Manifesto do GT de Integração Regional e Unidade Latinoamericana e Caribenha (CLACSO) sobre a tentativa de golpe no Brasil

dilma manifestoPor Carlos Eduardo Martins.

Os pesquisadores do GT Integração regional e unidade latino-americana e caribenha de CLACSO, abaixo-assinados, vem manifestar o seu repúdio aos processos de desestabilização do governo da Presidente Dilma Rousseff, que pretendem impor um golpe de Estado no Brasil.

A desestabilização faz parte de uma ampla ofensiva internacional do imperialismo e seus aliados locais, de cerco e deposição dos governos de esquerda e centro-esquerda na América Latina e Caribe, buscando destruir conquistas sociais e violar a soberania nacional para impor um novo padrão regulatório neoliberal alinhado aos Estados Unidos. Trata-se de superexplorar e retirar de direitos dos trabalhadores, desnacionalizar recursos naturais estratégicos, como o Pré-Sal, isolar governos populares sul-americanos, desmontar os avanços na integração regional latino-americana e o desenho de uma geopolítica do Sul, que vem ganhando forte projeção com os BRICS

O projeto de golpe de Estado e de regime de exceção se desenvolve em vários níveis:

a) Na tentativa de deposição do governo de Dilma Rousseff, sem a existência de crime de responsabilidade por parte da Presidente que lhe dê respaldo constitucional;

b) Na perseguição ilegal ao ex-Presidente Lula, manifesta na violação pública do seu direito à intimidade, no uso ilegal de coerção policial para colher seu depoimento judicial e na formulação de acusações sem qualquer prova de infração, com o objetivo de cassar os seus direitos políticos e impedir a sua candidatura à Presidência da República em 2018;

c) Na pretensão de impor o parlamentarismo como regime político, extinguindo as eleições diretas para chefe de governo, por emenda constitucional, sem plebiscito, violando o princípio da soberania popular; e

d) Nas tentativas de criminalização dos movimentos sociais

Esta ofensiva se desenvolve a partir da articulação entre os monopólios privados dos meios de comunicação, em particular a Rede Globo de Televisão, e segmentos do Poder Judiciário e de um Parlamento fortemente comprometido com as grandes empresas e os delitos financeiros. Trata-se de utilizar a manipulação midiática da informação para gerar mobilizações de massa fascistas que amparem a violação da Constituição brasileira pelo Parlamento e o Judiciário, como tentou-se sem sucesso em 2002, na Venezuela, e logrou-se em 2009, em Honduras, e em 2012, no Paraguai.

Para responder a estas ameaças, o governo Dilma deverá impulsionar uma ampla mobilização popular em torno da defesa da legalidade, do aprofundamento das conquistas sociais e de uma agenda de desenvolvimento. Este é o único antidoto para barrar o regime de contra-insurgência que o imperialismo e a burguesia associada e dependente querem impor sobre a democracia reconquistada a sangue, suor e lágrimas, pelo povo brasileiro, na segunda metade dos anos 1980.


Alycia Puyana, Economista FLACSO – México
Alexis Saludjan, Economista UFRJ – Brasil
Camille Chalmers, Economista, Universidade de Porto Príncipe – Haiti
Carlos Eduardo Martins, Cientista Político, UFRJ – Brasil
Carlos Serrano Ferreira, Cientista Político, UFRJ – Brasil
Dario Salinas Figueiredo, Sociólogo, Universidade Iberoamericana – México
Didimo Castillo, Sociólogo, Universidade Autônoma do Estado do México
Eugenio Espinosa, Sociólogo, FLACSO – Cuba
Flavia Lessa Barros, Cientista Política, UnB – Brasil
Gerardo Caetano, Historiador e Politologo, Universidade da Republica – Uruguai
Gisele Lorena Gonzalez, Socióloga, Unicolombo – Colômbia
Idilio Mendez Grimaldi, Economista, SEPPY – Paraguai
Jaime Preciado Coronado, Sociólogo, Universidad de Guadalajara – México
Jorge Marchini, Economista, CIGES – Argentina
Judite Stronzake, Pedagoga, Escola Nacional Florestan Fernandes – Brasil
Julian Khan, Historiador, Universidad de Buenos Aires – Argentina
Lourdes Regueiro, Economista, Centro de Estudios de las Americas – Cuba
Mariana Aparicio Ramirez, Economista, Flacso – México
Maribel Apunte Garcia, Economista, Centro de Investigaciones Sociales – Porto Rico
Olga Maria Zarza, Socióloga, Centro de Estudos Rurais Interdisciplinarios – Paraguai.
Orangel Rivas, Economista, Ministerio de la Planificacion – Venezuela
Orlando Caputo Leiva, Economista, REDEM – Chile
Oscar Ugarteche, Economista, ALAI – Peru
Ramon Torres, Embaixador Itinerante do Equador – Equador
Raphael Padula, Economista, UFRJ – Brasil
Roberta Traspadini, Economista, UNILA – Brasil
Silvina Maria Romano, Cientista Política, UNAM – México
Verena Hitner, Socióloga, Centro de Estudios de Desarrollo – Venezuela
Wagner Iglecias, Cientista Político, USP – Brasil

***

Carlos Eduardo Martins é doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor do Programa de Estudos sobre Economia Política Internacional (UFRJ), coordenador do Laboratório de Estudos sobre Hegemonia e Contra-Hegemonia (LEHC/UFRJ), coordenador do Grupo de Integração e União Sul-Americana do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso). É autor de Globalização, dependência e neoliberalismo na América Latina (2011) e um dos coordenadores da Latinoamericana: Enciclopédia contemporânea da América Latina e do Caribe (Prêmio Jabuti de Livro do Ano de Não Ficção em 2007) e co-organizador de A América Latina e os desafios da globalização (2009), ambos publicados pela Boitempo. É colaborador do Blog da Boitempo quinzenalmente, às segundas.

4 comentários em Manifesto do GT de Integração Regional e Unidade Latinoamericana e Caribenha (CLACSO) sobre a tentativa de golpe no Brasil

  1. yuly pereyra // 14/04/2016 às 4:11 // Responder

    Desde Venezuela les expresamos nuestra solidaridad al Pueblo y Movimientos Sociales del Brasil. Mucha fuerza para la compañera Presidenta. Que el Internacionalismo y amor a la humanidad nos una a los Pueblos Nuestroamericanos. Solidaridad compañeros.

    Curtir

  2. Antonio Tadeu Meneses // 14/04/2016 às 11:17 // Responder

    O Governo do PT cometeu centenas de erros, destacando-se, a corrupção, a má gestão e falta de reação antecipadas às crises econômicas interna e externa, que levaram ao mal atendimento das necessidades da população. Que desde 2013 vinha manifestando nas ruas. Tudo isto fez desabar a popularidade do governo e da presidenta, gerando um forte desejo na maioria da população de retirá-la do poder. O impeachment e/ou “golpe” é só uma questão de oportunismo e manipulação dos interessados.

    Curtir

  3. João Coelho Rocha // 14/04/2016 às 17:26 // Responder

    Realmente esse é um grande Golpe, um retrocesso no país e na América Latina e uma série que poderá acontecer no Continente, temos que pulso forte por que rasgaram a Constituição Federal: deve-se dizer IMPEACHMENT NUNCA MAIS. CHEGA.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: