A acumulação do horror e o horror da acumulação | Uma entrevista com Silvia Viana

14.07.24_Silvia Viana_A acumulação do horror e o horror da acumulaçãoPor Silvia Viana.

A socióloga Silvia Viana, autora de Rituais de sofrimento concedeu uma entrevista ao jornalista Mauricio Duarte para a Revista da Cultura de julho. Elaborada na efeméride dos 100 anos da Primeira Guerra Mundial, a matéria convidava três pensadores brasileiros (Silvia Viana, Luis Felipe Pondé e Maria da Graça Marchina Gonçalves) a refletirem sobre nossa relação com o horror e o sofrimento. Na matéria publicada, intitulada “A sangue frio“, as considerações de Silvia Viana aparecem polemizando com um lugar comum expresso em uma afirmação de Pondé – “Há um sadismo humano e um fascínio pelo sofrimento. Às vezes erótico, outras vezes metafísico” – e em seguida em um comentário sumário sobre a normalização e a comercialização do sofrimento nos reality shows contemporâneos. A entrevista completa, contudo, é muito mais extensa que o espaço disponibilizado pela revista. Publicamos, abaixo, o texto integral enviado pela autora ao Blog da Boitempo:

***

1. Por que o ser humano é atraído pelo horror ou por situações macabras, que geralmente envolvem o sofrimento alheio?

O fato de sempre imputarmos aos outros a atração pelo sofrimento alheio já é indício de que essa afirmação, tida hoje como fato inelutável, deve ser questionada. Podemos facilmente contrapor esse pressuposto pétreo à repulsa que, em tantos, e em nós mesmos, tais situações são capazes de gerar. Então, a questão que nos devemos fazer não é o que nos atrai, mas o que nos leva a crer que tal atração é constitutiva do ser humano.

Não é fácil, aliás, muito pelo contrário, é agoniante assistirmos passivamente à agonia: ela respinga sua própria substância ao redor. À exceção dos psicopatas – cuja incapacidade de refletir sofrimento é mesmo excepcional –, a indiferença diante do horror não é algo natural e sim o resultado de uma construção social. Tanto assim que a mesma sociedade que enxerga nas manifestações de rua, e seu saldo de vidros quebrados, uma violência inaceitável, é capaz de destilar a demanda por mais pernas quebradas; uma exigência que pode, do mesmo modo, arrefecer ou virar de cabeça para baixo quando o terror estatal e espetacular, sabe-se lá mediante qual contra poder subterrâneo, toca os juízos; então se faz necessário um novo dispositivo para a dupla produção, de indiferença diante das pernas e de compaixão pelas vitrines: “há uns e outros, e os outros merecem…”. O outro sempre merece, não obstante ser objeto infinitamente intercambiável, tornando-se passível de ser machucado ao sabor da dominação. Até que, de vez em quando, ele morre na contramão e o olhar do mundo torna-se capaz de se desviar do tráfego, pois sua última agonia transborda a contrapelo: Amarildo e Douglas não são exceções, o fato de sua dor ser socialmente sentida, sim. Então, mais uma vez, como uma maldição, o mecanismo de distanciamento é reativado: “mas eles eram trabalhadores, já os outros…”.

Há uma lógica social que calibra os campos da indiferença e do intolerável. Apesar de se tornar mais explícita em momentos de viravolta insurgente, ela permanece despercebida por ser segunda natureza. É dessa perspectiva que devemos abordar as infindáveis provas e contraprovas desse nosso suposto “fascínio” pelo horror: que lógica o materializa?

2. O fascínio que esse tipo de situação causa nas pessoas não é um fenômeno novo. Porém, existe alguma particularidade referente ao modo como ele é percebido atualmente?

Antes de qualquer coisa, precisaríamos definir o tipo de situação à qual nos referimos. Se pensarmos nas situações cruéis e/ou bizarras levadas a cabo em reality shows, por exemplo, a questão a ser posta é: até que ponto os programas são socialmente sentidos como tal. Não que a brutalidade não esteja explícita, pelo contrário ela é propalada pela própria propaganda, que nos promete embates violentos a cada temporada, que sublinha o sofrimento dos participantes a cada rodada, que enaltece o sangue frio dos “vencedores” etc. Contudo, a paixão pelo horror não passa disso: propaganda de um produto cujo consumo não pode ser tido como atestado de fascinação. Pelo contrário, os programas são tão descartáveis quanto seus participantes, e a compulsão febril cessa assim que é encenado o último “paredão”.

Contudo, tal constatação é, ou deveria ser, ainda mais assustadora que o pressuposto de sua questão, pois se trata de uma brutalidade perpetrada e acompanhada mecanicamente. A novidade está nisso, na “banalização do mal”, entendida aqui em seu sentido original. Ou seja, não se trata da mera proliferação da crueldade, mas no fato dela ocorrer desprovida de qualquer paixão – política, guerreira, estética, sádica etc. – afinal, “é só um jogo”. O escândalo causado por Hannah Arendt, ao cunhar o termo, estava precisamente na percepção de que Eichmann não era um monstro, mas apenas um funcionário ordinário cumprindo suas funções ordinárias, no caso, a logística ferroviária. Arendt nada mais fez que traduzir a ética profissional específica do III Reich que, logo em seus primeiros anos, expulsou de suas fileiras todos aqueles que gozavam com o sangue alheio, substituindo-os por técnicos e gestores competentes. Como essa ética voltou a funcionar, ainda que com outro aspecto e novas facetas, é a questão que devemos nos fazer caso ainda consideremos o horror horrível.

3. Qual é o papel da imprensa e da mídia em geral nisso tudo?

Não há nada na transmissão televisionada da crueldade que já não tenha sólido assentamento em nossa reprodução social. Então a questão jamais deve ser posta, em primeiro lugar, do lado de lá da tela. Se a “banalidade do mal” não tivesse se tornado estrutural, nada disso seria palatável – em casos como os reality shows, não seria sequer compreensível. A eliminação aleatória de pessoas que concorrem ferozmente entre si por uma única vaga só faz sentido na TV quando as relações de produção tomam exatamente a mesma forma. Também nós “batalhamos” cotidianamente para “sobrevivermos” em um mercado de trabalho cada vez mais seleto – ou pelo menos assim rezam nossos rituais cotidianos, sejam eles espetacularizados ou não. A mídia reafirma e reforça essa lógica, o que não é pouco, mas jamais será o suficiente caso não haja uma estrutura social que a sustente. Por exemplo: a aflição de uma senhora entrevistada no ponto de ônibus, graças a uma manifestação, não é uma manipulação ideológica banal, ela só adquire peso coercitivo por estar pautada na coerção real de um “paredão” que parece mais próximo em dias de atraso. Nessa entrevista-chavão podemos vislumbrar a baliza que separa a crueldade ignorada daquela vivenciada como insuportável: as horas de vida desperdiçadas em posição estressante em um trem lotado para que se alcance nada mais que a possibilidade de continuar sobrevivendo são “parte da vida”, não nos parecem horripilantes. O adjetivo cabe, ao contrário, para a violência política posta na ação de frear esse movimento brutal e autopropulsionado.

A partir dessa cena, que de “macabra” aparentemente não tem nada, talvez possamos começar a entender a comiseração diante de vidros quebrados que, ao mesmo tempo, brada por mais pernas quebradas. A imprensa pode ninar cuidadosamente tal ressentimento, mas foi a precarização, do trabalho e da existência que gira a seu redor, que o pariu. A violência aceitável é a que toma a vida inteira, ela é ordinária, cotidiana, profissional: é aquela do participante de programa de TV que não quer ser eliminado; do gestor que precisa demitir mais e melhor; do porteiro que recusa a entrada de alguém com quem compartilha a cor da pele; do policial que nada mais faz senão “cumprir o seu dever” – e há aqueles que creem poder realizar essa tarefa de modo mais eficiente, acorrentando o outro da vez ao poste, pelo pescoço, com uma trava de bicicleta. À âncora do jornal não cabe muito mais que aplaudir o “trabalho bem feito”.

***

Rituais de sofrimento, de Silvia Viana, já está disponível em versão eletrônica (ebook), por metade do preço do livro impresso na Gato Sabido e na Travessa entre outras. Confira abaixo, o Booktrailer do livro.

No dia 5 de maio de 2014, Silvia Viana participou do debate de lançamento de O novo tempo do mundo, de Paulo Arantes, com o autor e com o historiador Jorge Grespan. Confira a gravação completa do evento:

***

Silvia Viana é professora de sociologia da FGV-SP. Graduada em ciências sociais pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP), possui mestrado e doutorado pela mesma instituição. Além de corintiana, é autora de Rituais de sofrimento, pela coleção Estado de sítio da Boitempo. Colabora com o Blog da Boitempo mensalmente, às sextas.

1 comentário em A acumulação do horror e o horror da acumulação | Uma entrevista com Silvia Viana

  1. Enviada do meu iPad

    >

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: