Cercas, muros e silêncios

13.10.29_Dunker_Pilar[Andrés Boerzi, Ese maldito Pozo. Imagem a partir de exposição fotográfica sobre um dos Centros Clandestinos de Detenção da ditadura militar argentina conhecido como “el Pozo de Banfield”]

Por Christian Ingo Lenz Dunker.*

Kwame Anthony Apiah, um dos renovadores do pensamento liberal contemporâneo, em sua recente conferência em São Paulo, apontou que o modo como “sabemos” de certas situações que envolvem vergonha, humilhação e desonra nos levam a efeitos sistêmicos corrosivos em termos de sentimentos morais. São aquelas pequenas ou grandes situações em relação às quais sabemos que algo está errado, mas não sabemos suficientemente de modo a produzir uma reação transformativa. O filósofo de origem anglo-ganesa lembra que quase 1% da população americana encontra-se encarcerada, sujeita a abuso sexual e desrespeito continuado. Guantánamo, uma prisão americana “fora da lei” em território cubano, não é apenas uma anomalia política ou um impasse jurídico, mas também uma espécie de bomba de retardo e dispersão moral. “Saber” que isso ocorre entre “nós” nos torna moralmente piores, mesmo que tentemos nos convencer de que não há nada a fazer. Obviamente tudo depende do que significa “saber” e “nós”. Saber da existência de atrocidades nos faz recuar a extensão de “nós”, como se automaticamente tivéssemos que nos defender atribuindo a origem e responsabilidade da tragédia a “eles”. Esta estratégia pode ser chamada de cercamento, pois isola e determina o mal-estar em uma área exterior, visível e controlada, comprimindo e protegendo o “nós” em um território interior.

O livro Poder e desaparecimento (Boitempo, 2013), de Pilar Calveiro, sobre as experiências de desaparecimento de pessoas, vivida pelos argentinos durante o regime militar, também aborda esta patologia do “saber”. A população argentina sabia da existência dos campos de concentração. Filhos, parentes e conhecidos subitamente “sumiam”, mas o fenômeno estava sujeito a uma estranha nuvem de imobilização e desamparo. Neste caso não é o tamanho do “nós” que diminui, mas é a extensão do “saber” que fica retida por uma espécie de muro de mal-estar atrás do qual tudo o mais é invisível. Como se o que não podemos ver, não pudéssemos também saber.

Daniela Arbex, autora de Holocausto brasileiro (Geração Editorial, 2012) também aborda o problema do “saber” sem saber, ao investigar a colônia psiquiátrica de Barbacena. Ali, milhares de doentes mentais, errantes, pobres e inimigos políticos do Estado foram “desaparecidos”. Mais de 60 mil mortes ocorridas em meio a maus tratos, eletrochoques e descaso testemunham o que o italiano Franco Basaglia, idealizador da reforma psiquiátrica, chamou de “campo de concentração à brasileira”. Neste caso temos as duas estratégias combinadas: a extensão indeterminada do “eles”, delimita o acervo de nossos adversários morais, que cercamos do lado de fora; e os muros, não nos deixam saber sobre os rastros de memória daqueles que desaparecem.

Reencontramos aqui as duas patologias sociais descritas por Hegel em inícios do século 19, quando a literatura romântica começa a ocupar o espaço das narrativas religiosas na formação de nossos sentimentos morais: a solidão, que associamos ao cerco e o isolamento que decorre dos muros. No primeiro caso nossa defesa será a impotência (“o que podemos fazer diante disso, uma vez que somos tão poucos ou tão fracos”). No segundo caso nosso recuo apela para nossa distância com relação à responsabilidade (“isso diz respeito ao poder público e ao Estado, que “sabe” e tem a devida competência para agir”). A confluência entre muros e cercas é naturalmente o silêncio, por meio do qual nos recolhemos à nossa pequenez individual (o menor “nós” que pode haver) e ao sentimento de que no fundo não sabemos direito o que está acontecendo por trás dos muros. E quando a equizoidia dos cercos se casa com a paranoia dos muros isso nos leva ao silêncio melancólico.

* Publicado originalmente em 24.10.2013 na revista Mente e cérebro.

***

Pilar Calveiro no Brasil

Durante esta semana, Pilar Calveiro estará no Brasil para debater Poder e desaparecimento com Paulo Arantes, Janaína Teles e Maria Helena Capelato. Ao todo, ela participa de três atividades gratuitas e abertas ao público na Alesp, na USP e na PUC do Rio de Janeiro. Saiba mais aqui.

***

Leia também “Esquecimento, memória e desaparecimento do poder desaparecedor“, de Marcus Orione, sobre Poder e desaparecimento, no Blog da Boitempo.

***

Christian Ingo Lenz Dunker é psicanalista, professor Livre-Docente do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), Analista Membro de Escola (A.M.E.) do Fórum do Campo Lacaniano, fundador do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da USP, autor de Estrutura e Constituição da Clínica Psicanalítica (AnnaBlume, 2011) prêmio Jabuti de melhor livro em Psicologia e Psicanálise em 2012. Desde 2008 coordena, junto com Vladimir Safatle e Nelson da Silva Junior, o projeto de pesquisa Patologias do Social: crítica da razão diagnóstica em psicanálise. Colabora com o Blog da Boitempo esporadicamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: