário e intelectual de destaque e intervenção na cultura e na sociedade – em uma trilha que foi a de Sartre –, este autor escreve páginas fundamentais para a compreensão filosófica de nossos tempos e para as lutas de transformação social.

IMG_4417

Onde encontrar?

***

Alysson Leandro Mascaro, jurista e filósofo do direito brasileiro, nasceu na cidade de Catanduva (SP), em 1976. É doutor e livre-docente em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Universidade de São Paulo (Largo São Francisco/USP), professor da tradicional Faculdade de Direito da USP e da Pós-Graduação em Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, além de fundador e professor emérito de muitas instituições de ensino superior. Publicou, dentre outros livros,Filosofia do direito e Introdução ao estudo do direito, pela editora Atlas, e Utopia e direito: Ernst Bloch e a ontologia jurídica da utopia, pela editora Quartier Latin e o mais recente Estado e forma política, pela Boitempo. É o prefaciador da edição brasileira de Em defesa das causas perdidas, de Slavoj Žižek, e da nova edição de Crítica da filosofia do direito de Hegel, de Karl Marx, ambos lançados pela Boitempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: