David Harvey: Brasil pós-eleições, entre a polarização nacional e a crise internacional

Entrevista especial com David Harvey.

O geógrafo britânico David Harvey, que desembarca no Brasil na semana que vem para o ciclo de conferências “A economia política da urbanização, concedeu recentemente uma entrevista à jornalista Eleonora de Lucena. Com o título “Prioridade de Dilma deveria ser a melhoria das cidades“, a entrevista foi publicada no caderno “Mercado” da Folha de S. Paulo no dia 1º de novembro, logo após o segundo turno das eleições presidenciais de 2014 que reelegeram Dilma Rousseff. Analisando a polarização interna do país, no rescaldo das manifestações de junho do ano passado, e no contexto de uma crise econômica global, Harvey tece considerações sobre o “ponto de virada” em que ele vê o Brasil pós-eleições e especula sobre os desafios e impasses pela frente, entre a reforma política de uma democracia ainda jovem e a reforma urbana que, desde o ano passado, vem protagonizando o debate público sobre as reivindicações sociais do país. Confira.

* * *

Qual sua visão do Brasil após as eleições?
Há um ponto de virada. Será interessante ver para onde Dilma vai virar. Ela pode procurar uma acomodação com a oposição e com os mercados, ou tentar satisfazer as demandas das pessoas que foram para as ruas e que desejam melhorias nos serviços públicos.

Os mercados reagiram negativamente à vitória de Dilma Rousseff. O que prever?
Bolsas de Valores sempre fazem coisas assim. O importante é ver a saída de capitais do país. Isso é que pode criar problemas. Os mercados caem, mas semanas depois estão novamente em alta. Fuga de capital é um problema mais sério. Se isso ocorrer, será preciso ver como Dilma responderia a essa situação.

Como ela deveria responder a essa pressão?
No curto prazo, acalmar os nervos do mercado. Mas ao mesmo tempo, o bem estar da população é fundamental. Ela deve usar o poder o Estado para desenvolver alternativas para a economia e os negócios e, assim, sustar uma eventual fuga de capitais.

Qual a importância da reeleição?
Estamos vivendo tempos difíceis na situação econômica do mundo, não só no Brasil. Geralmente, quando a economia não está indo muito bem, o partido de governo perde. Mas no Brasil isso não aconteceu. Foi uma eleição muito polarizada. Há tempos difíceis pela frente – por causa da economia e pela polarização de classes no país.

A polarização – que também ocorre nos EUA – não é inevitável numa sociedade tão desigual como a brasileira?
É preciso pensar em longo prazo. Quando a redemocratização chegou ao Brasil, foi feita uma aliança entre os governos democráticos e empreendedores e defensores da liberdade empresarial. Há uma tensão entre democracia e mercados. Penso que a sociedade brasileira hoje quer democracia, quer ser mais consultada sobre questões. Há muito descontentamento com a qualidade da vida urbana, com serviços públicos. De outro lado, o pessoal de mercado está preocupado com a acumulação de capital, em construir cidades que sejam mais lucrativas para uma parte da população.

A presidente foi reeleita e, ao mesmo tempo, houve a eleição de um Congresso mais conservador. Como analisar esse quadro?
É diferente o processo de eleição para os parlamentos e para a Presidência, onde são testados carisma, organização. Não me surpreende que os resultados tenham sido divididos.

Da uma perspectiva internacional, qual a importância da vitória de Dilma?
O capitalismo global não está indo muito bem. A Europa e Japão têm basicamente crescimento zero. EUA estão tentando fazer algo. O único lugar que realmente está se expandindo é a China, mas a taxa de crescimento está declinante. O que significa que países conectados com o comércio com a China, como o Brasil, Austrália, estão numa situação de quase estagnação. Vai ser extremamente duro superar a situação de estagnação de longo prazo da economia mundial.

Teremos muita sorte se o crescimento mundial for de 2%; em muitas partes ele será zero. Devemos ficar nessa situação por anos. A questão é saber como os diferentes países vão responder a isso.

Há países que inovaram e lidaram com essa estagnação de uma forma positiva para a população. É significativo o que está acontecendo na América Latina com a reeleição de Evo Morales, na Bolívia, e com Dilma, no Brasil. Há iniciativas que podem ser tomadas de uma perspectiva de centro-esquerda.

Apesar de a economia global estar deprimida, classes afluentes estão indo bem. Os bilionários estão fazendo muito dinheiro. O 1% [mais rico] está muito bem, mas a situação não é boa para o resto da população. A questão é como reformas políticas podem enfrentar essa situação. O significativo da reeleição é que Dilma poderá apresentar um pacote de reformas políticas e estratégias econômicas.

Por exemplo, o que ela deveria fazer?
Uma das fontes de descontentamento do mundo inteiro é a falta de qualidade da vida cotidiana nas cidades: transporte, educação, saúde, casas decentes. Eu digo: faça um projeto urbano de desenvolvimento, que não tem nada a ver com megaprojetos, estádios. Melhore a vida cotidiana da massa da população.

Em relação a governos anteriores, Dilma teve uma relação mais distante em relação aos EUA. Qual deve ser a real reação americana à reeleição?
Nos últimos dez ou 15 anos, a tendência geral na América Latina é de tomar distância, de ter um maior grau de autonomia em relação aos EUA. Algumas vezes, isso aconteceu de forma mais estridente, como com Chávez. Em outras, de uma forma mais calma, como no caso do Brasil. Mas, de todo modo, a América Latina está construindo mais autonomia.

Acho que poderia até atuar mais como um bloco regional, promovendo mais acordos e alianças entre os governos latino-americanos. Isso poderia ser mais forte do que vem sendo. As reformas de centro-esquerda foram muito significativas. Reduziram da pobreza no Brasil, no Equador, na Bolívia, e o desenvolvimento espalhou benefícios para o resto da população. Se essa tendência vai continuar depende das dificuldades econômicas que serão confrontadas nos próximos anos. A América Latina em geral é um exemplo de continente que está seguindo um tipo diferente de estratégia econômica, diferente daquela que geralmente favorece as finanças internacionais.

Mas o crescimento é baixo e o ciclo de altos preços das commodities acabou. O que fazer? Qual a margem de manobra para superar essa situação?
Por causa do crescimento menor na China, os preços das commodities tendem a baixar, a demanda é declinante. Será mais fácil fazer algo se todos os países latino-americanos trabalhassem juntos e de forma mais coerente do que ocorre hoje.

Poderia haver mais colaboração e cooperação efetivas. Por exemplo, Brasil e Argentina: há ainda muito nacionalismo e competição, mas pouca colaboração e cooperação. Colaboração e cooperação podem ser muito importantes para que a América Latina enfrente, em grande escala, os problemas colocados pela economia global.

Um ponto fundamental na disputa política brasileira é o pré-sal. Como o país deve lidar com essa reserva?
É crucial para qualquer país manejar seus recursos. Assegurar que não haja excesso de extração, investir no desenvolvimento, ou seja, não depender da extração para sobreviver. A Noruega fez muito bem.

***

David Harvey vem ao Brasil em novembro para lançar o volume final de seu guia de leitura da obra máxima de Karl Marx: Para entender O Capital: Livros II e IIIEntre os dias 14 e 19 de novembro, ele passa pelas cidades de Brasília, Recife, Fortaleza, Curitiba e São Paulo, em conferências, debates e sabatinas sobre a economia política da urbanização capitalista. Clique na imagem para conferir a programação completa das cinco conferências abertas do geógrafo no Brasil, informações de inscrição e orientações gerais.

FLYER GERAL

***

O enigma do capital, e as crises do capitalismo, de David Harvey está disponível em ebook na Gato Sabido e livrarias Cultura e Travessa, dentre outras. Confira a relação completa de ebooks da Boitempo Editorial e onde adquiri-los clicandoaqui.

Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas, está disponível em ebook por apenas R$ 5,00 aqui.

Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil, também em ebook por apenas R$ 5,00 nas livrarias Amazon, Travessa,Saraiva e Google Play, entre outras! Livro impresso por R$10,00 nas livrarias Saraiva, Travessa e Cultura, entre outras!

Para entender O capital, livro I, de David Harvey, está disponível em ebook nas livrarias Travessa e Amazon, entre outras.

Os limites do capital, de David Harvey, está disponível em ebook nas livrariasTravessa e Amazon, entre outras.

***

David Harvey é um dos marxistas mais influentes da atualidade, reconhecido internacionalmente por seu trabalho de vanguarda na análise geográfica das dinâmicas do capital. É professor de antropologia da pós-graduação da Universidade da Cidade de Nova York (The City University of New York – Cuny) na qual leciona desde 2001. Foi também professor de geografia nas universidades Johns Hopkins e Oxford. Seu livro Condição pós-moderna (Loyola, 1992) foi apontado pelo Independent como um dos 50 trabalhos mais importantes de não ficção publicados desde a Segunda Guerra Mundial. Seus livros mais recentes são O enigma do capital, Para entender O capital, livro I , e O novo imperialismo.

1 Trackback / Pingback

  1. David Harvey: Brasil pós-eleições, entre a polarização nacional e a crise internacional | EVS NOTÍCIAS.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: